Socialista Morena
Politik

O coronavírus fará a turma do “Estado mínimo” se curvar à saúde pública?

Conservador, primeiro-ministro Boris Johnson agradeceu ao SUS britânico ao deixar o hospital: "devo minha vida a vocês"

Boris Johnson ao deixar o hospital. Foto: Pippa Fowles/nº 10 Downing Street
Cynara Menezes
14 de abril de 2020, 19h47

Infectado pelo coronavírus, que o levou à UTI, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson deixou o hospital no último domingo agradecendo emocionado ao NHS (National Health Service), o serviço de saúde pública do Reino Unido, por tê-lo salvado. “O NHS salvou a minha vida, não há o que discutir”, afirmou o político conservador, em vídeo divulgado por ele mesmo no twitter.

“É difícil encontrar palavras que expressem a minha dívida. Quero agradecer às muitas enfermeiras, homens e mulheres, cujos cuidados foram impressionantes”, disse Johnson, que chegou a citar nominalmente dois enfermeiros, imigrantes, que permaneceram a seu lado o tempo inteiro: Jenny, da Nova Zelândia, e Luis, de Portugal.

“Nós iremos vencer este vírus porque nosso NHS é o coração pulsante deste país. É o melhor deste país. É impulsionado pelo amor. Obrigado em meu nome e de todos ao NHS”, disse Johnson ao deixar o hospital

“Neste país, 24 horas por dia, a cada segundo, há centenas de milhares de enfermeiros do NHS que agem com o mesmo cuidado e precisão que Jenny e Luis. Nós iremos vencer este vírus porque nosso NHS é o coração pulsante deste país. É o melhor deste país. É impulsionado pelo amor. Obrigado em meu nome e de todos ao NHS.”

Na contramão de Bolsonaro e da sua própria atitude negligente durante o começo da pandemia, Boris Johnson finalizou cumprimentando os britânicos pelo “sacrifício” de fazerem “a coisa certa” contra o coronavírus: se isolarem socialmente.

A companheira dele, a consultora de comunicação e ativista dos direitos dos animais Carrie Symonds, que está grávida de sete meses, também publicou mensagens de agradecimento no twitter. Carrie teve sintomas de coronavírus, mas não fez o teste, e permaneceu em isolamento com Boris no número 10 da Downing Street até que o caso dele complicou e teve de ser internado.

“Houve períodos muito tenebrosos na semana passada. Mando meus sentimentos para aqueles em situação semelhante, preocupados com seus entes queridos”, escreveu, repetindo o agradecimento ao “magnífico” NHS e à equipe do hospital Saint Thomas que tratou o primeiro-ministro. “Nunca serei capaz de retribuir e nunca vou parar de agradecer a vocês.”

Seria um avanço e tanto para o mundo se a pandemia de coronavírus tivesse o condão de mudar a cabeça dos neoliberais em favor da saúde pública, gratuita e universal. A bem da verdade, Johnson já havia sido eleito com a promessa de, com o Brexit, tirar o dinheiro que o Reino Unido remete semanalmente à União Europeia e colocá-lo no NHS, o que depois se comprovou que não era bem assim: nem a quantia era 350 mil libras, como ele afirmava, nem haverá de fato esse retorno direto.

Em seu discurso de posse, o político conservador voltou a dizer que, após o Brexit, o NHS seria “sua prioridade número um”, um movimento que foi visto como uma tentativa de “roubar” a bandeira da defesa do NHS dos Trabalhistas. Isso porque, segundo as pesquisas, ao contrário do que acontece com os brasileiros, o sistema público de saúde é uma instituição querida pela ampla maioria dos britânicos. Defendê-lo dá votos.

Ver o primeiro-ministro da Inglaterra agradecendo ao NHS é tão auspicioso para quem sempre defendeu a saúde como direito universal quanto apreciar o ministro da Saúde do governo de extrema direita no Brasil envergando o jaleco do SUS

Mas o fato é que, nos últimos dez anos, os Tories, partido de Johnson, fizeram o oposto do que ele promete: dilapidaram o NHS com cortes sucessivos de recursos, que impactaram justamente os enfermeiros, tão elogiados pelo primeiro-ministro.

Jennys e Luises são o que mais fazem falta em um sistema agora francamente sobrecarregado com o coronavírus, já que a Inglaterra é um dos países mais afetados pela pandemia, com 94 mil pessoas infectadas e 12 mil mortos. Atualmente há uma carência de cerca de 40 mil enfermeiros para suprir o sistema, causada por uma decisão de 2017 de Theresa May, antecessora e companheira de partido de Johnson, de cortar as bolsas específicas para estudantes de enfermagem.

Mandetta com o jaleco do SUS. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

De qualquer forma, ver o primeiro-ministro da Inglaterra agradecendo ao NHS é tão auspicioso para quem sempre defendeu a saúde como direito universal quanto apreciar o ministro da Saúde de um governo de extrema direita no Brasil envergando o jaleco do SUS. Médico ortopedista, Luiz Henrique Mandetta foi eleito em 2014 financiado por um plano de saúde e fez oposição ferrenha ao programa Mais Médicos durante o governo Dilma Rousseff, mas hoje diz coisas como: “Ainda bem que temos o SUS”.

Para falar uma linguagem que eles entendem: quem pagaria a fatura do coronavírus sem os sistemas de saúde públicos no mundo? Como dizem os liberais, “essa conta não fecha”. E não fecharia nunca

Com mais de 600 mil contaminados e quase 24 mil mortos, os EUA estão sentindo na pele a falta que a saúde pública faz num momento como estes. “Uma sociedade que preza a liberdade individual acima de tudo tende a tratar a saúde como um assunto privado. Mas se o Covid-19 nos ensinou alguma coisa é que nossa saúde e segurança dependem de ações coletivas. Saúde pública é isso“, escreveu Jeneen Interlandi, da equipe de editorialistas do New York Times, na semana passada.

Será que o coronavírus fará os neoliberais enxergarem que não é possível um país dar certo sem um sistema público de saúde robusto, capaz de atender com qualidade do mais pobre cidadão ao homem mais poderoso de uma Nação? E que essa balela de “Estado mínimo” de nada serve no momento em que aparece uma pandemia?

Para falar uma linguagem que eles entendem: quem pagaria a fatura do coronavírus sem os sistemas de saúde públicos no mundo? Como dizem os liberais, “essa conta não fecha”. E não fecharia nunca.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Cristina Silveira em 15/04/2020 - 11h56 comentou:

Cara Morena, eu penso que quando tudo voltar a uma outra normalidade, esses poderosos voltarão ao propósito primordial, deles: destruir pessoas para se manterem banhados de riqueza e no poder.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Na Itália, interdição a produtos de beleza faz refletir: o que é essencial?


Estamos forçados a viver, sem a leveza do conceito, a filosofia do Balu do Mogli –“somente o necessário”

Trabalho

O trabalho virou “bico”: 70% dos empregos gerados no último trimestre são informais


Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílio (PNAD) do IBGE, divulgada no último dia 30, revela a volta do aumento da informalidade no Brasil