Socialista Morena
Politik

“Justiça” despreza malas e continua a mirar no PT; Lula e Dilma: Palocci mente

Nem a descoberta de malas com 51 milhões de reais, em um apartamento ligado a Geddel Vieira Lima, do PMDB, foi capaz de fazer a "Justiça" brasileira tirar o foco do PT

Palocci diante de Moro. Reprodução youtube
Katia Guimarães
07 de setembro de 2017, 17h54

Nem a descoberta de malas com 51 milhões de reais, a maior apreensão da história, em um apartamento ligado a Geddel Vieira Lima, do PMDB, foi capaz de fazer a “Justiça” brasileira tirar o foco do PT. A delação do ex-ministro Antonio Palocci deu novo gás à Lava-Jato, que voltou à carga contra Lula, com o apoio da Procuradoria-Geral da República, que denunciou o ex-presidente e a presidenta eleita Dilma Rousseff no Supremo Tribunal Federal. A nação silenciosa assiste a tudo estupefata diante da superioridade das convicções diante das provas: fotos e vídeos de malas de dinheiro valem menos do que delações de criminosos.

O enredo da delação de Palocci, preso nas masmorras de Curitiba desde setembro de 2016, é rocambolesco. O ex-ministro chegou a citar, lendo de um papel no depoimento, um suposto “pacto de sangue” que Lula teria feito com Emilio Odebrecht em troca de 300 milhões de reais de propina. O próprio Palocci admite em seguida, porém, que, ao conversar sobre o assunto com Marcelo Odebrecht, ouviu que houve uma “divergência de valores”. “Ele falou: ‘não é 300 milhões de reais, meu pai se enganou, 300 milhões é a soma daquilo que foi dado com aquilo que ainda tem disponível’.”

A possível delação envolvendo os bancos e a mídia, com quem Palocci sempre teve relações próximas, ficou de fora. Por quê?

Convenientemente, o ex-ministro também corroborou todo o enredo da acusação feita pelo juiz Sérgio Moro: que o “pacto de sangue” envolvia a reforma do sítio em Atibaia e uma nova sede para o Instituto Lula, embora a reforma já tenha sido atribuída a outra empreiteira, a OAS. Teriam as poderosas empreiteiras OAS e a Odebrecht se unido para construir a nova churrasqueira de um sítio que, conforme a própria mídia comercial noticiou, não tem luxo algum?

Precisou de duas empreiteiras para reformas essa churrasqueira?

Os advogados de Lula afirmam que Palocci mente. “A história que Antonio Palocci conta é contraditória com outros depoimentos de testemunhas, réus, delatores da Odebrecht e provas e que só se compreende dentro da situação de um homem preso e condenado em outros processos pelo juiz Sérgio Moro que busca negociar com o Ministério Público e o próprio juiz Moro um acordo de delação premiada que exige que se justifique acusações falsas e sem provas contra o ex-presidente Lula”, disse a defesa do ex-presidente em nota. “Palocci repete o papel de réu que não só desiste de se defender como, sem o compromisso de dizer a verdade, valida as acusações do Ministério Público para obter redução de pena e que no processo do tríplex foi de Léo Pinheiro.”

O advogado Cristiano Zanin Martins enfatiza que não há nada no processo ou no depoimento de Palocci que confirme que o terreno teria sido destinado ao Instituto Lula a partir de propinas de contratos com a Petrobras, assim como o “esquema” de palestras dadas por Lula. Fica ainda evidente que o ex-ministro não conhecia a tal “planilha” de controle interno do Marcelo Odebrecht e citou reuniões que teriam acontecido sem ter como provar. Não tem dinheiro, conta bancária, documentos… Nada, apenas a delação. “Todas falas sem provas”, diz o advogado. A possível delação envolvendo os bancos e a mídia, com quem Palocci sempre teve relações próximas, ficou, no entanto, de fora. Por quê?

Acuado por acusações de ser “petista”, Janot deu uma guinada brusca na investigação sobre Temer e o PMDB após os furos na delação de Joesley Batista, e também passou a mirar o PT

A presidenta eleita Dilma Rousseff também soltou nota dizendo que o ex-ministro “falta com a verdade” para obter os benefícios da delação. “Todo o conteúdo das supostas conversas descritas pelo senhor Palocci com a participação da então ministra Dilma Rousseff –e mesmo quando ela assumiu a Presidência– é uma ficção. Esta é uma estratégia adotada pelo delator em busca de benefícios da delação premiada”, rebateu Dilma. “O episódio em que cita um inacreditável benefício à Odebrecht pelo governo Dilma Rousseff, durante o processo de concessões de aeroportos, mostra que o senhor Antonio Palocci mente.”

Inocentada pelo menos cinco vezes das acusações usadas para justificar o impeachment, Dilma reagiu com veemência também à denúncia feita pelo procurador-geral Rodrigo Janot. Em nota, Dilma diz que Janot faz diversionismo. “Na semana em que o país toma conhecimento da deterioração ética e moral que cerca o mercado da corrupção; no dia em que a polícia encontra uma dúzia de malas cheias de dinheiro roubado por elemento central na articulação do presidente golpista; o procurador lança mão do diversionismo e encontra respaldo em parte da imprensa brasileira que se transformou em uma fração politica, perdendo inteiramente a isenção”.

A ex-presidenta chamou atenção para as ações casadas de Janot “em rápida sequência, no exato momento em que situações indevidas envolvendo delações premiadas vieram a público e estarrecem a sociedade brasileira”. “É curiosa a inversão de papéis. Os que praticam abusos de direitos e vazamentos ilegais de informações recobertas pelo sigilo legal não são sequer investigados e seus delitos punidos. Os que são vítimas destas situações abusivas e ilícitas, ao ver do procurador-geral da República, devem ser transformados em réus de uma ação penal”, dispara.

Acuado por acusações de ser “petista”, Janot deu uma guinada brusca na investigação sobre Temer e o PMDB após os furos na delação de Joesley Batista, e também passou a mirar o PT, denunciando toda a cúpula da legenda, inclusive Dilma e Lula, que foram denunciados como uma “organização criminosa”. A teoria do domínio de fato ressurgiu e o ex-presidente foi apontado como “chefe”, o que levou o advogado Cristiano Martins a dizer, no twitter, que Janot fez um ctrlC+ctrlV do célebre powerpoint do procurador Deltan Dallagnol.

Janot cobra dos petistas nada menos do 6,5 bilhões de reais. Lula e Dilma foram denunciados ainda por obstrução à Justiça. O procurador cita o suposto apoio político, jurídico e financeiro ao ex-senador Delcídio do Amaral para evitar que ele fechasse acordo de delação premiada; menciona a troca de informações sigilosas entre Dilma e a empresária Mônica Moura, mulher do publicitário João Santana, por meio de contas de e-mails, episódio recheado de dúvidas; por último, Janot cita a nomeação de Lula para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil, com a suposta finalidade de garantir foro privilegiado.

Aqui, um parêntese para lembrar que a Procuradoria da República no Distrito Federal já havia pedido o arquivamento das investigações contra Lula e Dilma por considerar frágeis as acusações do ex-senador de que os dois teriam tentado atrapalhar o andamento da Lava-Jato. O procurador concluiu “não se vislumbrar no discurso de Delcídio a existência de real tentativa de embaraço às investigações da Operação Lava-Jato”.

Enquanto a mídia tradicional fala em “cartada final” e “bala de prata” que ferem do morte o PT, nas redes, o assunto virou debate político, até piada, e rapidamente as incoerências sobre o caso foram levantadas. Uma das inconsistências são as reuniões em que o dinheiro teria sido discutido. Palocci não esteve nelas apenas soube delas. Em seu site, o jornalista Luis Nassif enumerou as contradições dos depoimentos sobre o caso do terreno. Outros perfis de esquerda também apontaram as inverossimilhanças do relato.

Tudo aconteceu justamente ao fim da bem-sucedida caravana de Lula pelo Nordeste, que percorreu 60 cidades em nove estados e impulsionou o ex-presidente nas redes sociais. O massacre contra o PT também serviu para encobrir a patacoada protagonizada por Rodrigo Janot, que pode fazer a delação da J&S virar água.

Quem mais ganha com este cenário são o PMDB e o PSDB, ambos já associados a malas de dinheiro, providencialmente obscurecidas pela artilharia contra o PT. O presidente Temer e os mentores do golpe ganharam argumentos para desqualificar as denúncias de Joesley Batista e mais fôlego para dar continuidade ao desmonte do país.

A mídia comercial, claro, aproveitou a chance e recarregou suas baterias contra Lula e seu partido, com destaque para as Organizações Globo. O Jornal Nacional dos últimos dias deu mais espaço às denúncias contra o PT do que ao dinheiro de Geddel ou aos erros de Janot.

As malas de dinheiro? Ora, quem se importa com malas diante da possibilidade de prender Lula e Dilma, com quem não foi encontrada mala alguma?

 

 


Apoie o autor

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Katia Guimarães Vaz
Caixa Econômica Federal
Agência: 4760
Conta Corrente: 21602-1
CPF 602.735.771-15
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Inimputáveis: Supremo devolve o mandato ao tucano Aécio Neves


“Ah, se fosse petista”, pensam os brasileiros novamente ao ler a notícia de que o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), restabeleceu o exercício do mandato do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e afastou…

Politik

O pacote que fez Arruda suspirar


Três anos depois da divulgação do vídeo em que aparecia dizendo “ahhhh! ótimo” ao pegar um pacote das mãos do futuro delator do mensalão do DEM no Distrito Federal, Durval Barbosa, o ex-governador José Roberto…