Socialista Morena
Direitos Humanos

Eugenia: brasileiros que importam sêmen dos EUA viram notícia internacional

Wall Street Journal diz que número de brasileiros que prefere doadores brancos e de olhos azuis cresceu 3000% nos últimos anos

A "Liga das Garotas Alemãs" de Hitler
Da Redação
22 de março de 2018, 12h03

Parece a Alemanha nazista, mas é o Brasil de 2018: o Wall Street Journal traz nesta quinta-feira uma reportagem sobre como a procura por sêmen importado dos Estados Unidos explodiu em nosso país nos últimos anos, graças ao interesse de gente que deseja “branquear” os filhos e garantir que tenham olhos claros e aspecto europeu. Em outras palavras, eugenia. Hitler ficaria orgulhoso.

“Com olhos claros, cabelos loiros e algumas sardas no rosto, o doador número 9601 é um dos mais requisitados por mulheres ricas do Brasil que estão importando o DNA de jovens norte-americanos em números sem precedentes”, diz a reportagem assinada por Samantha Pearson. Baseada em dados da Anvisa, a repórter afirma que a importação de esperma gringo subiu 3000% desde 2011, sobretudo entre mulheres ricas solteiras e casais de lésbicas que preferem perfis de doadores com “pele clara” e “olhos azuis”.

Fonte: WSJ

A reportagem cita a política de “branqueamento” que teve lugar em nosso país nos séculos 19 e 20, e o “racismo persistente” em nossos dias para explicar o desejo por filhos arianos. O Brasil foi um dos primeiros países a ter um movimento de “melhoria da raça” organizado, com o surgimento da Sociedade Eugênica de São Paulo, criada em 1918. Entre as iniciativas propostas estava impedir a imigração de pessoas que não fossem brancas. As famílias que estão importando esperma de doadores caucasianos parecem seguir à risca esta orientação.

Com olhos claros, cabelos loiros e algumas sardas no rosto, o doador número 9601 é um dos mais requisitados por mulheres ricas do Brasil que estão importando o DNA de jovens norte-americanos

Além de querer branquear os descendentes, o complexo de vira-latas também é uma razão para a importação: os brasileiros que compram esperma gringo dizem “não confiar” no “produto nacional”, como se estivessem tratando de um produto eletrônico ou tênis de corrida. Segundo uma mãe que importou esperma dos EUA, enquanto aqui as informações sobre o doador seriam precárias, ela conseguiu coletar 29 páginas sobre o doador norte-americano.

Fonte: WSJ

“O Brasil compra quase todo o esperma importado de doadores caracterizados como caucasianos. Quase um terço dos espécimes são de doadores loiros e 52% de homens com olhos azuis. O país também aparece como um dos mercados que mais crescem em importação de sêmen nos últimos anos. Mais de 500 tubos de sêmen congelado em nitrogênio líquido chegaram ao Brasil no ano passado, contra 16 em 2011”, diz a reportagem. “Em 2016, casais heterossexuais compraram 41% do esperma importado, mulheres solteiras, 36% e casais lésbicos, 21%, mas a demanda está crescendo entre os dois últimos grupos.”

Leia a reportagem completa, em inglês, aqui.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(171) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Marcelo M. em 22/03/2018 - 12h46 comentou:

Fora toda questão ideológica eugenista (e também a questão financeira), o mais interessante a constatar é que conseguiram ultrapassar o ridículo de tal maneira que fica muito complicado qualquer análise cultural. Exceto se olharmos três itens básicos da cultura da elite brasileira: 1) Cafona; 2) Cafonice; e 3) Cafonalha.

Responder

    Carolina Oliveira em 22/03/2018 - 19h08 comentou:

    Adorei o termo cafonalha, vou adotar

    Daniel Almeida em 22/03/2018 - 19h36 comentou:

    Adorei…..kkkkk….É isso mesmo!!!

    José Antonio dos Santos da Silva em 22/03/2018 - 20h15 comentou:

    Perfeito.

    Jj Araújo em 22/03/2018 - 22h19 comentou:

    Melhor definição

    Valéria em 24/03/2018 - 10h19 comentou:

    E digo mais, é uma cafornalha só kkkkkkkkk

Lair Amaro dos Santos Faria em 22/03/2018 - 13h01 comentou:

Somente os assinantes do WSJ tem acesso ao artigo completo.

Responder

    Gringo em 24/03/2018 - 14h03 comentou:

    O mais engraçado aqui é ver uns brasileiros “de direita” querendo defender que os “brasileiros brancos” tem o direito de enbranquecer a raça. Bom, sou AMERICANO. DE DIREITA, DONO DE RIFLES DE ASSALTO SEMI-AUTOMÁTICOS, MEMBRO DA NRA, REGISTRADO NO PARTIDO REPUBLICANO, DESCENDENTE DE WHITE CARMELIA KNIGHTS DA VIRGINA E ELEITOR DO TRUMP e tenho que INFORMAR a brazucada que se ACHA BRANCA, que NÃO EXISTE BRASILEIRO BRANCO. Aqui nos EUA vocês podem ser ricos ou pobres que são TODOS colocados no lugar de vocês: LATINOS DE QUINTO MUNDO. Sou BRANCO, ARIANO-GERMÂNICO (meus ascendentes são todos Alemães, com uma Escocesa e um Dinamarquês, NENHUM BRASILEIRO) e deixa eu informar a esse pessoalzinho brazuca “direita de Fakebook” que cisma em achar que nós AMERICANOS somos primos ou alguma coisa de vocês: NÃO SOMOS PARENTES. A BANDEIRA DE VOCÊS TEM CORES QUE SÓ SE JUNTAM NA BANDEIRA DE PAÍSES AFRICANOS E DA JAMAICA, VOCÊS NÃO TEM NADA EM COMUM CONOSCO. E outra coisa: NÓS AMERICANOS DE DIREITA ODIAMOS PUXA SACOS. Vocês brazucas são o único povo (???) do mundo que acha que puxando nosso saco vão conseguir ganhar greencard. Nós damos greencard para os comunistas de Cuba, da Venezuela e da Coréia do Norte que pedem asilo aqui, mas NÃO DAMOS PRA VOCÊS. Nem entrar sem visto aqui como os Chilenos e Argentinos fazem, vocês podem. Se coloquem no lugar de vocês QUE NÃO É O MESMO QUE O NOSSO NA MANOR HOUSE e parem de puxar meu saco que já está enchendo. Falar nisso o tal do Bolsonaro É LATINO PARA NÓS AMERICANOS, entenderam? E Latinos não são ARIANOS. Os Latinos como os Gregos e os Ibéricos do sul são MEDITERRANEANS. Os Arianos são apenas os NORDICOS E OS ALPINOS (Povos nórdicos, Germânicos, incluindo os Espanhóis do norte – Góticos e os Anglo-Saxons e Normandos, e ainda os Tiroleses, e outros povos ALPINOS). Leiam The passing of the Great Race para entender isso seus brazucas LATINOS. Por último, descendente de Alemão nascido no Brasil não é considerado Ariano, porque o próprio Rosenberg disse que os Alemães que migraram para o Brasil degeneraram e se animalizaram como todos o brasileiros e esse é o CONCEITO CONSAGRADO NA ALEMANHA. Vocês precisam ler o Conde de Gobineau para entenderem seu lugar na história.

    Marina em 26/03/2018 - 00h09 comentou:

    Tem um gringo com ascendência caucasiana nos comentários se achando mais caucasiano do que os descendentes de europeus brasileiros só porque ele nasceu nos Eua e nós no Brasil, ambos territórios fora da Europa! Hahahaha O preconceito torna as pessoas ridículas.

    Annie em 04/04/2018 - 18h24 comentou:

    “gringo” duvido MUITO que sejas realmente americano. até porque americano não é uma etnia, na América tem gente de varias raças e etnias, assim como no Brasil. ages como se todos os republicanos fossem racistas, não são. o partido republicano, assim como o Trump, não é racista. se acha inteligente mas se fosse, saberia que raça não tem nada a ver com nacionalidade mas sim com ancestralidade. se diz “americano” “conservador” mas só quer mesmo é sujar o nome dos americanos conservadores. conheço muitos e nenhum deles é assim. conservadorismo não tem nada a ver com racismo. sou conservadora e não sou racista. então por favor pare de se fingir de americano para sujar o nome da América.

    Thomas em 05/04/2018 - 02h23 comentou:

    Gringo, se você soubesse um pouco de armas saberia que “fuzil de assalto semi automático” é só desinformação da mídia. Fuzil de assalto por definição deveria ter fogo automático ou rajada, que mesmo nos EUA é bem difícil de um civil conseguir legalmente diga-se de passagem. Sobre isto de considerar todo mundo como “latino”, se você acha que a Gisele Bundchen não é branca e que um Haitiano negro naturalizado também não é negro porque nasceram ao sul de sua borda, problema seu. Existem muitos problemas de racismo e relações de raça não são simples como um grupo hegemônico “latino”. Por fim, existiram brasileiros que INFELIZMENTE lutaram pela Alemanha na segunda guerra. Um deles inclusive teve a cruz de ferro(egon albrecht), vai dizer que ele é “latino”????

Alan em 22/03/2018 - 16h47 comentou:

Matéria extremamente tendenciosa e incongruente…

1) Afirma constantemente que o objetivo da importação de esperma é clarear a pele das gerações subsequente mas não apresenta nenhuma prova de que todos os compradores possuem um tom de pele mais escuro que o do doador.

2) Correlaciona a escolha do doador com a eugenia nazista mas não apresenta provas de que os compradores se identificam como “arianos”. Se todos os compradores forem “arianos” então será impossível clarear ainda mais a pele da próxima geração, pelo outro lado, caso os compradores não forem “arianos” o cruzamento das raças caracterizaria miscigenação, ato passível de morte de acordo com as leis nazistas da época.

3) Não sabe o que é eugenia. A eugenia é um termo obsoleto que descrevia o estudo das características raciais que através de manipulação afetariam a qualidade racial das gerações subsequentes. A utilização da palavra ficou tão ridícula quanto afirmar que quem compra uma cenoura está cometendo agronomia.

4) O indivíduo que afirma que o Brasil foi um dos primeiros países a ter um movimento eugênico organizado certamente desconhece como funciona o sistema monárquico.

Eu até posso aceitar a premissa de que mulheres solteiras (21% dos compradores) e casais lésbicos (36%) querem implementar o Quarto Reich através da importação de esperma ariano-americano, mas para isso a lacrosfera vai precisar fornecer algum tipo de prova. Até lá a Navalha de Occam diz que esse texto é só uma falácia Reductio ad Hitlerum, misógino, com a intenção de retirar o direito das mulheres de escolher qual esperma fecundará seus óvulos.

Responder

    Cynara Menezes em 22/03/2018 - 17h23 comentou:

    esperneia mais

    Babi em 22/03/2018 - 17h40 comentou:

    A maior parte da população brasileira, ou seja, mais de 50% é preta ou parda. E vc ainda quer provas de que não se trata de pessoas brancas? Oi? Rsrs

    Elisa em 22/03/2018 - 18h09 comentou:

    Perfeito.

    Bruno em 22/03/2018 - 18h34 comentou:

    É burrice, sarcasmo ou vc paga de ridículo com extrema facilidade?

    Daniela Oliveira em 22/03/2018 - 18h54 comentou:

    Alan meus Parabéns por suas observações. Uma pessoa com bom senso. Infelizmente o banco de Semên Nacional não oferece as informações completas e necessárias para a sua utilização. Quem se utiliza do Banco Internacional escolhe por ter informações completas e precisas sobre o doador. O Banco internacional relaciona todas as etnias. A escolha por cor de pele branca e olhos claros muitas vezes se dá pelo biotipo da mulher ou do homem (infértil) que precisará se valer de um doador para realizar o sonho da maternidade solo, ou do casal infértil, etc.. Digo tudo isso porque me utilizei de um Banco Internacional Americano. Escolhi um doador que se assemelhasse às minhas características. Sou de pele clara, cabelos claros, ascendência polonesa, portanto, minhas filhas (gêmeas) saíram com características semelhantes às minhas. Se fosse casada com japones ou negro, claro que minhas filhas teriam a misigenação referida, mas como optei por uma produção independente achei conveniente que elas resguardassem características mais parecidas com a minha família. Por grupos que participo vejo que o interesse maior no Banco internacional se deva a maior gama de informações sobre o doador, pouco importando a estória dos olhos azuis. Abraços!

    Alan em 22/03/2018 - 20h41 comentou:

    Fico contente em conhecer sua história, Daniela. Era justamente sobre isso que eu me referia no trecho final do meu comentário: a razão pela escolha do doador não interessa a ninguém além da própria mulher. Escarnecer uma ferramenta que traz independência e empoderamento para mulheres é um ato misógino e tentar correlacioná-la ao nazismo ainda acrescenta um requinte de crueldade.

    ALLANNA em 22/03/2018 - 21h11 comentou:

    Bravo!

    hercules em 22/03/2018 - 22h30 comentou:

    Não sei se você sabe, mas, para os americanos, não existe caucasianos no Brasil, latinos não são caucasianos.

    Sergio em 22/03/2018 - 23h20 comentou:

    Puxa… como vc é inteligente e bem informado e consegue combater esses comunistas ignorantes e malvados … quantos argumentos maravilhosos e b embasados … parabéns. O fato de brasileiras importarem tanto semem de homens brancos e de olhos azuis é mero acaso, as informações sobre homens negros e olhos castanhos devem ser muito escassas … a comparação com nazismo é …. éééhh… ééééhhh … então … a família real …

    João Junior em 22/03/2018 - 23h58 comentou:

    O racismo é uma estrutura política e social. Não é algo banal como apenas observar que há diferenças étnicas entre os povos, mas um discurso político conservador feito sob medida para manter os negros afastados da casa grande. Você pode observar como a estrutura do racismo está presente nessas escolhas mesmas do texto, pelo simples fato de que quem as faz sabe exatamente o que quer evitar com elas: que a estrutura do racismo recaia sobre a prole. O racismo é essa estrutura social e política que privilegia brancos e desfavorece negros. Branco sofre com racismo ou racismo reverso? Não. Não existe uma estrutura social que afaste os brancos como grupo étnico de qualquer direito social ou econômico. Simples assim, ou nem tanto.

    Diane em 23/03/2018 - 06h00 comentou:

    Obrigada Alan, eu pensei que só eu tinha pensado isso.

    Josean Ricardo em 23/03/2018 - 07h39 comentou:

    Agora os eugenistas têm um advogado.

    Stephan em 23/03/2018 - 08h36 comentou:

    Nossa cara, como vc fala merda!

    Crosdon santana em 23/03/2018 - 09h54 comentou:

    Incrível sua resposta, parabéns pelo bom senso.
    Esse discurso dela vai contra as próprias bandeiras, afinal as maiores consumidoras e a demanda crescente são as lésbicas e mães solteiras (no discurso lacrador: MULHERES EMPODERADAS).
    Cadê o direito de escolha delas?
    Matéria sem fundamentos.

    Carlos em 23/03/2018 - 10h16 comentou:

    Alan… os nazistas alemães detestam os idiotas metidos a nazistas à moda brasileira.. .. te enxerga

    Roberto Fonseca em 23/03/2018 - 11h19 comentou:

    Fascista detectado.

    João em 23/03/2018 - 12h57 comentou:

    Perguntas úteis:
    De quem é o útero?
    De quem é o ventre?
    O que os outros tem a ver com as escolhas íntimas das pessoas em relação ao produto encomendado?
    #paz

    Carla em 23/03/2018 - 14h53 comentou:

    👏

    Luciane em 23/03/2018 - 15h18 comentou:

    Ótimo comentário.

    Tatiana em 23/03/2018 - 17h25 comentou:

    Perfeito, Alan!!! Concordo plenamente com você!!! Não preciso nem escrever mais nada, você escreveu tudo!!!

    Carlão em 23/03/2018 - 18h48 comentou:

    Não é só eugenia, loka…!
    Se fosse, iriam para a Alemanha, Suécia, Suiça, etc…
    Por quê, EUA…?
    É chick…?
    Existe alguma lei que garante nacionalidade estadunidense e algum benefício financeiro?
    Até onde eu sei, homens que vendem sêmem nesses bancos americanos, estão morrendo de fome, de pobreza ou usam drogas…
    Ocorre, que o Brasil está cheio de gente doida.
    Quanto a matéria, se vc tivesse feito o ensino básico, entenderia que se baseia em números e estatitíscas. Não tem tendência.
    Vou xingar vc não…

    David em 23/03/2018 - 19h00 comentou:

    Concordo totalmente. O texto deveria apresentar o perfil dos compradores de sê men Brasileiros.
    Com uma rapida conta de padaria, devemos lembrar que pessoas que utilizam tal tratamento precisam estar situadas em uma classe social média-alta para cima. Assim, chegamos a conclusão que no mínimo, 80% desses compradores são brancos também.

    Clau em 23/03/2018 - 19h58 comentou:

    Ótima resposta, Alan.
    O problema do Brasil é a falta de transparência. O receio reside na falta de informaçoes sobre os doadores e, na possibilidade de não terem sido testadas doenças e etc.
    Fiz tratamentos p engravidar e sei bem como funciona.
    Geralmente, os receptores desejam que os filhos sejam parecidos … tal como a atriz Karina Bacchi fez.

    Lin em 23/03/2018 - 21h02 comentou:

    Nossa, obrigada ppr responder isso. Na reprtagem, 1/3 loiro e 50% de olho azul nao faz maioria. E as informações sobre o doador sao importantes sim. Aqui nao fornecem muitas. Sabemos que genetica influencia inteligencia e humor. Preferi engravidar de amigo a pegar num banco por isso.

    Cleide Reis em 23/03/2018 - 21h15 comentou:

    Mas Alan, a Daniela comentou que ela escolheu semem americano por ser descendente de poloneses, entao gostaria de filhos com mesmas caracteristicas. OI????? Polonia fica na……. Europa, o que ela foi fazer nos States?? Era melhor ter ido pro Paraná. Logo americanos??

    Daniela em 23/03/2018 - 22h17 comentou:

    Concordo plenamente com sua análise. A materia é tão tendenciosa que ignora o fato de que o próprio gráfico mostra que a maioria esmagadora (mais de 63%) preferem doadores castanhos. Loiros correspondem a vinte e poucos por cento, logo, de modo algum é maioria. Outra coisa é considerar que a elite com dinheiro para comprar esperma tem sim uma maioria branca, são reflexos tristes do escravagismo que após a abolição deixou milhares de descendentes livres mas na pobreza. Outo fator é que como no Brasil é proibida a venda de sêmen é menos rigoroso e pouco cuidadoso o processo de coleta de informações sobre o doador. No “catálogo” americano ou europeu, embora na reportagem eles só tenham citado características física, eles dão informações bem mais complexas desde o princípio como tipo sanguíneo, histórico de doenças pessoais e familiares, formação, profissão, talentos, fotos de quando criança e adulto que auxiliam casais que queiram características bem proximas das suas pois não querem ficar explicando que a criança não é geneticamente filho de ambos em razão de diferenças. E se a criança ficar doente você tem um histórico genetico muito melhor para analisar se tratasse de doenças hereditária. Tudo isso não tem no Brasil. Por toda essa qualidade de informações que dão maior segurança num procedimento tão difícil e custoso que as pessoas preferem mesmo pagar. Não é por querer semen gringo. É porque no Brasil o “mercado” disso é muito tosco ainda. Eles não pagam pela “arianidade”, mas pela informação.

    Johnny em 24/03/2018 - 01h58 comentou:

    “1) Afirma constantemente que o objetivo da importação de esperma é clarear a pele das gerações subsequente mas não apresenta nenhuma prova de que todos os compradores possuem um tom de pele mais escuro que o do doador.”

    O argumento de que a escolha por sêmens de americanos brancos de olhos azuis é uma escolha racista eugenista não depende da premissa de que os compradores devem ter pele mais escura do que a do doador. Embranquecimento não tem a ver com isto. Não importa a cor da pele da compradora do sêmen, o que importa é intenção de garantir (ao invés de deixar ao acaso) que o filho(a) seja branco de olhos azuis, o que demonstra aversão à miscigenação, base do pensamento eugenista. Escolher um sêmen de alguém igual a si (se branca for a compradora) ou de alguém branco (se não branca for a compradora) demonstra preferência étnico-racial, aversão ao diferente (se branca for a compradora) e aversão ao não branco socialmente estigmatizado (se não branca for a compradora auto-alienada). Uma mulher brasileira com viés racista diminuirá suas chances de ter um filho pardo ou negro se possuir mais detalhes do doador que assegurem que ele é oriundo de família branca, que possui ascendentes brancos nas gerações passadas mais recentes. A escolha em questão é feita como se fosse de um produto, do qual vc quer definir as características que lhe apraz. Uma não racista não se preocuparia com a aparência que o filho(a) pode vir a ter, se ele(a) teria aparência semelhante à mãe ou não, simplesmente porque seria indiferente a aparência da criança, simplesmente porque a diferença não seria vista como um problema de incompatibilidade de gosto pela cor, simplesmente porque o filho(a) não é visto(a) como um produto a ser costumizado segundo a estética que lhe apraz.

    “2) Correlaciona a escolha do doador com a eugenia nazista mas não apresenta provas de que os compradores se identificam como “arianos”. Se todos os compradores forem “arianos” então será impossível clarear ainda mais a pele da próxima geração, pelo outro lado, caso os compradores não forem “arianos” o cruzamento das raças caracterizaria miscigenação, ato passível de morte de acordo com as leis nazistas da época.”

    O argumento de que a escolha por sêmens de americanos brancos de olhos azuis é uma escolha racista eugenista também não depende da premissa de que o comprador deve se identificar conscientemente com a categoria “ariana”. A premissa se fundamenta numa analogia, de modo que é possível qualificar o ato da escolha deliberada do produto branco como um ato SEMELHANTE a atos praticados pelo racismo nazista, que SEMELHANTEMENTE selecionava deliberadamente uma suposta raça (branca ariana), evitando outras raças supostamente (no caso nazista, eliminando e subjugando as demais supostas raças inferioras). Ambos os atos, o da compradora selecionista e o do nazista selecionista, apesar de terem graus diferentes de violência, estão sob a mesma categoria praxiológica, possuem a mesma natureza mas graus diversos.

    “3) Não sabe o que é eugenia. A eugenia é um termo obsoleto que descrevia o estudo das características raciais que através de manipulação afetariam a qualidade racial das gerações subsequentes. A utilização da palavra ficou tão ridícula quanto afirmar que quem compra uma cenoura está cometendo agronomia.”

    Primeiro, novamente temos um caso de uso analógico de um conceito. O fato de o conceito de eugenia ter caído em desuso por ter sido científica, ética e politicamente refutado não implica que princípios ideológicos de discriminação racial que subjaziam à prática do estudo da eugenia e a suas implicações políticas, não sejam subjacentes, sob aspecto SEMELHANTE, aos atos de escolha de sêmen de gente branca de olhos azuis. Se vc estudar mais o tema da eugenia, verá que seus adeptos discutiam formas de branqueamento e de repudiar miscigenações, o que está, sob outro aspecto, presente numa escolha de sêmen onde há a preocupação com a cor da pele da criança, mesmo que haja a falsa justificativa de que a escolha se baseia em compatibilidade étnico-racial e gosto estético do “produto”.
    Segundo, parece que é vc que não sabe o que é eugenia. Eugenia não apenas um pretenso estudo visando supostamente melhorar a raça humana. Eugenia também envolvia práticas de políticas públicas nas áreas de imigração, educação, sanitarismo, natalidade, matrimônio, etc., as quais possuíam tendência explícita no sentido de selecionar, com base pseudo-científicas e com controles sobre miscigenações indesejadas, a raça branca considerada mais evoluída ou superior às demais. Esta tendência racista, documentada objetivamente pela historiografia por vc não consultada, é SEMELHANTE ao, é DE MESMA NATUREZA que, porém de diverso grau, o ato de selecionar deliberadamente um sêmen de gente branca de olhos azuis.

    “4) O indivíduo que afirma que o Brasil foi um dos primeiros países a ter um movimento eugênico organizado certamente desconhece como funciona o sistema monárquico.”

    Em realidade, o movimento eugênico brasileiro teve origem no começo do século XX (as primeiras publicações eugenistas datam de 1910, após o fim formal da monarquia em 1889, a qual na pratica já estava fortemente desmantelada antes mesmo de 1889, embora certas estruturas suas tenham permanecido sob outros aspectos republicanos). Uma simples checagem prévia desta informação evitaria que vc passasse vergonha, cometida num tom bastante arrogante, como se vc fosse uma autoridade no assunto.

    “Eu até posso aceitar a premissa de que mulheres solteiras (21% dos compradores) e casais lésbicos (36%) querem implementar o Quarto Reich através da importação de esperma ariano-americano, mas para isso a lacrosfera vai precisar fornecer algum tipo de prova. Até lá a Navalha de Occam diz que esse texto é só uma falácia Reductio ad Hitlerum, misógino, com a intenção de retirar o direito das mulheres de escolher qual esperma fecundará seus óvulos.”

    A primeira frase sua repete os erros anteriores de não compreender o que é o uso argumentativo de analogias. Já que a tese não é que as compradoras de sêmen de gente branca de olhos azuis querem instalar o nazismo eugenista, logo não há que provar esta conexão. A tese é que elas se comportam de modo semelhante aos nazistas eugenistas e aos eugenistas não nazistas, não que elas são nazistas eugenistas ou eugenistas não nazistas no sentido literal do termo. A categoria de ação é a mesma, o que muda é o grau.

    A segunda frase comete quatro erros: 1. Navalha de Occam, que é um critério de escolha de teorias, não tem nada que ver com a escolha de qual a melhor teoria ou explicação, a sua ou a da socialista morena/Wall Street Journal, porque sua “teoria” não apresenta maior economia de uso de termos e explicações mais simplificadas do que a teoria do texto, e vice-versa.
    2. O critério da Navalha de Occam não serve para identificar falácias, então não tem como ele dizer que o texto cometeu a falácia mencionada por vc.
    3. A falácia Reductio ad Hitlerum não está sendo aplicada na argumentação do texto, porque não se trata de dizer que as compradoras estão sendo racistas em suas escolhas porque elas se comportam de modo semelhante aos nazistas eugenistas e aos eugenistas não nazistas (ou, como quer vc, que elas estão sendo racistas porque elas são literalmente eugenistas e/ou nazistas). Trata-se de argumentar que (expondo as premissas implícitas do texto):
    (1) é um consenso ético que práticas racistas são erradas,
    (2) as práticas de nazistas eugenistas e de eugenistas não nazistas são racistas,
    (3) de (1) e (2) segue-se que as práticas nazistas eugenistas e de eugenistas não nazistas são erradas,
    (4) as compradoras de sêmen de gente branca de olhos azuis agem de modo semelhante às práticas eugenistas (mesma categoria de ação, com grau diverso),
    (5) de (2), (3) e (4) segue-se que as compradoras de sêmen de gente branca de olhos azuis agem de modo racista e, logo, errado.

    Então, não é porque elas agem semelhantemente a nazistas, que elas são racistas e estão erradas, mas porque suas ações são semelhantes a ações nazistas que por definição são racistas e erradas, que elas são racistas e estão erradas.

    O que vc pode tentar refutar é a premissa 4. Mas vc partiu de uma falsa interpretação, a de que se trata de tomar as compradoras como literalmente nazistas ou eugenistas. Vc poderia ter feito uma melhor argumentação se refutasse a premissa 4 em associação com esta tese (falsa, contudo): “…misógino, com a intenção de retirar o direito das mulheres de escolher qual esperma fecundará seus óvulos.” Vc poderia argumentar que elas não agem semelhantemente como nazistas/eugenistas porque elas estão só exercendo sua liberdade de escolha. Porém seria algo muito ingênuo, porque apenas um recalcado racismo justifica uma preocupação em se escolher a cor da criança, como se estivesse comprando uma roupa branca ou preta com base no suposto critério de que é compatível com seu próprio tom de pele.

    -Para melhorar sua capacidade de argumentação, leia este livro: https://www.saraiva.com.br/logica-informal-4061432.html

    – Para compreender melhor o que é um raciocínio analógico: https://plato.stanford.edu/entries/reasoning-analogy/
    Vai no google e procura em português este tema de lógica que vc tb acha material.

    Adalberto Ricardo Pessoa em 24/03/2018 - 06h11 comentou:

    Reconheço que SOFISMOU muito bem. Continua defendendo Racismo Estrutural, mesmo assim.

    Marcos em 24/03/2018 - 09h18 comentou:

    Olá Alan, realmente não há provas sobre o que você apontou, mas é um pouco incoerente somente um biótipo fazer tanto sucesso no Brasil considerando que aqui as pessoas são tão diversas. Ainda é possível que todas essas pessoas que vão aos EUA pelo esperma sejam desse biótipo e queiram filhos/as parecidas com elas mas isso é pouco provável. Assim fica pairando no ar aquela questão de que o brasileiro é racista e que sofre de um profundo complexo de vira-latas e isso está influenciando a sua escolha. Não acredito que o post esteja tentando influenciar as escolhas das pessoas (embora ele deva ter uma influência indireta ao fazer as pessoas pensarem). E quanto à maior quantidade de informações disponíveis do doador, gostaria de ler o que escreveram sobre ele, embora acredite que isso não vá necessariamente fazer com que a criança nasça melhor ou pior, nem sempre filhos de grandes cientistas se tornam bons cientistas ou filhos de grandes esportistas se tornam bons esportistas. Para falar a verdade, eu vejo tudo isso como cruzar cães de raça para gerar outro, eles até podem ser mais bonitos que um vira-latas, mas são geralmente pouco saudáveis e/ou inteligentes.

    mariana em 24/03/2018 - 10h00 comentou:

    Perfeito o comentário. É incrível como as pessoas fazem materias baseadas em achismos. Vc sintetizou isso bem, uma pena a maioria aqui simplesmente criticar o comentário pq nao consegue diferenciar achismo de analise fundamentada.

    Martha Fernandes em 24/03/2018 - 11h48 comentou:

    Perfeito Alan,esse povo adora culpar quem não é da mesma cor por tudo e esquecem que somos seres humanos.Se metem até no útero dos outros.

    Cynara Menezes em 24/03/2018 - 13h48 comentou:

    “se metem até no útero dos outros”. falou a direitista contra o aborto

    Ronmel em 24/03/2018 - 13h41 comentou:

    Gostei do argumento coerente. Desconsidera o perfil das mães, além de outros fatores. Vincular à eugênia chega a ser um erro grosseiro, espero que outras pessoas leiam seu comentário.

    Ernesto em 24/03/2018 - 13h44 comentou:

    Um raríssimo exemplar de HOMEM NOVO! Único, quiçá! Claro, só pode ser! Um homem acusar uma mulher de misoginia não é pouca coisa. E considerando a acusada em questão, só pode ser mesmo um macho muito evoluído. Que inveja…

    Daliana em 24/03/2018 - 15h53 comentou:

    Alan, achei seus pontos de vista bem interessantes e alguns deles têm muito a ver com o que uma amiga minha tmb falou e pontos de vista diferentes sempre são interessantes, maaaaas, vamos lá:

    Eu concordo que o texto foi um pouco tendencioso, pois ao dizer que boa parte das pessoas que fazem essas escolhas são “mulheres ricas solteiras e/ou casais de lésbicas” e essas pessoas, independente ou não de serem ricas, sofrem preconceito pelo simples fato de serem mulheres, mulheres solteiras (que o povo ainda vê como o “retrato do fracasso” e ainda uma expressões de “mulheres que ficaram pra titia”) e lésbicas, que tmb sofrem um preconceito enorme! Nisso, eu sei que foi um dado estatístico, mas é como se atribuíssem a elas a culpa por isso acontecer e isso não é justo!

    Um dos outros pontos que minha amiga lembrou é que boa parte das pessoas que fazem inseminação artificial são pessoas mais ricas e as pessoas mais ricas são consideradas brancas aqui e “é natural que as pessoas queiram filhos que sejam mais parecidos com elas”. Esse foi o ponto de vista dela e tá certo. Concordei em partes…

    Lá fora (para americanos e europeus), não somos brancos. Até me lembrei que, certa vez, fiquei curiosa quanto a isso e fui perguntar a uma amiga minha, do País de Gales, a que raça ela acha que eu pertenço e ela me respondeu algo interessante. Ela disse: “se eu te visse andando aqui na rua e não soubesse de onde vc vem, diria que vc é branca, mas como sei que vc vem do Brasil, vc é hispânica”.

    E aí, vem uma inquietação minha que pensei agora: se nós nos consideramos brancos aqui e queremos filhos mais parecidos com as nossas características (considerando o ponto de vista das pessoas que querem um filho de inseminação artificial, que são mais ricas e brancas), então pq não vamos ao banco de sêmen DAQUI do Brasil e vamos buscar isso lá fora? Não somos brancos? Não queremos pessoas que se pareçam com nosso tom de pele e características físicas? Quem melhor pra isso senão os “brancos daqui”? Então, pq não buscar isso aqui, no nosso próprio país?

    É aqui que entra o enorme “complexo de vira-lata” que nós temos, em achar que tudo o que vem de fora é melhor e que eles são “raça pura” e isso é ridículo. É aí que mora sim o preconceito… A Eugenia… Portanto, mesmo com essas falhas que minha amiga identificou (e, infelizmente, não tenho assinatura no WSJ para ler com mais detalhes e ter uma melhor opinião), tem um quê de Eugenia e essa coisa de “busca da raça pura” sim e sabemos que essa coisa da raça pura não existe, né? Que um sêmen de um banco brasileiro teria o mesmo efeito de um banco americano ou europeu, já que o objetivo é um filho branco, então, por que buscar só lá fora? Pq não reduzir os custos e ter um filho com sêmen daqui mesmo? Aqui tmb tem pessoas loiras de olhos azuis.

    Enfim… Espero ter contribuído com as reflexões e que o custo da inseminação baixe para que as pessoas mais pobres tmb tenham a alegria de ser mãe e pai e que mais pessoas queiram, também, sêmen de outras raças, para não achar que “só o branco é que é belo”. Acabar um pouco com esse padrão de beleza eurocêntrico. Nós somos lindos, justamente, pq somos uma mistura de raças. 🙂

    Eduardo em 25/03/2018 - 11h29 comentou:

    Direto ao alvo. Parabéns!

    Michael em 25/03/2018 - 12h26 comentou:

    Vc não entendeu, rapá. Já no seu ítem um tem um erro sério de entendimento. Volta lá, lê de novo.

    Carina Aparecida Leite em 25/03/2018 - 13h02 comentou:

    Bem… O argumento sobre a obsolescência do termo “Eugênia” cai por terra quando, numa época tipicamente positivista, cujas bases científicas estavam concentradas na explicações sob o prisma das “ciências naturais”,as questões sociais e culturais utilizavam dessas perspectivas para legitimar suas visões de mundo e comportamento que culminava na xenofobia e no genocídio. Se a teoria de Darwin sobre a evolução das espécies, totalmente biológica, inspirou o darwinismo social, por sua vez sociológica e antropológica, da qual a Eugênia está inserida, hoje, utilizar esse termo, “eugenia”, para questionar um aspecto da realidade que, sinceramente, é muito impactante, é válido sim. Aumentar a importação de semem em 3000%, optando massivamente por um fenotipo específico… Vale a reflexão sim! E em nenhum momento senti nenhum tipo de crueldade… Crueldade, quem viveu e ainda vive atualmente, é a população negra, parda e indígena brasileira.

Maria Luiza Sacknies da Silva em 22/03/2018 - 17h05 comentou:

Só um adendo: não é viável fazer comparação com o “produto nacional”, pois a venda de esperma é vedada por aqui.

Responder

LILIANA FALABELLA em 22/03/2018 - 17h13 comentou:

Nossa quando vc pensa que já viu de tudo aparece outro show de horrores desta nossa sociedade …. pelo perfil dos compradores, o doador 9601 só pode ser o Trump .

Responder

Janaina em 22/03/2018 - 17h37 comentou:

Meu Deus do céu… que vergonha! Até que não acho errado a pessoa querer escolher quem vai ser o pai (biológico) do seu filho, mas transformar a coisa numa panaceia cafona dessas e com umas justificativas desse tipo a ponto de ser matéria de jornal é ridículo. Se tem grana pra isso, porque não vai morar por lá de uma vez e fabrica o filho in locu? Eita elitezinha sem-vergonha essa nossa…

Responder

    Eduardo Vasconcellos em 23/03/2018 - 19h17 comentou:

    Belo entendimento.

    Clau em 23/03/2018 - 20h00 comentou:

    O problema reside na infertilidade … não basta ir lá e fazer o filho.

    Ngoia Da Denda em 24/03/2018 - 05h44 comentou:

    Aqui a questão não é dizer que alguém se intrometeu na vida de outrem ,a noticia é apenas uma constatação para questão de reflexão e analise de fenomenos que ocorrem…. Porque não fica mal também receber sémen da geração de LeBron James ou dum Mandingo com 28cm de cabo africano! Cada um faz o que quer,mas fazer estas constatações não têm mal nenhum de outra forma tudo que é noticia diriamos cada um é livre!

Carlos Muller em 22/03/2018 - 18h44 comentou:

se importassem semem africano, vc ia achar uma lindeza, um avanço, uma brasilidade! Mas semem de brancos é nazismo! Vc é racista raiz.

Responder

    Jaqueline em 22/03/2018 - 21h26 comentou:

    Concordo contigo. Agora até nos filhos dos outros querem se meter…

    Beijo na B em 22/03/2018 - 21h27 comentou:

    eis um exemplar da típica mentalidade racista e fascistoide. Um caso concreto não é racismo, mas uma mera possibilidade hipotética fruto apenas de tal mente degenerada , seria

    Marcelo Barros em 22/03/2018 - 23h36 comentou:

    Falou e disse, Carlos.

Airton em 22/03/2018 - 19h04 comentou:

Certo eles.
Talvez esta seja a solução para o brasil, que é formado pelo pior do DNA Portugues com o pior do DNA Africano. Nao podia sair nada de bom dessa mistura.
O Brasil precisa de um restart!

Responder

    Cynara Menezes em 22/03/2018 - 19h56 comentou:

    normalmente o site não aceita comentários racistas, mas seu comentário vai ficar aí como modelo de um tipo de brasileiro que dá nojo saber que existe

    Alan em 22/03/2018 - 20h20 comentou:

    Esse comentário do Airton foi puramente racista. Tão racista quanto afirmar que comprar sêmen de caucasianos é coisa de nazista.

    Tânia em 23/03/2018 - 14h02 comentou:

    Desculpe, mas há muita falta de informação nessa sua afirmação. Sorte nossa a colonização portuguesa, do contrario poderíamos estar como muitos países da Africa, que ainda são colonias. Aliás, crescemos muito quando a corte veio pra cá e passou a trazer inúmeros benefícios ao nosso país.
    O pior dos africanos? Se pior pra você é um povo que foi usado como a principal mão de obra para construir nossa economia, torturados de inúmeras formas e mesmo assim, muitos terem sobrevivido para lutar pela liberdade, então o que será o melhor???
    Somos um povo maravilhoso graças a miscigenação.

    Zulmara vidal em 31/03/2018 - 14h43 comentou:

    A noção te mandou lembranças!!!!

Leon Dalaedovick em 22/03/2018 - 19h53 comentou:

Olha que bonito! Todo mundo parecidinho. E já vem falando inglês, comendo hambúrguer e portando um AR15

Responder

    Marcelo em 22/03/2018 - 22h15 comentou:

    Boa!

    Nara Holler em 23/03/2018 - 06h28 comentou:

    Com o sol inclemente do Brasil, essas crianças de olhos azuis, provavelmente terão mais problemas de visão, mas serão o “orgulho” desses pais narcisistas! VALORES, cadê?

Bruno em 22/03/2018 - 21h00 comentou:

“Em 2016, casais heterossexuais compraram 41% do esperma importado, mulheres solteiras, 36% e casais lésbicos, 21%, mas a demanda está crescendo entre os dois últimos grupos.”

Em outras palavras: quase 60% dos compradores são mulheres feministas prafrentex. E a demanda desse grupo continua crescendo.

Você citar esses números como evidência de que os brasileiros são racistas é um tiro no pé. A única coisa que eles parecem evidenciar é como as feministas da nossa classe média podem ser hipócritas quando lhes convém: o homem branco é um opressor, um explorador, um tirano, um patriarca cruel, um demônio sociológico, mas, na hora de fecundar o útero delas, elas escolhem quem? O cara com o biotipo do colonizador patriarcal por excelência. Freud deve explicar isso.

Responder

    Cynara Menezes em 22/03/2018 - 23h00 comentou:

    quem citou foi a reportagem do wall street journal. certeza que leu direito?

    Aurineide Ferreira Tavares Condados em 23/03/2018 - 09h39 comentou:

    Pelo que vi, as evidências de que esteja havendo uma tentativa de branqueamento da raça, não estão nos percentuais de tipo de pessoas ou tipo de casais, mas no aumento exponencial de 3000% em relação ao ano de 2011/2016.
    Acredito que nem todos os casos sejam por esse motivo, mas penso que seja o caso da maioria.

    Daniela Oliveira em 23/03/2018 - 13h19 comentou:

    Olá Bruno, pelo que tenho acompanhado de mulheres que buscaram fazer uma produção independente o que menos vejo são mulheres dita feministas, falo por mim mesma, queimar sutiã não é comigo. A maioria das mulheres que conheci e optaram pela maternidade solo é porque não encontraram parceiros que quisessem ter filhos. Porque chegaram aos 40 anos sem realizar a tão sonhada maternidade. O relógio biológico da mulher é cruel, depois dos 35 anos a queda da fertilidade é avassaladora. Mas posso afirmar sim que são mulheres bem sucedidas em suas carreira, com estabilidade profissional. Bancar uma fertilização in vitro e um filho requer estabilidade financeira, o custo é alto. Quanto ao Banco de Semen repito, o Nacional é um fiasco, uma ficha seca, com altura, cor da pele, cabelo, cor dos olhos e só. O Banco internacional além de todas as características físicas, com fotos de infância a fase adulta doador, ainda possibilita ter acesso a ficha médica de toda a família até dos avós do doador.

    Johnny em 24/03/2018 - 02h59 comentou:

    1º erro: Duas premissas erradas na sua argumentação:
    (1) Todas mulheres solteiras são feministas.
    (2) Todas lésbicas são feministas.

    Existem mulheres solteiras não feministas.
    Existem lésbicas não feministas.
    Como vc não sabe se as compradoras de sêmen de gente branca de olho azul que são solteiras e lésbicas são ou não feministas, logo vc não pode concluir que o estudo revela que as feministas são hipócritas.

    2º erro: supor que o estudo e a socialista morena estão afirmando que as brasileiras são racistas. Eles têm ciência de que a amostra estatística do estudo em relação à totalidade da população brasileira é muito pequena. Além disso, eles sabem que a amostra faz parte de uma parcela da população brasileira, a parcela da elite, que tem recursos para fazer tal compra. Embora não se possa a partir deste estudo generalizar para toda a elite brasileira, ele é uma evidência de que há ainda nesta elite, ao menos em parte, tendências fortemente racistas e retrógradas, ao ponto de a escolha da cor da criança ser uma preocupação relevante, como se se tratasse da escolha de uma roupa ou carro conforme o gosto estético. A aversão à miscigenação, o desejo de manter a branquitude, o desejar um filho que seja sua cara e semelhança.

    Leia este livro pra melhorar sua capacidade de argumentar: https://www.saraiva.com.br/logica-informal-4061432.html

Viviane em 22/03/2018 - 21h03 comentou:

A maioria das pessoas de olhos azuis que eu conheço tem ou tiveram a vida bem sofrida. Não sei porque brasileiro é tão babaca com isso de olho azul.

Responder

    Airton em 23/03/2018 - 10h21 comentou:

    É melhor ter uma vida sofrida com olho azul do que uma vida sofrida com olho preto.

    Cynara Menezes em 23/03/2018 - 18h13 comentou:

    ter uma vida sem cérebro deve ser pior

    Henrique em 23/03/2018 - 10h48 comentou:

    É mesmo.
    Brad Pitt, por exemplo, tem uma vida bem sofrida. Leonardo DiCaprio tbm

Marcos Knopp em 22/03/2018 - 21h59 comentou:

Ha tempos o Homem brasileiro provou ser mais inteligente do que o Homem americano. Considerando que o Brasil possui bons exemplares de Homens de olhos azuis penso ser completamente desnecessario ir aos Estados Unidos visando buscar esperma cujo doador possua caraoteristica de um homem de olhos azuis.

Responder

    JORGE GOMES em 22/03/2018 - 23h17 comentou:

    Nem sei se no Brasil existe banco de esperma, mas caso haja, não me parece provável que brasileiros com esse biotipo precisem vender esperma para sobreviver.

    Janaina Pinto em 23/03/2018 - 08h17 comentou:

    Sobrenome aparentemente de origem alemã, você deve ter olhos azuis.

    Cleide Reis em 23/03/2018 - 21h19 comentou:

    Sim, ate porque pelo que sei a Polonia nao fica nos estados unidos e tem descendente de polones que disse que buscou semem americanos pros filhos ficarem com as mesmas caracteristicas. KKKK pagou caro, devia ter ido pro Parana.

Kirttan Lilamoye em 22/03/2018 - 22h38 comentou:

Morena, por favor, apenas corrija o termo “ariano”, o qual em sua origem se refere ao povo Indiano, de cor de pele ESCURA dourada (de Sol). O triste fato de Hitler ter admirado e invejado a grande Cultura da Índia antiga e ter utilizado símbolos e conceitos da Civilização Védica em seu projeto demoníaco, não gera para os fasci-nazistas a propriedade sobre tais símbolos e conceitos. A Suástica indica a eterna evolução da consciência e o termo Ariano, etimologicamente indica semelhantemente “Aqueles que estão evoluindo a consciência”. Posto isso, de fato, a eugenia é atemporal, assim como a luta de classes.

Responder

Carlos de Almeida em 22/03/2018 - 22h47 comentou:

Se os coxinhas e bolsominions querem tanto esperma de homem branco de cabelos loiros e olhos azuis porque não foram direto no regaço do ídolo deles, o Bozonaro? Tirariam o sêmen direto da fonte e ainda economizariam uma boa grana. Ah! E com a vantagem que o Bozo nunca fraqueja, segundo o mesmo já afirmou.

Responder

André Arantes em 22/03/2018 - 23h02 comentou:

Como faço pra doar pro site?
Tenho olhos azuis, mas não sou loiro!!!

Responder

JORGE GOMES em 22/03/2018 - 23h09 comentou:

Não pude ler a reportagem em inglês, pois não domino este idioma, mas me parece que os leitores Alan e Daniela Oliveira fazem ponderações interessantes. Gostaria apenas de fazer uma observação. Suponho que importar esperma de outro país deva ser muito caro. Imagino que apenas pessoas com muitos recursos possam fazê-lo e no Brasil pessoas com muitos recursos, pelo geral, são brancas. No entanto, se bem conheço a classe média brasileira, deve ter muita gente mestiça que se acha branca sonhando em importar o “produto”.

Responder

    Cleide Reis em 23/03/2018 - 21h23 comentou:

    E pio foi o argumento de quem comprou por ser descendente de poloneses queria filhos com caaracteristicas parecidas. Americano com polones??? kkkk deveria ter ido por Paraná, la ta cheio de poloneses ou ir pra Europa. kkk Dificil

    Gi em 24/03/2018 - 07h59 comentou:

    Li inúmeros comentários e concordo que tem casais que querem sim um bebê padrão Johnson, mas também tem famílias que só querem ter filhos com características próximas às suas. Por ter tentado fazer inseminação percebi que a maioria dos casais que tem condições para pagar a fortuna que é a inseminação são brancos e de descendência européia.
    Não acho que tenha que haver julgamento se eles estão ou não querendo clarear a nossa pele pq cada caso é um caso, e não dá para generalizar. Quem recorre a inseminação já está fragilizado o bastante para ainda ser julgado por suas escolhas. Do meu ponto de vista, o certo é valorizarmos o tom de pele negro, o cabelo crespo, valorizar nossa miscigenação e focarmos em nossa cultura que é muito rica. Só assim estaremos impedindo que haja uma corrida por qualquer tipo clareamento de pele.

Marcelo Barros em 22/03/2018 - 23h38 comentou:

Não existe racismo no Brasil, persistente ou qualquer outro.

Responder

    Cynara Menezes em 23/03/2018 - 18h16 comentou:

    falou, ali kamel

    Johnny em 24/03/2018 - 03h13 comentou:

    Isso, não existe racismo no Brasil, o que existem são fadas, gnomos, unicórnios. Inclusive o papai noel me disse que adorou ver como o brasileiro é o que ele chamou de democracia racial plena, fundada na meritocracia e na distribuição equitativa de oportunidades para negros e brancos. Olha, o papai noel me pediu pra te falar que vai passar aí na tua casa hoje, Marcelo. Ele pediu pra eu não falar, mas não me aguento: ele vai te dar um óculos de presente.

João Junior em 22/03/2018 - 23h39 comentou:

O entendimento do que seja racismo por alguns chega a ser risível. Um branco chamado de branquelo perde o quê com isso? E o negro chamado de macaco? Isso é a repetição do comportamento escravagista do século XIX. Não é só um problema linguístico ou de observar uma diferença de origem apenas étnica, mas de repetir uma história desumana na qual os negros, como outros povos, perderam muito. Racismo é repetir o critério calhorda da cor da pele para explicar porque negros na maioria são pobres ou analfabetos, como se a elite branca europeia que colonizou o Brasil não tivesse feito nada que condenasse muitas gerações de negros à miséria e à “margem” da sociedade. O racismo não é um critério de mão dupla, no qual brancos e negros se repelem mutuamente, é só uma forma política conservadora de manter o negro na senzala e o branco na casa grande.

Responder

jocely nicodemos em 22/03/2018 - 23h50 comentou:

Quanta hipocrisia tem dinheiro pra ser idiota.

Responder

Jean Pierre em 23/03/2018 - 02h15 comentou:

Meu corpo, minhas regras, ué.
Se as pessoas querem ter filhos brancos, ninguém tem o direito de se meter.

Responder

    Fabio Barros Barreto em 23/03/2018 - 19h48 comentou:

    Acho que não é motivo de alarde- isso é opção de cada um numa era acentuadamente desinfetada pela ciência – a portadora é dona do seu interior realmente, se ela opta por ter filho branco assim ou assado nada a se condenar.Isso não vai minar o Estado brasileiro,
    aliás com um tipo racial cor de jambo belíssimo, da década de 80 pra cá – exagero

    Johnny em 24/03/2018 - 03h22 comentou:

    Não tem direito de se meter, mas tem o direito de explicitar as motivações da escolha do filho branco. Por quê a preocupação de escolher a cor do filho? Qual a relevância da aparência do filho? Gosto estético pessoal? Compatibilidade étnico-racial do filho para consigo, aversão à diferença, ao outro? Estamos falando de um produto cujas características físicas são relvantes, ou falando de um alguém a quem queremos amar, cuidar e de quem queremos amor e ser cuidados? Se queremos alguém para o amor e o cuidado, é irrelevante a cor deste alguém. Não me venha utilizar o importante valor da liberdade individual de escolha para esconder e justificar implicitamente motivações racistas.

    Joao em 24/03/2018 - 10h04 comentou:

    Teu corpo tuas regras? Mesmo que isso possa causar danos a outros.

Fernando em 23/03/2018 - 06h56 comentou:

Posso ser menos panfletário mas triste? Quem tem dinheiro para fazer esse procedimento no Brasil, normalmente é branco dos olhos azuis. Não sei se é branqueamento, continua preconceito, mas me parece ser para continuar branco

Responder

Diego em 23/03/2018 - 07h45 comentou:

O texto fala de três etnias diferentes
1Caucasiano
2Nordicos
3Ruivos

As sardas são mais presentes em ruivos. Os caucasianos do tipo português, francês e italiano / descendentes dos romanos antigos. São chamados caucasianos ou caucasoides.
Os nórdicos possuem olhos azuis e pele rosada.
Os gregos e alemães possuem misturas.

Raça ariana não existe pois seria o alemão. Mas o alemão não é uma etnia pura e possui misturas de nórdicos, caucasoides, médios e gregos.

Brancos não possuem olhos claros.
Apenas nórdicos, gregos e médios.
Todo olho verde e resultado de mistura.
Não existe nenhuma etnia específica de olhos verdes.

Responder

Francisco Bispo em 23/03/2018 - 08h07 comentou:

Ué! Onde foi parar o “meu corpo, minhas regras”?

Responder

Janaina Pinto em 23/03/2018 - 08h12 comentou:

As pessoas no Brasil precisam aprender o significado de racismo. Se eu comprar um periquito em detrimento de um pardal, e alguém vier com esse papo de que eu sou racista com relação aos pardais – já estou avisando, vai levar um cocão. Eu não posso escolher? Eu não posso preferir azul ao invés de amarelo, ou chocolate amargo ao invés de branco? É meu direito de livre arbítrio. Racismo é outra coisa. Vai estudar.

Responder

    Johnny em 24/03/2018 - 03h25 comentou:

    Se pergunte quais as motivações da escolha do filho branco. Por quê a preocupação de escolher a cor do filho? Qual a relevância da aparência do filho? Gosto estético pessoal? Compatibilidade étnico-racial do filho para consigo, aversão à diferença, ao outro? Estamos falando de um produto cujas características físicas são relvantes, ou falando de um alguém a quem queremos amar, cuidar e de quem queremos amor e ser cuidados? Se queremos alguém para o amor e o cuidado, é irrelevante a cor deste alguém. Não me venha utilizar o importante valor da liberdade individual de escolha para esconder e justificar implicitamente motivações racistas.

Sergio Souza em 23/03/2018 - 08h53 comentou:

O problema, na verdade, está em se disponibilizar espermas como se estivéssemos em um supermercado.

Responder

    Daniela em 23/03/2018 - 22h22 comentou:

    mas se estou pagando por um procedimento não tenho direito de escolher? Mulheres quando transam com o objetivo de engravidar escolhem o pai de seus filhos. Se eu estou querendo engravidar mas não tenho um parceiro para isso, seja qual for o motivo, tenho que aceitar qualquer coisa? Não tenho direito de escolher? É isso?

Brasileiro em 23/03/2018 - 10h02 comentou:

Deixando o discurso esquerdista de lado, você não ia querer o melhor para seu filho ?
Ser branco é uma vantagem com toda certeza em nossa sociedade, usar esperma “pardo” ou “negro” é encher de entraves a vida dessa futura pessoa, eu te pergunto Socialista Morena. Você deixaria de dar a vantagem de um filho seu ser branco e ter um padrão de estético que poderia alavancar ele, em detrimento de seguir o politicamente correto?

Responder

    Cynara Menezes em 23/03/2018 - 18h14 comentou:

    não me guio por “levar vantagem”

    Cleide Reis em 23/03/2018 - 21h24 comentou:

    Credo. KKKKK Nem deus salva.

    Johnny em 24/03/2018 - 03h43 comentou:

    E por que não escolher um filho negro para contribuir com a luta contra a cultura racista (isso não impediria que vc proporcionasse condições para a felicidade de seu filho)? E por que não colocar em primeiro lugar o critério do amor e não o da adequação do filho ao status quo ou do gosto estético pela aparência do “produto”? Por quê não pensar nos efeitos ou dimensões sociais de sua escolha particular?

Henrique em 23/03/2018 - 10h47 comentou:

É proibido importar sêmem?
É crime?
Não?
Então….lance normal. Segue o jogo!

Responder

    Sergio Souza em 23/03/2018 - 18h55 comentou:

    Qual o problema de Hitler então em tentar criar uma raça pura? Alguns podem justificar que ele, à época, não dispunha da tecnologia de se importar sêmen, por exemplo.

Lucas R. em 23/03/2018 - 10h54 comentou:

Isso se chama livre arbítrio. O serviço existe e isso pode ser feito. Lei da oferta e procura. Simples assim. Ninguém está infringindo nenhuma lei.

Responder

    Johnny em 24/03/2018 - 03h55 comentou:

    Se pergunte quais as motivações da escolha do filho branco. Por quê a preocupação de escolher a cor do filho? Qual a relevância da aparência do filho? Gosto estético pessoal? Compatibilidade étnico-racial do filho para consigo, aversão à diferença, ao outro? Estamos falando de um produto cujas características físicas são relevantes para a escolha, ou falando de um alguém a quem queremos amar, cuidar e de quem queremos amor e ser cuidados? Se queremos alguém para o amor e o cuidado, é irrelevante a cor deste alguém. Não me venha utilizar o importante valor da liberdade individual de escolha para esconder e justificar implicitamente motivações racistas.

    Se vc quer se alienar no atomismo do indivíduo, como se escolhas privadas não tivessem efeitos sociais, é um escolha sua, que, no entanto, tem efeitos sociais (prejudiciais, diga-se de passagem). Sobre a analogia com o liberalismo econômico que vc fez, sinto te desencantar acerca dos MBL´s da vida, mas dados objetivos mostram que países como a Noruega já provaram que o laissez-fair puro é uma falácia prática, só desejável e imposto, por países desenvolvidos, em seu estado de máxima desregulação e desestatização, nos países subdesenvolvidos: http://evonomics.com/como-noruega-desfaz-o-mito-de-setor-privado-versus-publico/
    http://evonomics.com/norway-toxic-trickle-down-david-sloan-wilson/

Paola em 23/03/2018 - 11h02 comentou:

Qual o problema?! Quem é que vai carregar na barriga, limpar a bunda, alimentar, etc? Se eu fosse escolher um doador porque quero ter um filho e não tenho um companheiro, não seria um aleatório não. Dizer isso é hipócrita. Ninguém é melhor ou pior do que ninguém por questões étnicas, mas eu tenho o direito de escolher o pai dos meus filhos! Ou não?! Se eu fosse escolher um parceiro sexual, ele certamente atenderia ao meu gosto pessoal. Se ele é por brancos, ruivos, pretos, olhos negros, verdes, lilas… É problema meu. Se eu fosse escolher um doador e “comprar” esperma seria de alguém com características fisicas que me agradem plasticamente. Isso é natural, se chama gosto pessoal. Racismo é algo muito diferente.

Responder

    Johnny em 24/03/2018 - 03h59 comentou:

    Se pergunte quais as motivações da escolha do filho branco. Por quê a preocupação de escolher a cor do filho? Qual a relevância da aparência do filho? Gosto estético pessoal? Compatibilidade étnico-racial do filho para consigo, aversão à diferença, ao outro? Estamos falando de um produto cujas características físicas são relevantes para a escolha, ou falando de um alguém a quem queremos amar, cuidar e de quem queremos amor e ser cuidados? Se queremos alguém para o amor e o cuidado, é irrelevante a cor deste alguém. Não me venha utilizar o importante valor da liberdade individual de escolha para esconder e justificar implicitamente motivações racistas.

    Escolhas pessoais nunca são, em última instância, questões puramente individuais. Toda escolha privada, por mais privada que pareça, terá sempre alguma repercussão social. No caso em questão, é a reprodução da cultura racista sob justificativas falsas que escondem a real motivação.

Eduardo em 23/03/2018 - 11h13 comentou:

vejo que a incapacidade desses brasileiros é mental! #amepessoas

Responder

Fábio de Oliveira Ribeiro em 23/03/2018 - 11h16 comentou:

Caraio mano… eugenia em pleno século XXI. Pior, eugenia baseada numa falsificação histórica. A raça pura, supostamente superior, perdeu a guerra para a Rússia (e não para os EUA como veiculado pelos “American movies”). Portanto, se querem melhorar geneticamente seus filhotes, os membros da elite brasileira deveriam importar a porra dos russos inferiores e não a borra dos neo-nazistas gringos.

Responder

Etel Lourdes Roehrig em 23/03/2018 - 11h28 comentou:

Somos livres p fazer nossas escolhas, não condeno quem assim preferir. Se há condições financeiras para isto, entendo que estão usando a livre escolha!
O mais importante é criar c amor, educação e que forme um boa índole e bom caráter! Que está criança tenha uma infância feliz, para se tornar um adulto consciênte para saber que o bem sempre vence!

Responder

    Johnny em 24/03/2018 - 04h00 comentou:

    Se pergunte quais as motivações da escolha do filho branco. Por quê a preocupação de escolher a cor do filho? Qual a relevância da aparência do filho? Gosto estético pessoal? Compatibilidade étnico-racial do filho para consigo, aversão à diferença, ao outro? Estamos falando de um produto cujas características físicas são relevantes para a escolha, ou falando de um alguém a quem queremos amar, cuidar e de quem queremos amor e ser cuidados? Se queremos alguém para o amor e o cuidado, é irrelevante a cor deste alguém. Não me venha utilizar o importante valor da liberdade individual de escolha para esconder e justificar implicitamente motivações racistas.

    Escolhas pessoais nunca são, em última instância, questões puramente individuais. Toda escolha privada, por mais privada que pareça, terá sempre alguma repercussão social. No caso em questão, é a reprodução da cultura racista sob justificativas falsas que escondem a real motivação.

Carlos Oliveira em 23/03/2018 - 11h37 comentou:

Calma, gente, sem exagero na polarização. Concordo que a moda de importação de sêmen de homem branco, pele clara e olhos azuis tem sim um conteúdo de “pureza racial”. Afinal, a preocupação sobre as informações é sobre a saúde do indivíduo mas, com certeza, também é para saber se, na família do fulano, existe alguma “mancha” ou se o indivíduo é “dominante” e não “recessivo” (um loiro que nasceu em família de morenos). Agora, querer que os filhos tenham os mesmos traços da família? Fácil: faça um clone seu!

Responder

Pardasqn em 23/03/2018 - 11h39 comentou:

Não sou de comentar post, já que sou bem reservada nas redes sociais.
Entretanto, é impossível ser indiferente sendo quem eu sou (hoje)
e entendendo toda a manipulação sofrida a vida toda.
Minha mãe é o que se chamavam de [email protected] antigamente. Mulher negra clara, nordestina, cabelo C4. Mas para ela era parda, Deus o livre chamar alguém de [email protected]!
Pois bem, eu nasci “moreninha” (rsrsrsrsr), cabelo ondulado, em uma cidade de origem germânica ( sente a pressão branca hegemônica, tem até rádio em alemão ).
Minha escolar foi uma enganação, nunca me falaram e Males, Dandara, Zumbi, Machado de Assis ( como negro), Cleópatra, Antonieta de Barros, Marielles que ainda preciso conhecer e divulgar. E cresci gostando de me achar mais branca do que negra.
Hoje, mais estudada, vi como fui manipulada a vida toda e como as coisas são bem maiores que pensamos.
Alan, isso é racismo sim!
De pessoas brancas que simplesmente se acham superiores de um jeito natural e cafonalha, kkkkkkk!
Ou de pessoas que se acham brancas pela omissão total de outra cultura presente no Brasil (que é o mais comum).
E voce vai continuar com o seu discurso que aparentemente é bem racional, mas na verdade é a visão branca de ver a vida, coisa que também te manipula, vc não entenderá a luta negra brasileira para erradicar o racismo sem refletir sobre isso.

Cynara, parabéns pela matéria. Segue o bonde!

Responder

Marcos em 23/03/2018 - 11h59 comentou:

Você é racista minha senhora , e uma das piores que já vi !! Caso fosse sêmen de africanos ai estaria tudo bem para você, essas senhoras ricas, elas estão no direito delas de escolher o que elas vão colocar no corpo delas ,pois como vocês esquerdistas falam ,meu corpo ,minhas regras.

Responder

Luiz em 23/03/2018 - 12h21 comentou:

Perguntar não ofende: Se estivesse havendo importação considerável de sêmen de negros africanos, causaria perplexidade também?

Responder

Graça Soares em 23/03/2018 - 13h25 comentou:

Que assunto mais estúpido. Ou melhor, isto é mesmo um não assunto. Faço mesmo uma sugestão e atrevo-me a dizer para apagar este post… de tão ridículo que ele é.

Este post tresanda a ódio aos brancos / caucasianos e um ódio à liberdade individual das pessoas….
1.) As pessoas não são livres de terem a orientação sexual que quiserem???
2.) As pessoas não são livres de seguirem a vida que quiserem??
3.) As pessoas não são livres para se drogarem, embebedarem, prostituirem-se, adotarem, de engravidarem da forma como bem entenderem??
4.) As pessoas não são livres de amarem e/ou de envolverem com quem elas quiserem???
Então porque raio é que as pessoas não hão de ser livres de escolherem os amigos que querem para a sua vida, os amantes, companheiros ou parceiros, ou mesmo as escolhas dos parceiros que querem para fazerem os seus filhos????

Isto é ridículo! Esta gente muito gosta de criticar o papel das instituições religiosas, nomeadamente da Igreja Católica e da forma como esta se intromete na vida pessoal e íntima das pessoas (dos crentes) mas depois acaba por ser ainda mais papista que o Papa, veiculando uma ideia de moralismo obscurantista e intrusivo na vida privada, pessoal e íntima das pessoas.
Não gostam da ideia da tendência crescente em as Mulheres Brasileiras terem preferência por dadores brancos e caucasianos???
Pois azar! Eu também não gosto de muito coisa e não é por isso que ando por aí a desabafar os meus desgostos!
As pessoas são livres de escolherem os seus parceiros amorosos, sejam eles brancos, negros, amarelos os vermelhos. Preferem brancos, ótimo. Preferem negros, ótimo também. Etc.
Não temos é o direito de acusar as pessoas pelas suas escolhas individuais e perfeitamente legítimas.

Eugenia é mais uma palavra propositadamente inventada para so ser aplicada em certas situações….
Queria ver se os dados dessem conta do contrário, ou seja, tendência crescente para se preferir dadores de esperma negros se também aplicavam o conceito acusatório de “Eugenia”…..

Responder

Luciane em 23/03/2018 - 15h20 comentou:

Alan perfeito em suas colocações.

Responder

Educador em 23/03/2018 - 15h22 comentou:

Seu povo tenta fazer isso desde que pisou nessa terra. Não é novidade negros que assim que conseguem ascensão social, buscarem uma loira para casar. A mulher negra é desprezada pelo próprio povo. Isso sim é algo triste que vocês têm que se preocupar. Quanto ao “embranqueamemto” eu discordo. Você mesmo disse que são mulheres ricas. Você acha que a maioria delas pertence à qual etnia? Hmm Tá fácil essa!

Responder

Perguntador de meia tijela em 23/03/2018 - 16h26 comentou:

Por que tanto interesse em clarear a pele dos filhos? Por que ninguém pensa em escurecer? Por que o brasileiro valoriza tanto a beleza que é considera padrão? Por que na TV você vê tanta gente branca, sendo que seu país é mestiço? Por que a elite quer se manter predominantemente branca? Por que muitas pessoas desejam ser brancas ou manter a linhagem a mais branca possível? O que o branco tem que as outras raças não tem, quais são os seus privilégios?

Procure pelas respostas e achará a felicidade!

Responder

    Cleide Reis em 23/03/2018 - 21h34 comentou:

    kkkkk pois é, pior que ninguem acha cerebro nestas pessoas. O hitler era louro, austriaco e matou tantos poloneses de olhos azuis tbem. Como tambem grande parte da humanidade branca. Os americanos, bushs de olhos azuis tbem., Os Kennedys tbem. americanos/irlandeses. Qual é a ascendencia desses semens americanos?? De todo canto do mundo; Garantia de boa indole????? Quem se importa, desde que seja branco de olho azul.

Sergio Souza em 23/03/2018 - 18h59 comentou:

Minha vizinha, tem 16 anos! Até hoje quer saber quem é o pai dele. Frustrada! Por capricho da mãe, que cismou que queria ter uma filha, mas sem homem algum por perto dela. Esqueceu de combinar com a criança! “Todos tê um pai! Eu só queria saber quem é o meu pai.” Diz isso aos prantos! Fosse apenas ela? Mas, são muitos assim: ‘Cadê e quem é meu pai?”. Lamentavelmente, morrerão com a frustração de nunca conhecerem o pai.

Problema não é importar sêmen branco ou preto! Problema é esse!

Responder

    Cynara Menezes em 24/03/2018 - 13h54 comentou:

    pior e bem mais numerosos são os pais que abandonam os filhos com as mães e nem sequer ajudam financeiramente. esses daí tem aos montes

Eu mesmo em 23/03/2018 - 19h00 comentou:

Sim, são racistas todas essas pessoas que compram sêmen de brancos com olhos azuis. Caso contrário, não se importariam com isso ou, ainda melhor, adotariam crianças órfãs que precisam de um lar, independente de cor da pele ou outras características físicas. Tenho pena do idiota que defende a “liberdade de escolha das mulheres” nesse assunto. Liberdade para ser racista é tudo o que os racistas querem. Não passarão.

Responder

    Leonardo Andrade em 24/03/2018 - 16h11 comentou:

    JÁ PASSARAM : ou vc não leu a matéria…cada um tem filho com quem quiser – seja doador ou parceiro – e vc NADA PODE FAZER para impedir isto…NADA.

Cibele Felipe Pereira em 23/03/2018 - 19h12 comentou:

Meu Utero, minhas regras.

Responder

Lilian em 23/03/2018 - 19h31 comentou:

Os gays Sofrem preconceito e são racistas?
Nossa, achei que fosse a classe perfeita, o supra sumo da humanidade.

Responder

Wagner em 23/03/2018 - 19h56 comentou:

Pois é, João Junior, você disse que “O racismo é essa estrutura social e política que privilegia brancos e desfavorece negros.” Ouça essa minha pequena experiência : há pouco tempo estive na África do Sul e na Johannesburg vi muitos brancos mendigando. Sou negro e fui abordado por alguns desses brancos de olhos azuis, que me pediram esmolas .

Responder

Lin em 23/03/2018 - 21h06 comentou:

Quem conpra semem no Brasil em geral é branco de classe media pra cima. Vao sempre escolher de algum que achem mais parecido consigo. Se o casal branco quisesse um filho sem se importar com a cor eles adotariam. Tao gastando 50mil reais pra fazer um… Faltou isso na reportagem.

Responder

Rosane em 23/03/2018 - 21h29 comentou:

Legal, pelo menos a indústria de prevenção ao câncer de pele vai continuar lucrando, não esquecendo que brasileiro continua incompetente até pra fazer o próprio filho e ama-lo incondicionalmente….

Responder

Vladmir em 24/03/2018 - 02h02 comentou:

hercules, isto é verdade. Tem um video de um americano explicando o porque ele considera a Gisele Bundchen “latina”, se duvidar até aquele curitibano que lutou pelos alemães(se não me engano se chamava Egon Albrecht) poderia ser considerado Latino lá. E isto tem gerado uma série de problemas na questão de ações afirmativas, pois ta tendo muito “latino” abusando de algo que não foi feito pra beneficiar “white hispanics”, pois eles não sofrem racismo. Nenhum policial vai fazer “racial profiling” contra uma pessoa que parece ser branca. Mas o artigo não é sobre isto, é sobre o fato de que a maioria da população brasileira é racista sim, só não admite publicamente.

Responder

    Thomas em 24/03/2018 - 19h38 comentou:

    Mesmo assim um “white latino” pode sofrer sim preconceito ao aplicar por um emprego e eles verem que o aplicante tem naturalidade “latina”, o que não quer dizer que exista racismo contra brancos como os reaças pregam. Neste caso o indivíduo é lido socialmente como não branco(ainda que só tenha brancos na família dele), raça é um constructo social. Irlandeses não eram considerados brancos nos EUA a muitas décadas atrás.

Jason Porteiro Araújo em 24/03/2018 - 04h05 comentou:

Belo e moral, cada um tem o direito de escolher o que quiser para sua vida e digo mais, se pudesse eu compraria um para ter um filho assim, abçs.

Responder

Adalberto Ricardo Pessoa em 24/03/2018 - 06h16 comentou:

Os comentários de quem tenta justificar o que é injustificável são de deixar pasmo. Eu já devia estar acostumado com esses comentários fascistas, que são tantos nas redes sociais, mas não consigo.

Responder

    Cynara Menezes em 24/03/2018 - 13h49 comentou:

    e olha que aqui são filtrados rigorosamente

Marcos em 24/03/2018 - 08h26 comentou:

Muitos brasileiros não gostam do Brasil, preferem ter nascido europeus ou americanos, daí a crença de que o DNA estrangeiro é melhor, pode haver racismo nisso, mas é mais provável que seja o complexo de vira lata influenciando esta decisão. Eu acho ruim ter que lidar com pessoas que sejam racistas e/ou com complexo de vira-latas, ambas tem argumentos falhos para justificar suas ideologias e decisões em geral. Fazendo uma analogia com cachorros, nem sempre as raças mais saudáveis são as que foram criadas pelo homem, pelo contrário, o velho e bom vira-latas tende a ser o mais inteligente e mais saudável, essas pessoas deveriam pensar no porquê do cachorro vira-latas ser melhor antes de escolher esperma. É bem possível que ao tentar criar uma criança “perfeita”, estarão criando um indivíduo inferior.

Responder

Willer em 24/03/2018 - 11h51 comentou:

Qual o problema da elite brasileira importar esperma de gente branca, loira de olhos azuis? Deixem as mulheres escolherem qual esperma vai fecundá-las. Não estão criando uma lei que obriga que todo esperma fecundado seja de pessoas brancas… Nazismo,Oi?!?!

Responder

    Willer em 24/03/2018 - 11h56 comentou:

    Fora que a elite brasileira em sua maioria é branca, não?!

Ana em 24/03/2018 - 12h05 comentou:

Mas não era meu corpo, minhas regras? Se o brasil estivesse importando semen da africa teria materia?

Responder

Juca Souza em 24/03/2018 - 12h14 comentou:

“meu corpo, minhas regras”?

Responder

Leonardo Andrade em 24/03/2018 - 16h03 comentou:

1-) NENHUM PROBLEMA: CADA UM FAZ O QUE QUISER. 2-) Só não sei SE VAI ADIANTAR, para cada filho destes, 1.000 mal alimentados e mal educados estão sendo feitos nas favelas e suburbios cuja aparência eu particularmente NÃO GOSTO (direito meu). 3-) Gente bonita na foto….

Responder

    Cynara Menezes em 25/03/2018 - 12h39 comentou:

    “não gosto da aparência das pessoas das favelas e subúrbios, mas isso não tem nada a ver com racismo, é problema meu”

Daruan em 24/03/2018 - 16h10 comentou:

Desculpe, escolha individual se aplicaria se fossem dois ou três casos. 500 tubos de sêmen num ano, aumento de 3.000%, já indicam uma tendência. E a tendência é essa: vamos clarear nossos descendentes.

Responder

MARIO em 24/03/2018 - 16h26 comentou:

E se depois desse processo todo, o futuro ser programado e planejado em laboratório genético, quando adulto, vier a se interessar por uma bela mulata, se casar e tiver filhos? Aí tudo volta ao início

Responder

Rosane em 24/03/2018 - 18h44 comentou:

Enquanto a velha guarda da elite se preocupou em fazer fortuna e criar os filhos para dar continuidade ao patrimônio, esqueceu de lembra los que inteligência está mais pra neurônios do que pra fenótipo, americano cruzado com brasileiro acaba por si só miscigenado, mas sendo loiro é o que importa, então os herdeiros desta elite gastam esse dinheiro sem sequer terem todo mérito desta fortuna, lutando pela sua auto afirmação numa elite somente para loiros a moda americana, se for brasileira não serve, acho que isso explica o complexo de vira latas

Responder

Denise Telles em 25/03/2018 - 07h32 comentou:

Poxa, nem eu sabia que no Brasil tinha tanta gente loura de olhos azuis…
Risível…

Responder

    Rosane em 26/03/2018 - 23h07 comentou:

    Oi, com certeza a grande maioria do povo brasileiro está muito longe de ser loiro de olho azul, mas como elite só se relaciona com elite, a maioria sim, são brancos e dentro do perfil denominado por está mesma sociedade como os de boa aparência, já nos estados do sul do Brasil , Paraná, santa Catarina e Rio grande do sul mais especificamente no interior e região serrana tem muito loiro de olho azul sim, em todas as classes econômicas dos locais, a única diferença é que não vendem sêmen para sobreviver

Caroline em 25/03/2018 - 08h26 comentou:

Pra mim,o fato das pessoas escolheram mais o sêmen e homens brancos e com olhos azuis indica (em parte) uma vontade de dar traços europeus aos filhos, e esses traços são os mais básicos: o cabelo e os olhos. Muitas vezes a pessoa pode ser considerada caucasiana aqui. Mas tem os olhos castanhos e deseja poder ter a possibilidade de ter um filho com o olho claro, loiro…padrão.Pra mim,isso é sim uma forma de manipular a “qualidade” da população, mesmo que com iniciativas individuais, a partir da escolha de traços que sejam considerados mais agradáveis,mais bonitos,mais valorizados.O sujeito que explicou eugenia como um termo arcaico para o estudo da melhoria das raças não viu como isso se aplica aqui? Até mesmo as justificativas relativas a falta de informação,tanto no texto como nos comentários (do tipo, encontrar 29 páginas de informacão do doador, pesquisas sobre doenças, e como a genética influencia personalidade e humor) mostra o caráter manipulador das qualidades positivas e uma pessoa… qi alto, calma,bom humor…Quer dizer que entre casais inférteis, a parceira tem 29 páginas de informações ,conhece perfeitamente a personalidade e o humor do parceiro?Ou ainda sabe de todo o histórico de doenças familiares? Se não é assim na realidade porque tanto rigor na hora de escolher um sêmen, senão a busca por ter um filho “perfeito”? Acho essas atitudes com um fundo bem eugênico sim… sem contar que ninguém contesta a possibilidade de serem informações falsas. Fico pensando porque um jovem lindo estilo vogue, com o QI algo, uma personalidade dócil e um humor maravilhoso precisaria doar Sêmen…caridade? Sei que esses aspectos (como o QI não foram abordados na reportagem,mas pelo que eu sei os homens vendem seu sêmen,e ae é uma questão de achar mesmo…preciso procurar para ter certeza).
Mesmo quando se trata de casais de mulheres, é estranho buscar a perfeição numa criança,eu entendo o desejo de ter um filho saudável ,mas escolher em pilhas de papel não é garantia. Somos influenciados pelo nosso ambiente, pela forma como somos criados, pela nossa educação,Cultura… acho esse comportamento bem estranho e preocupante.Mas isso vai da ética e da vontade de cada um. Infelizmente as qualidades européias ainda são infinitamente mais valorizadas e essa tendência parece só crescer.

Responder

Line em 25/03/2018 - 12h21 comentou:

Sobrenome Oliveira e esperma estadunidense, não sei onde encontro a Polônia nisso. Sem falar que existem poloneses de cabelos e olhos escuros.

Responder

caramel-a em 25/03/2018 - 12h53 comentou:

As pessoas q estão aqui esperneando deveriam ler o artigo da Wall Street Journal q publicou a matéria inicial e é bastante embasado. Isso é a cara da nossa elite q sempre destestou o Brasil e seu povo. Essa estória é uma ótima ilustração da entrada do país no fascismo.

Responder

Silmara em 25/03/2018 - 17h41 comentou:

algum homem aqui que quiser vender esperma é só falar que compro.Não teremos contato nenhum.

Responder

Teste em 26/03/2018 - 00h43 comentou:

mas se não faltei as aulas de genetica, o loiro de olho azul so vai sair filho loiro de olho azul se a pessoa for pelo menos branca de olho claro, nao ?

Responder

Rosane em 26/03/2018 - 23h52 comentou:

O mais interessante, vai ser no momento que estes indivíduos começarem a se relacionarem entre si, sem saberem que tem uma boa probabilidade de serem filhos do mesmo pai, começa então a lambança, problemas genéticos de ma formação, consangüinidade e o amor pelo filho loiro indo pelo ralo

Responder

Maria em 27/03/2018 - 11h25 comentou:

Arianos é cú!!
Vão morrer e feder do mesmo jeito.
Sem paciência para povo sem noção.

Responder

Maria em 28/03/2018 - 13h33 comentou:

Legal. Sinal que o brasil viu que a escuridão nao contribui para a sustentabilidade do país e acharam essa luz no fim do tunil para evitar ainda mais a sua involução.

Responder

Zulmara vidal em 31/03/2018 - 14h36 comentou:

Nem este gringo racista esculachando quem se acha europeu adiantou né??? Querem continuar fazendo papel ridículo!!!! Parem de querer ser melhor do que os outros!!! Que vergonha, não adianta fazer texto tentando justificar quem quer se embranquecer a qualquer custo!!!!!

Responder

Bruno em 01/04/2018 - 10h21 comentou:

Ué…. se essas mulheres preferem ter filhos/filhas com DNA de pessoa branca de olhos azuis, qual o problema? Direito delas né? Assim como eu acho direito totalmente inquestionável a mulher abortar uma gestação. O corpo é dela, a vida é dela, quem vai criar é ela. Então???

Deixe as mulheres serem felizes, tendo filhos(as) com o DNA do Brad Pitt. (curioso, em outra matéria aqui no site mesmo defendem o direito das mulheres abortar, mas agora criticam o direito delas escolherem que DNA devem se associar?).

Responder

    Cynara Menezes em 01/04/2018 - 11h09 comentou:

    brad pitt passas os dias batendo punheta e vendendo esperma em laboratório?

ricardo em 09/04/2018 - 14h08 comentou:

Gisele Bundchen, é naturalizada americana, porém, na sua identidade, é classificada como “latina” e nada vai mudar isso. E, ademais, elejo como o melhor post o desse yankee, que mostra os sem-noções da classes A e B, que pensam que a porra do americanos vai mudar os seus destinos.
Gringo em 24/03/2018 – 14h03 comentou:
O mais engraçado aqui é ver uns brasileiros “de direita” querendo defender que os “brasileiros brancos” tem o direito de enbranquecer a raça. Bom, sou AMERICANO. DE DIREITA, DONO DE RIFLES DE ASSALTO SEMI-AUTOMÁTICOS, MEMBRO DA NRA, REGISTRADO NO PARTIDO REPUBLICANO, DESCENDENTE DE WHITE CARMELIA KNIGHTS DA VIRGINA E ELEITOR DO TRUMP e tenho que INFORMAR a brazucada que se ACHA BRANCA, que NÃO EXISTE BRASILEIRO BRANCO. Aqui nos EUA vocês podem ser ricos ou pobres que são TODOS colocados no lugar de vocês: LATINOS DE QUINTO MUNDO. Sou BRANCO, ARIANO-GERMÂNICO (meus ascendentes são todos Alemães, com uma Escocesa e um Dinamarquês, NENHUM BRASILEIRO) e deixa eu informar a esse pessoalzinho brazuca “direita de Fakebook” que cisma em achar que nós AMERICANOS somos primos ou alguma coisa de vocês: NÃO SOMOS PARENTES. A BANDEIRA DE VOCÊS TEM CORES QUE SÓ SE JUNTAM NA BANDEIRA DE PAÍSES AFRICANOS E DA JAMAICA, VOCÊS NÃO TEM NADA EM COMUM CONOSCO. E outra coisa: NÓS AMERICANOS DE DIREITA ODIAMOS PUXA SACOS. Vocês brazucas são o único povo (???) do mundo que acha que puxando nosso saco vão conseguir ganhar greencard. Nós damos greencard para os comunistas de Cuba, da Venezuela e da Coréia do Norte que pedem asilo aqui, mas NÃO DAMOS PRA VOCÊS. Nem entrar sem visto aqui como os Chilenos e Argentinos fazem, vocês podem. Se coloquem no lugar de vocês QUE NÃO É O MESMO QUE O NOSSO NA MANOR HOUSE e parem de puxar meu saco que já está enchendo. Falar nisso o tal do Bolsonaro É LATINO PARA NÓS AMERICANOS, entenderam? E Latinos não são ARIANOS. Os Latinos como os Gregos e os Ibéricos do sul são MEDITERRANEANS. Os Arianos são apenas os NORDICOS E OS ALPINOS (Povos nórdicos, Germânicos, incluindo os Espanhóis do norte – Góticos e os Anglo-Saxons e Normandos, e ainda os Tiroleses, e outros povos ALPINOS). Leiam The passing of the Great Race para entender isso seus brazucas LATINOS. Por último, descendente de Alemão nascido no Brasil não é considerado Ariano, porque o próprio Rosenberg disse que os Alemães que migraram para o Brasil degeneraram e se animalizaram como todos o brasileiros e esse é o CONCEITO CONSAGRADO NA ALEMANHA. Vocês precisam ler o Conde de Gobineau para entenderem seu lugar na história.

Responder

luis em 12/04/2018 - 20h52 comentou:

Não compreendo

Onde está o problema ? Ou melhor, onde está o seu problema?
-Que horror, as pessoas querem filhos brancos….
Crianças brancas de olhos azuis são lindas.
Uma vez circulou a foto de um menino negro de olhos azuis, todos que comentavam eram pessoas negras, e diziam : Que lindo!
Olhos azuis e verdes são lindos. Pele rosada é linda. Cabelos lisos e brilhantes são lindos.
Quanta hipocrisia.
Todos querem pessoas brancas, ou com traços europeus.
os negros que todos consideram bonitos, tem traços finos.
Isto é mentira?
Todos querem pessoas brancas.
Homens negros que valorizam negras são uma minoria. Mesmo na África escolhem mulheres de tez mais clara. Procuram as negras menos escuras. Já conviveu com africanos? Eu convivi.
Em toda a panóplia de culturas humanas, a mulher ideal é sempre representada como mais clara que o homem.
isto nada tem a ver com a escravidão do Brasil, os muçulmanos escravizaram milhões de negros, e nos países árabes existem poucos,. porque eles castravam os escravos assim que os compravam. E quanto as mulheres, eles preferiam escravas brancas.
Não é o branco que tem que gostar de crianças negras, é o negro.
o problema é que nem o negro gosta do negro.
E vem dizer que o branco é nazista.
Será mesmo o branco o culpado de sua infelicidade?
Vai morar na África, como eu morei e vai aprender alguma coisa sobre as pessoas, depois volte para o brasil e fale algo sobre racismo.

Responder

    Cynara Menezes em 13/04/2018 - 01h05 comentou:

    tudo isso que você falou chama-se RACISMO. apenas assuma que é racista

Bro em 04/05/2018 - 19h57 comentou:

Arianos de verdade são Iranianos, que são Caucasoides mas não loiros de olhos azuis. Cabelo e olhos despigmentados é uma característica da “raça nórdica”, Mediterrâenos como Portugueses, Gregos e Árabes são Caucasoides/brancos mas são morenos de olhos castanhos.

Responder

Rodrigo em 19/05/2018 - 01h10 comentou:

Kkkk….e claro que a maioria da porra ia ser de branco….voces acham que as maes iriam querer filhos de negao ata …olha o Brasil …acorda tem racista pra kkkk…..pardo…moreninho….jambo….sei la mais o que ……vejam as criancas que sao preferidas para adocao….as brancas que sao poucas e as de pele mais claras……muitos de nos negros tem complexo da propria raca e ajudam os grandes racistas da elite……..Acordem!!!!….somos maioria na cadeia…..no cemiterio assassinados……na pobreza…..e quaze zero nas universidades…altas patentes…protagonistas na tv…..a religiao os meus irmaos dao as costas ….se convertem evangelicos e cospem nos antepassados que derramarao sangue os tratando como demonio e lixo….todos os brasileiros independente da raca ou tom de pele deveria saber que esse pais so vai melhorar de verdade se a vida dos negros e descendentes mudar pra melhor…principalmente das nossas mulheres negras essas que sofrem demais….mas sao as mais fortes e bravas guerreiras…….a elite e na maioria racista e ainda controla o jogo e necessaria muita luta e inteligencia pra comecarmos a virar esse jogo nao so no Brasil…mais no globo pois a pele negra e perseguida no mundo todo …..paz a todos …forca na luta e axe!!!!

Responder

Kate em 06/08/2018 - 11h00 comentou:

Olá, Socialista Morena, eu sou pobre, mestiça (negra se quiser chamar) e assalariada. E também escolhi um caucasiano de olhos azuis e cabelo loiro, assim como casais morenos escolhem o perfil do doador caucasiano de olhos azuis. Se tivesse marido teria filho com ele e não necessitaria de banco de esperma, se precisasse eu escolheria nas características dele. Eu sendo mãe solo, escolhi o perfil caucasiano justamente para ele não sofrer racismo que eu sofri!

Eu gostaria de dizer que essa temática tem relação com o racismo brasileiro : seja de quem sofre como daqueles que praticam. E sempre foi praticada na sociedade, por ex: pessoas que escolhem namorar/casar/ter filhos com pessoas de x característica! (quase nunca o perfil negro, não é á toa que existe a solidão da mulher negra ou do homem negro que enriquece e já aparece com uma loira ao lado, que para mim é alternativa daqueles que sofrem e não dos que praticam).

E quem ta defendendo dizendo que eles escolhem doador loiro, olho azul de acordo com sua classe social, característica ou descendência tá errado: quem puder visite uma clinica de reprodução no BR, o que mais há são casais latinos, de olhos e cabelos castanhos. Fora q hj os tratamentos apesar de caros, são procurados por pessoas de tds as classe sociais. Se for para falar da “elite” sejamos objetivos, pois quem mais usa sêmen de doador são mulheres solteiras e lésbicas, e eu estranhei mesmo de casais héteros usarem esse perfil, até porque as esposas compram o sêmen baseado na aparência do marido. Sejamos honestos, querem crianças loiras, um bebe johnsons!

Responder

Destruídor em 08/09/2018 - 16h19 comentou:

Nada novo sobre o sol. Apenas as mulheres externando sua preferência pessoal sexual pra sua prole.

Tolo é o homem que acredite que elas não são eugenistas já de nascença eu como pardo sei o quanto sou desprezado nos relacionamentos amorosos até mesmo por mulheres de minha própria cor.

Se você é homem e está fora do padrão sua única saída é ser mgtow.

A solidão do homem negro.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Por que Obama foi o melhor que os EUA tinham a oferecer; e por…


Hoje é o último dia de Barack Obama como presidente da nação mais poderosa do planeta. Vi muita gente de esquerda compartilhando estatísticas sobre como sua presidência foi tão assassina quanto as demais. O governo…

Direitos Humanos

Colecionador de injúrias, Danilo Gentili perde mais uma para Maria do Rosário


TJ do Rio Grande do Sul nega recurso a "humorista" e determina que retire das redes vídeo ofensivo contra deputada do PT