Socialista Morena
Politik

Política, futebol e religião se misturam? Na Argentina, sim

Como a seleção argentina se meteu no conflito árabe-israelense e conseguiu desagradar judeus, muçulmanos e até católicos

Charge: Carlos Latuff
Martín Fernández Lorenzo
12 de junho de 2018, 17h05

Com o pouco entusiasmo dos argentinos em relação à Copa do Mundo da Rússia, a AFA (Associação de Futebol Argentina), sob a direção de Hector “Chiqui” Tapia, decidiu tomar medidas sobre o assunto e buscou despertar o espírito popular com uma “proposta” corajosa: inserir a equipe argentina no conflito do Oriente Médio.

O último jogo da seleção, dez dias antes do Mundial, seria contra o time de Israel na cidade de Haifa. Acontece que, dias mais tarde, a organização local acabou mudando a sede da partida para Jerusalém, justamente em meio à violência desatada com a transferência da embaixada norte-americana para esta cidade. Um detalhe bobo que passou despercebido pelos dirigentes da AFA, talvez distraídos com a quantidade de dinheiro recebida pela partida: 2 milhões de dólares. Ou o equivalente a uma meia usada do atacante Messi, que tem salário de 40 milhões de euros.

Em apenas 24 horas, a seleção argentina conseguiu gerar um conflito com judeus, muçulmanos e católicos. A AFA fez, em um dia, mais pelo estado laico do que o próprio estado laico nos últimos dez anos

A poucos dias da apresentação, tudo estava encaminhado para ver a seleção e seu capitão em solo israelense, quando surgiu um problema inesperado: o protesto dos palestinos contra o jogo. “Messi é um símbolo de paz e amor, pedimos a ele que não participe na limpeza dos crimes da ocupação israelense”, disse o presidente da Federalão Palestina, Jibril Raioub. Ele entregou ao representante da Argentina em Ramallah, na Cisjordânia, uma carta para a Federação Argentina pedindo o cancelamento da partida.

“Lançaremos uma campanha contra a Federação Argentina. Messi tem milhões de fãs nos países árabes e muçulmanos. Pedimos a todos que queimem as camisetas com seu nome e os pôsteres com sua imagem. De uma partida esportiva, este evento se converteu numa ferramenta política, o governo israelense está tentando dar um alcance político a ela, insistindo que aconteça em Jerusalém”, explicou Raioub.

Não foi nada agradável para os jogadores argentinos ver palestinos atearem fogo a camisas da seleção ou exibi-las manchadas de sangue. Pensaram então que participar da partida talvez não fosse uma boa ideia e se negaram a jogar. A partida foi suspensa. Mal estar em Israel.

Alguns extremistas apontaram a recusa da seleção argentina de jogar em Jerusalém como uma ação “antissemita”, um velho truque dos sionistas contra os críticos do governo israelense, embora entidades como a ONU e os Médicos Sem Fronteiras tenham condenado o “banho de sangue” em Gaza no dia da inauguração da nova embaixada.

Imediatamente, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ligou para o presidente da Argentina, seu aliado Mauricio Macri. O mesmo chamou a equipe nacional para tentar convencer seus jogadores a realizar a partida, mas, com Messi à frente, o pedido do presidente de tomar posição política no quiproquó foi nula. Macri, em seguida, ligou para seu amigo Bibi para se desculpar, explicando que a recusa dos jogadores era definitiva e que não havia nada a fazer a respeito.

Mas, para a seleção, a coisa estava apenas esquentando. À negativa de se jogar com Israel, somou-se também o inesperado cancelamento do encontro já agendado com o papa Francisco, que iria acontecer no dia 6 de junho. O diretor de imprensa do Vaticano, Greg Burke, teve que retificar no twitter, no mesmo dia, a suposta chegada do time e o posterior cancelamento.

Ou seja, em apenas 24 horas, a seleção argentina conseguiu gerar um conflito com judeus, muçulmanos e católicos. A AFA fez, em um dia, mais pelo estado laico do que o próprio estado laico nos últimos dez anos.

No final, apenas os palestinos ficaram felizes com o W.O.. “Num momento em que o presidente dos EUA e o governo de Israel estão tentando tirar Jerusalém da mesa de negociações, é importante ver que o poder do povo produz resultados”, comemorou a representante da Associação Palestina de Futebol, Susan Shalabi. Bem, os palestinos e o grupo terrorista Hamas, que parabenizou a seleção através de sua conta no twitter: “Obrigado, Argentina!”.

Tapia, no dia seguinte, explicou que a recusa da seleção em apresentar-se em Jerusalém teve o objetivo de garantir a segurança dos jogadores e que “é uma contribuição para a paz mundial”.

Não houve declarações do presidente da nação, o que não deixa de ser estranho quando se sabe que Macri, em todas as reuniões com os líderes mundiais que participa, não perde a oportunidade de comentar sobre o esporte “de la redonda”.

Em sua despedida do futebol, Maradona, um craque que sempre misturou futebol com política, disse uma frase para a história: “Não se mancha a bola.” Os jogadores da seleção não permitiram que a manchassem, e nisso temos que aplaudi-los. Dos políticos e dirigentes do futebol argentino não podemos dizer o mesmo.

 


(5) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Sei quem sou em 12/06/2018 - 20h37 comentou:

Pq chamar o Hamas de terrorista e não chamar o governo de Israel?

Responder

John em 12/06/2018 - 23h05 comentou:

Hamas terrorista? nada disso, é uma organização de cunho defensivo.

Responder

Miranda em 13/06/2018 - 10h55 comentou:

A mim soou estranho chamar o Hamas de terrorista. O governo de Israel não mata muito mais, alem de ocupar territorios palestinos? Tambem não ficou claro se o cancelamento do encontro com o Papa se deveu a esse motivo. O texto de Martin Fernandez me pareceu dúbio.

Responder

Luis CPPrudente em 15/06/2018 - 08h00 comentou:

Terrorista é o Estado Sionista de Israel, Estado esse que vem praticando assassinatos de palestinos ao longo de dezenas de anos.

Responder

Paulo Martins em 16/06/2018 - 11h19 comentou:

Que bola fora esta de chamar o Hamas de terrorista! Afinal,não ficou claro se o autor do artigo condenou ou não a atitude dos jogadores e nisto se estaria de acordo com os sionistas ao classificar esta ação como “antisemita”.Esta falta de firmeza ideológica por nossos “especialistas” em politica me irrita profundamente.Decida-se!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

Argentina condena à prisão perpétua responsáveis pelos “voos da morte”


Ao contrário do Brasil, onde um defensor da ditadura tem 20% de intenções de voto, nossos vizinhos continuam fazendo Justiça aos desaparecidos

Politik

As redes sociais e a falsa sensação de forra contra os políticos


Um efeito curioso das redes sociais é certa sensação de vingança que tem proporcionado alegrias efêmeras aos analfabetos políticos manipulados pela mídia. Como preferem ignorar a principal causa de suas mazelas –o fato de votarem…