Socialista Morena
Cultura

NO: quando a publicidade é usada para vender uma boa causa

Por Liliane Machado* Indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro 2013, NO, produção chilena, permite várias leituras para além do óbvio interesse histórico que contém. Ficção baseada em fatos reais, a obra de Pablo Larraín aborda os dias que antecederam o plebiscito que pôs fim à ditadura de Pinochet. Ao invés de ater-se aos fatos […]

Liliane Machado
21 de janeiro de 2013, 17h20

Por Liliane Machado*

Indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro 2013, NO, produção chilena, permite várias leituras para além do óbvio interesse histórico que contém. Ficção baseada em fatos reais, a obra de Pablo Larraín aborda os dias que antecederam o plebiscito que pôs fim à ditadura de Pinochet. Ao invés de ater-se aos fatos propriamente ditos, entretanto, Larraín propõe uma discussão que abrange a relação que a esquerda estabelece com a linguagem publicitária, bem como as tensões vivenciadas pelos (bons) publicitários quando estão diante de um trabalho que foge ao cotidiano da promoção das relações de produção capitalistas.

Os publicitários, como é de conhecimento geral, não costumam sentir pudor em utilizar suas ferramentas habituais para vender um partido, um político ou uma causa social, assim como promovem e vendem uma calça jeans ou um forno de microondas. Omitir problemas eventuais, acentuar qualidades e criar um mundo maravilhoso em torno da mercadoria fazem parte das qualidades dos profissionais da área, bem como dos bons marqueteiros.

No entanto, em uma época que questões legais e éticas são abordadas e discutidas com cada vez mais frequência pelos pesquisadores e profissionais da comunicação social de um modo geral, nem os estudantes de publicidade, nem os profissionais consagrados conseguem negar-se a avaliarem a responsabilidade social de suas opções profissionais. Afinal, tratar causas sociais, ideologias políticas, torturas, prisões e mortes, como foi o caso da ditadura chilena, é o mesmo que tratar de coisas mais amenas, como a promoção de um novo carro? Há limites ou vale tudo?

Por outro lado, em um mundo como o nosso, envolto em constantes revoluções tecnológicas na área da comunicação, as quais impactam vertiginosamente o imaginário social, como o uso das redes sociais, por exemplo, há possibilidades de virarmos as costas a tudo isso e seguirmos em frente atacando meios de comunicação, o conteúdo midiático e os seus realizadores como meros promotores da alienação? Como um político de esquerda pode aproveitar-se de tal arsenal sem sujar as mãos?

É esse o dilema que NO aborda desde o início da trama, quando um jovem publicitário em ascensão, filho de pais exilados e que passou a maior parte de sua vida fora do Chile, recebe a proposta de um político de esquerda para orientar a campanha que pedirá à população que vote “não” à continuidade de Pinochet no poder. René Saavedra é interpretado pelo mexicano Gael Garcia Bernal, o jovem Che de Diários da Motocicleta, que, com sua habitual fisionomia melancólica, imprime veracidade e profundidade aos dilemas da personagem.

Quando recebe o convite, René recusa, mas logo se vê envolvido na causa que fora dos seus pais. Descarta o conceito da campanha que começara a ser implementado (centrado em imagens de tortura e assassinato), sob o argumento de que aquilo não convenceria a maioria da população a votar “não” a Pinochet. Dilui a violência das imagens, chama jovens para estrelar a campanha e contrata belas mulheres para cantar um jingle que fala da possibilidade de o eleitor construir um novo Chile: solidário, humano, pacífico, onde reine a alegria.

A primeira reação dos políticos que o contrataram, particularmente dos integrantes dos partidos identificados mais à esquerda, é de indignação. Em um discurso inflamado, um deles acusa a campanha de antiética, oportunista e, pior, de fechar os olhos para as milhares de vítimas que a ditadura produziu. A ex-companheira do publicitário, uma militante engajada, lhe diz que a campanha é a cópia da cópia da cópia e o indaga se conhece realmente a realidade do país.

É importante observar que tal embate não terminou na década de 80. Qualquer pessoa que já tenha tido contato com sindicatos situados mais à esquerda no Brasil e que fazem oposição ao governo, sabem que o discurso – comunicados, cartas a governantes, etc. – praticado por tais associações ainda é marcado por um ranço panfletário ultrapassado. Fazer frente a essa prática não é tarefa fácil para associados e/ou jornalistas, por exemplo.

René Saavedra, porém, defende que só assim conseguirá tirar os chilenos da apatia e da descrença que sentem diante de um plebiscito que consideram uma grande armação de Pinochet para agradar aos parceiros estrangeiros, como os Estados Unidos. Mas ele também aprenderá que nem tudo é possível nas campanhas publicitárias partidárias. Terá que aceitar que sejam incluídas imagens de denúncia acerca da opressão e da miséria vivenciada pelo povo. Vence a linguagem publicitária, mas pontuada pelo emprego da ética e do respeito às causas sociais.

Ambientado em 1988, o filme tem uma concepção estética absolutamente oitentista, graças ao emprego do ultrapassado U-Matic, tecnologia largamente empregada à época. A opção do cineasta conferiu harmonia à fotografia do filme, que se utiliza de imagens reais da campanha que foi veiculada na TV. Para realizar o trabalho, Larraín – diretor de Tony Manero, de 2008 e Post Mortem, filme de 2010, inédito no circuito comercial brasileiro – fez uma extensa pesquisa, que incluiu várias entrevistas com os protagonistas do acontecimento histórico.

O resultado é uma obra que promove um dos fatos emblemáticos da história da política latino-americana recente, a que pôs fim às odiosas ditaduras militares. Impossível não torcer para que o “não” vença, mesmo que saibamos o final antecipadamente, e para que a publicidade consiga o que parecia impossível à época, tirar Pinochet e seus comparsas do poder após 15 anos cometendo violações aos direitos humanos. Vencedor da Quinzena dos Realizadores na última edição do festival de Cannes, NO é um filme para não ser esquecido.

*Liliane Machado é professora da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília.


(5) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

dukrai em 21/01/2013 - 17h34 comentou:

já ia postar um comentário de caso pensado sem nem ler o post, "nem sei se gosto mais da Socialista ou da Morena". Aí fui ver e o artigo é da Liliane Machado, nó, muito bom, né?
bjs

Responder

cauerpimentel em 21/01/2013 - 17h52 comentou:

Assisti o filme recentemente e acredito que sua melhor sacada é que crítica simultaneamente os absurdos da ditadura e o aspecto circense da democracia contemporânea, bem representado nos programas de horário eleitoral. A campanha do "No" é ilustrativa do dilema da esquerda: continuar fiel às suas convicções ideológicas, ainda que isso lhe dê uma aparência ranzinza, com cada vez menos apelo midiático, ou aderir ao joguete democrático e tomar um banho de publicidade que talvez lhe renderia melhores resultados nas urnas?
Enfim, boa direção e fotografia interessante que dão uma abordagem original à temática.

Responder

    recguerra em 10/11/2013 - 00h42 comentou:

    Penso que é isso, mas não é só isso.

    A comunicação tem vários níveis ou camadas.

    É irreal pensar que o povo com baixa instrução vai conseguir compreender textos longos, em tempos de twitter.

    O problema é que a Esquerda não desenvolveu um diálogo curto, simples direto e incisivo com a mesma eficiência que o mercado.

@daanlima_ em 26/01/2013 - 00h55 comentou:

Assisti esse filme hoje, gostei bastante do roteiro. Não entendi muito bem a apatia do personagem do Gael em todos os momentos do filme.
Em dois momentos a campanha televisiva do Pinochet é semelhante a duas campanhas brasileiras em dois momentos diferentes, achei bem interessante.

Responder

joel baesse junior em 07/02/2013 - 20h15 comentou:

Querida Liliane,
Depois do seus comentários fiquei muito animado em assistir tanto o "Amor" como o "No". O primeiro principalmente, pois vi muito semelhança na relação que meus pais tinham um pelo outro. O segundo irei pelo que li e estudei no meu curso de Historia; um tema que gosto de aprofundar não só no Chile mas na Argentina e no Brasil. Parabéns por carregar tão bem nas tintas. Abraço Joelzim lá do Martinica , terça final da tarde , lembra?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Ditadura de direita: filho de Muhammad Ali é “acusado” de ser muçulmano em aeroporto


Filho do mais famoso boxeador de todos os tempos, Muhammad Ali Jr. ficou retido durante horas em um aeroporto na Flórida, nos Estados Unidos, no início de fevereiro, “acusado” de ser muçulmano, apenas por causa…

Politik

Um casal de surdos, filmes dublados e o bacana da indignação


Não tive tempo de escrever sobre isto à época, mas adorei esta notícia: “Casal de surdos ganha indenização de cinema que não tinha Shrek legendado em Belo Horizonte”. A decisão saiu no final de outubro…