Socialista Morena
Politik

Os comunistas guardavam sonhos

Em homenagem aos 100 anos de Carlos Marighella (completados no dia 5/11/2011), e também a Oscar Niemeyer, publico aqui a letra e a música de Caetano Veloso

Marighella, comunista de carteirinha
Cynara Menezes
09 de dezembro de 2012, 13h21

Em homenagem aos 100 anos de Carlos Marighella (completados no dia 5/11/2011), e também a Oscar Niemeyer, publico aqui a letra e a música de Caetano Veloso, do novo disco Abraçaço, que contam a história de seu (nosso) conterrâneo guerrilheiro. Para marcar, nesta trincheira anti-reacionária, o que é ser um comunista: “vida sem utopia/ não entendo que exista/ assim fala um comunista”.

Um comunista

(Caetano Veloso)

Um mulato baiano,
Muito alto e mulato
Filho de um italiano
E de uma preta uçá

Foi aprendendo a ler
Olhando o mundo à volta
E prestando atenção
No que não estava a vista
Assim nasce um comunista

Um mulato baiano
Que morreu em São Paulo
Baleado por homens do poder militar
Nas feições que ganhou em solo americano
A dita guerra fria
Roma, França e Bahia

Os comunistas guardavam sonhos
Os comunistas! Os comunistas!

O mulato baiano, mini-manual
Do guerrilheiro urbano que foi preso por Vargas
Depois por Magalhães
Por fim, pelos milicos
Sempre foi perseguido nas minúcias das pistas
Como são os comunistas

Não que os seus inimigos
Estivessem lutando
Contra as nações terror
Que o comunismo urdia

Mas por vãos interesses
De poder e dinheiro
Quase sempre por menos
Quase nunca por mais

Os comunistas guardavam sonhos
Os comunistas! Os comunistas!

O baiano morreu
Eu estava no exílio
E mandei um recado que
“eu que tinha morrido”
E que ele estava vivo,

Mas ninguém entendia
Vida sem utopia
Não entendo que exista
Assim fala um comunista

Porém, a raça humana
Segue trágica, sempre
Indecodificável
Tédio, horror, maravilha

Ó, mulato baiano
Samba o reverencia
Muito embora não creia
Em violência e guerrilha
Tédio, horror e maravilha

Calçadões encardidos
Multidões apodrecem
Há um abismo entre homens
E homens, o horror

Quem e como fará
Com que a terra se acenda?
E desate seus nós
Discutindo-se Clara
Iemanjá, Maria, Iara
Iansã, Catijaçara

O mulato baiano já não obedecia
As ordens de interesse que vinham de Moscou
Era luta romântica
Ela luz e era treva
Venta de maravilha, de tédio e de horror

Os comunistas guardavam sonhos
Os comunistas! os comunistas!

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(8) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

mario cezar em 09/12/2012 - 20h59 comentou:

oh! morena, ontem assisti o filme: tropicália.(estupendo) . o diretor entrelaçou o ritmo das imagens com as sonoridades verbais. a melhor leitura (segundo minha idiossincrasia sertaneja-matuta) da tropicália apresenta uma beleza de água de açude , de sopro suave. a interpretação que caetano desvelou em “asa branca” (dos discos produzidos em londres. acho o disco transa o melhor da carreira desse artista. o disco -concetual “araça azul” toco sempre, pela sua estranheza, pelas dissonâncias. a pr´pria, araça azul, tem o farfalhar de folhas. agora o tempo passou. inté adquiri os recentes discos de caetano. nunca toco(parece-me conceito de laboratório. uma coisa forçada, sem o essencial frescor . uma espécie de necessidade de estar com algo nas prateleiras. a capa desse disco é bonita. agora o texto para o lider comunista me soa como um dogma-fastio; um cristal ocopor dentro, aliás,o seu caderno (as vezes) reacende-se nessa direção. de tudo pela ótica comunista)e as subjetividades humanas vão além da luta de classes. eros e thanatos já residiam nos meandros humanos antes do capital, antes do 18 brumário. enfim, que teu sorriso, nos valha

Responder

Zeh Minervino em 10/12/2012 - 15h13 comentou:

Ah, gostei mais do rap dos Racionais. http://www.youtube.com/watch?v=3o–0VClpZ8

Responder

P. Ilianovic em 11/12/2012 - 20h06 comentou:

Linda letra, e o curioso é que se o Mulato Baiano pudesse ler os artigos que Caê escreve para o Globo, ou suas declarações recentes, ficaria horrorizado…

Responder

Rand em 12/01/2013 - 16h38 comentou:

Caetano está com 71 anos. Ninguém, independente da idade eou ideologia escreveu algo de tamanha qualidade e sensibilidade. Parabéns por transcrever a letra certa, pois em outros locais da internet a letra está toda equivocada. Parabéns para o site !

Responder

Youssef Kh em 04/12/2013 - 16h17 comentou:

VIVA A SOCIAL DEMOCRACIA DE MUJICA!

O URUGUAI É AQUI.

PSDB retomará este país das mãos dos destrambelhados.

Responder

Flávio Alimandro em 16/02/2014 - 20h19 comentou:

Caetano Veloso não é aquele socialista que mora na Viera solto? e que nos anos de chumbo se exilou numa cidade de um país Socialista tanto que até escreveu uma musica de bastante sucesso…não estou bem lembrando do nome, Hanoi Hanoi,? Saigon Saigon? Havana Havana? Moscou Moscou?

Responder

Gustavo Barreto em 19/02/2014 - 01h56 comentou:

É linda a música, valeu mesmo Caetano! Só uma pequena correção na letra acima, o povo é o hauçá, origem da avó de Marighella.

Responder

AMAURI em 08/03/2014 - 23h36 comentou:

Os incompetentes e teóricos do PSDB vão retomar o país? Seria ótimo, vou rir de gargalhar na oposição….estou cansado de ficar defendendo posições diferente dos economistas.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Cuba Jazz: uma viagem musical que retrata a renovação da ilha comunista


O documentário dirigido pelos brasileiros Max Alvim e Mauro di Deus não é um filme sobre jazz, mas uma peça conduzida por esse gênero livre e libertário por essência

Politik

Entrevistas históricas: o escritor H.G. Wells entrevista Lenin


O britânico H.G.Wells (1866-1946) já tinha publicado seus famosos romances A Guerra dos Mundos, A Ilha do Dr. Moreau e O Homem Invisível quando foi à Rússia, em outubro de 1920, e se encontrou com Vladimir…