Socialista Morena
Politik

Há três meses, Sâmia denunciou e-mails com ameaças de morte a ela e familiares

"Diziam que vão me matar e matar minha família das formas mais horríveis e sempre com requintes de crueldade", denunciou a deputada em julho

A deputada federal Sâmia Bomfim, cujo irmão foi assassinado no Rio, Foto: Myke Sena/Câmara dos Deputados
Da Redação
05 de outubro de 2023, 11h30

A deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP), cujo irmão médico foi assassinado com características de execução em um quiosque no Rio na madrugada desta quinta-feira, denunciou em entrevista à escritora Tati Bernardi três meses atrás, em julho, que recebe por e-mail recorrentes ameaças de morte a ela e seus familiares, com “requintes de crueldade”.

“As ameaças que eu recebo são direcionadas a meu filho. Atinge num lugar que não é racional, a gente fica maluca, mesmo. Mas eu tento racionalizar, porque o medo é a arma deles”, disse Sâmia. “Recebo e-mails uma vez por mês, a cada quinze dias, com ofensas horrorosas dizendo que vão me matar e matar minha família das formas mais horríveis e sempre com requintes de crueldade. Dá para investigar, mas depende de vontade política, que nunca teve e agora tem”, declarou.

Não foi a primeira vez que Sâmia mencionava ameaças. Em agosto do ano passado, uma ameaça recebida por e-mail citava seu filho com o também deputado Glauber Braga, Hugo, então com 1 ano de idade. “Acha que vai continuar exercendo este cargo de deputada federal até 2023? Nana-nina-não, sua vadia. Vamos te amarrar e te estuprar na frente de seu filho”, dizia 0 e-mail, que terminava fazendo uma alusão nazista, segundo a deputada. A deputada chegou a fazer boletim de ocorrência na Polícia Civil de São Paulo.

“Conversei com minha equipe e decidi fazer um boletim de ocorrência no dia seguinte. Cheguei a pensar em não divulgar. Mas refleti que, mesmo não sendo a primeira ameaça, foi a mais grave e perversa. Muito semelhante às que foram dirigidas a Manuela Dávila e Duda Salabert”, publicou Sâmia na época.

Em março de 2023, a deputada informou ter sofrido novas ameaças de morte por ocasião do Dia Internacional da Mulher. As ameaças incluiam xingamentos misóginos e também mencionavam seu marido, Glauber, e mais uma vez o filho do casal. Sâmia anunciou que iria pedir ao ministro da Justiça, Flávio Dino, a criação de um departamento na Polícia Federal dedicado ao combate à violência política de gênero.

“Recebo e-mails a cada quinze dias com ofensas horrorosas, dizendo que vão me matar e matar minha família das formas mais horríveis e sempre com requintes de crueldade”, contou Sâmia à escritora Tati Bernardi em entrevista dois meses atrás

“A violência política de gênero tem sido cada vez mais corriqueira, mas o Estado tem falhado no acolhimento e encaminhamento das denúncias e na busca por respostas e proteção das vítimas. O governo Bolsonaro não só ignorava como estimulava a prática, pois bolsonaristas praticam violência política de gênero contra adversárias políticas, nas redes sociais e na tribuna”, disse Sâmia à Folha de S.Paulo.”Precisamos construir novos marcos e protocolos para lidar com crimes assim e proteger a democracia, o direito à participação política das mulheres, sobretudo negras e LGBTQIA+.”

Em agosto deste ano, mês da celebração do Orgulho Lésbico, houve uma ação coordenada em todo o país com ameaças a parlamentares de esquerda que defendem os direitos LGBTs, entre os dias 8 e 22. Sete parlamentares receberam ameaça de “estupro corretivo”: as deputadas federais Daiana Santos (PCdoB-RS), Duda Salabert e Dandara Tonantzin (PT-MG), as estaduais Rosa Amorim (PT-PE) e Bella Gonçalves (PSOL-MG) e as vereadoras do PSOL Iza Lourença (MG), Luana Alves (SP), Mônica Benício (RJ) e Cida Falabella (MG).

As mensagens eram assinadas pelo Comando de Caça aos Comunistas de Minas Gerais (CCC-MG), em referência à organização de extrema direita da época da ditadura militar, exaltavam o coronel Brilhante Ustra, ídolo de Jair Bolsonaro, e usavam o slogan do ex-presidente, “Deus, Pátria e Família”. As parlamentares levaram a denúncia ao ministro da Justiça, Flavio Dino. Ele se pronunciou hoje nas redes sociais sobre a execução do irmão de Sâmia Bomfim.

“Em face da hipótese de relação com a atuação de dois parlamentares federais, determinei à Polícia Federal que acompanhe as investigações sobre a execução de médicos no Rio. Após essas providências iniciais imediatas, analisaremos juridicamente o caso. Minha solidariedade à deputada Sâmia, ao deputado Glauber e familiares”, disse Dino, sem descartar a possibilidade de crime político.

Horas depois, o ministro informou ter conversado com o governador do Rio pedindo providências. “Sobre a execução dos médicos, conversei agora com o governador do Rio, Cláudio Castro. Polícia Civil já realizando diligências investigatórias. Polícia Federal também. Secretário Executivo do MJ, Ricardo Cappelli, irá ao Rio e reunirá com a direção da PF e com o governo do Estado”.

Sâmia Bomfim teve uma posição de destaque este ano ao integrar a CPI do MST, onde protagonizou uma série de embates com deputados bolsonaristas. Durante a CPI, que não deu em nada, Sâmia sofreu com ataques misóginos e gordofóbicos por parte do presidente, tenente-coronel Zucco (Republicanos-RS), e do relator da Comissão, Ricardo Salles (PL-SP), ex-ministro do Meio Ambiente de Bolsonaro.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta: 000591852026-7
PIX: [email protected]
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Mauricio Nunes em 02/11/2023 - 02h25 comentou:

O Brasil precisa urgente começar a olhar com mais atenção para essas ameaças e tratar o assunto com mais responsabilidade. Fazer boletim de ocorrência não leva a nada, é preciso ir atrás, multar e se for preciso prender. Com a nossa expertise e com ajuda de outros países e principalmente criar um departamento de cyber segurança e começar a agir.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Os melhores memes e fotos da manifescoxa


HORS CONCOURS: acho que todos concordamos que esta foi a imagem mais emblemática da manifestação de direita hoje. A foto é do jornalista João Valadares. VENCEDOR: o leitor Rafael Vieira, de Volta Redonda-RJ. Acho que…

Politik

Equador decide entre Lenín e o banqueiro


Por Rafael Holanda Barroso, de Quito* Todo o continente sul-americano assiste à disputa mais acirrada da história recente do Equador. Mas o que falam as pesquisas sobre a conjuntura eleitoral do país? E os candidatos…