Socialista Morena
Politik

Reação ao coronavírus não contrapõe ideologias e sim competência X incompetência

Há bons e maus exemplos tanto na esquerda quanto na direita; a questão é colocar o bem da população em primeiro lugar

Foto: Sérgio Lima/Poder360
Cynara Menezes
02 de abril de 2020, 17h03

A reação dos governos municipais, estaduais e federais à pandemia de coronavírus em todo o mundo não contrapõe, ao contrário do que se poderia imaginar, esquerda versus direita e sim competência versus incompetência na hora de gerir crises; preparo versus despreparo no exercício do cargo. Os governantes que estão colocando a ideologia acima da saúde pública, como já advertiram Cuba e China, estão errando feio e, com isso, serão responsáveis diretos pelos milhares de mortos que porventura ocorrerem em seus países.

A chanceler alemã Angela Merkel, de direita, é um exemplo dos governantes que optaram, de forma racional, por colocar a saúde pública em primeiro plano. A Alemanha, embora seja o quinto país do mundo com mais infectados, registra um número de mortes baixo em relação a outros, graças à ação rápida do governo, que passou a testar em massa seus cidadãos e isolar os contaminados.

Angela Merkel, de direita, é um exemplo dos governantes que optaram, de forma racional, por colocar a saúde pública em primeiro plano. Como Alberto Fernández, de esquerda, a alemã combate a pandemia sem deixar desprotegidos os trabalhadores

Merkel também está tomando atitudes corretas em relação à economia. Permitiu que as empresas possam reduzir a jornada, mas a Agência Federal de Emprego vai pagar os 60% de perda aos trabalhadores. A liberal primeira-ministra vai conceder empréstimos ilimitados às empresas com problemas para manter a liquidez e evitar demissões e pretende até mesmo estatizar algumas delas em setores estratégicos, como o farmacêutico.

Vejam a diferença para as decisões de Jair Bolsonaro, também de direita (extrema). Além de ter desprezado a pandemia, chamando de “gripezinha”, e dado mau exemplo burlando diversas vezes o isolamento social aconselhado pela OMS, Bolsonaro está jogando o peso da crise inteirinho nas costas do trabalhador. A Medida Provisória que anunciou autoriza os patrões a suspender o contrato de trabalho por 60 dias e reduzir em 70% os salários. Como as pessoas vão comer, pagar o aluguel? Para o presidente isso deve ser um “detalhezinho”.

De esquerda, o presidente argentino Alberto Fernández vem mostrando competência na gestão da crise. Decretou quarentena geral obrigatória já em 19 de março, criou mecanismos de proteção social e agora proibiu as empresas de demitir sem justa causa durante 60 dias.

Seu vizinho de direita, Luis Lacalle-Pou, do Uruguai, não decretou quarentena obrigatória, mas suspendeu todos os espetáculos públicos e aulas nas escolas e colocou a polícia nas ruas para impedir aglomerações. Lacalle-Pou, que defende a estratégia sul-coreana de testar em massa a população (o que não é difícil em se tratando de um país pequeno), se reuniu com a oposição no espírito “desta saímos todos juntos” e anunciou a redução dos salários mais altos do funcionalismo público para destinar a um “Fundo Coronavírus”.

No Brasil, fica evidente que as ideologias devem estar em segundo plano quando analisamos as atitudes corretas de prefeitos e governadores, que visam proteger a população. Já Bolsonaro só fala em economia

Já o governo de centro-esquerda de Pedro Sánchez na Espanha se equivocou e muito no combate à pandemia e agora o país carrega o triste título de segundo do mundo no número de mortos, justamente pela demora em reagir. Dos seis conselheiros científicos do governo espanhol, três minimizaram o perigo por tempo demais, e, embora os aliados esquerdistas do Ahora Podemos e até do oposicionista PP, de direita, pressionassem pelo endurecimento da quarentena, o presidente só foi ordenar o isolamento após as mortes dispararem.

O mesmo aconteceu nos Estados Unidos, só que tendo no comando uma ideologia oposta. Enquanto a China “comunista” peitava o vírus com o confinamento de cidades inteiras, o extremista de direita Donald Trump só foi ceder à expertise de Xi Jinping no combate à pandemia ao se dar conta da avalanche de mortes decorrentes do “vírus chinês”, como ele apelidou. São mais de 200 mil infectados e 4.600 mortos até agora e o próprio Trump estima que as vítimas fatais alcancem 200 mil.

É certo que o despreparo para o cargo fica mais evidente na extrema direita. As reações de Bolsonaro e Trump foram idênticas: primeiro apelaram às teorias conspiratórias, dizendo que o vírus era uma invenção de seus inimigos, para se render às evidências apenas muito mais tarde, quando a desgraça havia se espalhado.

Enquanto Trump negou a pandemia dizendo que era “hoax” (boato) dos democratas…

…Bolsonaro afirmava que era “invenção da imprensa”.

Outro que subestimou a pandemia foi o primeiro-ministro britânico, o direitista Boris Johnson, a ponto de contar em uma entrevista ter apertado a mão de várias pessoas infectadas, ao lado de um especialista que aconselhou: “Lave suas mãos”!

Até que… ele próprio foi contaminado pelo coronavírus. A partir daí, Johnson passou a usar a tag #StayHomeSaveLives (“ficar em casa salva vidas”) nas redes sociais.

Mas Lenín Moreno, do Equador, supostamente de esquerda, já que foi vice de Rafael Correa, teve postura similar. A atuação de Moreno diante da pandemia foi tão pífia que o país se tornou campeão de casos na América Latina, em termos proporcionais. A imprensa local e internacional está mostrando imagens chocantes de gente morta no país sem que nem sequer seus corpos sejam recolhidos das ruas.

Outros governantes de esquerda que minimizaram a pandemia como seus homólogos de direita foram López Obrador, no México, e Daniel Ortega, na Nicarágua –este último há tempos indigno do rótulo de “esquerdista”. Em plena crise do coronavírus, sua mulher e vice-presidenta, Rosario Murillo, convocou uma marcha de apoiadores para ir às ruas sob o lema “Amor em Tempos de Covid-19” no dia 15 de março, exatamente como fez Bolsonaro no Brasil.

López Obrador também desafiou as orientações sanitárias aconselhando as pessoas a continuarem a se abraçar, manteve os encontros com a população e chegou a apresentar sua “maior arma” contra o coronavírus: dois escapulários. O proselitismo religioso, como se vê, não é exclusividade da direita.

É preciso que se diga que, até agora, tanto o México quanto a Nicarágua têm apresentado um número pequeno de infectados e de mortos, mas os especialistas advertem que a onda de contaminações ainda está para chegar com força em ambos os países. Há inclusive quem aposte que o México rapidamente pode se tornar uma nova Itália ou pior.

No Brasil, fica evidente que as ideologias devem estar em segundo plano quando analisamos as atitudes de prefeitos e governadores em comparação às do presidente da República. Independentemente do espectro político, a maior parte dos governantes do país tem tomado decisões acertadas em relação ao coronavírus, decretando isolamento social e fechamento do comércio e das escolas para proteger a população. Já Bolsonaro só fala em economia.

Neste momento, as ideologias não só não estão ajudando como estão atrapalhando o combate à pandemia. Por isso é positivo ver o ex-presidente Lula e o governador Doria deixando as diferenças de lado

João Doria Júnior (SP), Ronaldo Caiado (GO) e Wilson Witzel (RJ), de direita, agiram corretamente em relação ao coronavírus, assim como Rui Costa (BA), Flavio Dino (MA) e Camilo Santana (CE), de esquerda. Alinhado ao Planalto, o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, se deixou guiar pela ideologia e chegou a baixar uma portaria prevendo o fim do isolamento em 30 de março, mas acabou voltando atrás e ampliou a quarentena até 7 de abril. Já o governador bolsonarista de Rondônia teve que ser forçado pela Justiça a manter o comércio fechado.

Neste momento, as ideologias não só não estão ajudando como estão atrapalhando o combate à pandemia. Os fatos mostram que não é hora de se guiar por razões político-eleitorais e sim de saúde pública. Por isso é positivo ver o ex-presidente Lula e o governador Doria deixando as diferenças de lado. Posicionar-se contra a união de contrários em nome do bem comum é uma atitude mesquinha, que demonstra apenas desamor pelo Brasil e pelos brasileiros.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Os titulares do ministério de Bolsonaro são os petistas do Mundo Bizarro


Como no universo paralelo dos gibis do Superman, futuros ministros parecem caricaturas dos antecessores nos governos Lula e Dilma

Politik

O feito de Bolsonaro: argentinos marcham pela primeira vez contra um presidente brasileiro


Um balanço da visita do presidente brasileiro defensor da tortura e da ditadura ao país que até hoje busca seus mortos e desaparecidos