Socialista Morena
Politik

Prestes a se tornar inelegível no TSE, Bolsonaro, que sempre foi Raquel, finge ser Ruth

Tudo indica que está em curso a operação "Bolsonarinho paz e amor", para tentar repaginar o brucutu fã da ditadura e da tortura em vítima de perseguição

Ruth e Raquel de Glória Pires e de Bolsonaro. Fotos: reprodução
Cynara Menezes
28 de junho de 2023, 17h47

Às vésperas de se tornar inelegível pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Jair Bolsonaro nem parece o mesmo político arrogante, destemperado e irritadiço que destratava jornalistas durante os quatro anos em que ocupou a presidência do país. Nos últimos meses, o ex-presidente tem aparecido chorando, humilde, vitimista. Até desculpas ele já pediu. Para usar um paralelo em alta com a reprise de Mulheres de Areia, Raquel está fingindo ser Ruth.

A novela de Ivani Ribeiro foi exibida pela primeira vez em 1993 e, para comemorar os 30 anos de um dos maiores sucessos de sua teledramaturgia, a Globo está exibindo a trama pela quarta vez durante as tardes. As gêmeas vividas por Glória Pires voltaram a povoar o imaginário do brasileiro: Ruth, a gêmea boa, e Raquel, a má. O ingênuo da trama é o namorado de Ruth, Marcos, personagem de Guilherme Fontes, incapaz de reconhecer quem é quem, já que o jogo de Raquel é se fazer passar pela irmã boazinha.

Se Bolsonaro fosse uma das gêmeas, seria a pérfida, mentirosa e ambiciosa Raquel; mas o julgamento no TSE fez ele querer se passar pela honesta, amorosa e chorona Ruth. Já Marcos é o bolsominion típico, que não consegue enxergar perversidade em seu mito

Se Bolsonaro fosse uma das gêmeas, seria a pérfida, mentirosa e extremamente ambiciosa Raquel, que se acha merecedora de um lugar ao sol por direito e que não sente empatia alguma pela dor do próximo. Só a possibilidade de se tornar inelegível foi capaz de fazer o ex-presidente mostrar um lado “bonzinho” e se transformar na sincera, honesta, amorosa e chorona Ruth, a vítima inocente da maldade humana. Já Marcos é o bolsominion típico, que não consegue enxergar perversidade em seu mito.

Desde que o julgamento no TSE apareceu no horizonte, a desconhecida faceta “sensível” de Bolsonaro agora aparece a todo momento. No início do mês, ele pediu “perdão” por ter divulgado novamente fake news sobre a vacina ao dizer que ela causa problemas nos testículos por conter “dióxido de grafeno”. Com medo de se prejudicar no julgamento, o ex-presidente invocou o lado Ruth: “Houve um equívoco da minha parte. Mais uma vez lamento o falado e peço desculpas”.

Os choros se tornaram frequentes. O capitão “durão” cedeu lugar ao manteiga derretida que se debulhou em lágrimas em março na posse da esposa, Michelle, no PL Mulher, e ao falar sobre a acusação de adulteração do cartão de vacinação da filha, em maio. O episódio mais recente do choro de Bolsonaro foi durante uma fala da ex-primeira-dama em um evento do PL em Rondônia, no último sábado, 24 de junho. “Não é um grande bom dia porque não acordei contigo”, disse ele à mulher, fofo como nunca se viu.

Na semana do julgamento, Bolsonaro não por acaso escolheu uma jornalista mulher para dar uma entrevista onde aparece surpreendentemente cortês –todo o oposto de seus anos na presidência, quando repórteres mulheres ouviram-no mandá-las calar a boca e até insinuações sexuais. Na entrevista a Monica Bergamo, o truculento ex-presidente se esmerou em simpatia, sorrisos e boa educação. Num trecho, ele fala que tem “a bala de prata” para a eleição de 2026, que não vai revelar para a repórter “não ficar perturbando”. Mas logo se emenda: “No bom sentido…” Risos afáveis.

“Minha impressão é que ele estava acuado”, disse Monica sobre sua percepção do estado de espírito do ex-presidente. “Eu estava tentando esta entrevista há muito tempo. É difícil, ele tem esta animosidade em relação à imprensa… Tive a impressão que o ex-presidente estava contido, todas as palavras um pouco medidas.”

Tudo indica que está em curso a operação “Bolsonarinho paz e amor” (ou “operação Ruth-Raquel”), para tentar repaginar o brucutu fã da ditadura e da tortura em um homem sofrido, vítima de perseguição. Como diria Tonho da Lua, a Raquel quer se passar por “Ruthinha”. A quem ele engana? Foi com Tonho da Lua, aliás, que surgiu a primeira comparação da família Bolsonaro com a trama de Mulheres de Areia.

Em 2019, parlamentares do PSL e aliados do falecido ministro Gustavo Bebianno deram este apelido ao filho de Bolsonaro, Carlos. Os rompantes de raiva de Tonho da Lua, personagem com problemas psiquiátricos, foram a razão da comparação. Carluxo, como o filho 02 costuma ser chamado, seria incapaz de manter um diálogo linear, segundo os próprios bolsonaristas –isso se tornou bem perceptível nos tweets do vereador, alguns tão ininteligíveis que viraram piada.

Quanto tempo durará a farsa do BolsoRaquel que virou BolsoRuth? É esperar o resultado do julgamento do TSE para conferir. Na novela, a máscara de Raquel demorou a cair, mas caiu. Com Bolsonaro, só se engana quem quer se deixar enganar.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta: 000591852026-7
PIX: [email protected]
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Caronte em 04/07/2023 - 12h21 comentou:

Aviso aos navegantes, e outros incautos…
Nestes tempos de obtusidade quase total, quando raramente as pessoas conseguem ler ou escrever mais que duas frases, é bom avisar:

– Hitler começou sua escalada ao poder a partir da prisão em 1923, quando tentou o golpe de Munique, ou o “putsch”…

A parte do governo e do PT dedicados a encarcerar o Coiso deveriam parar, e depois de respirarem um pouco, antes de seguir adiante:

Ora bolas, foram estes mesmos juízes que roubaram as eleições de 2018 de Lula, quando o mantiveram preso, e pior, deram sustentação de normalidade ao golpe de 2016…
Eu não me permito a acreditar que Lula e seu séquito sejam ingênuos, ou burros, então só me resta o cinismo mesmo…

Lula, o PT e o governo decidiram que já que não conseguem (ou não querem?) vencê-los (sequer tentam), vão se juntar e se submeter a eles (os ricos)…

Então, Lula e sua trupe entram de cabeça na palhaçada do julgamento do Bozo e das “ações em defesa da democracia” (democracia para quem, caras pálidas?), distraindo a atenção do populacho, enquanto o que realmente interessa passa como boi e como boiada…

Vou repetir ad nauseam:
– Não se faz acordo com o tigre com a cabeça em sua boca (frase de Churchill quanto resistia a ideia de um acordo de paz com Hitler “minutos” antes da 2ª Guerra Mundial…
– Não se convence um tigre a ser vegetariano, e nem se coloca um tigre em uma sala para negociar com uma galinha (frase minha mesmo)…

Se Lula imagina que não tensionar a agenda do governo, e dar os aneis, os dedos e o resto ao centrão e ao capital para ter governabilidade resolve a questão, isso só mostra que Lula aderiu a desfaçatez como forma de governar e levar adiante seus interesses pessoais…

Este comportamento domesticado não lhe rendeu nada no passado, além de um golpe e quase dois anos de cadeia…

Um país que aceita que para seguir adiante precisa pagar mais de 100 bilhões de juros/ano ao sistema financeiro, e se nega a dar 10, 20 bilhões a mais para educação e/ou saúde, ou pior ainda, que cobra impostos draconianos sobre a renda dos mais pobres, enquanto ignora por completo a taxação de riquezas das elites, não precisa de um presidente confiável ou previsível…tudo já está desastrosamente previsto…

Esse país precisa de um presidente ou presidenta com coragem, com sangue nas veias e nos olhos, que se compadeça dos mais pobres, de forma verdadeira, e não fique cantando a mesma lamúria inútil de sempre, como faz Lula…
Lula ruma impassível ao lixo da História…ou pior, está retornando para lá, de onde nunca deveria ter saído…

Responder

Morgana em 05/07/2023 - 11h16 comentou:

Cy, meu amor…o coiso é só uma distração, não caia nessa você também, linda…

Honre esse socialista que você traz em sua epígrafe, ou é só enfeite?

Os juros estão aí, o “calabouço fiscal” já entrou em nossos fiofós, 400 bi para o ogro negócio, 400 bi para dizimar o que resta de árvore e de água…

Acorda, nêga…

Responder

Morgana em 05/07/2023 - 14h40 comentou:

E mais, todos os que hoje estão a malhar o judas-coiso, chocaram e alimentaram o golpe que deu chance a existência dele…

séjumoro não é um alien, querida…tan-tan também não…foram eleitos, debaixo dos narizes do stf…

Então, fia, acorda…o capitalismo não se governa…

Ou você acorda, sinhá, ou tira esse socialista do nome da página, faz favor…socialista é, antes de tudo, quem é anticapitalista…

Lula pode até ser engraçadinho, mas é só isso…no resto, é tão ou mais domesticado que o Bozo…

Lula acha que pode chamar o tigre e a galinha e mediar acordo entre eles, ou, converter o tigre a ser vegetariano…

Não dá, né santa, não dá…’cê tá grandinha para acreditar em papai noel…

Responder

Morgana em 06/07/2023 - 09h22 comentou:

Extra, extra, extra…

O ex-LULA, atual agroboy, Luis Ignácio falou:

“A floresta não pode ser um santuário para a Humanidade”…

Se queda en el rosto de los pueblos da floresta una lágrima de sangre…Pobre Latino America, és la perra del mundo…

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Efeito CPI: a volta triunfal do Zé Gotinha após um ano de ostracismo


Até então, a única aparição de destaque do personagem no governo Bolsonaro havia sido empunhando uma metralhadora

Cultura

Alvim propôs companhia de teatro ao governo antes de se dizer “perseguido pela esquerda”


Diretor de teatro montou farsa para justificar adesão à agenda da extrema-direita e a criação de uma companhia com dinheiro público