Socialista Morena
Trabalho

Venezuelanos fogem de Maduro para virar escravos de maus patrões no Brasil

Dez trabalhadores –nove homens e uma mulher– viviam com apenas 100 reais por mês nos fundos de uma oficina mecânica

O alojamento dos venezuelanos. Foto: secretaria do trabalho de Ilhéus
Da Redação
22 de abril de 2019, 13h18

Com os problemas econômicos e a sabotagem dos EUA a seu país de origem, os venezuelanos viraram alvo fácil das redes de tráfico internacional de pessoas e dos maus patrões brasileiros. Na semana passada, dez trabalhadores –nove homens e uma mulher– submetidos à condição análoga à de escravo foram resgatados em uma oficina mecânica pela fiscalização da Gerência do Trabalho de Ilhéus (BA). O grupo prestava serviços em um galpão de oficina na rodovia BR-415, entre Itabuna e Ibicaraí. A oficina realiza serviços de manutenção de equipamentos de um parque de diversões.

Os resgatados foram aliciados na Venezuela com a proposta feita por um casal de empregadores, um brasileiro e um polonês, caracterizando tráfico internacional de pessoas. Os venezuelanos chegaram ao Brasil em janeiro, de forma regular, com passagem fornecida pelos empregadores. Todo o custo da viagem estava sendo descontado mensalmente da remuneração dos empregados, além dos gastos com alimentação, alojamento, televisão e internet –o que representava dois terços da remuneração a que os trabalhadores tinham direito. Do montante recebido após os descontos, segundo eles informaram aos auditores, parte era enviada às famílias, na Venezuela, restando a cada um deles apenas o valor médio de 100 reais para todo o mês.

Todo o custo da viagem estava sendo descontado mensalmente da remuneração dos empregados, além dos gastos com alimentação, alojamento, televisão e internet –o que representava dois terços da remuneração. Restava a eles apenas 100 reais mensais

Segundo a auditora-fiscal do trabalho Lidiane Barros, nenhum dos trabalhadores tinha registro formal empregatício. Estavam alojados em instalações precárias no próprio galpão da oficina. As camas eram improvisadas. Não havia ventilação nos cômodos. O banheiro utilizado tinha paredes de zinco, sem oferecer privacidade e condições sanitárias e de conforto adequadas. A fossa estava em vias de transbordamento, exalando forte odor. Um dos trabalhadores adquiriu sarna em decorrência das condições precárias a que era submetido.

Tanto no alojamento como no banheiro foram identificadas instalações elétricas com fiações desprotegidas, gerando o risco de choque elétrico. A alimentação se restringia à panqueca de farinha de trigo, arroz, frango e ovos. Todo esse conjunto de fatores caracterizou a degradância das condições de trabalho e o resgate do grupo pela fiscalização.

A ação teve a participação da Polícia Federal e da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social. A PF prendeu em flagrante o casal de empregadores. Eles responderão na Justiça pelo crime de redução de trabalhador à condição análoga à de escravo, tipificado no Código Penal.

A fossa estava em vias de transbordamento, exalando forte odor. Um dos trabalhadores adquiriu sarna em decorrência das condições precárias a que era submetido. A alimentação se restringia à panqueca de farinha de trigo, arroz, frango e ovos

Todos os trabalhadores resgatados estão sendo acolhidos pela Coordenação de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Combate ao Trabalho Escravo (CETP) da SJDHDS, que está fornecendo hospedagem, alimentação e suporte para emissão de documentos.

A Auditoria Fiscal do Trabalho, juntamente com a PF, está realizando os trâmites necessários à regularização documental dos venezuelanos para permanência no país. A Auditoria Fiscal do Trabalho também está levantando o valor das verbas rescisórias e efetuando a emissão das carteias de trabalho e das guias de Seguro-Desemprego. Ao fim dos procedimentos, os resgatados estarão aptos a trabalhar de forma regular no país.

Com informações da Secretaria de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

João Jr. em 26/04/2019 - 22h23 comentou:

O trágico é achar que os venezuelanos fugiram de uma tragédia e não chegaram noutra…

Responder

Luciano em 01/05/2019 - 19h33 comentou:

Cadeia para os crápulas que escravizam essas pessoas e fim a esse regime sanguinário e obsoleto do maduro que se farta de churrasco mal passado na Turquia enquanto deixa seu próprio povo comendo cachorros,gatos e animais de zoológico e agora um carro blindado da guarda nacional desse ditadorzinho de araque atropela manifestantes nas ruas.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

O dia em que quase entrevistei o comandante Hugo Chávez


Já passava da uma da manhã de 29 de novembro de 2007 quando o celular tocou no quarto do hotel Las Americas, em Caracas. Atendi. Era o ministro das Comunicações, William Lara, com uma ótima…

Trabalho

MPT processa governo Temer para garantir que combate ao trabalho escravo continuará


Segundo o Observatório Digital do Trabalho Escravo, até agora apenas 18 operações foram realizadas em 2017. No ano anterior, no mesmo período, foram 106, e em 2015, 155