Socialista Morena
Politik

“PT traz militares estrangeiros para atuar no Brasil”. Ops, foi o Bolsonaro

Presidente de extrema-direita dá atestado de incompetência a nossos militares ao convocar israelenses para resgate em Brumadinho

Soldados israelenses são mais competentes que os nossos? Foto: reprodução
Da Redação
28 de janeiro de 2019, 16h00

A partir de 2004, quando Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, era presidente da República, até 2017, o Brasil enviou 37 mil militares para auxiliar na missão de paz no Haiti, devastado por um terremoto e envolto em uma guerra civil. 15 anos depois, com o presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro no poder, nosso país passa um atestado de incompetência militar ao importar 130 soldados de Israel para atuar na tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais.

A “ocupação israelense” coloca em xeque a própria competência do presidente, que, em seu primeiro desafio à frente do cargo, recorreu ao presidente de outro país para que resolvesse o problema. Como um menino mimado, titubeando, sem respostas a dar à sociedade para o desastre, Bolsonaro apelou a “papai” Benjamin Netanyahu. Ou melhor, “Netaniel”, como diz o capitão.

E a reação dos bolsonaristas à chegada de militares estrangeiros a nosso país não poderia ser mais incoerente. Os mesmos reacionários que cuspiram na cara de médicos cubanos que vinham atuar em regiões pobres e distantes, onde os profissionais de saúde brasileiros se recusam a trabalhar até hoje, agora defendem os soldados israelenses dizendo que vão prestar “ajuda humanitária” –sendo que é exatamente isso o que os cubanos fazem: atuar mundo afora em missão humanitária, um papel importantíssimo que já foi reconhecido pela ONU.

Os mesmos que chamaram os médicos cubanos de “espiões” agora aplaudem a chegada de militares de outro país ao nosso sem a menor reserva. Enquanto isso, o governo da Bahia é acionado pela extrema-direita no STF por enviar PMs para ajudar o Ceará

Os mesmos reacionários que chamaram os médicos cubanos de “espiões” e “guerrilheiros disfarçados” agora aplaudem a chegada de militares de outro país ao nosso sem a menor reserva ou desconfiança. Ora, se os cubanos eram formados em medicina e espiões, o que dizer dos israelenses, com treinamento militar?

Imaginem se ainda estivéssemos sob o governo do PT e a Rússia (ou a Venezuela) enviasse um avião cheio de militares com 16 toneladas de equipamentos para cá. O que diria a extrema-direita “patriota”? Aliás, que equipamentos são esses? Os parlamentares da oposição têm a obrigação de verificar o que estes militares estrangeiros trouxeram para o Brasil e fazer um inventário de tudo que entrou em território nacional com os israelenses. É preciso averiguar, por exemplo, se trouxeram armas. Israel é um dos maiores fabricantes de armamentos do planeta.

O mais preocupante é ver que os militares brasileiros não estão reagindo a este absurdo ataque à nossa soberania. O que Bolsonaro fez ao convocar israelenses para ajudar em Brumadinho foi duvidar abertamente da capacidade técnica das Forças Armadas do país. Segundo informações da imprensa, causou estranheza que o governo de Minas tenha rejeitado a ajuda de militares do Exército brasileiro que estavam à disposição para o resgate, embora tenha recebido os israelenses de braços abertos.

O que Bolsonaro fez ao convocar israelenses para ajudar em Brumadinho foi duvidar abertamente da capacidade técnica das Forças Armadas do país

Curioso é que o governo da Bahia, do PT, está sendo alvo de uma ação de inconstitucionalidade no STF (Supremo Tribunal Federal) por parte da extrema-direita por ter enviado, em janeiro, 100 policiais militares para ajudar na crise de segurança pública por que passa o Ceará, também governado pelo PT. Segundo eles, enviar PMs para outro Estado é “ilegal” e “crime de responsabilidade”. Mas receber militares estrangeiros em nosso próprio país, não. Vai entender o conceito de soberania dessa gente.

Confira os tweets de Cynara Menezes, editora do site, questionando o duplipensar dos bolsonaristas sobre a presença de tropas estrangeiras em nosso território.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

João Junior em 29/01/2019 - 01h47 comentou:

Já perguntaram como é que eu faço pra não ser esquerdista o tempo todo. E noto que o intento de Bolsonaro foi fazer as pessoas desconfiarem da esquerda sem uma boa razão para isso. E que garantias posso dar de que não sou simplesmente teleguiado pela ideologia de esquerda? A resposta é até bastante simples. Critério. Assumo um critério para comparar um antes e um depois para chegar a uma conclusão. Privatizações? Pra quê serviram? Vou abordar a análise que considera se um negócio valeu a pena, a venda da Cia. Vale do Rio Doce. A Vale é um exemplo em voga atualmente, então quem é de direita pode compreender meu ponto de vista a partir do critério que escolho, que é o valor da CVRD, e assim entendo usar de um critério que é comum à esquerda e à direita: o capital. A CVRD era lucrativa, foi vendida no total por menos do que lucrava em um só ano de operação (!) e levou consigo muitas reservas de minério brasileiro na carteira, o que é pior ainda. Foi um péssimo negócio. Por quê? Por o povo deixou de receber o grande lucro anual que a CVRD proporcionava em troca de um valor irrisório que sequer chega ao de UM ano de lucro. E mesmo que a corrupção roubasse, digamos, 30% do lucro da companhia (o que nem na Petrobras de hoje ocorreu), ainda teríamos 70% em caixa. Com a privatização, o povo tem ZERO de lucro. E isso quer dizer nada de capital mesmo. E ainda resta o custo ambiental, cujo passivo é totalmente transferido à sociedade, como Mariana e Brumadinho não deixam esquecer… Veja, não estou defendendo a corrupção dos políticos do PT ou PSDB (por favor, não é disso que se trata), é só a lógica… ninguém desistira de uma empresa lucrativa pela corrupção de um funcionário (o que, aliás, é algo bem comum), estou mostrando que a perda é muito maior com a privatização… É como se você decidisse vender uma empresa que lucra US$ 1 mi porque flagrou um funcionário de confiança desviando US$ 5 mil… E isso tudo sem contar que crimes ambientais como o de Brumadinho e Mariana podem ocorrer e sem que os responsáveis sejam punidos. Um abraço.

Responder

Stefano Barbosa em 29/01/2019 - 20h53 comentou:

Sabe por que a presença dos milicos israelenses ? Por que o dono da Vale é judeu sionista !
Simples !! Bolsonaro é capacho do sionismo internacional.
Meu medo é : os israelenses roubarem órgãos . Israel é a Meca do tráfico de órgãos no mundo !

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Renato Janine: “Greenwald controla o tabuleiro. Seus alvos fazem exatamente o que ele quis”


Para o ex-ministro da Educação de Dilma, pela primeira vez desde 2015 a extrema-direita perdeu a iniciativa e está acuada

Mídia

Neomacartismo: página do MEC no face chama jornalista Ancelmo Gois de “agente da KGB”


Ministro fez ataques ao jornalista no perfil oficial do ministério, cujos administradores são pagos com dinheiro público