Sobre os protestos: mais do mesmo. Não há clima no país para impeachment

mimimi

(Eis a questão)

Pouco importa que, segundo o Datafolha, tenha tido mais gente nessa manifestação de hoje em São Paulo do que no outro “recorde de público”, em março do ano passado. Naquela época, a manchete era que a manifestação na avenida Paulista “só perdeu para as Diretas-Já”. Hoje foi “superou as Diretas-Já”. Sorry, mas não se derruba um governo porque um Estado não se sente representado por ele. Somos uma federação de 26 Estados, além do Distrito Federal. E inegavelmente não existe uma onda tomando o País pelo impeachment de Dilma. Podem espernear e gritar: não há clima no país para derrubar Dilma.

Não se trata de menosprezar os manifestantes e sua insatisfação com o governo. Eu entendo. Mas é possível tranquilamente dizer que são os mesmos que já não votavam nem votarão no PT. Ou seja, não mudou o perfil de quem está indo para as ruas contra Dilma. São os mesmos que ficaram insatisfeitos com a vitória da petista na eleição em 2014. Não houve acréscimos, não ganharam a adesão das classes mais baixas, da periferia. A insatisfação apenas das classes média alta e alta não pode ser razão para a retirada do poder de uma presidente legitimamente eleita. Um só setor da sociedade não pode tomar para si o arbítrio de decidir o destino de todos.

O que a mídia esperava não se concretizou, mesmo com o empurrãozinho da condução coercitiva de Lula e da delação (que não se sabe até agora se existiu) de Delcídio. Mesmo com todo seu furor golpista em editoriais pedindo o fim do governo e a renúncia de Dilma, o tsunami não veio. Sim, teve muita gente. Além de São Paulo, que teve 500 mil pessoas na rua, segundo o Datafolha, houve 100 mil em Brasília, 160 mil em Curitiba e 120 mil em Recife, segundo a PM. Mas beeeem distante do “crescendo” que eles esperavam. Falta medir a reação do outro lado (e dos outros Estados) se Dilma sofrer impeachment –ou se Lula for preso. Não se pode subestimar a reação de pessoas alfabetizadas politicamente.

Mesmo que se consiga um movimento para derrubar Dilma dentro do Congresso, sabe-se lá com que justificativas jurídicas –porque até agora não há nenhuma–, não existe clamor popular para respaldá-lo. Pelo menos não o suficiente. Eu quero ver até onde a “grande” imprensa pretende esticar esta corda. Já não pode mais contar com a parceria do candidato derrotado Aécio Neves, que foi escorraçado da manifestação em São Paulo. Estará a velha mídia disposta a chocar o ovo da serpente e se colocar à direita do tucanato, ao lado do grande expoente das manifestações, Jair Bolsonaro, para tirar o PT do poder?

Não duvido. Só não esperem contar com o apoio popular. O povo não é bobo.

 

Leia também  Samuel Wainer escancara as relações entre a "grande" imprensa no Brasil e as empreiteiras

O Socialista Morena é um blog de jornalismo independente. Se você quiser contribuir financeiramente, doe ou assine. Quanto mais colaborações, mais reportagens exclusivas. Obrigada!!

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Ou, você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência 3310
Conta Corrente 23023-7

Publicado em 14 de março de 2016