Socialista Morena
Politik

O “muro comunista” acabou. Os muros capitalistas continuam lá

O recém-empossado presidente dos EUA, o xenófobo Donald Trump, deve assinar hoje o decreto que torna realidade sua mais polêmica promessa de campanha: ampliar o muro já existente entre seu país e o México. Trump pretende que TODA a fronteira entre os EUA e o vizinho passe a ser cercada. A princípio ele propôs um […]

Cynara Menezes
20 de dezembro de 2015, 18h57
euamexico

(O muro entre os EUA e o México. Foto: Ilcp)

O recém-empossado presidente dos EUA, o xenófobo Donald Trump, deve assinar hoje o decreto que torna realidade sua mais polêmica promessa de campanha: ampliar o muro já existente entre seu país e o México. Trump pretende que TODA a fronteira entre os EUA e o vizinho passe a ser cercada. A princípio ele propôs um muro de 3200 quilômetros, mas após engenheiros demonstrarem que seria preciso um volume de concreto suficiente para erguer seis novas pirâmides de Giza, ele reduziu a extensão à metade.

O mais grave é que Trump quer que o governo mexicano PAGUE pelo muro. Ou seja, que o suor dos mexicanos sirva para construir uma estrutura que discrimina a eles mesmos. Segundo o “novo” presidente norte-americano, o México pagará pelo muro “de uma forma ou de outra, com pagamento direto ou impostos”. O presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, afirmou que o México não pagará pelo muro, mas, como bom direitista, se disse disposto a ter “uma boa relação” com o governo dos EUA.

Lá se vão 27 anos (completados em novembro de 2016) desde que o muro de Berlim caiu em nome do “fim do comunismo”. Desde então, o capitalismo ergueu outros muros, nenhum deles derrubado em nome de qualquer luta pela democracia. Os muros que continuam de pé em geral separam ricos de pobres. No Brasil chegaram a construir um muro separando o morro Santa Marta da zona Sul do Rio.

Será que, na verdade, o problema não está nos muros em si, mas em quem os constrói? Veja muros pelo mundo que não sofrem tantas críticas quanto o muro de Berlim, com toda a razão, sofria.

O muro entre os Estados Unidos e o México continua lá.

O muro que separa os palestinos de Israel continua lá.

O muro que separa ricos e pobres no Peru continua lá.

O muro em Buenos Aires entre a favela Rodrigo Bueno e o chique Puerto Madero continua lá.

O muro entre o Marrocos e a Espanha que impede os imigrantes de entrar continua lá.

Os Muros, por Eduardo Galeano:

(Post atualizado em 25/01/2017)

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Ditadura da Schin no carnaval de Salvador: prefeitura confisca cervejas de outras marcas nos…


Gente, o monopólio não é mais considerado ruim! Só é ruim o monopólio se for para retirar o patrimônio do povo das mãos do povo. Petróleo, por exemplo, não é um bom monopólio. Mídia é…

Cultura

Entrevistas históricas: Georges Simenon entrevista Leon Trótski em 1933


“O fascismo não é provocado por uma psicose ou ‘histeria’, mas por uma crise econômica e social profunda que devora o corpo da Europa sem piedade”. Pronunciadas em 1933, as palavras de Leon Trótski (1879-1940)…