Socialista Morena
Direitos Humanos

O Homem da Máscara de Ferro: Justiça proíbe Cabral de dar entrevistas

O desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, negou o pedido do ex-governador justificando que queria "proteger" Cabral do sensacionalismo

Cena do filme O Homem da Máscara de Ferro, de 1939
Cynara Menezes
30 de agosto de 2017, 16h45

A Justiça do Rio de Janeiro negou hoje, em segunda instância, um pedido do ex-governador Sérgio Cabral, em prisão preventiva desde novembro de 2016, para dar entrevista à imprensa. O desembargador Abel Gomes, da Primeira Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), negou a liminar justificando que queria “proteger” Cabral do sensacionalismo. Condenado a 14 anos e dois meses de prisão pelo juiz responsável pela Lava-Jato, Sérgio Moro, o ex-governador está atualmente detido em Benfica, no centro do Rio.

“É dever do juiz, nas circunstâncias e condições pessoais do paciente, um ex-governador do Estado, por duas vezes eleito pelo voto popular, político que também já ocupou cadeira no Legislativo estadual e federal, assegurar-lhe a proteção contra qualquer forma de sensacionalismo, nos termos do art. 41, VIII da LEP, o que diante do contexto não está excluído de que possa ocorrer”, disse o desembargador em seu despacho.

Ocorre que os advogados de Cabral alegam que ele quer dar a sua própria versão dos fatos, já que o Ministério Público Federal e o próprio juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, puderam se manifestar publicamente, na imprensa, sobre o caso, e ele não. Seria uma questão, portanto, de tratamento isonômico das partes. O desembargador rebateu o argumento de violação do tratamento isonômico, dizendo que a Lei de Execuções Penais (LEP), que regula as prisões provisórias, não prevê entrevistas a veículos de comunicação – mas também não proíbe. Na verdade, não há nada que proíba um preso de conceder entrevista.

O juiz Marcelo Bretas negou o pedido alegando que “não há interesse público” em uma entrevista com Sérgio Cabral, mas não informou em que pesquisa se baseou para fazer a afirmação

Um requerimento anterior já havia sido negado pelo juiz Bretas, da Lava-Jato no Rio, argumentando que “não há interesse público” na concessão de entrevista por Cabral, especialmente porque as informações referentes ao processo estão disponíveis para a imprensa. O juiz, porém, não informou em que pesquisa se baseou para afirmar que o público não quer ouvir a versão do ex-governador. Bretas é o juiz que estava ao lado de Moro, esta semana, durante a estréia do filme A Lei É Para Todos (sic), sobre a Lava-Jato.

Os jornais O Globo e Folha de S.Paulo haviam solicitado entrevista com Sérgio Cabral. O SBT pediu entrevista com o empresário Eike Batista e o juiz Bretas também negou. Segundo Bretas, o interesse da imprensa é “obter do ora réu a revelação de algum dado novo, com exclusividade”, e que, se Cabral e Eike quiserem falar, que procurem policiais federais. A pergunta é: mas essas “entrevistas” serão divulgadas?

O desembargador que confirmou a sentença de Bretas disse que sua decisão não atinge o direito à ampla defesa do réu, “cujo exercício se dá exclusivamente dentro do processo e não através dos meios de comunicação, de modo que além da ausência do direito líquido e certo não vislumbro ilegalidade ou teratologia (aberração) na decisão impugnada.”

Corruptos ou não, os presos da Lava-Jato cada vez mais se assemelham ao Homem da Máscara de Ferro da lenda: longe dos olhos do público, são impedidos até de falar.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Pelo mesmo crime de Azeredo, 4 petistas já foram presos; pela Lava-Jato, 5


É patética a tentativa da mídia comercial de comparar o caso do ex-governador tucano com o de Lula

Mídia

Ditadura? Governo de Israel quer proibir Al Jazeera de atuar em Jerusalém


Se fosse o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que estivesse proibindo uma emissora estrangeira de atuar no país iam chamá-lo mais uma vez de "ditador". Israel, ao contrário, se gaba de ser "a única democracia…