Socialista Morena
Trabalho

Um em cada 4 copos de suco de laranja vem do Brasil; trabalhadores ganham 2,1% do preço final

Estudo mostra como grandes supermercados dos EUA e da Europa lucram bilhões sem que isso signifique melhora de vida para trabalhadores rurais

Trabalhador flagrado em condição análoga à escravidão na Cutrale. Foto: PRT 15
Da Redação
21 de junho de 2018, 20h12

A Oxfam divulgou um estudo global que mostra como um dos produtos mais conhecidos do agronegócio brasileiro, o suco de laranja, é, ao mesmo tempo, responsável pela pobreza de homens e mulheres trabalhadoras rurais e pequenos agricultores. Um em cada 4 copos de suco de laranja bebidos no mundo é brasileiro; no entanto, os trabalhadores ganham apenas 2,1% do preço final na prateleira dos supermercados; os pequenos agricultores, 3,1%.

O estudo critica a forma como os grandes supermercados dos Estados Unidos e da Europa estão lucrando bilhões sem que isso signifique uma melhora na situação dos trabalhadores e pequenos agricultores que produzem os alimentos. Os supermercados ficam com uma quantidade cada vez maior do dinheiro que seus consumidores gastam em suas lojas –em alguns casos, esse valor chega a 50%, enquanto a parcela que fica com os trabalhadores e produtores rurais pode ser menos de 5%.

O estudo pesquisou produtos importantes na agricultura de vários países. Em todos eles, a remuneração para os trabalhadores e pequenos produtores em relação ao preço final não chega a 5%

A Oxfam pesquisou produtos importantes na agricultura de vários países: o cacau, na Costa do Marfim; o arroz e o atum em lata, na Tailândia; o café, na Colômbia; o feijão verde, no Quênia; a banana, no Equador; o chá, na Índia; a uva, na África do Sul; o tomate, em Marrocos; o abacate, no Peru e o camarão, no Vietnã, além da laranja brasileira. Em todos eles, a remuneração para os trabalhadores e pequenos produtores em relação ao preço final não chega a 5%.

Fonte: Oxfam

Os dados são estarrecedores: seriam necessários mais de 4 mil anos para um trabalhador que atua no processamento de camarão na Indonésia ou Tailândia ganhar o mesmo que um típico executivo de um supermercado norte-americano ganha em um ano. Apenas 10% do que os três maiores supermercados dos EUA pagaram a seus acionistas em 2016 seria o suficiente para pagar um salário digno a 600 mil trabalhadores que atuam no processamento de camarão na Tailândia. 90% das mulheres que trabalham no cultivo de uva na África do Sul entrevistadas afirmaram não terem tido o suficiente para comer no mês anterior.

Fonte: Oxfam

“O setor privado tem o potencial para tirar milhões de pessoas da pobreza, mas os grandes supermercados europeus e norte-americanos estão acumulando riquezas sobre o trabalho degradante de homens e mulheres no campo”, afirma Katia Maia, diretora-executiva da Oxfam Brasil. “Em muitos casos, devolver 1 ou 2% do preço de varejo –e isso pode significar alguns centavos apenas– poderia mudar a vida das milhares de pessoas que hoje produzem nosso alimento, mas mal têm o que comer.”

“Os supermercados precisam enxergar sua responsabilidade sobre o que vem acontecendo no outro extremo de sua cadeia produtiva, onde estão trabalhadores e pequenos e médios produtores”, explica o assessor de políticas da Oxfam Brasil, Gustavo Ferroni. “Com o poder de compra que possuem, eles podem definir direta e indiretamente as condições de produção, exigindo, por exemplo, o compromisso de seus fornecedores para acabar com jornadas exaustivas, empregos informais, trabalho escravo e outras condições desumanas no campo.”

Seriam necessários mais de 4 mil anos para um trabalhador que atua no processamento de camarão na Indonésia ou Tailândia ganhar o mesmo que um típico executivo de um supermercado norte-americano ganha em um ano

O cultivo da laranja no interior de São Paulo já foi alvo de denúncias de trabalho escravo pelo Ministério Público do Trabalho. Gigante do setor, a Sucocítrico Cutrale teve seu nome estampado entre as 132 empresas autuadas na “lista suja” do trabalho escravo no ano passado por manter trabalhadores em condição análoga à escravidão. As fazendas do grupo já foram multadas diversas vezes pelo MPT em Campinas pelas más condições impostas aos trabalhadores.

A última condenação, em fevereiro deste ano, obrigou a empresa a pagar 300 mil reais em danos coletivos por manter os trabalhadores sem período de repouso e trabalhando em feriados nacionais; sem local para refeição e descanso, sem condições adequadas de higiene e conforto; sem água potável; sem instalações sanitárias conforme a norma; sem segurança no transporte; sem equipamentos de proteção individual necessários para o manuseio de agrotóxicos; e sem registro em carteira de trabalho, entre outras infrações.

A Oxfam lançou uma campanha para pressionar os grandes supermercados e governos de todo o mundo a atuarem com firmeza contra a precariedade do trabalho no campo, exigindo maior transparência sobre a procedência dos alimentos, fim da discriminação contra as mulheres e garantia de que agricultores e produtores recebam uma parcela mais justa do que é pago pelos consumidores no varejo. Uma das soluções por parte do poder público, é estabelecer uma política de preço mínimo para as commodities agrícolas, o que beneficia os pequenos agricultores.

Fonte: Oxfam

Para os agricultores, a sugestão da organização são as ações coletivas, que ampliam o poder de negociação de pequenos agricultores e trabalhadores. Segundo o estudo, os pequenos agricultores obtêm fatias muito maiores do preço final ao consumidor –em torno de 26%– quando estão organizados em cooperativas que podem atingir economias de escala até o ponto de exportação, em comparação com aqueles que não estão e ficam
com apenas cerca de 4%.

Com informações da Oxfam e do MPT em Campinas

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Leigo em 26/06/2018 - 11h49 comentou:

Você precisa estudar economia urgentemente, sem ser a mainstream, bom dia.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Trabalho

Como a “reforma” levará os trabalhadores brasileiros de volta ao início do século 20


Por Manu Mantovani* O sistema de produção fordista tem em 1914 a sua data símbolo, um marco no sistema capitalista de produção. De certa forma, as inovações de Henry Ford representavam tendências já estabelecidas pelo…

Trabalho

Faxineira ganha indenização após provar que patroa caloteira ostentava no facebook


Juíza do Mato Grosso deu ganho de causa a diarista que reclamava 500 reais de uma patroa que alegava estar desempregada. Fotos do facebook foram aceitas como prova de que ela mentia