Socialista Morena
Politik

E se os negros sul-africanos não tivessem desacatado a Justiça, Carmen Lúcia?

A Justiça é feita por homens e não por deuses, portanto não é infalível. Ela erra, e muito. Duvidar dela, questioná-la, desacatá-la é um direito e um dever do cidadão

Justiça? Nelson Mandela em cartoon de 1964, quando foi condenado
Cynara Menezes
08 de fevereiro de 2018, 14h44

A presidenta do STF, ministra Carmen Lúcia, disse, na abertura do ano judiciário, no início do mês, que é “inadmissível e inaceitável desacatar a Justiça”, como se a casta de privilegiados à qual pertence estivesse acima do bem e do mal. A presidenta do Supremo não citou a decisão do TRF-4 sobre Lula, mas a indireta era clara, tanto para o ex-presidente quanto para os milhões de brasileiros que consideramos sua condenação injusta e movida por interesses políticos.

Imaginem se os negros sul-africanos tivessem baixado a cabeça, como quer Carmen Lúcia de Lula e de nós. Até hoje o apartheid existiria e Nelson Mandela teria morrido na prisão. O apartheid e a perseguição ao maior líder negro da África do Sul foram inteiramente construídos dentro da lei e com o férreo apoio de juízes, promotores e das cortes, ou seja, pela minoria branca do país.

Contou também com o beneplácito, ao longo de três décadas, da maior parte das nações mais “civilizadas” e “democráticas” do planeta: França, Inglaterra, Estados Unidos… Todos foram cúmplices do apartheid e da perseguição a Mandela. Tanto é que em 1974 houve uma tentativa de expulsar a África do Sul da ONU, descartada pelos três países por suas relações comerciais com o governo racista. Quem se posicionou desde o princípio contra o apartheid foram justamente os “comunistas”, como a União Soviética e Cuba.

Nelson Mandela: “Nós fomos colocados em uma posição em que tínhamos que aceitar um estado permanente de inferioridade ou desafiar o governo. Nós escolhemos desafiar a lei”

Se eu ouso comparar o caso de Nelson Mandela ao de Lula? Mas é claro. Há mais semelhanças do que se imagina, sobretudo o aparato legal que o apartheid montou para sua condenação. Considerado o arquiteto do regime racista que privava os negros de direitos dentro de sua própria terra, o primeiro-ministro Hendrik Verwoerd criou leis que asseguravam a separação racial: uma lei que classificava a população pela cor da pele, outra que exigia um passaporte interno para restringir a livre locomoção de negros pelo país, e a mais famosa delas: a que separava pretos e brancos em quase todos os lugares da África do Sul, exceto estradas e ruas. Quantos negros sul-africanos não foram presos e mortos por desacatar estas leis? E não era o correto a se fazer?

O ex-primeiro-ministro Verwoerd: leis para encobrir atentados contra os direitos humanos

É preciso que se diga, para começo de conversa, que Mandela, a despeito da tentativa da direita atual de edulcorar sua trajetória, era socialista. Suas fotos, sempre com o punho cerrado para cima, são eloquentes, assim como a amizade que manteve com Fidel Castro a vida inteira. A direita, que hoje se coloca como “admiradora” de Mandela, foi quem o perseguiu e o levou à prisão. Do lado oposto, estavam os líderes de esquerda do mundo, como o brasileiro Leonel Brizola.

Em 1964, quando finalmente conseguiram condenar Mandela à prisão perpétua, acusado de “sabotagem”, o que ocorreu, na verdade, foi um julgamento político, que tinha como objetivo calar e destruir o Congresso Nacional Africano, o partido que defendia os direitos dos negros, e também o Partido Comunista, seu aliado.

Leonel Brizola com Mandela em 1991. Foto: CPDoc/JB

“Eu não poderia me conectar a outro sistema político que não o socialismo”, disse, em seu pronunciamento no tribunal, onde admite que o grupo estava mesmo planejando sabotar o governo, não por sua escolha ou “por amor à violência”, mas porque ele e seus companheiros não enxergavam então outro caminho contra a violência maior ainda do apartheid. “Sentimos que sem violência não havia maneira para o povo africano ter sucesso em sua luta contra a supremacia branca. Todos os meios legais de expressar oposição tinham sido bloqueados pela legislação, e nós fomos colocados em uma posição em que tínhamos que aceitar um estado permanente de inferioridade ou desafiar o governo. Nós escolhemos desafiar a lei.”

Mandela costurando roupas na prisão

Mandela já estava preso quando foi submetido ao tristemente célebre julgamento de Rivonia. Havia sido condenado a cinco anos de cadeia por “incitar os trabalhadores à greve” em maio de 1961, já que os negros eram proibidos de fazer paralisações, e por “sair ilegalmente” do país. Naquele ano, fora absolvido em outro julgamento, acusado de alta traição e de conspiração, por supostamente querer derrubar o governo “pela força” e substitui-lo por “um regime comunista”. Qualquer semelhança com o discurso da direita brasileira é mera coincidência.

O povo negro apoiando Mandela: “Temos orgulho de nossos líderes”

Condenado à perpétua em Rivonia, o líder negro sul-africano passou nada menos que 30 anos na prisão até ser libertado em 1990, após muita pressão internacional de defensores dos direitos humanos, que desacataram a Justiça sul-africana. Revelaram ao mundo em alto e bom som que ela era uma Justiça parcial, política, corrupta. E que haviam condenado um inocente por razões políticas. Mais ou menos o que o advogado australiano Geoffey Robertson, o ex-presidente do STF, Sepúlveda Pertence, e celebridades internacionais estão fazendo agora em relação a Lula. Se estivesse vivo, certamente Nelson Mandela estaria ao lado dele e não de seus algozes.

Lula e Mandela em 2008 em Maputo, Moçambique. Foto: Ricardo Stuckert

Ao longo da História, muitos homens e mulheres inocentes foram condenados e mortos por falhas da Justiça, principalmente em países onde a democracia está em risco, caso do Brasil pós-golpe. A Justiça é feita por homens e não por deuses, portanto não é infalível. Ela erra, e erra muito. Duvidar dela, questioná-la, desacatá-la é um direito e um dever do cidadão.

P.S.: Carmen Lúcia rejeita ser chamada de “presidenta”. Ela prefere “presidente”. Mas neste site a palavra usada para designar uma mulher que ocupa cargos como este sempre será presidenta, como preveem os melhores dicionários da língua portuguesa.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(7) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

renato em 08/02/2018 - 19h20 comentou:

SENTI HONRA AO LER ESTE TEXTO..

Responder

Fatinha em 08/02/2018 - 22h52 comentou:

Que matéria linda!
Parabéns!
Mandela vive em nossos corações !

Responder

João Junior em 09/02/2018 - 01h58 comentou:

Para além da legalidade, há princípios que devem ser protegidos. Aliás, o direito mesmo existe para defender estes princípios sobre os quais um povo fundamenta-se como nação. O Brasil é um país que preza princípios tais como a presunção da inocência. E isso é plenamente compreendido ao observar-se a história de Zumbi, de Antônio Conselheiro, dos cabanos, dos inconfidentes mineiros e da conjuração baiana, por exemplo. A quem desafiasse a coroa era reservado todo tipo de pena cruel. Uma espécie de herança medieval trazida pelos colonizadores portugueses a um país que não chegou a ver a inquisição, mas teve pequenas mostras de como era a coisa toda.

É preciso dizer, pois, que as Leis mudam. E mudam porque mudam também as formas de compreender o direito, as formas de garantir o direito, as formas de cometer crimes, etc, embora não mude o fato de que os poderosos tentarão dar às Leis uma forma conveniente que não fira nem inviabilize seus interesses econômicos.

Nem a Lei está acima da Lei, a salvo de ser criticada. Pelo contrário, é da crítica que ela se renova e toma a forma usual de debate pela construção de uma nação. E o judiciário, neste contexto, é um guardião da Lei, entendido que o judiciário guarnece a defesa da Lei pela aplicação correta e coerente dela.

Nesse sentido, a crítica pode colaborar com o aperfeiçoamento da Lei e da aplicação da Lei. E calar diante de um tribunal é, por mais paradoxal que pareça, concordar com ou permitir um desrespeito às Leis. É claro que uma sentença judicial pode ser contestada. Por que a Lei é que serve ao povo, e não o contrário.

Responder

José Tarcísio Furtado Arruda em 09/02/2018 - 13h15 comentou:

SUPREMA CONIVÊNCIA
A presidenta do nosso Supremo
Julga o judiciário inatacável,
Mas leva a hipocrisia ao extremo
De encobrir tanta pena abominável.

Ladeada por bandidões notórios,
Em discurso deveras contundente,
Sem disfarce, e em tons persecutórios,
Ameaça prender o ex-presidente.

Ao invés de se opor ao entreguismo
Vai ao jantar das multinacionais,
Mandando às favas o nacionalismo;

A JUSTIÇA é bastante respeitável,
Não seus togados antinacionais,
Os que não querem um Brasil viável!
Tarcísio Arruda
06/02/18

Responder

Ângela Valério Horta de Siqueira em 10/02/2018 - 02h43 comentou:

Comovente o artigo, pena que sua circulação se dê só entre nós, os de cabeça já feita, que temos não tão poética e contundente maneira de ver e sentir mas perfeitamente alinhados a esse pensar. Como expandir esse círculo de pessoas, arejando as idéias já prontas de tantos e tantas? Como semear em terrenos tão duros? E é urgente que se saiba como fazer.

Responder

Samuka em 10/02/2018 - 10h10 comentou:

Bala, chumbo, fogo e sangue. Gostaria muito enxergar outro caminho…

Responder

Marcelo Gama em 13/02/2018 - 00h01 comentou:

Não concordo com você e compara a defesa de lula com a luta pelo fim do aparthaid, é no minimo inadequado. Na Africa do Sul e em outros lugares em que a justiça foi desafiada o motor foi a defesa de ideias, não a defesa de pessoas, o fim do regime de aparthaid, o fim do direito de ter escravos no Brasil, foram lutas por ideais de liberdade e igualdade e não a defesa de quem cometeu crimes.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Carnaval e História: Pelourinho lembra heróis negros da Revolta dos Búzios


Filhos ou netos de escravos, líderes da revolta foram executados por lutar pela independência, pela República e pelo fim da escravidão

Politik

Morre Marisa Letícia, uma mulher digna e honesta, vítima da injusta perseguição a Lula


A mulher de Lula, dona Marisa, morreu hoje após dez dias internada no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, vítima de um AVC (acidente vascular-cerebral). Imediatamente, as redes sociais se encheram de mensagens de pesar e…