Socialista Morena
Cultura

Dicas literárias para um Natal vermelho (sétima edição)

Mais infalíveis que o tio do pavê ou o primo bolsonarista, todo Natal tem as dicas do site para você presentear amigos e parentes com inteligência

Cynara Menezes
21 de dezembro de 2018, 15h17

Mais infalíveis que o tio do pavê ou o primo bolsonarista, todo Natal tem as dicas literárias do site para você presentear os amigos com inteligência. Confira as dicas anteriores aqui.

Este ano as megalivrarias Saraiva e Cultura anunciaram problemas financeiros e até fechamento de lojas por conta de seu modelo de negócio equivocado. Ambas estão dando calote nas editoras, a quem devem 325 milhões de reais. Portanto, escolha comprar os livros direto das editoras, em sebos ou nas pequenas livrarias.

São livros e HQs que li ou que também estão na minha lista pessoal para ler em 2019… A literatura vai nos salvar muito nestes tempos sombrios, aposto. Esta lista pode ser atualizada a qualquer momento até o Natal e também durante as férias de janeiro. Feliz Natal e Lula Livre!

NÃO-FICÇÃO

Zé Dirceu – Memórias (volume 1) –Mesmo seus mais ferrenhos inimigos seriam incapazes de negar que a história do mineiro de Passa-Quatro José Dirceu de Oliveira e Silva se cruza com a história do Brasil dos últimos 50 anos. O primeiro volume, lançado em agosto, começa com sua infância na pequena cidade mineira e acaba em 2006, quando Zé Dirceu é condenado pelo processo do “mensalão”. No meio, muitas histórias de bastidores de sua passagem pelo governo brasileiro como ministro chefe da Casa Civil de Lula, a quem não faltam críticas no livro… Geração Editorial, 520 págs., R$59,90.

Putafeminista –Trabalhadora sexual e ativista, a gaúcha Monique Prada relata sua trajetória ao enfrentar os preconceitos tanto da direita quanto da esquerda com a prostituição, perseguida por ramos do feminismo que, ao mesmo tempo que pregam que a mulher é dona do próprio corpo, não aceitam que isso inclui a possibilidade de vendê-lo. Putafeminista é um misto de autobiografia, ensaio e manifesto sobre o que ela chama justamente de “putafeminismo”, ou seja, dar voz à luta das trabalhadoras sexuais. Editora Veneta, 108 págs., R$34,90.

Como esmagar o fascismo –Compilação de textos de Leon Trótski sobre o fascismo, a maioria deles escritos às vésperas da eclosão da Segunda Guerra Mundial. O revolucionário russo fala desde a definição de fascismo até a compreensão de que não há luta antifascista sem um esforço de aproximação entre a pequena burguesia e o proletariado. “É certo que a social-democracia preparou, com a sua política, o florescimento do fascismo, mas é certo também que o fascismo supõe uma ameaça mortal primeiramente para a própria social-democracia”. Algumas das traduções, de Aldo Sauda e Mario Pedrosa, são inéditas em língua portuguesa. Autonomia Literária, 319 págs., R$35.

Jorge Amado, Uma Biografia –O que começou como o que seria um perfil para os 100 anos do escritor terminou como uma tarefa hercúlea para a jornalista baiana Joselia Aguiar. Durante sete anos, ela escarafunchou a vida e a obra do romancista e político: Jorge chegou a ser eleito deputado federal em 1946 pelo Partido Comunista Brasileiro, que seria declarado ilegal no ano seguinte, obrigando o escritor a se exilar na França. Mais tarde, em 1955, decepcionado com o stalinismo, passaria a se dedicar inteiramente à literatura. Uma história de vida imperdível. Editora Todavia, 640 págs., R$79,90.

Comunismo para crianças –Por causa do título provocativo, o livro causou furor entre políticos e a mídia conservadora norte-americana ao ser lançado nos EUA em 2017, que o atacaram ferozmente supondo que o objetivo da obra era “ensinar comunismo a criancinhas”. Na verdade, Comunismo para crianças não se destina exatamente aos pequenos. Embora a linguagem parodie histórias infantis, o livro da ativista e artista alemã Bini Adamczac tem como alvo o funcionamento da economia capitalista contemporânea, uma crítica para todas as idades. Tradução Christine Röhrig. Editora Três Estrelas, 96 págs., R$25.

História do Movimento LGBT no Brasil –Professoras/es, pesquisadoras/es e militantes dos mais diversos campos disciplinares e regiões do país buscam reconstruir neste livro alguns temas e momentos privilegiados da história de quatro décadas deste importante ator político do Brasil contemporâneo, atentando para a diversidade de sua composição e de perspectivas no interior do movimento. Pretende-se, assim, contribuir para traçar um panorama interdisciplinar dos 40 anos do movimento LGBT brasileiro. Organizadores: James N.Green, Renan Quinalha, Marcio Caetano e Marisa Fernandes. Capa de Laerte. Editora Alameda, 536 págs., R$89.

FICÇÃO

A Transparência do Tempo –O consagrado autor de O Homem Que Amava os Cachorros, Leonardo Padura, lança agora no Brasil seu mais novo romance, na verdade um retorno a sua fase policial. O detetive Mario Conde, agora sessentão, vive da venda de livros usados, em franca decadência na Havana atual, quando um ex-colega o procura para resolver o desaparecimento da estátua de uma virgem negra que lhe fora roubada. Como co-protagonistas da trama, a vida e a política na Cuba de Raúl Castro. Tradução: Monica Stahel. Boitempo, 373 págs., R$45,60.

Desamparo –Estreia do também poeta Fred di Giácomo na ficção, Desamparo é uma história do velho oeste, mas não dos EUA, e sim do oeste paulista do final do século 19 e princípios do século 20, com semelhante genocídio indígena. O enredo, misto de ficção e vida real, conta a saga de duas famílias, os primeiros ocupantes da região que daria origem ao município de Penápolis, terra natal do escritor. Entre as protagonistas à la Cem Anos de Solidão, está a viúva Maria Capa Negra, que veio de Portugal e foi ama de leite de Dom Pedro II. Editora Reformatório, 248 págs., R$40.

Alguns Humanos –Coletânea de contos do escritor, antropólogo, diplomata e também amante do samba Gustavo Pacheco, traz 11 narrativas insólitas que, segundo o autor, um cético da separação entre romance e conto, guardam unidade entre si. Entre os personagens, o orangotango Dohong, muriquis hippies hipersexualizados, a mulher mais feia do mundo… Editora Tinta da China Brasil, 144 págs., R$65.

CLÁSSICOS

A Revolução dos Bichos –Não por acaso, no ano em que os brasileiros resolveram chamar a ditadura militar de volta, desta vez pelas urnas, este pequeno clássico de George Orwell voltou a aparecer na lista dos livros mais vendidos no país. Muitos pensam, equivocadamente, que tanto A Revolução dos Bichos quanto 1984, também de Orwell, criticam o comunismo, quando, na verdade, um em forma de fábula e outro de distopia, são uma amostra de como atuam os regimes totalitários, não importa se de direita ou de esquerda. E como líderes populistas podem se revelar ditadores enquanto afirmam estar “libertando” o povo. Tradução: Heitor Aquino Ferreira. Companhia das Letras, 152 págs., R$34,90.

TEATRO

O ator dialético –O ator e professor Ney Piacentini, que integra a Companhia do Latão desde a sua fundação, em 1997, publicou este livro indispensável para atores, diretores e criadores teatrais. Originalmente sua tese de doutorado defendida na ECA- USP, a obra examina o gradativo aprendizado das atrizes e atores que fizeram parte do grupo, na direção de uma interpretação dialética baseada na contradição entre os aspectos internos e externos dos personagens. Hucitec Editora, 346 págs., R$60.

HQs

Diastrofismo Humano –Gilbert Hernandez ou Beto Hernández se tornou conhecido no mundo dos quadrinhos ao publicar, junto com os irmãos Mario e Jaime a celebrada série Love and Rockets na década de 1980. Nesta incursão solo saída da própria série original, Beto aprofunda a história da latina Luba, a sexy dona da casa de banhos de Palomar, lugarejo onde se passa a trama de Love and Rockets: enquanto tentam descobrir quem é o serial killer que está agindo na cidade, se descortinam os amores, conflitos e a filharada de Luba, agora uma matriarca em Palomar. Tradução: Cris Siqueira. Editora Veneta, 256 págs, R$89,90.

Holandeses –O historiador, antropólogo e quadrinista André Toral narra as aventuras de dois irmãos judeus, Cástor e Esaú, que vêm para o Brasil no século 18 e se instalam em Pernambuco durante a invasão holandesa. Eles acreditam que irão encontrar aqui tribos perdidas de judeus, mas chegando ao Brasil mudam completamente de planos: enquanto Cástor se enamora da terra, Esaú prefere o lucrativo comércio de escravos, o que gera um conflito entre os dois irmãos. Editora Veneta, 96 págs., R$59,90.

Como uma Luva de Veludo Moldada em Ferro –Este clássico de Daniel Clowes, que reúne os dez capítulos da história de mesmo nome publicada pelo quadrinista entre 1989 e 1993 na revista Eightball, está sendo reeditado no Brasil após muito tempo. Os personagens estranhos de Clowes estão ainda mais bizarros: uma dupla sádica de policiais que entalha um estranho símbolo no seu calcanhar; uma suburbana de meia-idade e libidinosa, cujo encontro sexual com uma misteriosa criatura das águas gerou uma filha mutante grotescamente disforme, mas não menos libidinosa; um cão sem qualquer orifício (que tem de ser alimentado via injeções)… Tradução: Jim Anotsu. Nemo, 144 págs., R$54,90.

A Marcha (1 e 2) –Nesta trilogia em quadrinhos cujos dois primeiros números já foram publicados no Brasil, o ativista e congressista negro John Lewis conta sua saga de uma pequena fazenda no Alabama aos corredores do Congresso norte-americano; de uma sala de aula segregada para a Marcha em Washington e seu encontro com Martin Luther King; dos ataques da polícia ao recebimento da Medalha Presidencial da Liberdade pelas mãos do primeiro presidente negro dos Estados Unidos. Tradução: Erico Assis. Nemo, 128 págs., R$49,80.

Asa Quebrada –O escritor Antonio Altarriba e o quadrinista Kim contam a história real da mãe do primeiro, Petra, que conseguiu esconder da família a vida inteira que tinha um braço imóvel por conta da tentativa de seu pai, desesperado com a morte da mulher no parto, de matá-la. A sensível biografia quadrinizada de Petra corre em paralelo com os acontecimentos na Espanha da década de 1930, às voltas com o fascismo do generalíssimo Franco. Tradução: Marcelo Barbão. Editora Veneta, 272 págs., R$64,90.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Sergio em 26/12/2018 - 12h27 comentou:

Precisa mesmo incentivar. O mercado de livros tem despencado! Grandes redes fechando filiais. Menos tempo em redes sociais e mais tempo em leitura.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

As origens elitistas e racistas do futebol, por Mário Rodrigues (o irmão de Nelson)


Uma das razões pelas quais não concordo com o epíteto de “reacionário” que a direitosa adotou como verdade absoluta para se referir a Nelson Rodrigues (1912-1980), sem nunca tê-lo lido, é seu pioneirismo na denúncia…

Direitos Humanos

Como os bandeirantes paulistas destruíram o Quilombo dos Palmares e mataram Zumbi


Qual seria o interesse da direita em desmerecer os quilombos como sociedades em que os negros podiam ser livres do domínio branco, chefiados por si mesmos e com suas próprias regras e leis?