Socialista Morena
Feminismo

JN esfrega feminicídio na cara da família brasileira –e de quem nega que ele exista

(Para, horas depois, na Globo News, Bolsonaro seguir o exemplo de Alexandre Garcia e criticar a lei que tipifica o crime)

Reprodução Jornal Nacional
Cynara Menezes
04 de agosto de 2018, 14h17

Quantas vezes você viu na imprensa uma mulher, se aproveitando da superioridade física, estapear um homem dentro do carro, arrastá-lo pelos cabelos, espancá-lo pela garagem de um prédio e continuar no elevador, para depois jogá-lo ou vê-lo se jogar da sacada de um prédio? Nenhuma. Esta cena nunca foi vista no Brasil nem em nenhum país do mundo. Este tipo de crime vitima mulheres, não homens.

É por isso que se especificou, em 2015, no Código Penal, o crime de feminicídio, que agrava o crime quando é praticado contra a mulher e por razões da condição do sexo feminino, quando envolve violência doméstica e familiar e menosprezo ou discriminação à condição de mulher. Matar uma mulher virou crime hediondo em virtude das estatísticas que apontam que mais de 60% dos estupros e crimes de lesão corporal dolosa e 40% das tentativas de homicídio contra as mulheres ocorreram dentro de casa, e seus algozes foram principalmente companheiros e ex-companheiros.

Infelizmente, há dentro da própria Globo “formadores de opinião” que negam a existência do crime de feminicídio, preferindo fazer chacota nas redes sociais

Nesta sexta-feira à noite, o Jornal Nacional, da Rede Globo, esfregou a realidade do feminicídio na cara da família brasileira –e de quem continua a negar que ele exista. Nas cenas bárbaras, que provocam revolta e uma sensação de impotência em quem assiste, o professor de Biologia Luis Felipe Manvailer, aparece nas câmeras de segurança do prédio onde morava com a mulher, a advogada Tatiane Spitzner, espancando, perseguindo e intimidando a esposa, que acabaria “caindo” da sacada do quarto andar do edifício minutos depois.

De forma incrivelmente covarde, Manvailer, um fortão com o dobro do tamanho  da mulher, começa a estapear Tatiane ainda no carro, persegue-a pela garagem do prédio, chuta-a caída no chão, arrasta-a até o apartamento, aparentemente atira-a pela sacada e desce para pegar o corpo estatelado na calçada. No elevador, ainda na presença da advogada, Manvailer desfere olhares claramente de ameaça; Tatiane parece saber o que a espera em casa, e tenta seguidas vezes escapar. Após jogá-la ou assisti-la se jogar da sacada, o biólogo retira o corpo da calçada e o leva para o apartamento, para depois reaparecer tentando limpar as marcas do crime.

É feminicídio desenhado de uma forma que raramente se viu diante das câmeras, mas nada que espante o leitor da página da Globo na internet: todos os dias, o lado esquerdo do portal estampa crimes de feminicídio. Neste sábado, trazia a história do vereador de Minas Gerais acusado de matar a tiros a ex-namorada e o pai dela na frente da filhinha de 1 ano de idade. Na lei do feminicídio, a pena é aumentada em um terço quando o crime for cometido “na presença de descendente ou de ascendente da vítima”.

Infelizmente, há dentro da própria Globo “formadores de opinião” que negam a existência do crime de feminicídio, preferindo fazer chacota nas redes sociais.

Seguindo o exemplo de Alexandre Garcia, horas depois de o Jornal Nacional ir ao ar, na Globo News, do mesmo grupo, o candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro atacava a lei, da qual é adversário desde o princípio. Mais uma vez, o candidato se mostrou avesso às leis e a favor da justiça com as próprias mãos. Para Bolsonaro, em vez de lei para punir os assassinos, é melhor a mulher ter uma arma e se defender sozinha.

Sob este raciocínio, vítimas fatais como Tatiane Spitzner nem sequer veriam seus algozes presos.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(59) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Maiquel em 04/08/2018 - 17h58 comentou:

Nem consegui ver todo o vídeo, absurdo.

Responder

Terezinha Pires Campos Mazzo em 04/08/2018 - 18h13 comentou:

Os vizinhos terão que ser mais solidários, ao ouvir gritos vá ao socorro!

Responder

Maria Deosdedite em 04/08/2018 - 18h40 comentou:

De fato, homicídio significa cometer o assassinato de ser humano, homem ou mulher, porém para privilegiar crime contra a mulher, dada sua fragilidade física frente ao homem, o neologismo feminicídio enfatiza esse crime, e a pena que lhe cabe.

Responder

Dantanner em 04/08/2018 - 19h26 comentou:

Respeito e entendo a opinião,mas,me desculpe a ignorância,ainda estou procurando entender o que é feminicidio da forma como é visto,o que vi realmente foi uma covardia tremenda,mas qual será a causa?nenhum motivo justifica tanta violência.Então quando entender plenamente,irei opinar com mais convicção

Responder

    Cynara Menezes em 04/08/2018 - 23h05 comentou:

    se nenhum motivo justifica, por que você insiste na “causa”?

Ilda em 04/08/2018 - 20h49 comentou:

Porque deturpam as coisas? Bolsonaro disse q crime e crime e defende 30 anos para quem mata idependente de ser honem, mulher ou crianca e defende as mulheres usarem armas para se proteger. O que eu concordo totalmente o uso de armas evitaria muitos crimes.

Responder

Regina em 04/08/2018 - 23h37 comentou:

Talve uma boa questão ao formador de opinião da Globo fosse a definição do que seria garcinicidio? 1) Assassinato da população da cidade de Garça (SP) 2)Assassinato das garças (aves) 3) Assassinato dos Garcias 4) Não é assassinato

Responder

Julio em 04/08/2018 - 23h49 comentou:

Bom pelo oq eu entendi nao é q o candidato Jair Bolsonaro é contra a lei do feminicidio mais sim a favor dela e mais dar uma chance da mulher se defender com uma arma pq é lógico ja pensou se está pobre mulher tivesse acesso a uma arma dentro de casa escondida ou em qualquer outro lugar seria uma chance para ela se defender oq Alexandre Garcia e Bolsonaro querem dizer é q a lei não vale nada em questão para salvar a vida d uma mulher q uma mulher normal ja mais pode com a força d um homem oq adianta esta lei para esta pobre mulher assassinada por este verme deste homem morfetico lasarento filho do capeta ela está morta ele está ai pode vim ou não ficar um bom tempo preso e depois sair e ficar de Boa como a historia q todos nois conhecemos sobre Guilherme d padua e a poble Daniela perez onde estao os dois hoje nao precisa falar mais nada agora ela está condenada à uma sepultura e sua família ao sofrimento pelo oq eu tenho visto o cadidato ai sitado falar pra ele (Jair bolsonaro)esse monstro agora sofreria uma pena d morte

Responder

Marcos Silveira em 05/08/2018 - 00h05 comentou:

Por que a Segurança do Prédio não inter viu?
Já que a segurança privada ,ou qualquer do povo agir em legítima defesa própria ou de terceiros.

Responder

Ana Cristina Torres em 05/08/2018 - 00h23 comentou:

Interessante ler a expressão “nada justifica tanta violência”, antecedida da interrogação, ” qual será a causa ” ? Fiquei em dúvida se a pessoa quer saber a causa psicológica ou a causa física. Ela desrespeitou o marido ( estou cansando desta palavra, presente em todas as agressões) ou não o deixou ver o ZAP recebido, ou ele cresceu em lar abusivo ? NADA justifica nenhum tipo de agressão, nem verbal, que dizer de uma pessoa contra outra visivelmente detentora de força física inferior. Vamos parar de tentar ocultar esta visão distorcida de ser a mulher ser inferior e propriedade de um homem, seja o pai, marido ou o nome com que queira designar o companheiro. Basta de desculpar desmandos masculinos de qualquer ordem seja, culpabilizando a vítima, ou vitimizando o algoz.

Responder

Ana Cristina Torres em 05/08/2018 - 00h32 comentou:

Para os que defendem o direito de todo cidadão andar armado , peço esclarecimento: se o cidadão que praticou o feminicidio tivesse arma de fogo a vítima teria mais chances de viver? Se a vítima tivesse arma de fogo, vendo este vídeo, em qual momento, vc identifica que ela teria conseguido sacar a arma e atirar no agressor ? Porque uma coisa que muita gente nem pensa, É que, quando saca uma arma, vc tem que estar pronto para atirar. Quem saca, pensando em apenas intimidar, é atingido com sua própria arma, tomada pelo agressor.

Responder

Maria Aparecida Ramos em 05/08/2018 - 00h41 comentou:

Me senti impotente 😔😯

Responder

Emerson em 05/08/2018 - 00h55 comentou:

Vizinhos não socorrwm porque na maioria das vezes ,quando alguém se mete em agressões de casal,se tora o inimigo do casal,enquanto os envolvidos no outro dia estão no maior amor!
#denada

Responder

Leninha em 05/08/2018 - 01h03 comentou:

Vamos supor que os dois estivessem armados…

Responder

Olavo em 05/08/2018 - 01h06 comentou:

Jair bolsonaro possui muitos defeitos, mas proteger bandidos não é um deles. Uma das coisas que jair defende, e foi citado pela própria matéria, ou seja, eu sequer preciso ir buscar fonte de informação em outro local, é o cidadão se defender.
Sobre a mulher ter uma arma para se defender, se ela tivesse, pelo menos poderia estar viva. Uma lei, como a do feminicídio não impediu que ela fosse morta, mas uma arma poderia ter impedido. E sobre o fato de o criminoso depois ir preso, de nada vale se a vítima estiver morta, pois eu prefiriria que ela estivesse viva, e o nosso atual sistema de segurança pública não consiguiu garantir isso.
Assim, sou a favor de punições mais severas para crimes desse tipo, mas só a lei não basta. Peço uma coisa aos senhores. Saiam da bolha no qual estão, principalmente a autora do artigo, reflitam quando lhes forem apresentadas informações, independentemente de quais sejam, não tomem qualquer coisa que leem como verdade.
Obs.: Cynara Menezes, gostei do seu texto, vc escreve muito bem.

Responder

Anete em 05/08/2018 - 01h09 comentou:

Homens que pensam dessa forma, é machista que faria com nós mulheres o mesmo tipificação desse crime.
Logo quem foi colocado ao mundo por uma mulher cometer essas atricidades…
É um absurdo nesse século as pessoas pensarem dessa forma.É UMA VERGONHA.

Responder

Mauro melo em 05/08/2018 - 01h16 comentou:

Aí eu pergunto pro jumento bolsonaro.A sua esposa tem uma arma pra se defender de você, ou qualquer outro bandido? .ah entendi quem atirar primeiro é o bonzinho.

Responder

María Luiza Ferreira de Souza em 05/08/2018 - 01h23 comentou:

Um absurdo tudo isso que aconteceu fiquei muito triste quando vi no JN coitada quero ver quanto tempo esse bandido vai ficar preso,

Responder

FÁBIO ANTÔNIO LOPES CATARINO em 05/08/2018 - 01h24 comentou:

Exatamente Cynara Menezes.!!!
Concordo plenamente com você. Em gênero número e grau.!

Responder

Jose carlos em 05/08/2018 - 03h51 comentou:

O que está acontecendo tudo falta de Deus. Os valores moraes não existe
E quem assiste estas coisas .na frente de uma criança. .

Responder

[email protected] em 05/08/2018 - 05h22 comentou:

Maria Deosdedite em 04/08/2018 – 18h40 comentou:
De fato, homicídio significa cometer o assassinato de ser humano, homem ou mulher, porém para privilegiar crime contra a mulher, dada sua fragilidade física frente ao homem, o neologismo feminicídio enfatiza esse crime, e a pena que lhe cabe.

Responder

Leonardo Fabio Fagundes de Amorim em 05/08/2018 - 05h24 comentou:

NÃO existe razão nenhuma que justifique uma violência assim, seja contra homem, mulher, ou qualquer ser humano.

Responder

Rosângela em 05/08/2018 - 06h06 comentou:

Esses vizinhos que nao fizeram nada para ajudar a moça, como será que estám a consciência dessas pessoas, e esse vizinho que chegou ir na porta do apartamento colocar o ouvido para escutar a briga.

Responder

Maria Regina Fonseca em 05/08/2018 - 06h26 comentou:

Concordo com o uso de algum tipo de arma para uso pelas mulheres. É preferivel ela poder se defender do que a criação de mais 300 “leis” novas com nomes novos…

Responder

Valdirene oliveira em 05/08/2018 - 07h39 comentou:

O que eu fico horrorizada e que os vizinhos não ouviram os gritos de socorro da moça poderiam ter chamado a polícia e ter evitado esta Brutalidade com a moça que tinha a vida toda pela frente muito triste,com.certeza ainda espiaram pelo olho mágico e ficaram calados😢

Responder

Núbia Maria em 05/08/2018 - 07h44 comentou:

Hoje com câmeras por todos os lados, muitas coisas que ficavam obscuras no passado, mostram claramente uma situação. Podemos assistir absurdos como este. O que falavam que era coisa de casal, hoje deixa de ser privado para ser público. Escancarando crimes, que até então não
Era velado pela cultura machismo imperante no Brasil

Responder

Ivan em 05/08/2018 - 07h47 comentou:

Essas divisões de opiniões só fomentam e dão força ao estado de anarquia. Ao analisarmos o bem tutelado pela lei penal e extravagantes, que é a vida, chegaremos a conclusão que o mencionado bem não tem sexo e tem grande valor para quem pra quem o detém. Sendo assim, o braço forte do Estado têm que pesar fortemente sobre aquele que o tira fora da permissão legal. Quanto ao uso de armas por parte das vítimas, de fato tal armamento, em um momento de urgência, pode aumentar a chance de vida das vítimas, isto levando em conta nossa realizade processual e penal, onde a mulher faz inúmeros pedidos de proteção aos órgãos competentes e não obtem uma verdadeira proteção, dada a burocracia enfrentada pelas autoridades competentes. Por isso se deve analisar a seguinte escolha. “você quer ter razão ou ser feliz?”. ” você quer viver ou esperar uma efetiva proteção estatal?”. Grande abraços.

Responder

Rogério em 05/08/2018 - 08h31 comentou:

Boa noite a todos, este cara que fez isto tudo vamos ver se ele é bom mesmo em espancar pessoas na cadeia ele não dura meia hora.

Responder

HEBERT NEVES SAMPAIO DE ANDRADE em 05/08/2018 - 08h47 comentou:

O uso de armas só aumentaria o crime, inclusive contra o próprio portador. Existem estudos que mostram que o crime diminui quando há uma diferença menor entre as classes sociais, os países escandinavos são exemplos.
Quer proteger a população? De igualdade de direitos, diminua o abismo social, pratique o capitalismo distributivo como o escandinavo, e depois pode até armar a população, só que não será preciso, como na Irlanda que 1 a cada 3 têm armas mas não usa.
Vamos aparelhar melhor nossas polícias, inclusive com inteligência técnica, vamos dar mais valor à educação, aos direitos humanos, à igualdade social, daí teremos mais segurança. Armar a população e manter a polícia capengando, sem acesso as suas necessidades sociais, só irá aumentar a violência, inclusive contra a mulher. No caso deste feminicídio, somente a mulher estaria armada?

Responder

Nil em 05/08/2018 - 08h56 comentou:

Bolsonaro disse que crime e crime… não deveria haver diferenças .E onde estavam os vizinhos desta moça,os porteiros?? Ninguém ajuda,não chamam a polícia. ..

Responder

ariosvaldo em 05/08/2018 - 08h59 comentou:

tem qui mudar as leis penais tem qui ser mas duras .tem qui colocar pena de morte para assassinos.

Responder

    Cynara Menezes em 06/08/2018 - 16h03 comentou:

    aqui neste site somos contra a pena de morte de seres humanos. lamentável que pessoas ditas cristãs sejam a favor. até o papa já se posicionou contra a pena de morte em qualquer circunstância. no brasil, com uma ~justiça~ como a nossa, só iriam para a cadeira elétrica pobres e negros, muitas vezes inocentes, como acontece nos EUA

Edmar Vieira de souza em 05/08/2018 - 09h20 comentou:

Isso que aconteceu foi monstruoso o autor do crime foi mto frio tem que ser condenado a mto anos de prisão..O feminicideo tem acontecido todos os dias ..apesar da lei Maria da Penha mtas mulheres não denuncia por medo e são espancadas sempre e ficam caladas…a lei precisa ser divulgada melhor p protege las dos homens psicopatas.

Responder

Sabtos em 05/08/2018 - 09h27 comentou:

Depois ver um vídeos deste, é deixar juntos com outros presos que já se encontram nas cadeias, para ver se fará do mesmo jeito que fez com a esposa….

Responder

Ricardo em 05/08/2018 - 09h39 comentou:

Eu sou a favor do modo islâmico , casar é União de Deus. Nem o homen e a mulher devem exibir corpos , nada de atos de afeto em público .
Orar várias vezes ao dia, para saber que Deus está acima de tudo.

Responder

Li em 05/08/2018 - 11h20 comentou:

Que reportagem mal escrita. Começa falando do caso da moça espancada depois fala de Bolsonaro. O que isso tem a ver? Me poupe, li pensando em saber mais sobre o que a moça passou na mão do marido, não sobre política.

Responder

    Cynara Menezes em 06/08/2018 - 16h01 comentou:

    realmente, é melhor não mencionar que no mesmo dia bolsonaro criticou a lei, não é mesmo? para que o povo precisa saber disso sobre este candidato?

Ruth Barreto em 05/08/2018 - 14h58 comentou:

Ou seria vítima da própria arma,leis existem só falta alguém que faça cumprir, trinta anos são trinta anos não existe meio termo , não deveria ter benefícios , queimou colchão durma sem ele ,quebraram,destruíram que eles vão consertem ,que paguem pelo próprio sustento ,cadeia não é hotel ,são consequências de escolhas erradas , querem ter regalias então sejam íntegros.

Responder

Geovana Gois Suzart em 05/08/2018 - 16h22 comentou:

Achei um absurdo as cenas da pobre coitada depois de morta passar todas as cenas na tv.acredito que e uma falta de respeito para a criatura.provas não a policia já estava com elas.o poblema e a midia querer ganhar audiencia com a miséria dos outros.desse professor psicopata que concerteza vai morrer na cadeia.os presos vao eliminarem.isso sempre acontece.em sinal que esse tipo de crime nao acontecem só com os miseraveis.tambem com a classe media alta.com um professor universitario e tao ingnorante e tao animal irracional a chegar a esse ponto.Jesus tenha pena dessa alma desnortiada.

Responder

Luciano Barreto em 05/08/2018 - 17h54 comentou:

É por isso mesmo que deveria ser liberado armas, se ela tivesse uma na bolsa, quem iria se jogar da sacada seria ele! Bando de hipócritas, a lei ajudou ela em alguma coisa?

Responder

    Cynara Menezes em 06/08/2018 - 15h59 comentou:

    se ela tivesse uma arma na bolsa, com certeza iam crescer músculos automaticamente para enfrentar o fortão sem cérebro fã do bolsonaro, né?

Leandro Ferreira dos Santos em 05/08/2018 - 18h39 comentou:

Só esqueceram de comentar é que com Bolsonaro ele iria pegar 30 ano de cadeia ou se ela tivesse armada e com o devido treinamento esse marmanjo covarde já estaria sentado no colo do copiroto por legítima defesa.
O povo precisa parar com esse divisão e respeitar mais o ser humano independente de cor, raça ou credo.

Responder

CHA em 05/08/2018 - 22h00 comentou:

A lei do feminicidio é imconstitucional, viola o princípio de que todos são iguais perante a lei!! Melhor que uma lei que privilegia mulheres em detrimento aos homens seria a punição exemplar para crimes contra a vida!!

Responder

    Cynara Menezes em 06/08/2018 - 15h58 comentou:

    “privilegia mulheres” por serem mortas por vagabundos que nem esse aí?

JACÓ em 05/08/2018 - 22h22 comentou:

É por isso que mulheres mesmo de extrema direita JAMAIS votariam em um defensor de violência de todo tipo como bolsonada.

Responder

Carol em 06/08/2018 - 00h28 comentou:

Foi muito bem na matéria até chegar ao final e distorcer o que o Bolsonaro diz sobre esses casos… Uma pena.

Responder

Gustavo em 06/08/2018 - 07h14 comentou:

Há provas de que Luiz Felipe Manvelier é bolsonarista. Basta pesquisar «Luiz Felipe Manvelier Bolsonaro», aparecem dois topos das notícias, lê lá e tu te surpreenderás ao descobrires que ele é bolsonarista.

Responder

Marcos em 06/08/2018 - 07h47 comentou:

Pois bem. Sem feminismo ou machismo e/ou androfobia. Todo crime é dolorido pra a própria humanidade que terá que prestar as contas dessa morte.
O que se deve tomar cuidado que a esquerda progressista não pode querer defender o que segue de cartilha da direita: aumentar as penas severamente com pretexto de estar fazendo a lei e ordem.

Evidente que o fato sub judice, houve erro do jovem …basta uma análise histórica do casal moderno para se constatar que o problema não surgiu ali….e massacra em praça pública o autor do fato, tornando-o o próximo a “morrer”. Creio que responsabilização penal deve ter cautela e não creio que o aumento das penas por questão de gênero é o caminho. Sim a conscientização de que toda vida tem seu valor, seja um homem, uma mulher, um gay, um transgênero!! A esquerda não pode ser punitiva com fomentação de mais e mais penas, como defende a notória direita da ” lei e ordem”.

A responsabilização penal vai existir, todavia, com a cautela para também não sermos excessivos. Olho por olho, dente por dente haveria muita injustiça por também ser um crime o ato de responder “na mesma moeda”.

Abraços!!

Responder

Ana Paula Pereira Silva em 06/08/2018 - 10h10 comentou:

Gostaria de saber se alguém sabe dizer se depois de 6 anos, pode-se fazer uma denuncia de tentativa de violência sexual com agressão.

Responder

    Cynara Menezes em 06/08/2018 - 15h55 comentou:

    pode sim

Paulo Martins em 06/08/2018 - 10h20 comentou:

D. Ilda,pelo amor de Deus! Bolsonaro não precisa ser “deturpado”,ele já é a deturpação civilizatória em pessoa.Nosso hitlerzinho vira-lata que ninguém enxerga como ameaça,como o anterior,porém de um perigo latente,também como foi o anterior,destila bobagens 24 horas por dia! Por gentileza,poupe-nos!

Responder

Geci Fátima Pasinato em 06/08/2018 - 13h43 comentou:

É FEMINICÍDIO, por que quem sao assassinadas sao as mulheres e nao os homens e, simplesmente pela sua condiçao de mulher. Elas sao mortas geralmente por seus parceiros ou exparceiros e nao há NADA que justifique o crime. Basta de buscar na vítima alguma explicaçao, igual q na mulher violada ou estuprada. A única explicaçao é o sistema patriarcal expressado através dessa cultura violenta machista.

Responder

Viviane em 06/08/2018 - 15h05 comentou:

Sei. E o que aconteceria se uma mulher, com uma arma, matasse o cônjuge ou companheiro? No nosso judiciário patriarcal, ela poderia alegar legítima defesa? Acredita nisso quem quer…

Responder

Alice em 06/08/2018 - 17h42 comentou:

Eu não quero matar um homem com uma arma para não ser assassinada, estuprada ou seja lá o que for. Eu quero que o homem saiba que não pode colocar a mão em mim. Não interessa o que eu fiz. Minha vida não é decidida por homem nenhum. Concordo com quem diz que isso é resultado do sistema patriarcal, porque eu fui criada ouvindo que “o amor suporta tudo”. Mas eu não suporto não. Pago impostos igual a qualquer homem. Sou mais inteligente que a maioria dos homens com quem convivo. Não me entra na cabeça a sede desse povo pra eleger um troglodita retrógrado em pleno ano de 2018.

Responder

Marcio em 06/08/2018 - 21h34 comentou:

Tá brincando, acho a pena do feminicídio até branda. Nunca bati em mulher.

Responder

Sergio em 07/08/2018 - 08h48 comentou:

Prisão perpétua nesse caso! Deveria se abrir exceções a casos assim! Qual o problema?

Responder

Henry Paul em 09/08/2018 - 17h12 comentou:

Absurdo, revoltante, a que ponto chegamos, esse Brasil tão decantado por sua cordialidade, integração e etc…, hoje mostra a sua cara , intolerante, bestial, racista, homofóbico, misógino. Uma juventude idolatrando um fanfarrão por que virou moda agora ser “politicamente incorreto”, machões covardes mimados que usam a violência, não são homens, são a escoria. Desculpem -me pela contundência mas estou chocado com o vendaval de acontecimentos no meu pai, até quando…….!!!!!!!!

Responder

Karina em 11/08/2018 - 05h08 comentou:

Desde quando usar uma arma evita crimes? Armas PRODUZEM crimes.Isto em resposta Sos que estão defendendo uso de armas. Quanto só Alexandre Garcia, não está velho só de idade, mas também de ideias. Todos sabemos que feminicídio foi palavra nova criada para tipificar crime contra o ser mais fraco FISICAMENTE. Ou se atualiza ou continuará a ser dinossauro.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Feminismo

Patrícia Lélis: “quero Eduardo prestando serviço numa instituição LGBT”


PGR denunciou o deputado, filho do presidenciável Jair Bolsonaro. Em prints, ele ameaça a jornalista e a chama de "puta"

Feminismo

Rosário ao STF: “Ser agredida por este senhor causou prejuízos incalculáveis à minha filha”


Leia o chocante depoimento da deputada petista ao Supremo sobre as agressões que ela e sua filha adolescente têm sofrido por parte do deputado Jair Bolsonaro e seus seguidores nos últimos 14 anos