Socialista Morena
Trabalho

MST: 35 anos lutando para que a terra não seja só dos herdeiros das capitanias

Livro conta a história da luta pela terra no Brasil através de cartazes e pôsteres do movimento desde o final dos anos 1970

Cartaz do MST com foto de Sebastião Salgado
Da Redação
10 de setembro de 2019, 19h12

Para comemorar seus 35 anos, o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) lançou o livro Sem Terra em Cartaz, com pôsteres e cartazes criados por artistas gráficos, a maioria militantes anônimos, que documentam a história da luta pela terra no Brasil desde o final dos anos 1970. As imagens remontam às primeiras manifestações, nos estertores da ditadura, de indígenas, negros e agricultores pobres pelo direito de ter um pedaço de terra para chamar de seu.

A luta do MST nada mais é do que garantir que também os indígenas, os descendentes de negros escravizadas e os agricultores pobres tenham direito à terra. Não só os herdeiros das capitanias e os que conquistam propriedades a bala

Os cartazes foram classificados por ordem cronológica e de assunto, a partir da luta dos povos indígenas, passando pelos 100 anos de Canudos, as Romarias organizadas pela Comissão Pastoral da Terra nos anos 1980, as manifestações dos trabalhadores rurais e a violência no campo, com os mártires, que não foram poucos, da luta pela reforma agrária –padre Josimo, Chico Mendes, Dorcelina, Dorothy Stang…

Há também pôsteres de filmes e homenagens feitas por celebridades ao MST e do MST a apoiadores do movimento, como o jogador Sócrates, ou a ícones como Nelson Mandela, Florestan Fernandes e Darcy Ribeiro.

A história da luta pela terra no Brasil pode ser facilmente resumida assim: primeiro eram os indígenas os donos das terras; os portugueses “descobriram” o Brasil; a Coroa portuguesa repartiu o território entre nobres de confiança do rei, dividido em capitanias que podiam passar de pai para filho, ou seja, eram hereditárias; 519 anos depois, pouca coisa mudou. Nosso país é até hoje um dos campeões mundiais de concentração fundiária, com extensões inimagináveis de terra sendo herdadas pelos ricos, geração após geração –ou conquistadas a bala.

Segundo o relatório Terra, Poder e Desigualdade na América Latina, divulgado pela Oxfam em 2016, apenas 1% dos proprietários rurais detêm quase a metade de todas as terras do Brasil. São apenas 15 mil propriedades com mais de 2,5 mil hectares ocupando 98.480 milhões de hectares (pense que um hectare de terra é igual a um campo de futebol). Já os pequenos agricultores (com propriedades de até 10 hectares), embora produzam mais de 70% dos alimentos que chegam à mesa do brasileiro e representem mais de 47% do total de propriedades do país, ocupam menos de 2,3% da área rural total.

O relatório da Oxfam Brasil aponta ainda a desigualdade de gênero, com os homens à frente de 87,32% dos estabelecimentos, representando 94,5% das áreas rurais brasileiras; a desigualdade no acesso ao crédito agrícola: as grandes propriedades rurais, com mais de 1.000 hectares, concentram 43% do crédito rural, enquanto para 80% dos menores estabelecimentos, esse percentual varia entre 13% e 23%.

Um dos cartazes exibidos no livro impressiona pela atualidade: em 2005, parlamentares ruralistas tentaram criminalizar as ocupações do MST como “crime hediondo” e “ato terrorista”, exatamente como quer Bolsonaro. Não por coincidência, entre eles estava Onyx Lorenzoni, atual ministro da Casa Civil

Apenas uma pessoa, Falb Saraiva de Farias, se orgulha de ser o maior proprietário de terras do Brasil: sozinho, afirma possuir mais de 12 milhões de hectares de terras, ou 12 milhões de campos de futebol, dos quais “6 a 7 milhões de hectares de terra bem documentados. Documentos de 1800 e não sei quanto”, disse ao repórter Altino Machado alguns anos atrás.

Pois então: a luta do MST nada mais é do que garantir que também os indígenas, os descendentes dos negros escravizados e os agricultores pobres tenham direito à terra. Não só os herdeiros das capitanias e os que conquistam propriedades a bala. Hoje o MST é o maior produtor de arroz orgânico da América Latina e é um dos maiores guardiões de sementes “crioulas” (não-transgênicas) do mundo. Só de feijão são mais de 50 variedades produzidas pelo movimento.

Todos estes anos o movimento foi atacado pela direita. Um dos cartazes exibidos no livro impressiona pela atualidade: em 2005, durante o governo Lula, parlamentares ligados ao agronegócio tentaram criminalizar o movimento, com a CPMI da Terra tentando tipificar a ocupação de terras como “crime hediondo” e “ato terrorista”, exatamente como quer Bolsonaro agora.

Não por coincidência, entre os parlamentares que queriam criminalizar o MST estava Onyx Lorenzoni, atual ministro da Casa Civil, em seu primeiro mandato como deputado federal.

Foto: CPV

Confira neste post alguns cartazes do livro. Para adquirir um exemplar e contribuir com o MST, clique aqui.

Foto: CPT

Foto: CEDEM

Foto: CPT

Foto: CPV

Foto: MST

Foto: MST

Foto: CEDEM

Foto: Leonardo Melgarejo/MST

Foto: CPV

Foto: CEDEM

Foto: CEDEM

Foto: CEDEM

Foto: CEDEM

 

Foto: MST

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

Para proteger indígenas, Acampamento Terra Livre não divulga local do encontro


Lugar onde será montado o acampamento só será anunciado na última hora para preservar participantes da violência bolsonarista

Direitos Humanos

Brasil tem mais queixas na Comissão Interamericana de DH do que a Venezuela


Segundo Sandra Carvalho, diretora da organização não-governamental Justiça Global, aumento "é representativo do momento que o país vem atravessando"