Socialista Morena
Cultura

Nelson Mandela e a revolução cubana

Por Nelson Mandela em Matanzas, Cuba, 26/07/1991 É um grande prazer e uma honra  estar presente aqui hoje, especialmente em um dia tão importante na história revolucionária do povo cubano. Hoje Cuba comemora o 38º aniversário do assalto ao quartel de La Moncada. Sem Moncada, a expedição no Granma, a batalha de Sierra Maestra e […]

Cynara Menezes
06 de dezembro de 2013, 18h32

(Mandela e Fidel Castro em Matanzas. Foto: Liborio Noval/Granma)

Por Nelson Mandela em Matanzas, Cuba, 26/07/1991

É um grande prazer e uma honra  estar presente aqui hoje, especialmente em um dia tão importante na história revolucionária do povo cubano. Hoje Cuba comemora o 38º aniversário do assalto ao quartel de La Moncada. Sem Moncada, a expedição no Granma, a batalha de Sierra Maestra e a extraordinária vitória de 1º de janeiro de 1959 nunca teriam ocorrido.

Hoje é a Cuba revolucionária, a Cuba internacionalista, o país que mais tem feito pelos povos da África.

Esperamos muito tempo para visitar seu país e expressar os sentimentos que temos sobre a revolução cubana, sobre o papel de Cuba na África, no Sul da África, e no mundo.

O povo cubano tem um lugar especial nos corações do povo da África. Os internacionalistas cubanos fizeram uma contribuição sem paralelo para a independência, a liberdade e a Justiça na África, por seu caráter íntegro e abnegado .

Desde seus primeiros dias, a revolução cubana tem sido uma fonte de inspiração para todas as pessoas amantes da liberdade. Nós admiramos os sacrifícios do povo cubano em manter sua independência e soberania diante da perversa campanha imperialista orquestrada para destruir as impressionantes conquistas da revolução cubana.

Nós também queremos controlar nosso próprio destino. Estamos determinados a que o povo da África do Sul trace seu futuro e continue a exercitar seus plenos direitos democráticos após a libertação do Apartheid. Não queremos que a participação popular acabe no momento em que o Apartheid se for. Nós queremos que o momento de libertação abra o caminho para uma democracia ainda mais profunda.

Nós admiramos as conquistas da revolução cubana na esfera do bem-estar social. Nós percebemos a transformação do país, de um atraso imposto à alfabetização universal. Nós reconhecemos seus avanços na área da saúde, educação e ciência.

Seu constante compromisso com a sistemática erradicação do racismo não tem paralelo.

Mas a mais importante licão que vocês nos dão é que não importam as condições, as dificuldades que tiveram de enfrentar, não pode haver rendição! É um caso de liberdade ou morte!

Sei que seu país enfrenta muitos problemas agora, mas nós temos a confiança de que o povo forte de Cuba os superará, assim como ajudou outros países a superar os seus.

Sabemos que o espírito revolucionário de hoje começou longo tempo atrás e que este espírito foi incendiado por aqueles que lutaram pela liberdade de Cuba, e também pela liberdade de todos que sofreram sob a dominação imperialista.

Nós também nos inspiramos na vida e no exemplo de José Martí, que não é só um herói cubano ou latino-americano, mas que é justamente homenageado por todos que lutam para ser livres.

Também homenageamos o grande Che Guevara, cujas façanhas revolucionárias, inclusive em nosso próprio continente, foram poderosas o suficiente para que qualquer censura na prisão pudesse esconder de nós. A vida de Che é uma inspiração para todos os seres humanos que amam a liberdade. Nós sempre honraremos sua memória.

Viemos para cá com grande humildade. Viemos para cá com grande emoção. Viemos para cá com um sentimento de grande dívida em relação ao povo de Cuba. Que outro país pode ser comparável à enorme generosidade de Cuba em suas relações com a África?

Quantos países do mundo se beneficiam dos profissionais de saúde e educadores cubanos? Quantos deles estão na África?

Na África, nós estamos acostumados a ser vítimas de países que querem escavar nosso território ou subverter nossa soberania. Não tem paralelo na história africana que um outro povo se erga em defesa de um de nós.

Nós sabemos também que esta foi uma ação popular em Cuba. Sabemos que aqueles que lutaram e morreram em Angola foram apenas uma pequena proporção dos que se apresentaram como voluntários. Para o povo cubano, internacionalismo não é só uma palavra, mas é algo que deve ser praticado para o benefício de amplos setores da humanidade.

Sobre Mandela e Fidel, assista também os vídeos abaixo:

Nelson Mandela e a revolução cubana, a amizade mais censurada

Nelson Mandela e Fidel Castro

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(62) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Rafael em 06/12/2013 - 20h16 comentou:

Ninguém é perfeito…

Responder

    Vilson Gil em 06/12/2013 - 20h33 comentou:

    Dããã!!!

    Paulo Ricardo Amaral em 06/12/2013 - 20h59 comentou:

    Sempre se pode ser incrível com uma ou outra opinião idiota. O que faz Mandela bom é não ser igual à escória da direita e nem da esquerda. O que faz Fidel ser ruim é não ser igual ao Mandela. 🙂

Mauro em 06/12/2013 - 20h29 comentou:

Quem morreu foi Fidel ou Mandela? Mandela fica queimado do lado do maior ditador das Américas em todos os tempos.

Responder

    miguel greene em 06/12/2013 - 23h38 comentou:

    Seu comentario demonstra como o preconceito ja destruiu a possibilidade de voce pensar ou discutir objetivamente qualquer assunto – mesmo no momento quando o mundo inteiro esta refletindo e relembrando o eterno exemplo de reconciliacao vivido por Nelson Mandela. Nelson Mandela teria pena de alguem como voce !

    Renato em 06/12/2013 - 23h46 comentou:

    Quem está queimado é tu, pela tua ignorância.

    Tiago em 07/12/2013 - 01h33 comentou:

    Augusto Pinochet foi o maior ditador das Américas, mas com certeza Jorge W. Bush foi o mais sanguinário.

    Ismael em 07/12/2013 - 01h34 comentou:

    Você esqueceu de citar o Pinochet, certamente seu herói por odiar tudo o que lembrasse Fidel e a Revolução Cubana.

    Libertário em 07/12/2013 - 19h20 comentou:

    Quem matou mais pessoas???
    Quem criou um despotismo poucas vezes antes visto na historia???
    Pinochet pode ter sido um ditador assassino, mas não chega nem perto do déspota Fidel Castro e suas atrocidades.
    Engraçado são pessoas que ainda chamam ditaduras de "revolução" e ainda se dizem pró-liberdade.

    morenasol em 07/12/2013 - 22h53 comentou:

    tipo o mandela?

    Décio em 07/12/2013 - 16h07 comentou:

    O regime de Cuba matou mais gente que o regime de Pinochet. Portanto, Fidel é o maior ditador das Américas. E o que levou o país dele ao fracasso também.

    Everton Lourenço em 09/12/2013 - 12h32 comentou:

    Qual fracasso, meu caro?

    Gostaria mesmo de saber, pq eu olho para a situação das nações capitalistas espalhadas pelas ilhas em volta de Cuba e, por mais contradições e dificuldades que possam existir no caso cubano, acho bem difícil falar em seu "fracasso", muito pelo contrário.. A não ser, claro, que você seja daqueles que acreditam que sob do capitalismo Cuba seria uma economia titânica, pronta pra superar os EUA ou a China, e, nesse caso, seria facil chamar o país real de "fracasso" mas eu acho mais interessante discutir fatos e possibilidades, não ficção.

    Agora, sobre o número de executados pelo regime cubano, gostaria de conhecer uma estatística abrangente que inclua não só o número de mortos como tb as principais condições dos que foram executados e a motivação para as execuções, principalmente levando em consideração a campanha contante de desestabilização promovida pela CIA, as sabotagens e os ataques terroristas à ilha. Veja, não defendo a execução de ninguém mas vc não pode analizar fatos sem levar em consideração o contexto em que eles acontecem. Já que levantaram a comparação com o regime do Pinochet, bem, esse é um caso bem conhecido de massacre aberto, de repressão cruel e execução sumária de pessoas simplesmente por serem de esquerda. No caso cubano, não conheço (e pode ser só ignorância minha) casos comparáveis aos eventos odiosos que se passaram nos estádios chilenos, por exemplo, mas me parece difícil levar à sério as acusações que leio diariamente na internet, pela falta de qualquer fonte séria (textos do Rodrigo Constantino, do Olavo de Carvalho ou do Reinaldo Azevedo não contam como fontes, ok?) e quando existe uma campanha tão clara na mídia internacional pra desqualificar a revolução cubana e denegrir o perfil dos seus realizadores..

    Mas, sério, toma cuidado com o termo "ditador". Tenta conhecer um pouquinho o sistema político e eleitoral da ilha antes de soltar esse tipo de comentário pro caso cubano.

    Aécio em 08/12/2013 - 10h17 comentou:

    ditador ????? Aurélio nele…viva a Rede Globo

    Aécio em 08/12/2013 - 10h19 comentou:

    Bem vc já ouviu falar em Fulgêncio Batista ????????????????????

Henrique em 06/12/2013 - 21h02 comentou:

Sério que você está usando a memória do Mandela, no momento em que NINGUÉM ousará questionar qualquer ato dele em respeito à sua memória (afinal, é no mínimo falta de educação, civilidade e humanidade tecer qualquer crítica à um recém-falecido)? Isso no mínimo é uma demonstração de pequenez de espírito.

Responder

    ifbarreto em 07/12/2013 - 01h06 comentou:

    Sem dúvida , essa gente quer manchar a memória de um homem que evitou a violência no seu pais, não organizou exército para matar brancos. Enfim perdoou e estabeleceu a paz. Esse pessoal morre de inveja por saber que Mandela não praticou os assassinatos de Fidel. Fidel a seu tempo lutou contra a injustiça, mas estabeleceu outra injustiça.Ajudou a África mas só com armas…

    Julio Alan em 07/12/2013 - 16h27 comentou:

    Enfim… os escravos em seu próprio país "ganharam" o direito de andar em qualquer calçada, ir a qualquer restaurante e escola… Grandes porcarias. Não foram indenizados e os porcos forasteiros que os governaram ficaram numa boa.

    Que o mesmo não ocorra na Palestina!

Amanda em 06/12/2013 - 22h07 comentou:

Adorei!

Responder

Vinícius em 06/12/2013 - 22h13 comentou:

Sério que este post esta comemorando o fato do pacifista Mandela ter encontrado o déspota Fidel Castro?

Responder

    lucke01 em 07/12/2013 - 15h02 comentou:

    O problema é que Mandela tinha cultura, tinha história, coisa que a maioria não tem. Esta maioria tem cultura de jornal como fonte de informação. Jornal da dita "imprensa livre" é um negocio como outro qualquer (pergunte ao Murdoch). Negocio tem que dar lucro, senão não vira. Daí publica-se a versão que se lhe pagam para dar, já que quem o lê mal tem cultura ou educação. Educação e cultura não dão votos; daí a nossa educação básica ser esta por caria, daí a baixa escolaridade, a pobreza, a droga, o ass alto, as Febems, digo "fundação casa" para fazer "especialização". Daí, voltamos ao começo do texto.

    Gustavo em 07/12/2013 - 15h48 comentou:

    Vc é um quadrado, incapaz de pensar além do seu horizonte, ninguém está comemorando nada filho. É apenas um lembrete, ou para aqueles que se informam pela grande mídia, uma nova informação de que ao contrário de Inglaterra e E.U.A que fichavam Mandela como terrorista e ajudavam o apartheid, Fidel lutou contra o regime racista em Angola, o qual era apoiado pela C.I.A.

Syk4 em 06/12/2013 - 23h00 comentou:

Boa escolha, Cynara.
Apesar de considerar o fim do apartheid da África do Sul – a exemplo da Democracia brasileira – uma concessão, e não uma conquista popular-, parece que os navegantes, acostumados a formar opinião a partir do que o PIG lhes empala, desconheciam essa foto.
Eu ri muito!!! 🙂

Responder

Marcos em 07/12/2013 - 00h24 comentou:

A diferença que quanto Fidel morrer milhões irão comemorar.

Responder

    Everton Lourenço em 09/12/2013 - 12h41 comentou:

    Milhões de não-cubanos educados por uma mídia sem escrúpulos com certeza comemorarão.
    Meia dúzia de gatos pingados cubanos, estejam na ilha ou radicados em Miami, tb.

    Marcelo Pinto em 16/12/2013 - 15h31 comentou:

    Só se for nos EUA, em cuba certamente não.

Gustavo Radamés em 07/12/2013 - 00h42 comentou:

Tem um documentário fabuloso, que mostra como se deu a ajuda de Cuba para a libertação de alguns paises africanos, "Cuba uma odisseia africana". Simplesmente sensacional!!

Responder

Nubia em 07/12/2013 - 01h39 comentou:

Reaças piram!! Não querem aceitar de jeito nenhum… Madiba era comunista!! Entenderam?? CO-MU-NIS-TA!
Não eram "uma ou outra opinião", era sua ideologia! Basta conhecer um pouquinho da história e da luta desse grande homem, esse revolucionário (notem que eu disse revolucionário, e não reacionário)!! Ninguém está usando a memória dele… estamos tentando reproduzir e disseminar cada ensinamento de amor e luta pela liberdade que ele nos deixou!

Responder

    Libertário em 07/12/2013 - 19h23 comentou:

    Comunismo e liberdade???
    Então tá…

    Alexandre em 07/12/2013 - 19h30 comentou:

    E Qual o ensinamento de liberdade que fidel vai deixar? Aquela de só poder viajar pra fora do país SE o governo autorizar ou aquela de poder usar a internet de acordo com o que governo acha bom ou ruim de se ver nela e ainda assim,de forma bem restrita ou ainda impor aos cidadãos um único veículo de comunicação, o jornaleco GRANMA, que, óbvio, só emite uma única opinião e sempre favorável ao governo. Se for estes, os exemplos de liberdade do DITADOR Fidel, eu dispenso, muito obrigado!

    Old Bull Lee em 08/12/2013 - 02h53 comentou:

    e dai? eu nao penso 100% igual ao Mandela, que ficou conhecido por lutar contra o racismo e nao por ser um comunista? Que pena. Nao tenho herois brancos nem negros e estranhamente discordar dos governos agora e considerado reacionario, e nao o contrario.

Carol em 07/12/2013 - 02h22 comentou:

isso não é estar "usando" ele. é apenas uma resposta ao que os direitistas estão fazendo. ficam moldando a imagem dele e filtrando seus ideais, tudo para seus próprios interesses, omitindo quem Mandela verdadeiramente era. isso sim, meu amigo, é pequenez de espírito

Responder

Alexandre maruca em 07/12/2013 - 02h37 comentou:

Só os idiotas comentam por aqui. Que dureza. Queria que a veja fosse honesta e comentasse estes pensamentos de Mandela. Também queria que os leitores desta revistinha ficassem por la e não viessem dar o ar da graça aqui. Cynara, ótima lembrança para que sejam colocados os pingos nos is.

Responder

    Jorge SP/Londrina em 09/12/2013 - 16h34 comentou:

    Concordo com sua primeira frase.

joão pires em 07/12/2013 - 02h50 comentou:

essa matéria é para criticar o mandela?

Responder

Dimas da Silva em 07/12/2013 - 09h14 comentou:

Deus Salve o Mandela! Quanto ao Fidel há controvérsia! Fui um fã, hoje estou com um pé atras!

Responder

    manoel em 10/12/2013 - 12h42 comentou:

    estude!!!! mas com boas fontes….

    morenasol em 11/12/2013 - 11h51 comentou:

    também tenho minhas reticências com fidel, mas temos que reconhecer o que cuba fez para a áfrica

julio cesar em 07/12/2013 - 09h51 comentou:

um ficou preso por quase trinta anos por discordar de um regime político ,o outro vive muito bem prendendo pessoas e as vezes as matando por que discordam do seu regime político por mais de trinta anos,vai entender a foto com os dois abraçados!

Responder

george em 07/12/2013 - 16h17 comentou:

Leiam o texto de Desmont Tutu, na ( ORDINÁRIA , mas ainda , um mal necessário…) folha de São Paulo e atentem para o fato de que Mandela teria sido mais "terrorista" do que muitos "outros", se não tivesse ficado tantos anos preso. Imagine o que teria sido de Cuba, e infelizmente virá a ser, se o "ditador" Fidel tivesse fraquejado contra o verdadeiro e maior terrorista da atualidade, que são os vorazes, políticos e afins, E.U.A ( que como observou Humberto Eco, nem nome de país tem!).

Responder

Bacellar em 07/12/2013 - 17h40 comentou:

Viva Madiba! Viva Fidel! Viva Mujica! Lideres de verdade do povo e não fantoches corporativos.

Responder

    Jean em 07/12/2013 - 21h43 comentou:

    Falou tudo.

    Aécio em 08/12/2013 - 10h20 comentou:

    Viva Cuba livre !!

Pensador em 07/12/2013 - 19h26 comentou:

Um ficou preso por anos por ser contra um regime e o outro prende ou mata os que são contra o regime dele…

Responder

wilson em 07/12/2013 - 22h34 comentou:

Cumprimentos cara Cynara por ter guardado esses documentos eletrônicos. A grandeza de Fidel não pode deixar de ser um lugar comum em qualquer evento. A mídia e a classe média querem embranquecer Mandela tirando dele o vigor revolucionário a quem sempre denegriram.

Responder

Salgado em 07/12/2013 - 23h37 comentou:

Uma amizade que não haverá outra igual! Se nem pelas próprias palavras de Madiba, as pessoa entenderem o valor dessa profunda e solidária amizade intercontinental, não há muito o que fazer…

Responder

Luis Carlos frança em 08/12/2013 - 00h29 comentou:

Dois Grandes lideres do seculo passado q se encontrem com Trostky e Leni na eternidade pelo Mandela q já desencarnou, para bens a esses dois grandes revolucionários.
França.

Responder

Paulo em 08/12/2013 - 02h34 comentou:

Muito importante esse resgate histórico. Mais importante ainda porque incomoda aqueles que preferem acreditar nas "verdades" que são diariamente marteladas pela nossa grande imprensa. Por exemplo, vejam vários dos comentários acima vindos desse incomodados.

Responder

Edson em 08/12/2013 - 03h58 comentou:

A diferença é que Mandela não foi um assassino perverso como foi Che Guevara e nem tão pouco quanto outros assassinos como Stalin, Mao que, em nome do ideal, promoveram genocídios. A esquerda tem se mostrado cega e anacrônica. Depois da saída da prisão, o líder sul africano percebe-se que ele fez uma revisão dos seus conceitos e eles se expressaram mais do que esse discurso em 1991, se expressaram nas suas atitudes que libertaram a Africa do Sul mas, infelizmente, não teve tempo, força e nem saúde para mudar a encrenca que é o partido de esquerda sul africano, isto é, o CNA.

Responder

Humberto Cavalcanti em 09/12/2013 - 00h01 comentou:

Ótimo, SocialistaMorena!!!!!!!

Responder

Rogerio em 09/12/2013 - 03h23 comentou:

Cynara, leio seu blog com regularidade e me espanta perceber o número grande de reacionários que circula por aqui. Somente o nome do blog (de ótimo bom gosto) já deveria servir de filtro de entrada a esses direitistas empedernidos.
Sou a favor do contraditório desde que seja com conteúdo e sem acusações levianas ou lugar comum.
Sobre o Mandela, os governos de Regan e Tatcher somado a parte da imprensa internacional o denominava terrorista. Ele foi proibido de entrar em território estadunidense até 1998 por ser enquadrado pelas leis desse país como terrorista.
As conquistas do CNA e da África do Sul se deram a custa de muita luta e sangue, não foi bondade do governo branco muito menos teve apoio das grandes potencias internacionais. Lembremos que Mandela foi um grande político que nunca abriu mão de seu maior objetivo, a libertação do seu povo do domínio da minoria branca. Num primeiro momento pela força das armas e depois pela força das urnas, mas em nenhum momento deixou de ser um grande revolucionário.

Responder

    morenasol em 11/12/2013 - 11h52 comentou:

    é que os blogs deles têm conteúdo fraco, eles acabam vindo aqui para ver algo interessante.

Paulo em 09/12/2013 - 10h10 comentou:

O Mandela foi uma das maiores personalidades do século passado e a página, ao invés de fazer uma homenagem à altura da figura histórica, usa-o como garoto-propaganda da revolução cubana.

Responder

Salgado em 09/12/2013 - 20h23 comentou:

Lembrar que Fidel ajudou vários países africanos não tem nada a ver com propaganda ou ode absoluta a revolução cubana! Tudo que os cubanos fizeram na mãe África ajudou sim a luta contra o Apartheid, isso é fato! Agora comparar Guevara e Fidel a Pinochet, Vidella, Baby Doc, Trujillos, Somoza, Batista e tantos outros ditadores que tivemos na América Latina é uma ignorância absoluta e assustadora!! "A ignorância é o que nos oprime." (Brecht), e aos oprimidos pela mídia monotemática e seguidora das verdades democráticas consensuais digo: descubram Lumumba, leiam Eduardo Galeano, conheçam Mujica e visitem Cuba p/ se libertar e ter opnião própria!

Responder

Alvaro Fernando em 10/12/2013 - 21h00 comentou:

Tentar re-escrever a história de Mandela para 'adequá-la' ao imaginário dessa podre mídia reacionária que temos é só mais uma das tradicionais 'varadas n'água' da nossa imprensa chamada grande.
E como sempre, não resistem ao menor desdobramento dos fatos, a exposição pura e simples da verdade histórica.
Parabéns, Cynara, pelo brilhante artigo!
Digno de ser lido em uma sessão extra de jornal, em horário nobre de televisão! (sonhar não custa nada)

Responder

Vinicius em 10/12/2013 - 21h12 comentou:

Amizade que segue sob censura.

Hoje, na CNN, durante a transmissão ao vivo dos discursos dos chefes de estado, no momento em que Raúl menciona a amizade entre Fidel e Mandela, imediatamente cortam para o estúdio antes que se pudesse ouvir a tradução para o inglês.

Ou talvez foi uma coincidência e eu que sou paranóico.

Responder

Rodrigo DC em 11/12/2013 - 01h25 comentou:

Interessante é que em alguns sites as pessoas usam o exemplo de Mandela como alguém que representa o ideário da direita: conseguiu libertar seu povo sem que houvesse um pingo de sangue derramado, e foi preso por causa de um inimigo oculto (que não são os brancos, porque brancos são bonzinhos), como em um enredo meio hollywoodiano que explica o heroísmo, mas não os fatos. Outros ficam confusos, como aqueles que não gostam de negros, mas precisam compartilhar a foto do Joaquim Barbosa com a capa do Batman, porque "ele conseguiu acabar com a ditadura do PT": porque se os brancos são bonzinhos, Mandela não deixou legado, foi apenas um negro. Por último vem a comparação com o Lula: este cospe no Brasil, quer o mal para o país, destruiu-o por completo, o roubou junto com a sua quadrilha. Eles não se dão conta de que as ações afirmativas deste foram muito elogiadas por aquele. E não adianta: a luta pela liberdade do povo preto sempre foi socialista. Alguém precisa explicar para essas pessoas.

Responder

    morenasol em 11/12/2013 - 11h50 comentou:

    perfeito, rodrigo! e você não sabe da maior: a direita agora quer dizer que martin luther king era republicano! quando todo mundo sabe que ele estava à esquerda dos democratas. isso é história

    Rodrigo DC em 11/12/2013 - 16h20 comentou:

    Se você fala que o Mandela era de esquerda, isso cai como uma bomba, confunde, dá dor de cabeça neles, eles reagem mal, muito mal. Um líder numa situação daquelas, em que policias matavam gente como se fosse moscas, não pode nem ao menos pensar em ser "centrista". E o King não foi tão radical quanto um outro guru dos Panteras Negras, que eu esqueci o nome e está vivo ainda, mas dizer que era republicano é o fim da picada!!!!!! Isso é coisa de brasileiro, Cynara, de leitor de Veja, porque os próprios republicanos expressam racismo sem o menor constrangimento hoje em dia (o que pelo menos é um pouco mais honesto, evita essas volteios de linguagem e inversão da realidade).

Paulo em 11/12/2013 - 12h44 comentou:

O povo sul africano mostrou reconhecimento a Cuba. Eles são mais bem informados do que os leitores das Folhas de São Paulo da vida e ouvintes dos jornais do sistema Globo de desinformação. http://noticias.terra.com.br/mundo/raul-castro-e-

Responder

Flavio Lima em 12/12/2013 - 14h09 comentou:

"Cuba revolucionária, a Cuba internacionalista, o país que mais tem feito pelos povos da África."
"O povo cubano tem um lugar especial nos corações do povo da África. Os internacionalistas cubanos fizeram uma contribuição sem paralelo para a independência, a liberdade e a Justiça na África, por seu caráter íntegro e abnegado "
"Viemos para cá com grande humildade. Viemos para cá com grande emoção. Viemos para cá com um sentimento de grande dívida em relação ao povo de Cuba. Que outro país pode ser comparável à enorme generosidade de Cuba em suas relações com a África?"
"Quantos países do mundo se beneficiam dos profissionais de saúde e educadores cubanos? Quantos deles estão na África?
Na África, nós estamos acostumados a ser vítimas de países que querem escavar nosso território ou subverter nossa soberania. Não tem paralelo na história africana que um outro povo se erga em defesa de um de nós.
Nós sabemos também que esta foi uma ação popular em Cuba. Sabemos que aqueles que lutaram e morreram em Angola foram apenas uma pequena proporção dos que se apresentaram como voluntários."
Viva Mandela! Viva Cuba! Viva a Humanidade que se mostra nesses seres humanos verdadeiros!

Responder

Lisa Spinelli em 14/12/2013 - 10h44 comentou:

Obrigada, por colocar os pontos nos "is"! História é história, apesar das tentativas constantes de deturpação dos fatos por parte da burguesia ignara. 🙂

Responder

Lucas em 03/02/2014 - 16h42 comentou:

Sou de esquerda, mas assim como em todo lugar há pessoas que não prestam, na esquerda também. Me desculpem mas Fidel Castro foi e é um grande ditador. Vamos ser de esquerda, mas não ignorantes!!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Kapital

Colonialismo e desigualdade explicam por que os furacões devastam mais no Caribe


Como questões de gênero e a pobreza ampliam a vulnerabilidade dos países caribenhos aos desastres (o que explica também porque a tragédia é sempre menor em Cuba)

Politik

O encontro de Dom Paulo Evaristo Arns e Fidel Castro no céu


Dom Paulo avistou de longe a estrela vermelha no quepe verde-oliva do grandalhão que o esperava no portão. – Bem-vindo, Paulo! – Ah, queridíssimo Fidel, não me admira vê-lo por aqui… Fidel Castro gargalha. – Olha que fizeram…