Socialista Morena
Politik

China adverte para a ideologização das decisões em relação ao coronavírus

Solidariedade, cooperação e empatia são a resposta racional à pandemia, diz relatório divulgado por think tank ligado ao governo

Equipes comemoram fechamento de hospital temporário em Wuhan. Foto: Fei Maohua/Xinhua
Cynara Menezes
23 de março de 2020, 19h43

O relatório “Cooperação Internacional para o Combate ao Coronavírus: Resultados, Lições e Caminho a Seguir”, divulgado no começo de março pelo SIIS (Instituto de Estudos Internacionais de Xangai), um think tank ligado ao governo da China, adverte para o erro de ideologizar as decisões em relação ao coronavírus e defende que só há três respostas racionais para combater a pandemia: solidariedade, cooperação e empatia. Tudo ao contrário do que Donald Trump e seu fã, Jair Bolsonaro, estão fazendo –o filho do presidente brasileiro, Eduardo, inclusive, criou uma crise diplomática com os chineses ao sugerir que o vírus foi criado no país.

“Ameaçado por uma doença mais contagiosa que a SARS e a MERS, o mundo se unirá em solidariedade para impedir que se torne uma pandemia? Ou o medo crescente as fará adotar políticas predatórias em relação a outros países, enfraquecendo os fundamentos da cooperação global em saúde pública? Este vírus que se espalha rapidamente é um alerta para que a comunidade internacional aja rapidamente e em conjunto para construir um mundo globalizado mais seguro? Ou pressagia ainda mais desglobalização em um mundo já assolado pelo nacionalismo virulento?”, pergunta o presidente do instituto, Chen Dongxiao, adiantando que não há respostas fáceis para estas questões.

O relatório, preparado por especialistas em relações internacionais, alerta para a crescente xenofobia no mundo contra os chineses e os asiáticos em geral. A China afirma que, por ter sido o primeiro país a enfrentar o vírus, tem muito a colaborar com os demais, e que politizar as decisões (como Trump está fazendo e sendo copiado por Bolsonaro) só vai atrapalhar o combate à doença. Os chineses estão colaborando na prevenção e enviando equipamentos médicos para a Itália, Grécia e Espanha, entre outros países.

“Alguns altos funcionários do governo dos EUA estão olhando para a epidemia através do prisma ideológico, envenenando ainda mais a relação entre os EUA e a China em um momento em que deveriam expressar simpatia e trabalhar com suas contrapartes chinesas para dar início à cooperação bilateral em saúde. O resultado da batalha atual e, por extensão, as perspectivas da cooperação mundial em saúde pública dependem de histórias edificantes prevalecerem ou narrativas negativas dominarem”, advertiu Chen Dongxiao no documento. “Empatia e solidariedade, acredito, são a única resposta racional para lutar contra epidemias globais e levar a humanidade a um mundo globalizado mais seguro.”

Altos funcionários dos EUA estão olhando a epidemia através do prisma ideológico, envenenando ainda mais a relação com a China num momento em que deveriam expressar simpatia e trabalhar com as contrapartes chinesas, dando início à cooperação bilateral

O especialista recomenda cinco políticas para conter a epidemia no mundo: intensificar a colaboração entre a China, o Japão e a Coreia do Sul para que os três juntos tenham um papel de liderança na Ásia Oriental e na governança da saúde global; melhorar a assistência à saúde nos países em desenvolvimento, sobretudo nos menos preparados para emergências; aumentar as contribuições multilaterais dos bancos de desenvolvimento para o sistema de saúde internacional; acelerar a implementação de mecanismos conjuntos para melhorar as emergências na saúde pública; e aumentar o compartilhamento de experiências e conhecimento sobre prevenção e controle de epidemias.

Um dos principais obstáculos do combate global ao coronavírus apontados no relatório é justamente a politização das decisões tomadas pelos diferentes governos. Não ajuda, por exemplo, ver o presidente dos EUA, Donald Trump, chamar a epidemia de “gripe chinesa” ou “vírus chinês”, no que é seguido pelo bolsonarismo no Brasil. Eduardo Bolsonaro chegou a justificar a utilização do termo com a “gripe espanhola”, sendo que, historicamente, a epidemia de 1918 não começou na Espanha e sim provavelmente no Kansas.

Como resultado dos ataques do deputado, faixas ofensivas ao presidente da China foram colocadas por bolsonaristas em frente à embaixada do país em Brasília.

“Muitos países e seu povo expressaram simpatia e apoio aos sofrimentos e medidas de prevenção da China, mas certos países e meios de comunicação, sem nenhum conhecimento sólido das rotas e extensão do vírus e quão mortal poderia ser, acusaram o governo chinês de dar respostas inadequadas”, diz o texto. “Não muito tempo depois que o governo impôs bloqueios e restrições de viagens em áreas atingidas, esses detratores começaram a descrever essas medidas vigorosas como draconianas, enquanto negligenciavam suas próprias medidas de controle, a despeito das recomendações da OMS.”

Não muito tempo depois que o governo impôs bloqueios e restrições de viagens em áreas atingidas, detratores começaram a descrever essas medidas vigorosas como draconianas, enquanto negligenciavam suas próprias medidas de controle, a despeito das recomendações da OMS

O documento informa que os especialistas chineses já estão atuando junto a seus homólogos na comunidade internacional para desenvolver remédios e vacinas efetivas contra o coronavírus. Atualmente, mais de 20 vacinas estão sendo desenvolvidas ao redor do mundo. Em 24 de fevereiro, a Faculdade de Medicina de Harvard anunciou uma pesquisa de 115 milhões de dólares, resultado da colaboração entre a universidade e o Instituto de Saúde Respiratória de Guangzhou. A Fundação Bill & Melinda Gates já havia anunciado em 5 de fevereiro que destinaria 100 milhões de dólares para o combate global ao coronavírus. Parte do fundo será usado para apoiar iniciativas chinesas no desenvolvimento de vacinas, tratamentos e diagnósticos.

O relatório também adverte para a necessidade de fortalecer a liderança global contra a pandemia, que deve ser exercida pela OMS (Organização Mundial de Saúde), mas alertou para o sucateamento da entidade, citando um artigo da revista científica The Lancet de 2014. Segundo a publicação médica britânica, a crise na liderança global em saúde, evidenciada nas falhas no combate ao Ebola, deriva dos cortes no orçamento e fuga de cérebros da OMS, que minou sua capacidade de dar uma resposta rápida ao problema. Em plena pandemia, a administração de Donald Trump propôs em seu orçamento de 2021 cortar mais de 3 bilhões de dólares nos fundos para a saúde global, inclusive cortar pela metade a contribuição anual do país à OMS.

A China advertiu para o sucateamento da OMS, que tem sofrido cortes de orçamento e fuga de cérebros. Em plena pandemia, Trump propôs cortar 3 bilhões de dólares nos fundos para a saúde global, inclusive reduzir à metade a contribuição anual do país à OMS

Em entrevista coletiva na semana passada, o presidente Trump se recusou a admitir os cortes na saúde e preferiu culpar a China, dizendo que o país demorou “semanas ou até meses” para avisar o mundo do coronavírus, que ele continua a chamar de “vírus chinês”. Na verdade, a China avisou à OMS sobre os casos atípicos de pneumonia no país em 31 de dezembro de 2019.

Com Jair Bolsonaro, o Brasil vai pelo mesmo caminho: o país é hoje o segundo maior devedor das Nações Unidas, com uma dívida de mais de 1,7 bilhão de reais. Fica atrás justamente dos EUA de Trump. “Dados oficiais da secretaria-geral da ONU indicam que, nos oito primeiros meses do mandato, o Palácio do Planalto não destinou nenhum centavo ao orçamento regular da entidade internacional, apesar de se tratar de uma obrigação. No total, o Brasil destinou menos de 1 milhão de dólares em 2019 para arcar com os demais custos previstos pela ONU”, informou o jornalista Jamil Chade em setembro do ano passado.

O relatório chinês conclui lembrando que, como enfrentou primeiro o coronavírus, o país tem toda a experiência necessária para ajudar o mundo. “Como principal campo de batalha na luta contra a epidemia de COVID-19, a China fez os maiores esforços, tomou as medidas mais estritas e obteve a mais larga experiência em primeira mão. A prevenção e o controle da epidemia na China alcançaram resultados notáveis. A China está pronta para compartilhar sua experiência com a comunidade internacional e para melhorar a cooperação com outros países e organizações internacionais, incluindo a ONU e a OMS. Acreditamos que juntar esforços no nível internacional é a chave para vencer a guerra contra a pandemia o quanto antes.”

Em entrevista em Genebra na sexta-feira, 21 de março, o diretor-geral da OMS, Tedros Adnahom Ghebreyesus, reconheceu o êxito do combate à Covid-19 pelo governo chinês em Wuhan, epicentro do surto no país. “É uma mensagem de esperança para muitos outros países de todo o mundo”, disse o chefe da organização.

O governo brasileiro, porém, parece estar mais inclinado, por razões puramente político-ideológicas, a seguir o rumo errático estabelecido por Trump.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Maria Paulina Oliveira em 23/03/2020 - 20h12 comentou:

O texto é completo em expor a realidade que o mundo vive com essa pandemia e moralmente verdadeiro quanto às atitudes pensantes e práticas que devem ser tomadas por governos e as pessoas, em geral, responsáveis por fazer frente ao mal que a humanidade está passando.

Responder

Brunno em 24/03/2020 - 16h19 comentou:

A Maju Coutinho no Jornal Hoje (24/03), após a reportagem mostrar Trabalhadores entrando no ônibus lotado pela janela para ir ao trabalho. Entrevistam um MotoTaxi que diz que tem que trabalhar ou vai morrer de fome. No que a Maju, sorrindo, retruca: Ninguém vai morrer de fome. 🤢

Responder

Luiz Sérgio em 24/03/2020 - 19h11 comentou:

Creio estarmos tendo o privilégio de assistir em velocidade surpreendente ao desmoronamento de uma ordem vigente há séculos, ao menos da maneira como enxergamos a realidade e a história em si no Ocidente. Naturalmente termos como “ocidente” e “oriente” são nulidades como confirmam as inúmeras nações na diáspora, mas dentro do nosso contexto creio ser a forma mais objetiva e simples de expor a ideia. Esse desmoronamento não significa em minha modesta opinião o “fim do capitalismo” uma vez que, de certa maneira, o sistema “capitalista” também está em vigor nas alternativas apresentadas a essa sistemática “ocidental” em vigor, mas uma ressignificação na estrutura graças `a derrocada do mito liberal. Não acredito que a forma atual em vigor na China seja a que será projetada e predominante no futuro imediato após a reestruturação do sistema planetário que será necessária graças `a quebradeira e ao caos nascido do fim dessa ordem “ocidental”, vez que acho necessário adaptar a ordem vigente no atual estágio do capitalismo que podemos chamar “chines” a um substrato multissecular “ocidental”. No entanto, o individualismo alucinado levado `as últimas consequencias pelo “universo particular” havido em paralelo ao abandono total da noção do “público” como “comum” ou “cooperativo” obrigatoriamente vai ser extinto pelas circunstancias. A velocidade trazida pela tecnologia propiciou o estabelecimento da “pax americana” em velocidade nunca vista antes na história da Humanidade, assim como a está demolindo durante o curso de uma vida humana – sempre tão curta. Assistamos então aos “mercados” desmilinguindo, a imprensa mundial ocidental mainstream insistindo que a culpa é do “corona” – o cheque-mate dia 06 de março em Riad foi nada não é? – e no Brasil, como hão de lembrar os mais velhos, a “República dos bundas alegres” (apud Beatriz Segall), a “bolsa” hoje “subiu” mais 10% para as manjubinhas não é isso? Muito obrigado por seus comentários e por honrar o Brasil com o “socialismo moreno” (apud Leonel Brizola) certamente rotulado “comunismo”, como aliás também é comunismo tudo o que eu escrevi.

Responder

Brunno em 25/03/2020 - 00h34 comentou:

E eu não sei porque os influencers de esquerda só reagem ao Bolsonaro e não começam a esquecer o maluco e começam a criar pautas que façam o público apoiar a esquerda. Hoje Bolsonaro falou na TV e amanhã ninguém vai fazer as medidas que ele mandou. Ninguém liga mais pro cara. Ele é um enfeite, mas o Jornal Nacional não conversou com nenhuma autoridade da esquerda para que desse sua opinião sobre o discurso dele, só deu voz à direita e ao centrão. A esquerda tá falando dele pra uma bolha.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

Ida para o governo Bolsonaro orna com a visão punitivista medieval de Moro


Juiz da Lava-Jato se notabilizou pelo excesso de prisões provisórias para forçar delações, método que já foi comparado à tortura

Politik

Entrevistas históricas – Hitler em 1923: “Nenhum homem saudável é marxista”


Parece um bolsominion ou o ministro da Educação de Bolsonaro falando, mas é o führer em pessoa: "O bolchevismo é nossa maior ameaça"