Socialista Morena
Direitos Humanos

Elas têm fome

Elas interrompem a aula com fome, elas precisam comer. Elas são crianças que vivem em São Paulo, a cidade mais rica da América do Sul

Foto: reprodução
Willian Novaes
25 de maio de 2021, 14h32

Elas têm fome, de comida, de frutas, de bolachas e de amor.

Elas são filhas do crack, do caos e da pobreza. Elas não têm o que comer, não têm fraldas, não têm a simpatia de quase ninguém. Elas chegam para estudar com fome, interrompem a aula com fome, elas precisam comer. Elas são crianças que vivem em São Paulo, na maior cidade da América Latina, a mais rica da América do Sul, a 10ª mais rica do mundo. O principal centro financeiro do país.

Vidas Secas em pleno mundo conectado. Vidas Secas que se repete num looping infinito entre os mais pobres patriotas seja em SP ou Amazonas, no Rio Grande Sul ou do Norte, no Rio ou em Tocantins

Sabe o fundo do poço da vida? Foram lá que elas nasceram poucos anos atrás, seus pais também nasceram nesse século, no tempo da modernidade, do 5G, do WhatsApp, da conectividade, do Big Brother, do Uber, do smartphone, do Bolsonaro, do Temer, da Dilma, do Lula e também do FHC. O que adianta tudo isso, se lá no canto perdido da Zona Norte paulistana, as crianças passam fome em maio de 2021?

Então tudo é complicado, no fim do dia elas voltam pra casa ou barraco, ou quartinho, mais tarde vão comer o que tiver na cesta básica, na geladeira, no fogão. O que esse governo está fazendo para essa criança que não tem o que comer?

Ouvir uma professora falar que reconhece no olhar que aquele pequenino brasileiro sente fome é de cortar o coração. O Estado não chega, o governo federal também não, a prefeitura oferece o mínimo e elas continuam sentindo fome.

Vidas Secas em pleno mundo conectado. Vidas Secas que se repete num looping infinito entre os mais pobres patriotas seja em SP ou Amazonas, no Rio Grande do Sul ou do Norte, no Rio ou em Tocantins.

As lágrimas escorrem ao ouvir novamente o áudio da professora me explicando como ela e as suas colegas sabem que o aluno está tonto de fome, está molinho, está triste e às vezes chora, o choro da fome. “Eu infelizmente já sei identificar”

As lágrimas escorrem aqui ao ouvir novamente o áudio da professora me explicando como ela e as suas colegas sabem que o aluno está tonto de fome, está molinho, está triste e às vezes chora, o choro da fome. “Eu infelizmente já sei identificar”, me conta.

Os alunos simplesmente pedem um prato de comida e o gostinho azedinho da laranja no meio da aula. “Hoje, tia, eu sonhei com um prato de comida e a senhora que fazia lá em casa pra mim”.

A professora com 20 anos de salas de aulas simplesmente se ajoelha, olha pra cima e chora e abraça com força o seu pequeno e magro aluno, talvez o único abraço que ele recebeu naquele triste dia frio…


(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Ulysses em 25/05/2021 - 16h40 comentou:

A verdade nua e crua, numa selva capitalista com políticas do quanto pior melhor e o povo esquecido e jogado a mercê da própria sorte! O olhar crítico e certeiro do escritor nos leva pensar onde erramos ou como erramos, e mesmo assim continuamos no caminhar da vida errando e sendo prolixos em nossos contextos e convicções.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Enquanto a cloroquina é suspensa pela OMS, remédios de Cuba mostram eficácia


Remédio propagandeado por Bolsonaro e Trump pode aumentar risco de morte em pacientes com Covid-19

Feminismo

Pesquisa comprova que os homens ainda se recusam a compartilhar tarefas domésticas


O número de horas que os homens dedicam aos trabalhos domésticos diminui quando eles se casam, enquanto o das mulheres aumenta: elas trabalham mais que o dobro do que eles em casa