Socialista Morena
Mídia

Trump deve sua eleição às “fake news” que tanto ataca, sugere estudo

Pesquisa da Universidade de Ohio conclui que apenas três notícias falsas podem explicar a desistência de parte dos eleitores de Obama em votar em Hillary

Hillary Clinton com "bebê adotivo alienígena" no tabloide Weekly World News em 1993
Da Redação
16 de fevereiro de 2018, 00h07

Apenas três notícias falsas podem ter sido substancialmente responsáveis pela desistência de parte dos eleitores de Barack Obama em 2012 em votar em Hillary Clinton em 2016. Ou seja, embora Donald Trump viva criticando as chamadas fake news (lançou inclusive uma premiação com os meios de comunicação “campeões” em fake news), sua eleição à presidência dos EUA se deve a elas. É o que sugere uma pesquisa pós-eleitoral coordenada pela Ohio University e divulgada pelo site The Conversation, colocando em uma perspectiva assustadora o papel que as notícias falsas podem jogar numa eleição.

Os investigadores ouviram 1600 pessoas, com foco de análise no comportamento de 585 pesquisados que tinham votado em Obama em 2012. Eles queriam descobrir por que uma parte dos eleitores de Obama não votou em Hillary Clinton. Hillary teria sido eleita se tivesse recebido todos os votos dados a Obama, mas recebeu apenas 77%. A surpresa foi que 10% destes eleitores “liberais”, no sentido norte-americano do termo, preferiram Trump. Por quê? A pesquisa acha que foram induzidos por fake news. Mais exatamente por três delas.

10% dos eleitores de Obama em 2012 preferiram Trump em 2016, provavelmente induzidos por fake news. Mais exatamente por três delas, o que coloca em uma perspectiva assustadora o papel que as notícias falsas podem jogar numa eleição

A pesquisa incluiu, entre as 281 questões apresentadas aos entrevistados, três afirmações falsas largamente disseminadas durante a campanha, duas delas negativas sobre Hillary e uma positiva sobre Trump. A primeira era que Hillary Clinton estava seriamente doente, afetada pelo mal de Parkinson. 25% do total de pesquisados responderam que isto era “definitivamente verdadeiro” ou “provavelmente verdadeiro”, assim como 12% dos ex-apoiadores de Obama.

A segunda afirmação falsa dizia que, durante o período em que foi secretária de Estado, Hillary aprovou a venda de armas para jihadistas, incluindo o ISIS. Nada menos que 35% dos entrevistados disseram acreditar que ela vendeu armas para o ISIS, e 20% dos que acreditaram nisso eram eleitores de Obama. Por último, 10% de todos os entrevistados e 8% dos eleitores de Obama disseram ser verdadeira a notícia de que o papa Francisco tinha apoiado Donald Trump.

De acordo com os pesquisadores, a crença nestas histórias falsas estaria fortemente conectada com a desistência de votar em Hillary por parte dos eleitores de Obama em 2012. Entre os pesquisados que não acreditaram em nenhuma destas notícias, 89% votaram nela em 2016; 61% dos que acreditaram em pelo menos uma dessas histórias, idem. Mas somente 17% daqueles que acreditaram nestas três fake news votaram em Hillary.

Imagem relacionada

Os autores do estudo também tentaram outras alternativas para explicar o “sumiço” dos votos em Obama. A questão de gênero, por exemplo: só que um percentual idêntico de homens e mulheres que tinham votado em Obama em 2012 não votaram em Hillary em 2016. A questão racial tampouco explicou: menos votantes afro-americanos deixaram de votar em Clinton (20%) do que os americanos brancos (23%). Outras variáveis, como a identificação ideológica ou questões econômicas tiveram mais impacto, assim como o grau de ligação com o partido democrata.

Nosso estudo sugere que é altamente provável que a perniciosa poluição do discurso político pelas notícias falsas foi suficiente para influenciar o desfecho de uma eleição muito acirrada

Mas os pesquisadores calculam que estas três fake news tiveram um impacto adicional de 14% na desistência dos eleitores de Obama em votar em Hillary, levando em conta todas as outras variáveis. Concluem os autores: “Clinton perdeu a presidência por cerca de 78 mil votos (0,6% do total) nos estados-chave da Pensilvânia, Michigan e Wisconsin. Apesar de as evidências não ‘provarem’ que a crença em fake news ‘causou’ a desistência destes eleitores de Obama em votar na candidata democrata em 2016, nosso estudo sugere que é altamente provável que a perniciosa poluição do discurso político pelas notícias falsas foi suficiente para influenciar o desfecho de uma eleição muito acirrada”.

Leia mais no site The Conversation, em inglês

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Anônimo em 16/02/2018 - 17h29 comentou:

Lula 2018

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Mídia

Por que entrei na Veja. E por que saí


No final de 1997, após minha aventura espanhola –economizei um dinheirinho e fui estudar Literatura Espanhola e Hispanoamericana em Madri–, voltei ao Brasil para morar em São Paulo. Desempregada, fui convidada por uma grande amiga…

Mídia

Brasil é um dos três países onde a confiança na mídia mais caiu


Graças às fake news e às notícias "distorcidas", pela primeira vez a mídia aparece como a menos confiável entre as instituições