Socialista Morena
Mídia

Merval e Miriam Leitão já defenderam uso do termo “genocida” contra Bolsonaro

Em editorial nesta terça, O Globo diz que é "um abuso" relatório da CPI acusar presidente de "genocídio". O que mudou?

Miriam Leitão e Merval Pereira em 2018. Foto: Cristina Granato/Intrínseca
Da Redação
19 de outubro de 2021, 15h17

Trégua? O jornal O Globo partiu em defesa do presidente Jair Bolsonaro em editorial publicado nesta terça-feira, 19 de outubro, intitulado: É um abuso acusar Bolsonaro de genocídio. Segundo o diário da família Marinho, mesmo reconhecendo a responsabilidade do governo federal nas “centenas de mortes” de indígenas, o termo não pode ser aplicado ao presidente no relatório da CPI da Covid-19.

Merval Pereira e Miriam Leitão também se moveram por “interesses políticos” ao chamarem Bolsonaro de “genocida”, como o jornal acusa Renan Calheiros de agir em seu relatório? Ou mudou algo nas organizações Globo em relação a Bolsonaro?

“No caso dos indígenas brasileiros, parece claro que a omissão criminosa do governo durante a pandemia foi responsável por centenas de mortes, resultantes da falta de vacinas, da insistência em tratamentos ineficazes, da resistência a combater as invasões e o desmatamento que introduziram o vírus em suas comunidades”, defende o jornal, para quem o relator da CPI, Renan Calheiros, utiliza o termo por “interesse político”.

“Todos esses crimes devem obviamente ser punidos com o maior rigor possível. Mas nenhum deles foi cometido especificamente contra os indígenas. Nem está comprovado que o governo teve a ‘intenção de destruir, no todo ou em parte’ qualquer grupo étnico específico. Não se trata, portanto, de genocídio. O abuso da palavra só contribui para esvaziar seu sentido.”

Curiosamente, há menos de um mês, um dos principais colunistas do jornal, Merval Pereira, praticamente um porta-voz da família Marinho, disse exatamente o contrário. “O que era um exagero de retórica política, chamá-lo de genocida, passou a ser uma acusação baseada em fatos e apoiada por uma comissão de juristas, pois os experimentos médicos feitos sob inspiração do governo estão comprovados, como no depoimento do diretor-presidente da Prevent Senior”, opinou Merval.

Em março deste ano, outra colunista simbiótica com as organizações Globo, Miriam Leitão, também havia defendido, com ênfase, o uso do termo contra Bolsonaro, no texto A palavra que habita em nós. “Genocídio. Por que a palavra ficou tão presente na vida brasileira? Porque ela é usada quando um povo está morrendo. Nós estamos morrendo. Todas as outras palavras parecem pálidas”, escreveu Miriam.

“Prisioneiros de uma armadilha institucional e trágica, os brasileiros morrem diariamente aos milhares. Os remédios usados no tratamento extremo, a intubação, estão acabando, e o país está numa macabra contagem regressiva de quantos dias durarão os estoques. O que acontecerá se os medicamentos acabarem antes de serem repostos? Seremos intubados sem sedativos ou sufocaremos? Nós não estamos apenas morrendo. Caminhamos para morrer em maior número e de maneira mais cruel. Que nome deve ser usado? Genocídio.”

“A palavra habita nossas mentes porque estamos vendo os fatos. Objetivamente, é a única que temos para descrever os eventos deste tempo. Quem se ofende com ela, se fosse pessoa com sentimentos humanos, teria reagido para evitar a tragédia”, escreveu Miriam Leitão

Continuou Miriam: “A palavra habita nossas mentes porque estamos vendo os fatos, temos consciência do destino. Objetivamente, é a única que temos para descrever os eventos deste tempo. Quem se ofende com ela, se fosse pessoa com sentimentos humanos, teria reagido para evitar a tragédia. (…) O presidente adotou conscientemente o caminho de nos levar para esta exposição máxima ao vírus porque desta forma se chegaria, na cabeça dele, ao fim da pandemia. O caminho está errado sob todos os pontos de vista: médico, científico, humano. Ele está nos levando para a morte. Qual é a palavra exata? Genocídio”.

Merval Pereira e Miriam Leitão também se moveram por interesses políticos ao chamarem Bolsonaro de “genocida”, como o jornal acusa Renan de fazer? Ou mudou algo nas organizações Globo em relação a Bolsonaro?


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Carlos em 20/10/2021 - 09h56 comentou:

Cara,
Acertou na mosca, parabens, parece que foi a unica. Mas, a pergunta que fica, e “por que” a globo fez isso?
Sou refratario a toda teoria da conspiracao e estou muito longe de bsb para apurar minha “teoria” – muito mais uma “intuicao”, na verdade – de que eles nao querem queimar totalmente bolsonaro.
Como nao sai essa “terceira via”, que tal um bolsonaro “bonzinho”, purgado dos “erros do passado”? Essa ficcao nao pode ser a “terceira via”? Nao preciso comentar com voce o poder das midias junto com o pessoal da grana para promover esta loucura.
Enfim, espero que eu esteja errado e tudo nao passe de uma bad trip minha. Mas as bruxas existem, ne?
Abraco

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Adeus, cubanos: governo da ilha retira médicos após insultos de Bolsonaro


Durante a campanha, presidente eleito ameaçou "expulsar" os cubanos e pôs em dúvida a formação dos médicos cubanos, reconhecida pela ONU

Politik

“Custoso demais”: Michelle Bolsonaro define o que seu marido representa para o país


Por quanto tempo ainda o Brasil aguentará suportar o peso deste governo em nossas costas?