Socialista Morena
Politik

O homem que roubou o Natal de Jesus

No shopping próximo à minha casa, o tema da decoração de Natal é “a floresta encantada de Papai Noel”. Juro que procurei entre as folhagens de plástico, as girafas de pelúcia e os chimpanzés músicos para ver se o achava, mas não encontrei Jesus. Nada de Maria, José, do anjo, dos reis Magos e das […]

Cynara Menezes
24 de dezembro de 2012, 10h30

(cartaz de 1937: de dar medo)

No shopping próximo à minha casa, o tema da decoração de Natal é “a floresta encantada de Papai Noel”. Juro que procurei entre as folhagens de plástico, as girafas de pelúcia e os chimpanzés músicos para ver se o achava, mas não encontrei Jesus. Nada de Maria, José, do anjo, dos reis Magos e das cabras, bois e vacas. Nada que se assemelhasse a uma manjedoura. Enfim, nada de Natal na decoração de Natal.

Fiquei pensando quando foi que o menino Jesus deixou de ser protagonista de sua própria festa de aniversário. Jesus, o profeta a quem, pelo menos nas estatísticas, um terço da humanidade dedica sua fé, faz uma ponta no Natal hoje em dia. A figura central, a grande estrela da maior festa do mundo cristão é um velho barbudo de aparência nórdica que só criancinhas acreditam que exista. E, aparentemente, ninguém está nem aí.

O Natal é uma verdadeira cilada. TVs, jornais, familiares, tudo conspira para que você se sinta tomado pelo “espírito natalino”, que se traduz em: se meter em shoppings abarrotados de gente para comprar coisas que sairiam pela metade do preço no mês seguinte. Mesmo que você não queira participar, é obrigado a seguir o fluxo porque não quer que seus filhos cresçam traumatizados por não ganhar presente quando todo mundo recebe –do Papai Noel, claro, aquele gordinho que espera o ano todo por este bico, suarento debaixo da roupa vermelha e da barba branca em pleno verão brasileiro.

Aliás, a disparidade entre o que se construiu como “Natal” no hemisfério Norte e a realidade dos trópicos é um mico à parte. Bonecos de neve de feltro, de gorro, cachecol e cenoura no lugar do nariz, se espalham pelo País e tomam de assalto até as repartições públicas, enquanto as secretárias se abanam de calor. O “jeitinho” brasileiro se desdobra para recriar a atmosfera gélida, condição sine qua non para que o “espírito natalino” baixe, e dá-lhe neve de pipoca, de isopor, de algodão… Tenho certeza que nunca seremos uma nação de fato enquanto precisarmos macaquear um clima que não é nosso para conseguir algo tão singelo quanto o congraçamento familiar.

Não conheço nenhuma festa religiosa no mundo cujas principais manifestações sejam gastar muito dinheiro, comer para caramba e encher a cara. A festa máxima dos cristãos é a festa religiosa mais capitalista do planeta. E olhem que a mensagem de Cristo era o exato oposto. Não foi o filho de Deus quem expulsou os vendilhões do templo? Não foi ele quem disse que “é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus”? Quer mensagem menos capitalista do que esta?

Mas falar dessas coisas é querer estragar a festa, quebrar a “magia” do Natal –muito embora a única visível seja o mágico tilintar das caixas registradoras. Para o comércio, a data é uma bênção. Para as igrejas, o mundo do dinheiro nunca foi exatamente um incômodo e pode, afinal de contas, render belos donativos. Tampouco parece ser um empecilho que os fiéis gastem todo o 13º salário e se endividem em compras, porque depois engrossarão as fileiras dos que procuram as casas de Deus em busca de conforto não para os flagelos da alma, mas do bolso.

Tem igrejas pentecostais que vivem disso, de oferecer aos crédulos a superação das dívidas financeiras e o sucesso econômico através do poder de Deus. De que lhes serviria abrir os olhos dos fiéis e pregar que o Natal não é sinônimo de gastança? Deixa quieto, Papai Noel é bem mais conveniente que Jesus, até porque não fere suscetibilidades. Sem essa de rico não poder entrar no reino dos céus: seja rico ou seja pobre o velhinho sempre vem, não é mesmo? “Compre, compre. Ho, ho, ho”.

Meu lado cristão (de formação) se revolta de ver que o Natal se transformou nessa pseudo festa religiosa, vazia de significado espiritual. Em vez de se incomodar com a vida íntima do próximo, de tentar interferir na orientação sexual do semelhante ou de se empenhar em lutas surreais como a cruzada contra a proteção da camisinha, as igrejas cristãs deviam se dedicar a repensar sua festa mais importante. Se os cristãos fossem de fato cristãos, tinham de estar preocupados que o nascimento de Jesus perdeu o lugar para o consumismo que o Papai Noel representa. Tentar resgatar a mensagem do Natal: esta, sim, seria uma luta de fato agregadora, digna da data e do aniversariante.

Dá para começar em casa, montando o presépio com as crianças como aconteceu no passado e, no mínimo, explicando a elas que o dono da festa não é o Papai Noel, que não é por causa dele que o Natal existe. Quantos cristãos fazem isso?

Boas festas a todos.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(58) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Rodrigo em 24/12/2012 - 13h08 comentou:

Dizem que ladrão que rouba de ladrão tem 100 anos de perdão.
Papai Noel é o dono da bola agora. Mas ele não roubou o natal do seu dono original.
Na verdade essa bola vem sendo passada para um novo dono a cada nova era.
Jesus (ou a estrutura de poder criada pelo cristianismo) só tomou a data de outros donos anteriores.
Mitra, Krishna, Dionísio, Hércules, Osíris, Horus… cada civilização surgida no hemisfério norte tem sua divindade a ser celebrada no período do solstício de inverno.

Responder

    Rodrigo em 24/12/2012 - 17h31 comentou:

    que burrice. Tu é meu xará , mas falar asneira assim é demais.

    rebata em 24/12/2012 - 21h20 comentou:

    o cara tá reproduzindo o que ele assistiu no Zeitgeist. mestre Jesus não tem nada haver com as instituições que se utilizam do seu nome pra se apoderar, oprimir e controlar, muitas vezes.

    Nano Falcão em 22/12/2013 - 15h25 comentou:

    É fato que os romanos comemoravam o "solo invictus" em 25 de dezembro, e posteriormente o aniversário do DEUS MITRA. Foi a Igreja católica que roubou a data para marcar como nascimento de cristo, já que a festa era muito popular, não tinha como simplesmente proibi-la. Então eles simplesmente mudaram o dono dela. Tanto é verdade que muitas seitas cristãs NÃO COMEMORAM o Natal, pois sabem que a data é falsa.

    Humberto Borges em 23/12/2013 - 22h31 comentou:

    Leia antes de recitar papagaices. O Rodrigo escreveu "(ou a estrutura de poder criada pelo cristianismo)". Não confunda a sabedoria e exemplo de Jesus com as igrejas que vivem falando em seu nome para existir e dominar.

    wilian em 26/12/2013 - 18h37 comentou:

    é uma festa de pelo menos 20000 anos

hans tramm em 24/12/2012 - 13h20 comentou:

Quem matou Jesus não foram os romano ou os judeus os próprio crististianos realizaram a tarefa.A verdade é que Papai Noel é um velhinho bem indiferente a dor e desamparo das crianças;pelo menos das crianças pobres. Me lembro de uma velha canção que dizia:Papai Noel ve se você tem a felicidade pra me dar tbm.Eu pensei que todo mundo fosse filho de Papai Noel mas tal felicidade é um brinquedo de papel…Mas não se incomode não que nada é pra já.O ''mico'' que as nações do hemisfério sul pagam não é nada,diante da grandeza das palavras do ''aniversariante'';Olhai os lírios do campo,nem mesmo Salomão com todo seu esplendor e gloria se vestiu como um deles. Feliz Natal pra quem conseguir!Saravá

Responder

Papai Noel em 24/12/2012 - 13h38 comentou:

A festa original tb é uma farsa…

Uma mulher q engravidou de Deus e foi avisada disso por um anjo e conseguiu convencer seu marido José disso…

É uma festa q tinha q acabar, junto com todos os feriados de "dia santo"…

Responder

    Felipe em 27/12/2012 - 19h45 comentou:

    valeu, empresário. ganhando menos, né?
    podia pelo menos sugerir criar outros feriados, não acabar com os existentes.

juliana em 24/12/2012 - 13h44 comentou:

Nu, mas até o 'pecado" de ser rico segundo a igreja católica vc invocou! Pegou pesado!

Responder

    Helder em 25/12/2012 - 08h26 comentou:

    Não é pecador ser rico, pecado é o que você fez aos outros pra angariar tanto 'vil metal'. Pagar dízimo e rezar não vai te livrar de nada, hehe

José em 24/12/2012 - 14h55 comentou:

Olá Cynara, gosto do seu blog..

Mas queria te sugerir "O suplício do papai noel" de Lévi-Strauss, eu sei, pode parecer meio burguês citar um antropólogo estruturalista, mas este texto é um dos mais históricos de Lévi-Strauss.. Ele volta ao império romano e às conturbadas relações entre cristianismo e paganismo, além da dádiva, aproveitando as contribuições de Marcel Mauss, para nos fazer ver o quão histórica é esta figura a que chamamos hoje "papai noel"…

Quanto à crítica ao natal, concordo…

Só não sei se ensinar crianças a montar presépios é mesmo o ideal… Talvez devêssemos inventar histórias nós mesmos…

Abraço de Natal..

Responder

P.H. em 24/12/2012 - 14h59 comentou:

Faço minha as suas palavras!!!

Responder

Klaus em 24/12/2012 - 15h44 comentou:

Realmente a decoração do iguatemi xópin é um lixo! E o natal se resume em comprar, comprar e comprar!

Responder

bloglimpinhoecheiroso em 24/12/2012 - 16h47 comentou:

Vou replicar no meu blog com os devidos créditos.
Texto excelente.

Responder

Antônio Carlos em 24/12/2012 - 17h02 comentou:

Vou replicar no meu blog com os devidos créditos….

Responder

angelo em 24/12/2012 - 19h22 comentou:

O bom mesmo era depois trinta e três dias ,crucificar o velho gorducho,deixar ele fritando… Decretar mais um feriado,emendando com carnaval e dane-se o capital!

Responder

Liza em 24/12/2012 - 19h36 comentou:

Bela reflexão, Cynara! Como cristã, não discordo em nada de você.

Responder

sam em 24/12/2012 - 21h52 comentou:

Natal nunca foi e nunca será sobre Jesus, compra,, lucro.. mentira, ilusão é o que vejo..não parece nada com Jesus… eu sou cristã e não comemoro natal, é só mais um dia comum como os outros…
#IT'S ALL ABOUT MONEY!

Responder

Tomaz em 24/12/2012 - 21h55 comentou:

Bom texto.

PS: ah, você é cristã? Agora nem quero casar mais.

Responder

    morenasol em 24/12/2012 - 23h05 comentou:

    não, eu não sou cristã. tenho formação cristã e nada contra o cristianismo. mas já sou casada ; )

    João Tavares em 02/01/2013 - 00h16 comentou:

    Se a autora tivesse declarado no texto que não teve formação religiosa e alguém escrevesse: "ah, você é atéia? Agora nem quero casar mais"; imagino que várias pessoas (corretamente) se revoltariam com a brincadeirinha intolerante e preconceituosa. Mas parece-me que o preconceito contra cristãos é o único aceito em ambientes "cults".

Helder em 25/12/2012 - 08h28 comentou:

“é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus”

O professor Hariovaldo lendo isso perguntaria: "Quem é o maldito comunista que disse essas blasfêmia???"

Haha

Responder

Raí em 25/12/2012 - 12h55 comentou:

Eu particularmente, acho que a exploração comercial desta data, esvazia-a e torna-a mais uma chance do comércio vender mais e das pessoas trocar presentes, esquecendo o verdadeiro significado do natal, enfim…
Eu porem fui presenteado pelo Criador do mundo, no natal de 1974, quando nasceu a minha filha Brigite, e então o natal, passou a ser um dia especial, especialmente pela comemoração do aniversário dela, e da festa que fazemos em família, e nestas ocasiões, lembramos o que é o verdadeiro natal, o renascimento a cada ano, do Salvador.

Responder

Eduardo da Gama em 25/12/2012 - 18h41 comentou:

Oi Cynara.
Você, antenada nos cartoons, deve conhecer o episódio "The Spirit of Christmas: Jesus vs. Santa" do Southpark.
Se não conhece, recomendo. Hilário, como todos.

Responder

Talita em 26/12/2012 - 02h59 comentou:

2 coisas:
1- "A festa máxima dos cristãos" é a Páscoa e não o Natal;
2- Conheço bastante gente que monta Presépio com os filhos, que tenta explicar o motivo da festa… meu pai montava comigo e com meus irmãos e agora monta com os afilhadinhos dele ^^

Mas no geral super concordo com o seu texto, espero que não façam com a Páscoa o que fizeram com o Natal e espero que cada vez mais pessoas lembrem do motivo principal da festa.

Responder

Cícero em 26/12/2012 - 04h54 comentou:

Belo texto, Cynara! O Natal, nos nossos dias, não passa de uma pseudo festa cristã que explora o nome de Cristo para fomentar o comércio e promover a indústria, movimentando bilhões de dólares…

Uma tremenda farsa!e

Responder

Marcos M. em 26/12/2012 - 15h59 comentou:

Achei legal, do Blog do Vamp:

Acabou 2012!

Entre os fatos mais importantes, destaco a condenação da quadrilha do Mensalão pelo STF e a descoberta do Bóson de Higgs, a "partícula de Deus". De certa maneira, 2012 foi o ano da Ciência e, para nós brasileiros, da Justiça.

2013 está aí, nos espreitando. Como em anos anteriores, não vou desejar um ano novo de muita paz e tal. Desejo a todos vocês um ano de muita luta, muita guerra e, principalmente, muitas vitórias.

Que todos tenhamos as mulheres mais belas, o melhor vinho, a melhor erva, os pensamentos mais fortes!

2013, me relativiza que estou muito newtoniano!

O Vampiro de Curitiba

Responder

Ricardo em 27/12/2012 - 19h18 comentou:

A igreja sempre faturou com o cristianismo, então é seis por meia dúzia, é tudo capitalismo.

Responder

Alexandre em 28/12/2012 - 02h18 comentou:

É bom lembrar que jesus também roubou o natal antes, já que a igreja católica se apropriou de uma festa pagã que festejava a passagem do solstício de inverno (no hemisfério norte, obviamente) e transformou-a numa festa religiosa cristã, supostamente comemorando o nascimento de cristo (que nem se sabe se realmente existiu enquanto figura histórica, quanto mais saber a data do nascimento).
Na verdade a igreja católica se apropriou de muita coisa pagã: a própria instituição já existia antes do cristianismo tornar-se religião oficial no império Romano, o cristianismo apenas apropriou-se a assim nasceu a igreja católica e muitas das festas religiosas católicas.

Eu também vejo problemas no caráter comercial que o natal tomou, mas vejo com muito bons olhos o fato de ter perdido o teor cristão. O natal poderia ser uma festa mais inclusiva, secular e democrática – mas para isso teria que se livrar tanto do caráter cristão quanto do caráter consumista.

Responder

    Rodrigues em 23/12/2013 - 00h02 comentou:

    Hehe. Concordo! Neste sentido, o capitalismo devolveu ao Natal o seu verdadeiro espírito como festa pagã: a celebração quase que dionisíaca da vida!

    Um outrro texto interessante para discutir este tema é "O Suplício do Papai Noel", do antropólogo Claude Lévi-Strauss.

    Glória em 23/12/2013 - 12h48 comentou:

    Por favor, não vamos confundir Jesus com a Igreja Católica, porque Jesus é muitíssimo maior que esta ou qualquer outra Igreja. Jesus não criou qualquer religião. Elas foram criadas pelos homens, muito tempo após a sua morte e posterior Ressurreição.

aloisio em 01/01/2013 - 16h15 comentou:

Cynara, leio seus textos com alegria, são muito bons. E eu que não creio (pleno de dúvidas) espero que o menino do aniversário roubado esteja sempre com vc.

Responder

João Tavares em 02/01/2013 - 00h09 comentou:

Excelente texto. Parabéns!

Responder

Garoto do Brazil em 28/05/2013 - 23h29 comentou:

Você diz ter medo deste cartaz norte-americano da Coca-Cola de 1937… ano dos Processos de Moscou ( http://en.wikipedia.org/wiki/Great_Purge ) da Era Stalin. Era Stalin (1928-1953) cujos pôsteres estão inseridos dentro do layout do seu blog e dos quais você parece não ter medo algum, muito pelo contrário. Será por que estão escritos em russo no alfabeto cirílico?

Responder

    Rodrigues em 23/12/2013 - 00h00 comentou:

    O que você chama de “layout” do blog é muito anterior aos tais “Processos de Moscou” e nos remetem a escola construtivista russa/soviética – um movimento artísitco que tem parentesco com o Futurismo e que influenciou a propaganda ao níivel mundial (principalmente a propaganda ocidental capitalista!). Pesquise sobre o construtivismo (nas artes, não da educação!) e aprenda mais sobre a porpaganda ocidental e capitalista! Vale a pena!

Edmilson em 17/12/2013 - 15h56 comentou:

Discordo totalmente da ideia de o Natal ser cristão.

É essencialmente um costume em homenagem a São Nicolau, um Bispo Turco católico do século IV que se tornou santo.

Também está associado a algumas lendas medievais no norte da Europa sobre um personagem que presenteava crianças bem comportadas.

Em absolutamente nada tem a ver com o Messias, chamado no Brasil de Jesus. Não há nada na Bíblia sobre isso, nem nessa Bíblia do padre Ferreira de Almeida.

Sinceramente: Comprem presentes, celebrem como quiser… Mas não se iludam, isso não tem nada a ver com a fé no CRIADOR ou no Messias.

Responder

Adriano de Souza em 22/12/2013 - 15h33 comentou:

Discordo, pois o Natal não é de Jesus. E isso até muitos cristãos concordam comigo. Há várias religiões que NÃO COMEMORARAM o Natal. É fato histórico e comprovado que a Igreja Católica roubou a festa do deus de origem persa, mas de grande popularidade no Império Romano antes do cristianismo, MITRA. A festa era tão popular que não havia como a Igreja simplesmente proibi-la. Então eles fizeram como outras festas, como o soltiscio da Primavera (PÁSCOA) e Halloween (Dia de Todos os Santos) e transformaram numa festa cristã.

Antes mesmo de Mitra, os romanos já comemoravam o "solo invictus", o solstício de inverno. Em suma, o Natal é uma tradição do POVO, e não do capitalismo, de Jesus, ou de quem quer seja. A nossa sociedade é capitalista e tudo gira em torno do Capital, por isso o caráter consumista da festa, mas até aí isso acontece com todos os aspectos culturais (e até religiosos) da nossa sociedade. Como dizia Marx, a "infra-estrutura determina a superestrutura". Ou seja, se nossa organização econômica é capitalista, é claro que nossa cultura será capitalista. O mesmo serve pra Páscoa, Dia das Mães, dos Pais, e qualquer data que se pense.

Responder

Gabriel o in-alado. em 22/12/2013 - 19h26 comentou:

A diferença, Cynara, é que, enquanto Jesus ressuscitava os mortos, este ai prefere envenenar os vivos que ainda restam.

Responder

Rodrigues em 22/12/2013 - 23h55 comentou:

Gostei mutio do seu texto., mas quero fazer uma observação:
O antropólogo Claude Lévi-Strauss detestou a baía de Guanabara. Mas antes disso, o antropólogo Marcel Mauss nos mostrou que a gastança e os excessos não são exclusividades da cultura ocidental e capitalista. Há sim, outras culturas com rituais pautados por estes princípios (ver "Ensaios sobre a dádiva"). A estruturação do capitalismo apenas os instrumentaliza, de aocrod com seus inetresses.

Responder

João Carlos Correia em 23/12/2013 - 03h45 comentou:

Cynara, aqui um texto semelhante ao seu:
http://www.publico.pt/sociedade/noticia/o-natal-m

Responder

Glória em 23/12/2013 - 12h50 comentou:

Obrigada pelo belo texto. Pode repetir sempre. Feliz Verdadeiro Natal para você!

Responder

Valério em 23/12/2013 - 16h47 comentou:

Acredito que essa data, o Natal, deva pertencer a figura do Papai Noel, ou qualquer outra divindade que desejarem, historicamente é fato que a igreja católica decretou que essa data, 25 de dezembro, seria a data de nascimento de Cristo, a quem se interessar pelo assunto é só estudar os textos bíblicos ou outras fontes históricas para constatar que Cristo não nasceu nessa data, além disso o próprio Cristo disse aos seus apóstolos que se lembrassem dele pelo seu sacrifício, pois pela sua morte ele comprou todos os pecados da humanidade, creio como cristão em amar o próximo como a mim mesmo e a Deus acima de todas as coisas, e em ser humilde, o que não tem nada a ver com condição monetária e sim com a nossa consciência

Responder

Rafael em 23/12/2013 - 18h02 comentou:

"Fiquei pensando quando foi que o menino Jesus deixou de ser protagonista de sua própria festa de aniversário. "

Essa eu respondo, foi quando a Igreja usurpou um festival pagão, mantendo boa parte de suas práticas, para tornar o catolicismo uma religião popular, mesclando as crenças do messias Jesus com as datas de comemorações festivas pré existentes.

Responder

Daiana em 23/12/2013 - 22h07 comentou:

Não generalize. Nós, cristãos de verdade, ensinamos nossos filhos sobre o verdadeiro natal para nós.

Responder

lucasfxd em 24/12/2013 - 00h35 comentou:

Espero que a senhora seja civilizada para aceitar comentários contrários a sua opinião. Não concordei com alguns pontos que você colocou, e vou citar e comentar um deles.

"A figura central, a grande estrela da maior festa do mundo cristão é um velho barbudo de aparência nórdica que só criancinhas acreditam que exista."

Achei lamentável essa "gozação" com o Papai Noel, com essa história de que não existe. Por que Papai Noel não existe e Jesus existe? Vai menosprezar as crianças por acreditarem nele? A crença delas é inferior a sua? Papai Noel deve ter uma importância tão grande na vida de muitas crianças quando Jesus na vida muta gente adulta e "madura". Quantas crianças pobres escrevem pro Papai Noel com esperança de ganhar um material escolar, por exemplo, ou um brinquedo de 1,99 que nem isso têm, um calçado pra não andarem de pé no chão, e etc. E acabam recebendo, pois muita gente pega essas cartas no correio e dá os presentes. Acho que dizer uma coisa dessas é se contradizer totalmente na questão de ter fé em algo.

Responder

    Nano Falcão em 24/12/2013 - 11h40 comentou:

    A diferença entre Papai Noel e Jesus é que amadurecemos pra deixar de acreditar no primeiro, mas por que raios não amadurecemos pra deixar de acreditar no segundo? E você tem razão, Lucas, hoje a figura do Papai Noel inspira mais ações solidárias no Natal do que Jesus Cristo. Todo ano vou aos correios e pego uma das cartas endereçadas ao Papai Noel, assim como milhares de voluntários por todo o Brasil. Isso sem contar as entidades que distribuem doces, brinquedos, e até alimentos, inspirados na lenda de São Nicolau, um santo cristão que ajudava crianças e viúvas na Idade Média. O nascimento do menino Jesus nunca pregou ajudar as pessoas, São Nicolau sim. Mas o mais maravilhoso é que o mito do Papai Noel ultrapassa a barreira das religiões, e todo mundo pode "acreditar" no Papai Noel, seja cristão, budista ou ateu.

Luan em 24/12/2013 - 04h23 comentou:

Agora é a hora que tu aprende que o Natal NÃO É aniversário de Jesus, pqp -.-
Como alguém em pleno século XXI e que diz inteligente e intelectual consegue achar isso, hein?
Pena desse blog, na boa…

Responder

CHUCK NORRIS em 24/12/2013 - 10h59 comentou:

VIVA O CAPITALISMO! EU VOU ENCHER A CARA, ENCHER O BUCHO DE TENDER E COMPRAR VÁRIOS JOGOS DE PS4!

Responder

Lucas Mendes em 24/12/2013 - 13h10 comentou:

A festa mais importante para os cristãos é a Páscoa.

Responder

Marko em 25/12/2013 - 00h04 comentou:

O Rodrigo já falou tdo aí, os cristãos pegaram a festa dos pagãos, e vem com essa d "roubo", tenha santa paciência rs

Responder

Paolo em 25/12/2013 - 02h39 comentou:

Concordo com o texto no aspecto mercantilista e, digo que eu procuro fazer é justamente ensinar sobre Jesus nesta data. Uma pena que esteja tudo,como está…..

Responder

dovalho em 25/12/2013 - 13h51 comentou:

Uma pergunta: Essa pessoa é mesmo socialista?

Responder

frederico mendonça em 25/12/2013 - 20h29 comentou:

Pois é, Cynara: bastou ler o seu texto, curtir a forma dele, seguir seu raciocínio – e basta. Você não disse nada que careça de fundamento óbvio e pés na realidade. Você falou sobre essa estratégia de mercado tomando o espaço da festa cristã. A ironia histórica: os vendilhões que o Cristo expulsou do templo expusam hoje Jesus de sua festa essencial…

Responder

Eli em 26/12/2013 - 14h16 comentou:

O Natal na verdade é uma festa muito mais intima do que comunitária. È preciso que cada uma faça a opção de deixar o Menino Deus nascer e aí sim replicar o bom sentimento que nasce desse nascimento espalhar pela sua vida e pela vida dos outros. O Presepio é um grande começo, aqui temos um pequenino e simples mas toda hora que olhamos para ele lembramos de quem é a festa!!! Aos que não crêem meu respeito e admiração pois eu não saberia viver sem crer… E aos que crêem o texto é uma excelente reflexão

Responder

natan em 30/12/2013 - 17h06 comentou:

a verdade é que a data já começa errada , comemorar o aniversario de alguem no dia que não é seu aniversario é muita ignorancia, sou seguidor dos pensamentos de Cristo , de sua filosofia , do jeito como ele fazia o bem, mas a verdade é que a igreja tem dado um mal exemploo pior deles é a teologia da prosperidade , você é o que vocÊ tem, se vc não tem nada vc é um derrotado e isso tem entrado na mente das pessoas,deste modo os lideres em cima dos pulpitos prometem uma porçao de coisas para as pessoas ,brincado com a fé dos mais humildes, que acabam tirando de onde não tem para obter algo do Eterno, pregam uma fé baseada na troca, mas voltando ao natal esta data 25 de dezembro foi a antiga igreja quem decretou como sendo o dia do nascimento de Cristo, só porque nesta data eram comemoradas outras festas pagãs , e muitos dos novos cristao comemoravam pois fazia parte da cultura destes povos , entao eles mexeramos 'pauzinhos'' para atrair a atençao destes novos cristaos , ao invés de educa-los segundo o cristianismo mantendo a verdadeira data.

Responder

MAP em 03/01/2014 - 16h41 comentou:

Na Russia Cristã Ortodoxa o Natal (também comemorada na Sibéria…) é comemorado tradicionalmente no dia 6 da janeiro, se nao me engano. Se não me engano. Não sou o dono de nenhuma verdade, aos 50 anos. Sinto todavia que o Natal foi uma das maiores invençoes do ser humano, tudo aquilo que der esperança a um individuo, que venha lembra-lo que ele(a) pode se entender merecedor de receber e dar humanidade, solidariedade, possibilitar o sorriso de uma criança, com um ps4, um pedaço de salame, ou uma piada inocente, esta pessoa irá fazer o Natal de todos nós. Saberá disso, em seu íntimo, que faz parte de algo que realmente vale a pena. aos 50 anos, reflito que o orgulho e a vaidade é que nós levam , em nivel individual, a permitirmo-nos confundir. Natal meus caros quer dizer só o seguinte: 1. Voce pode acreditar em Deus se quiser. Primeiro, acredite em Deus. Como ele existe, aguarde, ele virá mostrar no seu coração que existe Esperança. O resto, terreno te será dado, não se preocupe, não tema. Pratique o bem. 2. O mundo não ai gostar disso e voce perceberá. Poderá eventualmente perder um emprego, não será mais convidado para aquela festa "do partido", eventualmente se verá de frente com um leão em uma arena de coliseu. Mas sabe de uma coisa? Isto também passará. 3. Ame ao próximo como a ti mesmo.Isso ficará. O Papai Noel da Coca-Cola passará. O Stalin passou, e ainda se comemora o Natal na Sibéria.(Falo desse mas tem desses em todos "os lados" ontem hoje e amanhã surgirão outros). Mais de 10 milhoes de pessoas foram atiradas à míngua, para provar o quê, eu estou certo, e voce, errado? Por isso, saúdo a todos nesse Natal, se tres pessoas em um mundo de 8 Bilhoes comemorarem um Natal de verdade, ainda há esperança para nós todos.

Responder

René Dubois Júnior em 05/12/2014 - 13h06 comentou:

Ótimo texto, que deveria ser divulgado todo ano, no início de dezembro, quando começam as imoralidades consumeristas e comerciais.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Como seria o Natal brasileiro se não fôssemos tão colonizados


Parece incrível, mas a única coisa que tem de legitimamente brasileira no Natal é a farofa. As outras “tradições” natalinas foram todas importadas e reforçadas pelo comércio para ganhar dinheiro. Como seria um Natal brasileiro…

Kapital

Horrores do capitalismo: escolas públicas dos EUA marcam crianças sem dinheiro pro lanche


No início de abril, a governadora do estado do Novo México, Susana Martinez, sancionou uma lei proibindo estigmatizar e expor as crianças que não têm dinheiro para a merenda, prática conhecida no país como lunch…