Socialista Morena
Politik

Por que o partido de Bolsonaro teme a CPI das fake news?

Parlamentares governistas obstruem, fazem balbúrdia e provocam o encerramento da reunião da comissão de investigação

Palhaçada: deputada do PSL fala em "censura". Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Da Redação
17 de setembro de 2019, 20h24

Os parlamentares do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, obstruíram nesta terça-feira a sessão da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) das fake news que iria discutir seu plano de trabalho. Primeiro os bolsonaristas tentaram anular a sessão anterior e, em seguida, impediram a votação da ata da reunião. É de se perguntar: por que o partido de Bolsonaro teme tanto a investigação das fake news, se eles mesmos vivem acusando a imprensa comercial de produzi-las?

O mais irônico foi ver os parlamentares de extrema direita bradarem que a CPMI pretende “censurar” a imprensa –logo eles que chegaram a defender a prisão de Glenn Greenwald por vazar as ilegalidades da Lava-Jato

Os deputados governistas fizeram balbúrdia (para usar uma expressão que eles gostam) e usaram um “kit-obstrução”, com ferramentas como pedidos de retificação de ata e de votação nominal, para impedir o prosseguimento da pauta. Devido à obstrução parlamentar, houve falta de quórum para votar o plano de trabalho, e o presidente Angelo Coronel (PSD-BA) encerrou a reunião.

A relatora Lidice da Mata (PSB-BA) só pôde ler sua proposta de plano de trabalho, mas ela não pôde ser votada. A deputada lamentou. “Apesar do clima criado nas duas últimas reuniões, quase de torcidas futebolísticas, nossa CPMI pode e deve prosseguir com um conceito de investigação que sirva ao Brasil”, disse.

Do lado dos governistas o clima era de histeria. A vice-líder do governo na Câmara, deputada Bia Kicis (PSL-DF), justificou que os objetivos da comissão, que ainda nem foi instalada, “foram desvirtuados”. Já a deputada Caroline de Toni (PSL-SC) não escondeu seu temor de que a CPI “pegue” Bolsonaro. “Temos sim a fundada suspeita de que essa CPI é um terceiro turno para pegar o nosso presidente Bolsonaro e que a oposição está imbuída desse intuito, sim”, disse.

O mais irônico foi ver os parlamentares de extrema direita bradarem que a CPMI pretende “censurar” os meios de comunicação –logo eles que chegaram a defender a prisão de Glenn Greenwald por publicar os vazamentos que revelaram as ilegalidades cometidas pela Lava Jato.

“Para mim, só tem uma justificativa: é medo, medo de quando a gente investigue isso aqui, comecemos a identificar os tentáculos, quem está por trás desse tipo de coisa”, afirmou o senador Humberto Costa

Os parlamentares da oposição questionaram por que a bancada do governo teme tanto o avanço da investigação, quando na verdade esta é, segundo eles, a oportunidade para averiguar crimes orquestrados na internet profunda (deep web), como os que levaram ao massacre de Suzano (SP), em março deste ano, e outras ameaças, e indução a atos de suicídio.

“Novamente vem um processo de obstruir a continuidade do trabalho, já vi obstruir votação de projeto, medida provisória, processo de impeachment, mas impedir que uma CPI possa desenvolver seu trabalho, para mim, só tem uma justificativa: é medo, medo de quando a gente investigue isso aqui, comecemos a identificar os tentáculos, quem está por trás desse tipo de coisa”, afirmou o senador Humberto Costa (PT-PE).

“Não sei o que assusta tanto os deputados do PSL e o próprio governo em avançar nessa discussão. Será que há algum temor de que haja alguém do governo envolvido em algum processo de fake news?”, disse Carlos Zarattini

O deputado Carlos Zarattini (PT-SP) ressaltou que a comissão só foi instalada porque os objetivos estavam claros. “Eu não sei o que assusta tanto os deputados do PSL e o próprio governo em avançar nessa discussão. Será que há algum temor de que haja alguém do governo envolvido em algum processo de fake news? Será que é essa a preocupação?”, indagou.

A deputada Luizianne Lins (PT-CE) também criticou os bolsonaristas. “Não estou conseguindo entender essa lógica de você obstruir uma CPMI que foi deliberada pela Câmara e pelo Senado. Ou seja, deputados e senadores de acordo. Totalmente dentro da legalidade e as pessoas estão obstruindo para que não seja investigado. Então não deveriam estar na CPMI. ”

Com informações da Agência Senado e Agência Câmara

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Yan Siqueira em 18/09/2019 - 10h46 comentou:

É simples de entender a atitude da Caroline de Toni. Ela faz (ou pelo menos fazia) parte do TERÇA LIVRE, reduto da fabricação das fake news da extrema-direita.

Responder

Omar em 20/09/2019 - 12h29 comentou:

Hoje se sabe que a Cambridge Analytica manipulou eleições no mundo inteiro, desde Brexit até Trinidad. Eles identificam os indecisos, produzem conteúdo específico para eles e espalham. Eles não perdem tempo com os “convertidos” de esquerda ou direita.
Mas ainda não vi estas revelações evoluírem para cancelamento de eleições por aí afora e temos que lembrar o país em que vivemos. Mas se a CPI for adiante o os podres começarem a surgir (o careca da Havan deve ser um dos primeiros), vai ficar registrado no mínimo a podridão que foi a eleição manipulada de 2018. Quatro milhões de títulos eleitorais suspensos no Nordeste na última hora por causa de “biometria”, cambada de filhos da puta!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Feminismo

Macron responde a ataques de presidente misógino do Brasil a sua mulher


Sem ter como rebater críticas ao descaso de seu governo com a Amazônia, Bolsonaro zombou da aparência de primeira-dama francesa

Direitos Humanos

Bolsonaro é processado por quilombolas de todo o país pelo crime de racismo


Por Katia Guimarães* Conhecido por não medir palavras na hora de ofender minorias, o deputado de extrema-direita Jair Bolsonaro (PSC-RJ) corre o risco de, finalmente, morrer pela boca. Depois das últimas declarações em palestra no Clube…