Socialista Morena
Politik

República dos meritocratas hereditários: “Fufuquinha” vira presidente da Câmara

Filho de prefeito, o presidente interino da Câmara dos Deputados é um dos 378 parlamentares que têm algum parentesco com políticos. Com o "mérito" do sobrenome, ele ocupa a partir de hoje um dos principais cargos do país

Foto: Lucio Bernardo Jr./Agência Câmara
Da Redação
28 de agosto de 2017, 16h24

Filho do prefeito de Alto Alegre do Pindaré, no Maranhão, o deputado federal André Fufuca (conhecido como “Fufuquinha”, já que Fufuca é o apelido do seu papai) torna-se a partir de hoje presidente da Câmara dos Deputados, em substituição a outro meritocrata hereditário, o presidente titular da Câmara, Rodrigo Maia, que também entrou na política pelas mãos do progenitor famoso, o ex-prefeito do Rio de Janeiro, César Maia. Como Rodrigo assumirá interinamente a presidência da República, Fufuquinha ocupará a presidência da Casa durante sete dias, até o retorno do primeiro vice-presidente Fábio Ramalho, que viajou com Temer à China.

Um levantamento feito pelo site Congresso em Foco este mês mostrou que pelo menos 378 parlamentares da Câmara e do Senado possuem laços familiares com outros políticos, de menor ou maior envergadura. Entre eles, ao menos 69 são de 33 famílias que ocupam, ao mesmo tempo, mais de uma cadeira no Congresso Nacional. São pais, filhos, casais, tios, sobrinhos, primos, cunhados e até ex-cônjuges unidos pelo exercício do mandato. O principal “mérito” destes políticos para serem eleitos representantes do povo, como Fufuquinha, é o sobrenome ilustre.

Fufuquinha e o “papi” no Mané Garrincha. Foto: reprodução

Com este “currículo”, o parlamentar maranhense ocupará um dos principais cargos do país em seu primeiro mandato como deputado federal, sem ter se destacado em nada até agora. O filho de Fufuca, que é médico, só ganhou algum espaço na mídia antes ao dar apoio irrestrito ao ex-presidente da Casa e atual presidiário Eduardo Cunha. Fufuquinha não votou na sessão que cassou o mandato de Cunha, mas não gostou quando o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) disse que ele chamava o ex-presidente de “papi”. Por sua proximidade com o parlamentar preso, Fufuquinha também era carinhosamente chamado pelos maranhenses de “Fufucunha”.

Em junho do ano passado, enquanto era titular do Conselho de Ética que iria julgar Cunha, o deputado foi acusado de pagar 92 mil reais a uma empresa ligada à publicitária Danielle Dytz da Cunha Doctorovich, filha do então presidente da Câmara, entre abril de 2015 e março de 2016. Na época, Fufuquinha afirmou ter chegado à empresa sozinho, sem ajuda de Cunha ou interferência de sua filha. Em tempo: Fufuquinha votou em favor da absolvição do deputado Eduardo Cunha no Conselho de Ética.

Aos 28 anos, Fufuquinha, que chegou ao poder sem ter feito esforço algum, é um legítimo representante da geração “leite com pera” no poder.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Lázaro Roberto de Menezes em 29/08/2017 - 10h57 comentou:

Enquanto isso, o Maranhão continua sendo o estado mais miserável do Brasil…

Responder

    Sergio em 29/08/2017 - 15h52 comentou:

    Pobre povo da Maranhão sem opção! Ou nas mãos da olicarquia dos sarneys ou do PC do B. Se correr o bicho pega e ficar…

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Em um ano, Dilma foi inocentada pelo menos cinco vezes das acusações do impeachment


As sucessivas absolvições de Dilma comprovam que o real objetivo do golpe era tirá-la do cargo para “estancar a sangria", “botar o Michel, num grande acordo nacional”, "com o Supremo, com tudo"

Politik

Kátia Abreu acusa ministro da Justiça de pressioná-la para manter no cargo “grande chefe”…


Por Katia Guimarães* A senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) afirmou ter sofrido pressão de dois deputados federais, entre eles o atual ministro da Justiça do governo Temer, Osmar Serraglio (PMDB-PR), para manter no ministério da Agricultura…