Socialista Morena
Mídia

Apoiada por Sérgio Moro, Gazeta do Povo inicia ofensiva contra Sleeping Giants Brasil

Após mais de 15 empresas prometerem cortar anúncios, jornal tenta criminalizar ativistas que pressionam pela demissão de Constantino

Imagem: divulgação
Da Redação
12 de novembro de 2020, 21h39

Depois que mais de 15 empresas, entre elas Arezzo, Boticário, Alegra Foods e Outback prometeram que não vão mais anunciar no jornal, a reacionária Gazeta do Povo, de Curitiba, iniciou uma forte ofensiva contra o movimento Sleeping Giants Brasil nas redes sociais. O Sleeping Giants promove pressão no twitter sobre empresas para que não se associem a influencers ou veículos envolvidos em fake news ou que propaguem homofobia, machismo e racismo. Um dos principais alvos do grupo no país é o guru do bolsonarismo, o “filósofo” Olavo de Carvalho, que já perdeu mais de 250 financiadores desde que o Sleeping Giants começou a atuar no Brasil.

Da noite de quarta, 11, para quinta-feira, 12 de novembro, o centenário jornal curitibano, assumidamente conservador e hoje dominado por uma família ligada à Opus Dei, disparou mais de 40 tweets contra o Sleeping Giants Brasil, a quem chama de “milicianos digitais”. O jornal obteve o apoio, na rede social, do ex-ministro da Justiça de Bolsonaro, Sérgio Moro.

A Gazeta do Povo tornou-se alvo do grupo ao decidir manter, entre seus colunistas, o extremista de direita Rodrigo Constantino, que declarou em vídeo: “Se minha filha chegar em casa –e eu dou uma boa educação para que isso não aconteça, mas a gente nunca controla tudo–, se ela chegar em casa um dia dizendo ‘pai, fui numa festinha e fui estuprada’, vou pedir as circunstâncias. ‘Fui para uma festinha, eu e três amigas, tinha 18 homens, nós bebemos muito e eu estava ficando com dois caras e acabei dormindo lá e fui abusada’, ela vai ficar de castigo feio. Eu não vou denunciar um cara desses para a polícia, eu vou dar um esporro na minha filha”.

A declaração, vista como apologia ao estupro, caiu muito mal para Constantino e ele foi demitido da Jovem Pan e outros veículos nos quais colaborava, mas não da Gazeta.

Além disso, Constantino, contumaz propagador de fake news, já publicou notícias falsas na própria coluna que mantém na Gazeta do Povo. Ou seja, ao mantê-lo no jornal, o veículo virou alvo em dobro dos ativistas digitais: tanto pelo machismo quanto pelas fake news. Nem mesmo o apelo de uma carta assinada por 120 funcionários da redação apelando pelo desligamento do colunista foi suficiente para demover a direção, que disse ter aceitado as explicações de Constantino.

No twitter, o Sleeping Giants está marcando empresas para que deixem de anunciar na Gazeta como forma de pressão pela demissão de Constantino, contra quem usam a tag #DemiteConstantinoGazeta desde a divulgação do vídeo, na semana passada. Eles então divulgam a resposta das empresas que cederam à pressão, como a Heinz e a Credicard, que prometeram não anunciar mais na Gazeta do Povo.

No editorial, a Gazeta defende que o que os ativistas estão fazendo é “linchamento virtual” e tenta criminalizar o grupo, afirmando que sua atuação seria “inconstitucional” porque o artigo 5º da Carta garante a “livre manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”. “O anonimato no qual se esconde o Sleeping Giants é uma característica particular dos linchamentos virtuais de hoje; é a arma conveniente dos covardes para estimular os justiçamentos online e chantagear empresas”, diz o texto.

O anonimato dos perfis é uma das características do movimento nos EUA, França, Alemanha, Suécia e em pelo menos outros 10 países. Logo que surgiu no Brasil, o grupo incomodou os bolsonaristas, que, segundo o site The Intercept Brasil, acionaram a Polícia Federal para descobrir quem seriam os donos do perfil. O Intercept descobriu ainda que o delegado que investigou o grupo é cunhado de um blogueiro chapa-branca do presidente. A disputa com um dos pilares midiáticos do bolsonarismo deve reacender a sanha da extrema direita judicial para cima do perfil –ainda mais agora, com o apoio de Moro.

Ao mesmo tempo que se queixa de ter sua liberdade expressão atacada, a Gazeta, que não existe mais diariamente em papel desde 2017, quando sua circulação, em queda livre havia duas décadas, tinha minguados 33 mil exemplares, e que cancelou em agosto a edição semanal, está aproveitando para promover uma campanha por novos assinantes digitais.

O perfil Sleeping Giants Brasil está defendendo sua atuação no twitter dizendo que não há ataque à liberdade de expressão. “A Gazeta do Povo tem o direito de manter o colunista que culpabiliza a vítima de estupro, assim como seus anunciantes, empresas privadas, também têm o direito de repudiar a decisão do jornal e por isso o Sleeping Giants Brasil resolveu ouvi-las sobre o caso. Isso é censura?”, pergunta o grupo.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

PAULO ROBERTO MARTINS em 13/11/2020 - 12h08 comentou:

Curitiba,sempre Curitiba.Aliás,não…sempre do Paraná.Incrivel como uma terra juntou todo o lixo reacionário do Brasil e sempre está à frente de qualquer entrevero direitista.Somam-se aqueles gaúchos emigrantes reacionários que colonizaram seu oeste,com emigrantes fascistas da europa,como russos brancos,ucranianos colaboracionistas,italianos metidos a romanos e alemães nazistas que ainda se consideram uma raça superior.Mete tudo isso numa batedeira e o suco resultante é o … paranaense.Morei lá e digo que é complicada esta gente.Raras e honrosas exceçoes,como o Requião,o Henry Bugalho e outros poucos.Acham-se o supra sumo do “sul maravilha”,branco,capitalista,cristão e tradicionalista.Povo de panacas!

Responder

Eduardo em 13/11/2020 - 12h55 comentou:

Cynara, não é só a Gazeta do Povo que partiu para o ataque. Aqui em SC, o Grupo ND (dono da NDTV e do Jornal Notícias do Dia), ligado à Rede Record e bolsonarista até o pescoço, pôs seus colunistas a atacar o Sleeping Giants na TV e no jornal, já que também insistem em manter o R. Constantino no seu time de colunistas.

Responder

Bernardo Santos Melo em 14/11/2020 - 01h47 comentou:

Neofascismo anti democrático , evidência clara da crise do Capital Financeirizado e extremamente concentrador de renda .
Sleeping Giants , o superego do Mercado causa questionamentos dos agentes incrédulos da ética , da precarização do trabalho e principalmente aos descrentes na DEMOCRACIA SOCIAL , empresas como HAWAN e seu Véio indecoroso são exemplos do escárnio capitalista fakeado , mas a repulsa dos totalitários desavergonhados não serão atendidas , mesmo que o Marreco do deep state tente defender o indefensável .

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Mídia

Revista da Universidade de Columbia detona El Pais por cobertura da crise catalã


Jornal espanhol é acusado de censurar artigos críticos ao governo, demitir colunistas e de ter se tornado chapa-branca para conseguir renegociar sua dívida bilionária

Politik

O machão e o machista


Fecho os olhos e tento lembrar da primeira vez que percebi alguém de outro sexo diante de mim. Teria seis, sete anos, não sei. Sei que senti algo de diferente nele, de estranho. Não importa…