Socialista Morena
Politik

Decisão do STF sobre Aécio sacramenta “foro diferenciado” dos tucanos

É mais fácil um tucano, a ave protegida pelo IBAMA, ser engaiolado do que um tucano, o político protegido pela Justiça, ser punido

Aécio, o inimputável. Foto: Lula Marques
Cynara Menezes
13 de outubro de 2017, 11h33

Se alguém ainda tinha dúvidas de que a Justiça é uma para o brasileiro em geral e outra para os membros do PSDB, agora não tem mais. O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu, por 6 votos a 5, que deputados e senadores não podem ser afastados do mandato por meio de medidas cautelares da Corte sem aval do Congresso, o que facilita o retorno à labuta (modo de dizer) do senador tucano Aécio Neves, que será votada em plenário na próxima terça-feira.

A decisão contraria posicionamentos anteriores do próprio Supremo em relação a parlamentares de outros partidos. Com o então senadorpetista Delcídio do Amaral, por exemplo, a Corte inclusive decretou a sua prisão em pleno exercício do mandato, decretada por Teori Zavascki e mantida pela Segunda Turma em novembro de 2015. Em maio de 2016, o peemedebista Eduardo Cunha foi suspenso do mandato e afastado da presidência da Câmara por decisão do Supremo. Tucanos, como se vê, possuem não só foro privilegiado como “diferenciado”.

O afastamento de Eduardo Cunha do mandato foi confirmado na época pelo plenário do STF por unanimidade porque, justificaram os ministros então, o procurador-geral Rodrigo Janot estava correto em afirmar que o afastamento era “fundamental” para o garantir o “regular funcionamento das instituições sem embaraços ou condutas espúrias”, ante o risco do deputado praticar “novos ilícitos”. É que, segundo o ministro Gilmar Mendes “explicou” ontem, o caso do ex-presidente da Câmara “foi muito peculiar”. Ah, bom.

Se o parlamentar for tucano, pode ser flagrado pedindo dinheiro a empresário que não dá em nada

No julgamento, Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio e a presidente, Cármen Lúcia, votaram pela necessidade de aval do Legislativo para afastar o titular de cargo eletivo. A ministra, que é mineira, foi criticada por dar um voto de desempate extremamente confuso, em que concordava e discordava de um lado e do outro ao mesmo tempo. No final, prevaleceu a posição, que favorece Aécio, de que as medidas cautelares do STF não têm o poder de afastar parlamentares. Certamente, no futuro, se eles forem do PT,  sempre se poderá achar uma brechinha.

A decisão do Supremo indica que a saga da inimputabilidade do PSDB continua. Se o parlamentar for tucano, pode ser flagrado ao telefone pedindo grana a empresário que não dá em nada. Mala de dinheiro? Não é prova. Contas no exterior, cartel dos trens do metrô, merenda escolar… Esqueça. É mais fácil um tucano, a ave protegido pelo IBAMA, ser engaiolado do que um tucano, o político protegido pela Justiça, ser punido.

 

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Rodrigo Dias em 13/10/2017 - 12h19 comentou:

E dizer que mandava matar o próprio primo “antes dele fazer delação”, isso ninguém lembra mais…

Responder

Gabriel Siqueira Rodrigues em 13/10/2017 - 14h52 comentou:

Deve ser porque o PSDB que indicou a maioria desses ministros. Não, pera.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

“Rei do ônibus” libertado por Gilmar enviou flores ao ministro, diz Ministério Público


Procuradores, que pedem a suspeição de Gilmar por ser padrinho de casamento da filha do empresário a quem concedeu habeas corpus, sustentam que o agrado comprova intimidade

Politik

Como o tempo na cadeia mudou a versão dos delatores contra Lula


Em junho do ano passado, a Folha de S.Paulo noticiou que a delação do executivo Léo Pinheiro, ex-presidente e sócio da OAS condenado a 16 anos de prisão, “travou” porque ele inocentara o ex-presidente Luiz Inácio…