Socialista Morena
Cultura

O medo do subcomandante diante da agulha

Em carta, líder mexicano confessa ter pavor de injeção, igualzinho a mim

Cynara Menezes
21 de outubro de 2012, 16h43

Eu considero o subcomandante Marcos, líder do Exército Zapatista de Libertação Nacional, uma das mais fascinantes (e misteriosas) figuras da esquerda mundial. Guerrilheiro e escritor, tem mais de 20 livros publicados, inclusive histórias para crianças. E é disso que quero falar.

Do pouco que li sobre Marcos, tem uma informação que me deixou feliz e ao mesmo tempo estupefata. Aquele mexicano valente confessa ter pavor de injeção, igualzinho a mim. Ele diz que seu colega, o “coronel insurgente” Moisés, costuma apresentá-lo como “parte das crianças zapatistas”.

“Com os meninos e meninas compartilho a fobia às injeções e o gosto por contos e histórias”, escreveu o subcomandante. Entidades médicas protestaram, dizendo que ele estava prestando um desserviço

“Talvez para desafiar o calendário, os zapatistas cumprem anos ao contrário, e em lugar dos 515 anos que tenho na minha certidão de nascimento, cumpri cinco anos agora e entrei no sexto, ou seja, tenho 7 anos. Pode ser, depois de tudo que demonstrou o zapatismo, que muitas coisas que pareciam impossíveis se tornam possíveis com imaginação, inventiva e audácia. Em defesa do meu absurdo calendário posso dizer que com os meninos e meninas compartilho a fobia às injeções e o gosto por contos e histórias”, escreveu o subcomandante.

Em uma carta escrita ao amigo René Villanueva em 2000, Marcos se estende sobre o tema “medo de agulhas”. Em tom de protesto, o subcomandante  diz não entender por que ainda hoje existem as injeções. Eu também não entendo.

Foi o maior bafafá no México quando veio a público a notícia de que Marcos é contrário às injeções. Entidades médicas protestaram, dizendo que ele estava prestando um desserviço. Pois eu acho belo quando homens feitos confessam as suas fraquezas. Ainda mais quando isso vem de um guerrilheiro que vive nas selvas profundas.

A carta:

“Irmão René:

Por aqui ficamos sabendo que você está doente. Nestas terras, quando alguém tem um parente (porque você é um parente de todos nós, zapatistas) que está doente, temos o costume de fazer com que lhe ministrem todos os remédios possíveis (e os impossíveis também) para que fique curado. Como estar doente é algo comum e freqüente nestas montanhas, por todos os lados há um vaivém de receitas que abundam em xaropes, chás, poções, comprimidos, vapores e, horror!, injeções.(…)

Como você é nosso irmão, não podemos dar-lhe qualquer coisa. Muito menos se esta ‘coisa’ é uma injeção, este sofisticado instrumento de tortura que, apesar de estarmos prestes a entrar no terceiro milênio, ainda não foi proibido por nenhuma organização mundial de nenhum tipo. Por aqui, por exemplo, Olivio propôs que uma palavra de ordem para a marcha das mulheres zapatistas do próximo dia 08 de março seja ‘Chocolates sim, injeções não!’. Eu falei para ele que não rimava, e ele me respondeu que as injeções não rimam com nada mesmo e, ao contrário, ‘chocolates’ rima com ‘brinquedos’ (no original. ‘chocolates’ rima con ‘juguetes’).

Como estar doente é algo comum e freqüente nestas montanhas, por todos os lados há um vaivém de receitas que abundam em xaropes, chás, poções, comprimidos, vapores e, horror!, injeções

Não, senhor, não lhe podemos dar injeções. Claro que tampouco podemos lhe dar os chocolates. Não só porque Olivio os devorou, mas também porque com certeza chegariam todos derretidos. Por isso, consultamos nosso livro especial de medicina que se chama Remedios y Recuartos e encontramos algo que, ainda que não te cure, com certeza não vai te deixar pior (o que nestes tempos de ‘medicina moderna’ já é uma vantagem): um abraço! Todos e todas nós te mandamos um abraço. Pode ser aplicado a seu critério, mas não abuse senão vai acabar causando dependência e abraços como este que te mandamos existem muito poucos.

(…)

Até mais. Saúde e não esqueça que os abraços devem ser como os olhares: amplos e limpos.

Das montanhas do Sudeste Mexicano

Subcomandante Insurgente Marcos

México, fevereiro de 2000″

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(5) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

annaludmilla em 22/11/2013 - 01h48 comentou:

Adorei. Abraços sem injeções para os dois ! rs

Responder

Cleide Portella em 22/11/2013 - 01h56 comentou:

http://www.youtube.com/watch?v=73nUFvpVrrk

Responder

João Carlos Correia em 22/11/2013 - 03h10 comentou:

Muito bom texto. Aliás, o seu blog é um dos pouquíssimos que divulgam o Subcomandante e o movimento zapatista. Uma sugestão: que tal um texto falando justamente sobre esse tema para esclarecer aqueles que pouco ou nada sabem sobre o assunto?

Responder

Denilson Oliveira em 22/11/2013 - 15h36 comentou:

Oi Cynara. Queria entender melhor o movimento zapatista. Você tem indicações de leitura sobre o assunto?

Responder

Caetano Tola Biasi em 23/11/2013 - 00h06 comentou:

Sem dúvida a figura mais encantadora da esquerda atual. O carisma e o trabalho com a própria imagem são dignos de um grande líder. Não deixa de ser um mito encarnado.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Justiça ordena que Danilo Gentili explique acusação contra Lula


Uma decisão em segunda instância do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que o “humorista” Danilo Gentili, atualmente no SBT, explique formalmente de onde tirou a informação que baseou uma mensagem publicada por ele…

Kapital

Os paneleiros ricos voltaram a viajar para Miami e Europa. E os pobres?


Gastos de brasileiros em viagens ao exterior chegaram a 1,595 bilhão de dólares em novembro, um aumento de 32,5% em relação ao ano passado