Socialista Morena
Feminismo

Negras, latinas, muçulmanas e indígenas ganham espaço na Câmara dos EUA

Disputa também teve primeiro governador gay eleito; imprensa do país já fala em uma vitória histórica das minorias

Deb Haaland e Sharice Davids, primeiras indígenas eleitas para o Congresso. Foto: reprodução twitter
Cynara Menezes
08 de novembro de 2018, 18h41

A eleição para o Congresso dos EUA é mais um indício do protagonismo que as mulheres terão na luta contra o fascismo em ascensão no mundo. As novas vozes progressistas ganharam espaço sobretudo na Câmara dos Deputados, como ocorreu no Brasil em 2018: negras, indígenas, latinas e muçulmanas foram eleitas, e a imprensa norte-americana já fala em uma vitória histórica das minorias. Haverá mais mulheres na Câmara (mais de 100) na próxima legislatura do que nunca. Pelo menos 87 delas são democratas.

Em dois Estados, Connecticut e Massachusetts, mulheres negras foram eleitas para a Câmara pela primeira vez na história: Jahana Reyes, uma ex-professora secundária, e a ativista Ayanna Pressley. Não é incrível que em mais de 200 anos de independência só agora isto tenha acontecido? O Texas, onde 40% da população têm origem hispânica, também elegeu pela primeira vez duas representantes latinas, uma para o Senado (Veronica Escobar) e outra para a Câmara (Sylvia Garcia). O Novo México também elegeu uma mulher latina, Xochitl Torres Small.

Rashida Tlaib e Ilhan Omar se tornaram as primeiras muçulmanas a serem eleitas para a Câmara na história do país. Ilhan, de origem somali, primeira refugiada deputada, também se tornou a primeira congressista a usar um hijab na Câmara dos Representantes ever. Duas mulheres indígenas foram eleitas pela primeira vez: Sharice Davids, da nação Ho-Chunk, e Deb Haaland, de Pueblo Laguna, Novo México. Ex-lutadora de MMA, Davids, que é lésbica, também será a primeira representante LGBTI no Congresso da história do Kansas.

O Partido Democrata elegeu ainda as duas mulheres mais jovens a entrar no Congresso: a socialista democrática Alexandria Ocasio-Cortez e Abby Finkeneuer, ambas com 29 anos. Finkeneuer, ao lado de Cindy Axne, se tornou uma das duas mulheres eleitas deputadas pelo Yowa pela primeira vez.

Os LGBTs também fizeram história ao eleger o também Democrata Jared Polis, primeiro gay assumido a se tornar governador de Estado, no Colorado. Segundo algumas projeções, pelo menos 100 candidatos declaradamente LGBTs foram eleitos agora.

É a famosa lei da física: ação e reação. Se a extrema-direita ataca as minorias, é natural que elas cresçam e combatam a extrema-direita.

 

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos, Maconha

Plantando maconha para a vitória


Nos anos 1980, um filme de 14 minutos começou a circular entre os ativistas norte-americanos pró-liberação da maconha: nele, o Departamento de Agricultura do governo dos Estados Unidos pedia ao país que plantasse cânhamo (a…

Politik

“A culpa é do PT” até na hora de levar tiro


Está na hora de a direita verdadeiramente democrática erguer a voz contra os fascistas e não de incitar mais violência culpabilizando a vítima