Socialista Morena
Politik

Doação de Armínio Fraga a candidato negro deixa o PSOL em polvorosa

Setores do partido ameaçam impugnar candidatura de Wesley Teixeira se não devolver os 30 mil reais; militantes negros vêem "racismo"

O candidato Wesley Teixeira. Foto: Brasil 247
Cynara Menezes
01 de outubro de 2020, 21h49

O anúncio de que o economista Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central no governo FHC, doou 30 mil reais a Wesley Teixeira, um candidato negro a vereador de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, está deixando o PSOL em polvorosa nas redes sociais. Militantes do movimento negro acusam o partido de “racismo” e de querer impugnar a candidatura de Teixeira se não devolver a doação. Do outro lado, militantes do PSOL consideram inadmissível a um socialista receber doação de alguém do mercado financeiro.

A doação de Fraga a Teixeira foi articulada num encontro virtual promovido por Pedro Abramovay, diretor da Open Society Foundations para a América Latina, do qual participaram também os cineastas João e Walter Salles, herdeiros do banco Itaú, e Bia Bracher, escritora e também herdeira do banco. Todos fizeram doações ao candidato. Em seu perfil no facebook, Abramovay explicou que sua intenção era promover a aproximação entre setores progressistas da elite do país e as candidaturas de negros e mulheres em 2020.

A doação de Armínio a Wesley Teixeira foi articulada por Pedro Abramovay, diretor da Open Society Foundations para a América Latina. Ele garantiu que nenhuma exigência foi feita por parte do economista para a doação

“Estou convencido que para derrotar o autoritarismo e construir um projeto progressista, precisamos ver negros e mulheres ocupando os espaços de poder e liderando essas mudanças. Por isso é tão necessário olhar e apoiar negros e mulheres nessas eleições”, escreveu Abramovay. “Organizei, junto com Sueli Carneiro, uma reunião online com algumas pessoas do topo da pirâmide no Brasil, que eu sei que estão preocupadas com o crescimento do autoritarismo no Brasil e também com o racismo.”

Ele garantiu que nenhuma exigência foi feita por parte de Armínio para a doação, mas que setores do partido não receberam bem a notícia. “Alguns setores do PSOL ficaram indignados com a possibilidade de Wesley receber dinheiro de setores da elite. Claro que isso já aconteceu com outros candidatos (quase todos brancos) e até com doações ao partido. Mas para o jovem negro da baixada, que precisa dos recursos para sobreviver (política e fisicamente) nessa campanha, era demais. Exigiram que Wesley devolvesse o dinheiro, o que me parece uma falta de compreensão do que está acontecendo no Brasil. O fascismo não será derrotado sem diálogo com outros setores.”

Nas redes sociais, o tema dividiu a militância de esquerda. Enquanto a maior parte dos negros ficou do lado de Teixeira, muitos psolistas também viram contradição do candidato em aceitar o dinheiro –segundo a revista Veja, Armínio doou tanto para o PSOL quanto para o neoliberal partido Novo. Pedro Duarte, candidato do Novo a vereador no Rio, recebeu 25 mil reais.

No twitter, um dos críticos mais duros à posição do PSOL sobre a doação foi o historiador negro Douglas Belchior, que, em 2018, já havia acusado o partido de racismo na distribuição dos recursos financeiros entre os candidatos. Belchior chamou de “hipócrita” a postura da legenda de recusar doações de “branco rico”, enquanto as “estrelas” do partido as aceitariam sem pestanejar.

 

A filósofa Sueli Carneiro, fundadora do Geledés, também saiu em defesa de Wesley, para quem gravou vídeo de apoio à candidatura.

Os militantes negros receberam ainda o apoio de progressistas famosos (e brancos), como os humoristas Marcelo Adnet e Gregório Duvivier.

O PSOL ainda não se pronunciou oficialmente sobre o assunto. O que se sabe até agora é que a resistência à doação de Armínio Fraga não partiu do diretório nacional do partido, mas da direção local em Duque de Caxias e da corrente que Wesley integrava dentro da legenda, a Insurgência. Teixeira decidiu abandonar a tendência.

Mas o debate sobre o racismo no PSOL já havia sido colocado em pauta durante outro processo que quase impediu a candidatura a vereadora de outra jovem periférica negra, Thais Ferreira, comparada por setores do partido a Tabata Amaral por ter feito, como ela, o curso de formação política do RenovaBr. Um manifesto em favor da candidatura de Thais, que é primeira suplente de deputada estadual e recebeu quase 25 mil votos em 2018, reuniu mais de 500 assinaturas.

Entre os nomes importantes do partido no cenário nacional, o único a defender publicamente a candidatura de Wesley até o momento foi Marcelo Freixo, que disse no twitter ser “inaceitável” qualquer tentativa de prejudicá-lo.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Bernardo Santos Melo em 02/10/2020 - 01h56 comentou:

UNIDADE !
Esquerda infantilizada , inconsequente e suicida , risco total de ficar fora no segundo turno paulistano , BOZOLOKO jamais será barrado sem UNIDADE !
Boulos & Erundina JÁ !

Responder

PAULO ROBERTO MARTINS em 03/10/2020 - 11h17 comentou:

Cuidado senhores da esquerda! A coisa é delicada.Se por um lado devemos apoiar sim os candidatos negros e as mulheres na politica isto não significa,absolutamente,que todos os negros e mulheres são,por princípio,socialistas.O Bozo está usando muitos negros e mulheres fascistas para defender-se da acusação de racismo e fascismo.Estes textos que generalizam e criam vitimismo para aqueles excluidos são de um primarismo e falta de conhecimento histórico irritante. Entendo que parte dos psolistas estejam ouriçados com estes donativos,até porque estes senhores da direita distribuem seu money também para liberais,não é por ideologia.Mas concordo que o perigo agora mora na falta de unidade.Até parece que estas doações tem este objetivo mesmo: construir desconfianças,destruir por dentro,criar guerras internas,desmoralizar a esquerda.A melhor solução tem de ser buscada,mas qualquer análise apaixonada no estilo do “racismo interno”,”perseguição aos negros”,é de um primarismo nojento!A pior defesa é basear-se no complexo de perseguição,no “estou sendo perseguido porque sou negro”! Parem com isto,pelo amor de Deus!

Responder

Heve Ramos em 04/10/2020 - 21h38 comentou:

Gostaria de saber se, eleito, Wesley for votar algo contra os interesses dos banqueiros que o estão financiando, qual seria sua posição diante de um pedido dos seus “apoiadores”. Terá a isenção igual à da Tábata?
A elite sabe cooptar muito bem pessoas para financiarem seus projetos contra o povo brasileiro.

Responder

salete de copacabana em 09/10/2020 - 22h08 comentou:

a boa e velha esquerda sectária, que não sabe separar o joio do trigo e vive na sua eterna redoma. tava sentindo falta desse pessoal exagerado. kkkkkkkkkkk

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Entrevistas históricas: o escritor H.G. Wells entrevista Lenin


Socialista utópico, autor de A Guerra dos Mundos e A Ilha do Dr. Moreau bate um papo e acaba seduzido pelo líder revolucionário russo

Politik

Boulos diz não acreditar que ataques do PCO são estimulados pelo PT: “seria uma…


Jornal Causa Operária vem publicando uma série de artigos contra o candidato do PSOL, acusado de ser "herói da burguesia"