Socialista Morena
Cultura

40 anos do golpe no Chile – O papel sujo do Partido da Imprensa Golpista… deles

El Mercurio Miente. A faixa pendurada pelos estudantes da Universidade do Chile no dia 11 de agosto de 1967, é o equivalente chileno a “O povo não é bobo, abaixo a rede Globo”

Cynara Menezes
11 de setembro de 2013, 12h10

El Mercurio Miente. A faixa pendurada pelos estudantes da Universidade do Chile no dia 11 de agosto de 1967, é o equivalente chileno a “O povo não é bobo, abaixo a rede Globo”. Assim como acontece aqui, a frase vem à baila toda vez que se denuncia o conglomerado midiático número 1 do país pela manipulação da informação. Naquele ano, o centenário jornal da família Edwards assumiria uma posição radicalmente contra a possibilidade de reformas no país. Seis anos depois, conspiraria para derrubar o presidente eleito Salvador Allende.

Em editorial sobre a greve dos estudantes, El Mercurio apontou “inspiração comunista” no movimento estudantil, daí a faixa; as passeatas que tomavam o Chile pedindo reforma agrária eram obra de “agitadores”. Desde o primeiro momento, o jornal se posicionou abertamente contra a virtual eleição do senador de esquerda Salvador Allende à presidência. Quando Allende se elegeu em 1970, saiu-se com a manchete: “Maioria relativa de Allende: 1.075.616 votos contra”. Fosse hoje em dia, diríamos que tucanou a vitória da Unidade Popular.

El Mercurio entendeu que era o fim da sociedade oligárquica chilena. Isto o levou a ser um jornal não só anti-Allende mas anti-democrático. Um jornal golpista. E uma vez que justificou e promoveu o golpe, teve que defender toda a violação de Direitos Humanos que se seguiu”, diz o sociólogo e cientista político chileno Manuel Antonio Garretón no documentário El Diario de Agustin.

Dirigido por Ignacio Agüero em 2008, o filme narra o papel sujo que teve El Mercurio como partícipe do golpe de Estado que derrubou Salvador Allende há exatos 40 anos, completados hoje, 11 de setembro. A adesão descarada e a cumplicidade integral do jornal fariam corar até mesmo os donos da mídia brasileira. Aqui, pelo menos, houve alguma reação, por menor que tenha sido. No Chile, os jornais dos Edwards foram os únicos poupados pela ditadura de Pinochet do empastelamento. “Menos mal que escapamos, não é? Não vou dizer que a suspensão das atividades da concorrência foi uma notícia ruim”, diz cinicamente no documentário um ex-diretor de El Mercurio.

O golpe militar no Chile e o grupo El Mercurio foram irmãos siameses. No dia seguinte à eleição de Allende, o dono do jornal, Agustín Edwards (são vários Agustín consecutivos à frente do diário), viajaria a Washington, nos EUA, onde teria reuniões pessoais com o secretário de Estado, Henry Kissinger, e com o diretor da CIA. Hoje se sabe, com base em documentos, que o motivo dos encontros já era como evitar que o novo presidente tomasse posse. Falou-se inclusive em “opção militar”. Nos anos seguintes, a organização de mídia de Edwards receberia 2 milhões de dólares da CIA –em torno de 11 milhões de dólares em valores de 2008– como parte da estratégia golpista norte-americana contra os governos de esquerda na América do Sul.

Allende enfim tomou posse e El Mercurio, La Segunda e La Tercera, os jornais do grupo, começaram a fazer seu papel: manchetes e mais manchetes contra o governo. Allende tinha a noção exata do inimigo que enfrentava. “Se deforma, se mente, se calunia, se tergiversa. Os meios de comunicação com que contam (a direita) são poderosos, jornalistas vinculados a interesses estrangeiros e a grandes interesses nacionais. Não só não reconhecem como deformam nossas iniciativas”, disse o presidente na conversa que teve com Fidel Castro em 1971.

A aliança do jornal com a direita golpista e com os EUA culmina no enredo que conhecemos: o bombardeio do palácio de la Moneda e a morte do presidente, que ganharia uma chamada lacônica na primeira página, abaixo da notícia sobre a tomada do poder pela junta militar: “Morreu Allende”. Nos anos seguintes ao golpe, os anúncios de “procura-se” dos inimigos de Pinochet eram publicados com desfaçatez em primeira página por El Mercurio, ao lado da manchete do dia. O documentário relata episódios escabrosos em que o jornal foi utilizado pela ditadura para dar veracidade às farsas governamentais para encobrir a prisão, tortura e morte de oposicionistas. Somente na década de 1990 o diário deixaria de usar a expressão “suposto” quando se referia às vítimas de Pinochet.

Em uma das muitas histórias mal contadas do período, 119 desaparecidos aparecem mortos na Argentina. A notícia sai primeiro em um jornal de Curitiba e em uma revista portenha. Nas páginas de El Mercurio, se transforma em “executados pelos próprios camaradas”. O jornal La Segunda faz pior e celebra a morte dos “terroristas” em primeira página: “Exterminados como ratos”.

Em 1976, os jornais da família Edwards noticiam o assassinato de uma militante comunista, sob tortura, como se fosse “crime passional”, legitimando a versão encenada pelo governo. O bom trabalho seria seguidamente prestigiado por Pinochet com sua presença nas festas de aniversário de El Mercurio e com frases como “El Mercurio, trincheira contra o totalitarismo” estampadas, é claro, em manchetes do próprio jornal.

É um filme para se assistir com o estômago embrulhado, principalmente quando se lembra que, em todos estes anos, a SIP (Sociedade Interamericana de Imprensa) jamais foi capaz de condenar El Mercurio, assim como tampouco foi capaz de condenar qualquer jornal brasileiro por ter apoiado a ditadura. A mesma SIP que volta e meia é utilizada pela nossa mídia para criticar Cristina Kirchner, Evo Morales ou Hugo Chávez como “ditadores”. Imaginem se um governante chileno resolvesse fazer uma Lei de Meios no país e acabar com o poderio dos Edwards, donos de 20 jornais regionais e três nacionais. Claro, seria imediatamente acusado de “atentar contra a liberdade de expressão”. Mas e acobertar assassinatos, é o quê?

Foram 2279 mortos e 28456 as vítimas de prisão e tortura durante o bárbaro regime de Pinochet. Quando essa cifra veio à tona, em 2004, o presidente Ricardo Lagos perguntou: “Como pudemos viver 30 anos de silêncio?” Uma vergonha para a imprensa e os jornalistas do país. Ao se associar a Pinochet, o grupo de comunicação mais poderoso do Chile se tornou cúmplice de cada uma dessas violações dos Direitos Humanos. No 40º aniversário do golpe de Estado no Chile, porém, El Mercurio nem sequer deu mostras de arrependimento em suas páginas. É até melhor assim. Quem precisa de cinismo uma hora dessas?

(Não deixe de ver o documentário El Diario de Agustín, de Ignacio Agüero, no link abaixo. Infelizmente não existe ainda a versão com legenda em português no youtube, mas vale a pena. O filme não foi exibido até hoje na TV chilena. Os defensores da liberdade de expressão não permitiram.)

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(9) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

H.92 em 11/09/2013 - 22h58 comentou:

#AllendeVive e os golpistas estão sempre prontos!

Responder

sergio em 12/09/2013 - 01h49 comentou:

que belo trabalho, que esclarecedor e pedagógico este video…impossível não pensar nos párias da grande midia nesta parte do continente. A historia haverá de jugá-los, encuadrá-los e mostrar sua deplorável cara: autoritários, monopolistas, rretrogrados e aintedemocráticos: globo, veja, grupo abril.o que degradantes!!

Responder

Drake Ramoray em 12/09/2013 - 05h43 comentou:

Nada justifica golpes militares, ditaduras e muito menos o assassinato de pessoas apenas por uma ideologia contrária, sejam elas minoria ou maioria. O grande problema de Allende foi tentar implantar o socialismo no Chile, mesmo tendo sido eleito com menos de 40% dos votos (ele foi o mais votado entre 3, ficando com 36,9%, contra 34,5 do segundo colocado). Para ser empossado, teve que passar pelo crivo do Congresso, o que só ocorreu depois que ele se aliou ao PDC, com promessas que já sabia que não cumpriria. Além disso, ele conseguiu desagradar a quase toda a população (obviamente ele já saiu com mais de 60% de rejeição, daqueles que não votaram nele), mas também angariou inimigos entre os grupos mais radicais que o apoiaram, pois estes queriam a implantação de um regime comunista pelo uso da força, mais ou menos nos moldes cubanos. Allende preferia um socialismo pela via democrática e com respeito as leis, pelo menos num primeiro momento. Só que não se implanta um regime novo em lugar nenhum do mundo sem a participação da sociedade (pelo menos a maior parte dela). Some-se a isso o apoio maciço do governo americano aos opositores de Allende e o estrago está feito. E ainda tem gente que não sabe porque estão espionando a Dilma e o governo petista…

Responder

mineiro em 16/09/2013 - 23h52 comentou:

e o pior de tudo isso é ver pres.covardes que foram vitimas das mesmas ditaduras sangrentas , ser conivente com a mesma lixo , desgraçada, maldita , salafraria, nazista , facista, elitista, nojenta, manipuladora e todos adjetivos que nao prestam para essa imprensa maldita. é o caso da nossa pres. que jantou com eles , vai em festas promovidas por eles , e nao faz nada contra eles , isso para min é o pior de tudo . ver governos ditos progressistas de joelhos pra esses facistas . agora la no chile acredito eu nao é diferente daqui ,devem ter seus traidores

Responder

mineiro em 17/09/2013 - 22h06 comentou:

esse video tem que passar nas escolas , e em todos os locais publicos para todo mundo ver o que sao de verdade esses facistas sem escrupulos dessa imprensa nojenta . e porque esse video nao pode ser exibido nas emissoras publicas , ou essas emissoras publicas é controlada pelo pig golpista igual a inutil da tv brasil , que so exibe o que o pig golpista quer. alguem poderia me responder? porque se é de nosso interesse as tvs publicas teriam que exibir , mas é exatamente o contrario , eles escondem mais do que o pig. e outra coisa esse video se possivel ser traduzido , porque é exelente , mesmo sem traduçao ja da para entender como foi isso tudo de verdade , agora imagina se traduzir.

Responder

mineiro em 17/09/2013 - 22h08 comentou:

e porque os blogs nao tem a mesma iniciativa , como eles tiveram la no chile, em relaçao a mesma ou pior imprensa daqui. tem que vir detonando , deveria fazer um documentario mostrando o que é de verdade essa imprensa facista. ta certo que os blogs vem fazendo isso , mas um documentario completo vai fazer muito barulho.

Responder

Paulo Vitor em 21/09/2013 - 20h49 comentou:

Allende estava destruindo a economia chilena, Pinochet a salvou. Hoje, o Chile é o país com o menor nível de pobreza da América Latina. É claro que isso não justifica as mortes que aconteceram durante a ditadura Pinochet, mas o número de mortes que aconteceriam se tivesse sido estabelecida no Chile uma ditadura socialista nos moldes de Cuba, seria muito maior.

Responder

    morenasol em 22/09/2013 - 00h58 comentou:

    ã-hã.

mdf em 09/10/2013 - 16h27 comentou:

Parabéns por todo o conteúdo do site!
mdf
<a href="http://www.centralcaixas.com” target=”_blank”>www.centralcaixas.com arte em mdf.
Lhe manda um forte abraço,e quando puder faça-nos uma visita.
tchau tchau….

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

8 medidas contra o povo que o PSDB apoia, mas dizia antes que era…


Em época eleitoral, o PT sempre disse que, se os tucanos voltassem ao poder, destruiriam as conquistas sociais dos governos Lula e Dilma. E os marqueteiros e candidatos tucanos, apoiados pela mídia, diziam que era…

Politik

Por que a entrevista de Mirian Dutra sobre FHC é notícia?


Muita gente, de direita e esquerda, anda questionando nas redes sociais se a entrevista de Mirian Dutra à revista Brasil com Z, editada na Europa para brasileiros, é notícia, em termos jornalísticos, ou apenas fuxico.…