Socialista Morena
Politik

Criador diz que Zé Gotinha com metralhadora é “um péssimo exemplo para as crianças”

Darlan Rosa, artista que criou o personagem em 1986, se diz agredido por desenho divulgado por Eduardo Bolsonaro: "uma barbaridade"

Desenho divulgado por Eduardo Bolsonaro
Cynara Menezes
12 de março de 2021, 21h28

Darlan Rosa, o artista plástico que criou o Zé Gotinha em 1986, durante o governo José Sarney, se disse “indignado e assustado” com o desenho divulgado pelo filho do presidente, Eduardo Bolsonaro, em que o simpático personagem empunha uma metralhadora em forma de seringa. “O Zé Gotinha é um personagem do bem, criado com fins educativos. Colocá-lo com uma arma na mão é um péssimo exemplo que se pode dar a uma criança. Apologia de arma é coisa séria”, lamentou Darlan, que tem 74 anos e mora em Brasília. Ele contou que recebeu a primeira dose da vacina contra o coronavírus ontem.

A ilustração grotesca foi uma “resposta” dos Bolsonaro à cobrança feita por Lula em seu histórico discurso de quarta, 10: “Cadê o Zé Gotinha?”, perguntou o ex-presidente. Nas redes sociais, a imagem de Zé Gotinha com uma metralhadora causou revolta e o nome do personagem foi parar no topo dos tópicos mais comentados do twitter. O pacífico Zé Gotinha acabou ganhando o apelido de “Zé Milicinha” por conta da arma e da ligação dos Bolsonaro com as milícias do Rio de Janeiro.

Eduardo havia postado a ilustração pela primeira vez com o texto “Nossa arma agora é a vacina”, mas, ao se dar conta de que admitia que o governo nunca se preocupou com a vacinação, apagou e postou novamente com os dizeres: “Nossa arma é a vacina”.

O desenhista Darlan Rosa criticou que a versão armada do Zé Gotinha contraria a intenção original do personagem. “O Zé Gotinha foi criado justamente para combater esse tipo de pensamento. Quando eu o criei, havia essa temática de terror, de que se você não vacinasse ia morrer. Eu sempre achei que tinha de educar e não coagir, por isso criei um personagem que fizesse a criança desejar ser vacinada, e já estamos na terceira geração que passou pelo Zé Gotinha.”

Darlan lembrou que o personagem sobreviveu tranquilamente a todos os presidentes, sem nenhum problema. Passou de Sarney para Fernando Collor, de Collor para Itamar Franco, de Itamar para FHC, de FHC a Lula, de Lula a Dilma… Até pelo golpista Michel Temer o Zé Gotinha passou sem problemas –menos por Bolsonaro. “O personagem não pode virar moeda de troca política, estou assustado, nunca vi o Zé Gotinha entrar numa discussão assim, fora do habitat dele, que é a saúde pública”, disse. “É um personagem que pertence ao povo brasileiro, deve ser preservado, devia ser tombado. Eu estou em pânico, é uma barbaridade.”

O artista disse que não pretende, por enquanto, ir à Justiça contra o desvirtuamento dos propósitos do personagem pela família que está no poder. “Me sinto incapaz de fazer isso, não tenho essa força, não sou empresário. O que eu posso fazer é denunciar para o máximo de pessoas possível”, diz Darlan. “O direito autoral diz que a criação é extensão do caráter da pessoa. É como se estivessem me agredindo.”

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(5) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

wagner barja em 13/03/2021 - 00h45 comentou:

Vacina sim. Arma não Viva o Zé Gotinha.

Responder

Laerthe Abreu Junior em 13/03/2021 - 14h00 comentou:

Será que não há ninguém na direita com pelos menos dois neurônios, ou um neurônio e meio, vá lá, para não fazer tanta bobagem?????

Responder

Eugênio BH em 15/03/2021 - 14h54 comentou:

Batracofobia

Cá no Patropi, “engolir sapos” é uma expressão muito comum e todo mundo, ou quase, sabe muito bem o que significa: suportar uma contrariedade sem chiar nem fazer cara feia.

Certo. Mas de onde ela vem?

Aqueles que foram obrigados a engolir o tal do Catecismo na infância hão de se lembrar de algumas aventuras bíblicas. No caso, a das pragas do Egito.

Uma delas foi a invasão de centenas de milhares de sapos e rãs por todo o território do país. Enviados pelo Deus Barbudo, os animais não apenas invadiam todos os ambientes – quartos, banheiros, cozinhas -, como também os pratos dos habitantes do reino. Verdadeira balbúrdia.

Os estudiosos que expliquem, mas é fato que, em alguns indivíduos, mesmo apenas a visão, o ruído ou a ideia da presença de sapos pode desencadear uma série de sintomas como taquicardia, ansiedade, gritos, agitação, choro, sudorese. tremores, insônia e desespero.

Há casos severos em que a vítima tende a pensar que um sapo vai saltar em sua cabeça ou rastejar debaixo de sua pele, causando uma crise de histeria ou ainda intensa paralisia de medo, pavor.

A boa notícia é que há tratamento, e simples, bastando que os indivíduos batracofóbicos tentem expor-se gradualmente aos bichinhos que lhes causam tanto mal: ouvir constantemente gravações dos sons emitidos por eles, ver fotos, e principalmente falar e discutir o assunto com amigos e familiares.

Grupos de ajuda psicoterápica também costumam resolver rapidamente. É o que ensinam sítios fidedignos da internet.

A espécie de sapo mais conhecida no Brasil é o Sapo-Cururu, que o diga o Manoel Bandeira. Já o Sapo Barbudo é pura e carinhosa invenção do Leonel, o do socialismo moreno.

Houve um tempo em que camadas de batracófobos conseguiram evitá-lo, mas houve outros em que tiveram que engoli-lo com barba e tudo. Por um tempo razoável.

Não se sabe ao certo porque não gostaram, mas devem ter lá seus motivos, sempre mais ocultos que claros.

Sabe-se, no entanto, que conseguiram contaminar uma imensa legião de pessoas que não têm razão alguma para temer o tal sapo, que na verdade tem nome de molusco.

A boa notícia, como se viu acima, é que há tratamento.

Rápido e barato.

Responder

Mário Gomes em 16/03/2021 - 23h47 comentou:

Parabéns. Muita saúde.

Responder

Maria Arnete em 10/04/2021 - 20h11 comentou:

Salve, Lula que o trouxe de volta! E que pena não lembrarem da criança que deu nome ao Zé Gotinha! Eu também não me lembro. Fui no Google e só aparece o artista plástico! Me parece injusto! Conheci o pai dele!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Derrotas de Dilma e Suplicy indicam: fake news e não antipetismo impulsionaram fascismo


Candidatos ao Senado pelo PT foram alvo de intenso bombardeio de notícias falsas pelo whatsapp às vésperas da eleição

Politik

A “síndrome da escolha difícil” que afeta a esquerda. Ou: não, Biden não é…


Trump é supremacista branco, anti-aborto, negacionista da pandemia, do câmbio climático, da ditadura militar no Brasil E fascista; Biden, não