Socialista Morena
Politik

Vice de Joe Biden já criticou Bolsonaro publicamente por queimadas na Amazônia

"O presidente do Brasil, Bolsonaro, deve responder por esta devastação", escreveu a senadora no twitter em 2019

Joe Biden e Kamala Harris. Foto: divulgação
Da Redação
11 de agosto de 2020, 20h52

O candidato a presidente dos EUA pelo partido Democrata, Joe Biden, anunciou hoje sua candidata a vice, a senadora Kamala Harris. Primeira mulher de ascendência afro-americana e indiana a chegar ao Senado em 2017, Harris criticou publicamente o presidente brasileiro Jair Bolsonaro pelas queimadas na Amazônia no ano passado.

“O presidente do Brasil, Bolsonaro, deve responder por esta devastação. A Amazônia é responsável por 20% do oxigênio do mundo e é o lar para um milhão de povos indígenas. Qualquer destruição afeta a todos”, escreveu ela no twitter.

Em uma postagem do dia seguinte, a senadora volta a criticar o presidente brasileiro. “Enquanto a Amazônia é incendiada, o presidente do Brasil, cópia de Trump, que deixa madeireiros e garimpeiros destruírem a terra, não faz nada. Trump não deve firmar acordos comerciais com o Brasil até Bolsonaro reverter essa política catastrófica e acabar com os incêndios. Precisamos da liderança americana para salvar nosso planeta.”

Os tweets da possível futura vice-presidenta dos EUA vieram à tona no mesmo dia em que Bolsonaro negou, em videoconferência com países amazônicos, que existam queimadas na região. “Isso é uma mentira. Por ser úmida, a floresta não pega fogo”, declarou o presidente do país, ele sim mentindo internacionalmente ao contrariar as imagens de satélite que mostram um aumento das queimadas. No mês de junho, de acordo com o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), a Amazônia teve o maior número de queimadas em 13 anos.

Os tweets da possível futura vice dos EUA vieram à tona no mesmo dia em que Bolsonaro negou, em videoconferência com países da Amazônia, que existam queimadas na região. “Isso é uma mentira. Por ser úmida, a floresta não pega fogo”, disse o presidente

O anúncio da escolha foi feito por Joe Biden também pelo twitter. O candidato democrata elogiou a senadora. “Tenho a grande honra de anunciar que escolhi Kamala Harris –uma destemida lutadora em favor das pessoas comuns e uma das melhores servidoras públicas do país– como minha companheira de chapa”, escreveu.

Biden disse ainda que, quando era procuradora-geral da Califórnia, Kamala “enfrentou os grandes bancos, ergueu o povo trabalhador e protegeu mulheres e crianças do abuso. Tive orgulho na época e tenho orgulho agora em tê-la como minha parceira nesta campanha”.

A própria Kamala publicou: “Biden pode unificar o povo dos EUA porque passou a sua vida brigando por nós. E como presidente ele construirá uma América que vive por nossos ideais. Estou honrada em me juntar a ele como a indicada pelo nosso partido para vice-presidenta e fazer o que for possível para fazer dele nosso comandante-em-chefe”.

A escolha foi prontamente elogiada por Barack Obama, de quem Biden foi vice. “Conheço a senadora Kamala Harris há longo tempo. Ela é mais do que preparada para este trabalho. Ela passou a sua carreira defendendo a Constituição e lutando por pessoas que necessitavam um tratamento justo. É um grande dia para nosso país. Agora vamos ganhar essa parada”, escreveu o ex-presidente.

Já Donald Trump acusou o golpe, fixando um vídeo em seu perfil onde pinta a senadora e agora candidata a vice do seu rival como “esquerdista radical” e chamando-a de “falsa” em contraposição ao “Joe devagar”, como ele se refere a Biden. E ainda insinua que o objetivo é colocá-la no poder.

Em entrevista na Casa Branca, o presidente norte-americano chamou Kamala diversas vezes de “mentirosa”, “nojenta” (“nasty”). “Era a pior senadora, a mais horrível, a mais desrespeitosa a qualquer um no Senado. Pior do que Pocahontas para Joe Biden”, disse, usando o apelido que cunhou para a também senadora democrata Elizabeth Warren. Sentiu.

Mas, enquanto Trump tenta colar o rótulo de “esquerdista radical” na vice do rival, a escolha de Kamala Harris foi comemorada pelos executivos de Wall Street. “O par perfeito” para Biden, disseram. O que de bom poderia vir dos Estados Unidos ficou para trás: Bernie Sanders, que, aliás, também saudou a escolha de Harris. “Ela sabe o que é estar do lado da classe trabalhadora e luta pela saúde pública para todos”, publicou. “Vamos trabalhar e ganhar.”

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Feminismo

MC Reaça e Brilhante Ustra, os “arianos” do bolsonarismo: misóginos e sádicos


O homem "ideal" de Adolf Hitler era branco "puro", sem mestiçagem; o "ariano" do bolsonarismo é torturador e agressor de mulheres

Politik

Petróleo nas praias: como Homer, governo foge da responsabilidade e culpa os outros


Bolsonaro e sua equipe de despreparados copiam Homer Simpson: "já estava assim quando cheguei"; "culpe o estrangeiro"