Socialista Morena

vejaestatinas

Cynara Menezes
22 de janeiro de 2015, 19h06


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Arthur F. em 28/01/2015 - 16h26 comentou:

Belo testo Cynara Menezes,

Infelizmente as estatinas são só a ponta do iceberg. O problema vai desde o começo até o final do sistema de publicação e produção científica. Iniciando em como os trabalhos são financiados, passando pela carência de aplicação do método científico apropriado, do método de publicação de revistas especializadas e por fim da divulgação científica. Cada ponto no processo pode ser fragilizado por desvios de conduta, e arrisco me a dizer que a maioria se encontra bastante desviado do que deveria ser. Livros como Selling sickness (Ray Moynihan e Alan Cassels) e talks como o de Ben Goldacre "Battling bad science" ilustram bem as carências de confiabilidade que da produção de medicamentos por grandes corporações. É triste saber que somos tão reféns do capital.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Carlinhos Marighella: “vejo a História se repetir em círculos; vejo o mesmo contexto pré-1964”


Para filho do líder guerrilheiro, Bolsonaro é o resultado de o Brasil não ter sepultado a ditadura militar "por medo"

Cultura

Encontros surpreendentes: Allen Ginsberg & The Clash


O poeta beat fez algumas parcerias com a banda punk, como no poema Capitol Air, de 1981