Socialista Morena
Politik

Naquela mesa está faltando ele… Que pena, Ciro!

Sem a inteligência emocional de Marina, o pedetista queimou todas as chances de se unir a um movimento que tanto precisa dele

Marina, Lula e Alckmin. Falta um. Foto: Ricardo Stuckert
Cynara Menezes
13 de setembro de 2022, 12h00

Nesta segunda-feira, dia 12 de setembro, aconteceu um reencontro histórico: a ex-petista Marina Silva declarou oficialmente seu apoio a Lula, após mais de uma década de estranhamentos, desde a escolha de Dilma Rousseff para a sucessão do então presidente. A ministra do Meio Ambiente e Dilma, ministra da Casa Civil, bateram de frente nos últimos anos do governo Lula, com suas visões opostas sobre desenvolvimentismo e preservação ambiental.

O tempo provou que Marina tinha razão, por exemplo, sobre Belo Monte: os impactos sobre o Xingu e as populações ribeirinhas não valeram a pena diante da baixa produção de energia. A ex-ministra também tinha queixas em relação à campanha publicitária de Dilma em 2014, que considerou “caluniosa e difamatória” contra a sua candidatura, que quase chegou ao segundo turno naquela eleição –e não teria sido melhor para o Brasil?

Em vez disso, passou o tucano Aécio Neves ao segundo turno e Marina acabou apoiando-o. Derrotado, Aécio levantaria suspeitas indevidas sobre as urnas eletrônicas, facilitando o caminho para o discurso que é hoje utilizado por Jair Bolsonaro.

Marina e Lula se abraçam. Foto: Ricardo Stuckert

Mas, nesta segunda-feira, os semblantes de Lula e Marina pareciam serenos, relaxados. O ex-presidente a abraçou e beijou na testa. Marina, generosa, retribuiu a afeição pública. Os dois se conhecem desde 1985, quando a jovem acriana Osmarina, aos 27 anos, se filiou ao PT, na trilha do mentor Chico Mendes. É honesto dizer que nestes anos todos o PT mudou mais que Marina, que permanece fiel a seus princípios de defensora da floresta e dos que nela habitam. E foi a mesma Marina Silva de sempre que deixou as mágoas para trás e abriu seu coração para Lula em nome da democracia e do Brasil.

“Nosso reencontro político e programático se dá diante de um quadro grave da história política, econômica, social e ambiental no nosso país”, afirmou Marina. “Temos uma ameaça que eu considero a ameaça das ameaças: a ameaça à nossa democracia. Sempre que a democracia é ameaçada há tentativa de corrosão do tecido social em todas as suas dimensões. E sempre que a gente está diante de propostas, atitudes e processos que constituem a possibilidade da banalização do mal, homens e mulheres se unem.”

“Temos uma ameaça que eu considero a ameaça das ameaças: a ameaça à nossa democracia. E sempre que a gente está diante de propostas, atitudes e processos que constituem a possibilidade da banalização do mal, homens e mulheres se unem”, disse Marina

“Sempre que surge diante de nós a possibilidade de banalizar o mal, brasileiros e brasileiras devem se unir em legítima defesa da democracia, em legítima defesa da Amazônia e dos demais biomas, em legítima defesa das mulheres, em legitima defesa dos mais pobres, em legítima defesa de um país que seja próspero, diverso, justo e sustentável. Nesse momento crucial da História, quem reúne as maiores e melhores condições para derrotar Bolsonaro e a semente maléfica do bolsonarismo que está se instalando no seio da sociedade é a sua candidatura”, disse a Lula.

Olhando as fotos de Ricardo Stuckert com os ocupantes da mesa da entrevista coletiva, impossível não lembrar da canção de Sérgio Bittencourt eternizada na voz de Nelson Gonçalves: “Naquela mesa está faltando ele…” Todos os candidatos progressistas de 2018 se uniram a Lula contra Bolsonaro nesta eleição: Guilherme Boulos, do PSOL, Geraldo Alckmin, do PSDB (hoje PSB) e agora Marina Silva. Falta um. É uma pena constatar que, sem a inteligência emocional de Marina, Ciro Gomes queimou todas as chances de se juntar a um movimento que tanto precisa dele.

No mesmo momento em que Marina, Lula e Alckmin confraternizavam em torno da ideia de reconciliação nacional, Ciro publicava um vídeo vociferando os maiores impropérios contra o ex-petista, de quem aliás foi ministro. Com as feições transtornadas, o pedetista chegou a acusar Lula de “cangaceirismo”, o que não deixa de ser contraditório para um nordestino que, quando é chamado de “coroné” pelos petistas, reclama de “xenofobia”. De tão virulento, o vídeo foi compartilhado pelo ministro das Comunicações de Bolsonaro, Fabio Faria, uma repercussão que se tornou frequente nesta eleição.

Ciro tentou instigar Marina contra Lula até o último momento, acusando o PT pela campanha de 2014 sem mencionar que o cérebro por trás daquela estratégia equivocada é o mesmo da sua, o publicitário João Santana. Marina Silva inclusive lamentou quando o pedetista contratou o marqueteiro. “João Santana representa a antítese do debate, é a política vista como um produto a ser vendido a qualquer custo e sem limite ético”, disse. “Digo isso com conhecimento de causa por ter sido vítima desse tipo de estratégia em 2014, em ataques do PT, produzidos e operacionalizados por Santana. Portanto, jamais cometeria a incoerência de aceitar trabalhar com ele.”

Ciro, que sempre foi a segunda opção dos eleitores de Lula, cada vez mais se torna a segunda opção dos eleitores de Bolsonaro. Em vez de se preocupar com o Brasil, quer apenas ter razão. Parece torcer pela derrota de Lula para dizer que estava certo

É uma pena que tanto Ciro quanto seu marqueteiro tenham decidido se guiar pelo rancor nesta eleição. A “estratégia” de emular Bolsonaro nas críticas a Lula não rendeu nem um só voto mais ao candidato do PDT nas pesquisas, nas quais se mostrou incapaz até agora de atingir os dois dígitos. O que de fato aconteceu é que Ciro, que sempre foi a segunda opção de voto dos eleitores de Lula, cada vez mais se torna a segunda opção dos eleitores de Bolsonaro.

Triste constatar que, ao invés de se preocupar com o futuro do Brasil, Ciro quer apenas ter razão. Parece torcer para que Lula seja derrotado por Bolsonaro para dizer que estava certo. Marina Silva fez o caminho oposto, ao deixar as divergências de lado em nome do país e da democracia. O rancor é péssimo conselheiro. Ainda há tempo de Ciro Gomes descobrir isso?

 

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta: 000591852026-7
PIX: [email protected]
(5) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Eugênio BH em 13/09/2022 - 19h20 comentou:

Se tudo der errado e o pior desastre acontecer (toc, toc, toc), a culpa será do cearense, transformado em transtornado egoísta odiento..

Mas há um deslize no texto, a belezura total de “Naquela mesa tá faltando ele…” é de autoria do Sérgio Bittencourt, que a escreveu em homenagem ao pai, Jacob do Bandolim, morto em 1969.

A Elizeth Cardoso e o Nelson Gonçalves eternizaram a canção naqueles anos de chumbo, que curiosamente em muito enriqueceram a MPB.

País maluco.

Responder

    Cynara Menezes em 14/09/2022 - 18h58 comentou:

    sim, foi corrigido, obrigada

Bernardo Melo em 14/09/2022 - 06h35 comentou:

Narcisismo ou Grana ?
CIRO GOMES perdeu -se e como serpente enfurecida mantém a língua tremulando em busca de uma picada fatal .
Esqueceu que o voto útil contra o inútil será o golpe de misericórdia contra os milicianos e os verdes , ambos lambuzados por crimes .
Duas semanas nos separam de uma vitória fantástica da DEMOCRACIA sobre o ARBITRIO .
Quanto ao choro dos derrotados aguardaremos os fatos , oxalá não ocorram escaramuças TRUMPEIRAS .

Responder

felipe puxirum em 14/09/2022 - 13h29 comentou:

forças armadas e do atraso:
berço da covardia nacional
mão da impunidade e braço
da tortura entreguista e real
triste de nós sob esse asco
feliz só o império do capital
defendido por servil carrasco
escravocrata e neo-colonial
dentro da farda sendo fardo
em desonra e escárnio dual

Responder

Rodrigo Coelho em 18/09/2022 - 03h11 comentou:

Pelo jeito, o Ciro não é um verdadeiro democrata e talvez nunca tenha sido realmente um político de centro-esquerda. O que ele tentou foi conquistar os eleitores do Lula na época da prisão, colocando-se como progressista: xingava o Sérgio Moro e chamava o impeachment de golpe; como considerava o Haddad um político fraco para chegar ao segundo turno, dada a forte onda antipetista que varria o Brasil, não aceitou ser vice e depois foi para Paris, já bravinho.. Em todo aquele jogo de cena, eu me lembro, havia um riso no canto da boca. Por ele, sabe-se agora, Lula pegaria prisão perpétua…

Esses ataques covardes e mentirosos contra o Lula fazem do Ciro um tipo mais nojento do que o Bolsonaro, porque ao menos este é um inimigo autêntico. Ciro é mais falso do que o casamento do brochável. É uma falsidade que assusta: ele é capaz de dar gargalhadas das piadas machistas e agressivas do Bolsonaro e dizer na Jovem Pan que o Emílio Surita tinha razão em temer o socialismo. Depois, vem com papinho de renda mínina com o carimbo do Suplicy!

O perigo de um homem desse na presidência é que ele pode rasgar seu plano de governo, fazer totalmente o contrário do que disse na campanha e acusar quem o cobra de estar caluniando-o.

Passou batido uma rápida resposta que ele deu para um jornalista da Folha nesta semana, sobre a previdência social, e ele mencionou uma reforma onde já aparece a CAPITALIZAÇÃO, bem ao estilo Paulo Gurdes

Esse é o “Cirão da massa”… Assustador.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Candidatura Boulos-Guajajara incendeia… o próprio PSOL


Debate entre pré-candidatos à presidência pelo partido hoje promete pegar fogo, em meio a acusações de falta de discussão interna

Politik

Para atender aos Bolsonaro, Justiça do Paraná transfere Lula para presídio, mas STF veta


Se Lula foi para Curitiba sob a justificativa de que a Lava-Jato fica lá, qual a razão para transferi-lo para São Paulo agora?