Socialista Morena
Direitos Humanos

Nós, os baianos, não queremos só comida, amado Lula

Quando a bala da arma de um policial consegue matar mais rápido do que a fome, presidente, quem é negro, de estômago vazio ou cheio, tem pressa

Jornada dos Movimentos Negros Contra a Violência Policial. Foto: Paulo Pinto/Agência Brasil
Joana Rizério
04 de setembro de 2023, 09h06

Eu vi na TV, querido Lula, a escalada daquela sua nobre obsessão por matar a fome do brasileiro. De terninho azul de riscas, cabelinho e barba brancos e em dias, você prometeu, em Angola, não medir esforços para colocar comida no prato do mundo inteiro. Bravíssimo plano, meu presidente. Mas você já foi à Bahia?

Um velho samba de Gilberto Gil diz que o baiano “de fome, não morre, porque na Bahia tem mãe Yemanjá e, do outro lado, o Senhor do Bonfim”. Nós, os baianos, não queremos só comida, amado Lula. O desejo mais fundamental do resto do país –e até do mundo– pode ser picanha, arroz e feijão, mas aqui, não.

Você prometeu, em Angola, não medir esforços para colocar comida no prato do mundo inteiro. Bravíssimo plano, meu presidente. Mas você já foi à Bahia? O desejo mais fundamental do resto do país –e até do mundo– pode ser picanha, arroz e feijão, mas aqui, não

“O que você quer?” pergunta Caco Barcelos a uma adolescente baiana no Profissão Repórter do último dia 16 de agosto. A violência policial no Estado foi o tema do programa depois que a Bahia liderou o ranking nacional do último Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

“A gente quer câmeras nas fardas dos policiais”, sentenciou, decidida, a menina. Ela faz parte dos milhões de baianos que perderam o apetite ao saber que a Polícia Militar do Estado matou mil quatrocentas e sessenta e quatro pessoas ano passado.

Aquilo que a entrevistada pede –câmeras corporais no fardamento dos agentes– é comprovadamente eficaz na redução de mortes tanto de civis quanto de militares. Em São Paulo, a queda no número de mortes foi de mais de 70% nos últimos anos.

Ter a garantia de comer três vezes por dia é fundamental, meu presidente, mas, pensa aqui comigo: pra precisar de alimento, o corpo tem que estar vivo. Quem tem fome, tem pressa é um slogan que precisa ser adaptado pra funcionar aqui.

Quando a bala da arma de um policial consegue matar mais rápido do que a fome, presidente, quem é negro, de estômago vazio ou cheio, é quem tem pressa.

FAÇA UM PIX PARA A JOANA: [email protected]

 


(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Mônica Curvelo em 04/09/2023 - 22h04 comentou:

Bravíssimo Joana! 😘

Responder

Teca Rizério em 04/09/2023 - 22h54 comentou:

Forte! Muito!!!

Responder

Ione em 12/09/2023 - 22h02 comentou:

Faz o L, meu bem!!

Responder

Roberto Fernando dos Santos Cerqueira em 14/09/2023 - 10h59 comentou:

Parabéns pela reflexão…

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Fome na Argentina de Macri: 46,8% das crianças menores de 14 anos são pobres


Supermercados colocam alarme na carne e restringem a compra do leite mais barato a apenas um litro por consumidor

Mídia

A mídia e o vício em investir na intriga e sabotagem do país


Visita da presidenta da Comissão Europeia é um exemplo de cobertura enviesada: imprensa ocultou elogios ao brasileiro para retratar encontro como negativo