Socialista Morena
Direitos Humanos

ONU condena assassinato de líder do Movimento dos Atingidos por Barragem

Comissariado de Direitos Humanos cobrou investigação; ex-presidenta Dilma responsabilizou "discurso de ódio" do atual governo

A presidenta Dilma com sua xará que foi assassinada. Foto: Leandro Silva/MAB
Da Redação
25 de março de 2019, 21h14

O Escritório para América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) condenou os assassinatos da defensora de direitos humanos e coordenadora regional do Movimento dos Atingidos por Barragem, Dilma Ferreira da Silva, de seu marido Claudionor Amaro Costa da Silva e de Hilton Lopes, ocorridos no dia 22 de março em um assentamento na área rural de Baião, no Pará. As três vítimas foram amarradas, amordaçadas e assassinadas a facadas.

“O ACNUDH expressou condolências aos familiares das vítimas e cobrou as autoridades brasileiras a “conduzir uma investigação completa, independente e imparcial sobre esses assassinatos, que leve a responsabilização dos autores do crime”. Ao mesmo tempo, a entidade lembrou que o Estado brasileiro tem a responsabilidade de garantir a proteção integral dos defensores de direitos humanos no país, “para que possam cumprir com seu papel fundamental na sociedade, especialmente na defesa dos direitos das populações mais vulneráveis”.

A coordenadora do MAB teve a garganta cortada e apresentava marcas de lesões corporais –a polícia trabalha com a hipótese de que ela tenha sido torturada antes de ser morta. Ainda não se sabe a motivação do crime, que tem sido tratado pelos investigadores como execução. Nenhum suspeito foi preso até agora. Para a Comissão Pastoral da Terra, se for confirmado que as mortes ocorreram em contexto de conflitos agrários, esse será o primeiro massacre no campo em 2019, o primeiro da era Bolsonaro.

A coordenadora do MAB teve a garganta cortada e apresentava marcas de lesões corporais. A polícia trabalha com a hipótese de que ela tenha sido torturada antes de ser morta

A ex-presidente Dilma Rousseff, que recebeu sua xará no Planalto em 2011, lamentou em nota as mortes e o “discurso de ódio” do atual governo, que volta e meia ameaça as lideranças sem-terra. “Dilma participava havia 30 anos do movimento, desde que uma barragem acabou com a cidade em que vivia. Em 2011, Dilma esteve em audiência comigo e me entregou um documento de reivindicações do MAB, com atenção especial às mulheres. No encontro, manifestei apoio integral do meu governo à sua luta”, diz a nota.

“O assassinato de Dilma Ferreira Silva é inaceitável. É mais um momento triste na história do MAB, que justamente hoje celebrava o Dia Internacional da Água. Como seus militantes dizem, ‘a água é para a vida, não para a  morte!’. Dilma Ferreira Silva e seus familiares são as novas vítimas da violência no campo, autorizada pelo discurso de ódio e pelo descaso do atual governo”, afirmou Dilma Rousseff.

Nesta segunda-feira, o governador do Pará, Helder Barbalho, respondeu aos questionamentos da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados sobre o triplo assassinato. “O governador falou conosco sobre as providências que estão sendo tomadas. Entre elas, o envio para o local do crime de servidores da delegacia especializada em conflitos agrários e do delegado-geral de polícia do Pará, Alberto Teixeira. O governador garantiu que os crimes serão esclarecidos e vai nos manter informados sobre todas as ações que forem desenvolvidas”, afirmou Helder Salomão (PT-ES), presidente da Comissão.

Com informações do Brasil de Fato

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Kapital

Aprovada pelo Senado, MP da Grilagem vai aumentar a violência no campo


Os ruralistas estão mandando e desmandando no governo ilegítimo de Michel Temer. Foi aprovada ontem pelo Senado, na calada da noite, a medida provisória 759, conhecida como a “MP da Grilagem”, que possibilita a transferência de…

Direitos Humanos

Ataques aos direitos humanos na era Temer são denunciados na ONU


Por Katia Guimarães* Violência policial, massacre de índios e trabalhadores rurais, perdas de direitos civis, agravamento de conflitos sociais, violações e arbitrariedades praticadas contra a população, em especial as minorias. Esta é a realidade do…