Socialista Morena
Trabalho

As 129 mulheres que morreram para que ganhássemos rosas no Dia da Mulher

No dia 25 de março de 1911, cerca de 600 operários e operárias de uma fábrica de roupas de Nova York, nos Estados Unidos, estavam trabalhando, em pleno sábado à tarde, quando começou um incêndio no prédio. Os donos da Triangle Shirtwaist Factory já possuíam um histórico de incêndios suspeitos, possivelmente para ganhar o dinheiro […]

Cynara Menezes
08 de março de 2015, 16h17
triangle

(Trabalhadoras da indústria do vestuário na greve de 1909)

No dia 25 de março de 1911, cerca de 600 operários e operárias de uma fábrica de roupas de Nova York, nos Estados Unidos, estavam trabalhando, em pleno sábado à tarde, quando começou um incêndio no prédio. Os donos da Triangle Shirtwaist Factory já possuíam um histórico de incêndios suspeitos, possivelmente para ganhar o dinheiro do seguro. Dois anos antes, a fábrica havia sido um dos principais alvos da greve dos trabalhadores da indústria do vestuário, liderada por mulheres do Sindicato de Trabalhadoras dos EUA, com a ativista de origem ucraniana Clara Lemlich à frente. O movimento pedia melhores salários, jornada de 10 horas por dia (em vez de 12) e igualdade entre homens e mulheres.

herald

O fogo na Triangle colocou a nu as péssimas condições de trabalho das costureiras e costureiros, em sua maioria mulheres e meninas imigrantes russas, italianas, alemãs e húngaras, que mal falavam o inglês. Havia até mesmo crianças de 12 anos de idade. Movidos pelo pânico com o fogo que se alastrava, os jovens tentaram escapar do edifício de qualquer maneira, mas as saídas de incêndio estavam trancadas por fora. 143 trabalhadores morreram, 14 homens e 129 mulheres. 49 não resistiram às queimaduras ou foram sufocados pela fumaça, 36 morreram no poço do elevador e 58 por pular do edifício. Dias depois, milhares de pessoas iriam acompanhar o funeral das vítimas ao longo da Quinta Avenida, em Nova York. Apesar dos indícios de que o incêndio fora criminoso, a Justiça absolveu os proprietários da fábrica.

corpos

O Incêndio da Triangle Shirtwais Factory, como passou à história, é tido como o mais mortal acidente de trabalho da história de Nova York e resultou em modificações nas leis trabalhistas norte-americanas. Embora a origem exata do Dia Internacional da Mulher seja controversa, a morte das trabalhadoras da fábrica é sempre lembrada como um dos eventos que o motivaram. As 129 mulheres e meninas se tornaram símbolo deste dia. Com o movimento socialista que já agitava a Europa no começo do século, março se fortaleceu como o mês da luta pela emancipação da mulher, com datas variáveis. Presume-se que acabou se tornando dia 8 porque um dos primeiros, em 1914, caiu num domingo, como hoje.

Cada vez que você der uma flor para uma mulher no Dia Internacional da Mulher, lembre-se das meninas e mulheres da Triangle e de como eram as condições de trabalho no mundo antes que o socialismo as expusesse e protestasse contra elas. Cada vez que você receber uma flor no Dia Internacional da Mulher, aspire seu aroma, lembre de quantas mulheres até hoje são vítimas da exploração no trabalho, do assédio moral e dos baixos salários e reflita que, enquanto ainda for preciso um dia da mulher, este continuará a ser um dia de luta.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(20) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Adriano em 08/03/2015 - 22h59 comentou:

Que coisa horrível que aconteceu com elas! Parece o que volta e meia acontece na China governada pelo Partido Comunista Chinês, onde incêndios matam operários explorados à exaustão e presos em fábricas sufocantes. Já naquela época, a imprensa LIVRE dos EUA (nem tão livre, ok, mas muito menos cerceada do que a da URSS ou de qualquer regime socialista da História) publicava o fato terrível do incêndio e as condições que cercaram a tragédia. Quantos incêndios deste tipo, em condições até mais injustas e sub-humanas, devem ter ocorrido no início da industrialização na URSS, na China, em Cuba, na Coreia do Norte, na Albânia e em todo o então chamado Bloco Socialista, e que nós nunca chegamos e nem chegaremos a saber porque só se publicava o que o governo, o Estado e o Partido queriam ou permitiam????

Responder

    morenasol em 09/03/2015 - 15h15 comentou:

    adriano, você parece uma pessoa educada e seus comentários são bem-vindos. apenas peço que evite agredir as outras pessoas chamando de "bobo", "cego", "mané". é possível transmitir os próprios pensamentos sem agredir outros. além disso, são meus leitores e exijo respeito a eles

    Ariane em 10/03/2015 - 12h04 comentou:

    Bela matéria, desconhecia o fato. Realmente dia a dia temos que lutar pelos nossos direitos, e pelos direitos de quem não tem condições de lutar por eles!
    Mas devo concordar com o Adriano (não encontrei nenhuma agressão a ninguém em seu texto), independente do sistema político sempre existirá exploração dos mais "fracos" pelos mais poderosos, e sempre devemos estar atentos e lutar por melhores condições.

    Victor em 13/03/2015 - 07h58 comentou:

    Pois é Adriano. UM desafio para vc. Eu declaro que sou comunista. Voce declara que é nazista. Topa? Se aceita diga: "eu sou um nazifascista". Bom ai eu te digo eles não aceitam latinos assim, vc vai estar órfão pois nem os anglosaxônicos te levam em consideração. Assim, vc esta duplamente órfão e luta por uma causa que não vai poder aderir. Acorda!

    Che em 08/03/2018 - 09h51 comentou:

    As maiores desgraças, injustiças e barbaridades nesse mundo foram causadas pelo capitalismo e pelo seu maior representante, os estados unidos, provocando não so a morte dessas melhores e homens dessa fábrica, mas de milhões pelo mundo, mas se mostram os justos e defensores da liberdade, porém disso não tem é nada. Como se pode dizer que existe isso no capitalismo? Sociedade truculenta, opressora, desonesta, mentirosa, como essa ,nunca ira existir na face da terra, so no período da ditadura civil militar na América latina mataram milhares, imagina durante toda sua existência e no planeta todo. Sociedade atrasada injusta e podre esse tal capitalismo e seus representantes e seu maior representante, ou seja, os estados unidos, mentir é o mínimo que fazem.

Orlando em 09/03/2015 - 16h29 comentou:

Motivado pelo Adriano vou assinar essa publicação . Me parece ser independente e não seguir a linha da revista veja e outras vendidas..do gênero.

Responder

Fernando Gil em 08/03/2018 - 10h19 comentou:

Essa informação do incêndio confere mesmo, tem base?
O dia da mulher não teria sido criado por deliberação da internacional socialista, em 1910, portanto um ano antes dessa tragédia, por proposta das militantes Clara Zetkin e Alexandra Kollontai?
De fato um incendio horroroso e a confecção ao que parece ocupava os últimos andares do prédio de 10 andares. Porém antes de uma aberração facicapitalista, é preciso ter em mente que havia pouco cuidado e controle com segurança do trabalho naquela época. O vício do tabaco aliado a grande quantidade de materiais comburentes talvez deva ter sido uma das causas. O prédio era novo, mas como disse não haviam preocupações com desastres. Relatos dos bombeiros locais, que chegaram, rapidamente ao local, indicam que houve falha no alerta a um dos andares.
Assim, mesmo que as controvérsias indiquem que esse horrível acidente tivesse algum vínculo a data, me parece carecer de base e segue mais na narrativa de exacerbar uma odiosa opressão que não existe. Ao passo que a criação do mito igualdade para mulher se justificaria em um congresso da Internacional Socialista.

Às mulheres eu diria:
Liberdade é escolha e não garantia do que quer seja. Apenas escravos têm garantia.

Responder

    Cynara Menezes em 08/03/2018 - 17h47 comentou:

    o texto diz que a origem da data é controversa, não diz que surgiu a partir do incêndio

Fernando Gil em 08/03/2018 - 11h24 comentou:

Essa informação do incêndio confere mesmo, tem base?
O dia da mulher não teria sido criado por deliberação da internacional socialista, em 1910, portanto um ano antes dessa tragédia, por proposta das militantes Clara Zetkin e Alexandra Kollontai?
De fato um incendio horroroso e a confecção ao que parece ocupava os últimos andares do prédio de 10 andares. Porém antes de uma aberração facicapitalista, é preciso ter em mente que havia pouco cuidado e controle com segurança do trabalho naquela época. O vício do tabaco aliado a grande quantidade de materiais comburentes talvez deva ter sido uma das causas. O prédio era novo, mas como disse não haviam preocupações com desastres. Relatos dos bombeiros locais, que chegaram, rapidamente ao local, indicam que houve falha no alerta a um dos andares.
Assim, mesmo que as controvérsias indiquem que esse horrível acidente tivesse algum vínculo a data, me parece carecer de base e segue mais na narrativa de exacerbar uma odiosa opressão que não existe. Ao passo que a criação do mito igualdade para mulher  se justificaria em um congresso da Internacional Socialista.

Às mulheres eu diria:
Liberdade é escolha e não garantia do que quer seja. Apenas escravos têm garantia

Responder

maria em 08/03/2018 - 11h32 comentou:

bom , o aprtido socialista e que ficou dos lados das mulheres q foram massacradas no incendio , os patroes nao eram socialista s, com certrza seriam fascistas ,nazistas , essas coisas imundas, agora comparar o socialismo com paises dito socialistas ams q nao sao , é um pouco demais , os hominhso q aqui tc com suas ideias suja s, nazistas afscistas ,toratas querem atribuir as coisas ruins mesmo sabendo q nao é , ao socialismo ,mas o socialimso nao colocou fogo na fabrica ,

Responder

Julia em 20/05/2018 - 16h10 comentou:

Gente, não é por nada não, mas há fontes desse incêndio e da característica criminosa do incêndio? tô MTO interessada

Responder

Vanessa Prado em 02/03/2020 - 03h47 comentou:

Nossa que tristeza essa história eu não sabia que tinha acontecido isso esse incêndio que motivou a mortes dessas mulheres trabalhadoras eu chorei ao ler 😔😩 muito muito triste nossa coração partido .

Responder

Robert em 08/03/2020 - 09h54 comentou:

“”Uma manifestação espontânea — levada a cabo por trabalhadoras do setor têxtil da cidade de Nova York, em protesto contra os baixos salários, contra a jornada de trabalho de 12 horas e o aumento de tarefas não remuneradas — foi reprimida pela polícia de uma forma brutal (8 de Março de 1857). Muitas jovens trabalhadoras foram presas e algumas esmagadas pela multidão em fuga. Cinquenta anos mais tarde, no aniversário dessa manifestação, esse dia é declarado, em sua memória, o Dia Internacional da Mulher.” (Temma Kaplan, On the socialist origins of International Women’s Day, Feminist studies 11, n.º 1, 1985, p. 163)”

Responder

Jorge Gregorio em 08/03/2020 - 11h43 comentou:

ADRIANO, Tentar distorcer fatos com jogos de palavras, é também uma tática capitalista. Portanto, senhor…cale-se. Respeite as mulheres a sua data comemorativa.

Responder

Franco Araujo em 09/03/2020 - 03h21 comentou:

Obrigado pela informação. Eu sempre quis saber o que levou a ser comemorado no dia 08 (oito), vez que a ocorrência foi no dia em 25 (vinte e cinco). Ainda acho inadequado, mas o importante é não esquecermos.

Responder

Alessandra em 09/03/2020 - 08h04 comentou:

Olá! Não gostei do título da matéria. Essas mulheres não morreram para que ganhassemos rosa (isso é ridículo), mas sim por lutarem pelos direitos delas. O que incentivou outras mulheres fazerem o mesmo.
Mas é bom ter cuidado nos títulos das matérias para não passar uma ideia de sensacionalismo barato. Quem lê só o título já causa estranheza!

Responder

Sergio Ricardo de Souza em 09/03/2020 - 14h16 comentou:

Com todo respeito ao contraditório, li uma outra fonte diferente da postagem.

https://www.google.com/amp/s/www.radioculturafoz.com.br/2016/03/08/8-de-marco-conheca-a-historia-do-dia-internacional-da-mulher/amp/

Responder

    Cynara Menezes em 09/03/2020 - 14h20 comentou:

    esta não é a história do dia internacional da mulher. não há uma história só

Elza barros em 09/03/2020 - 20h44 comentou:

Triste, mais triste é os donos não serem condenados, eu não sabia da verdadeira história do dia 8 de março,

Responder

Zilton Rocha em 13/03/2020 - 22h20 comentou:

Busquem aí o Capítulo X do livro: História da Riqueza do Homem de Leo Huberman, que está digitalizado, e vocês entenderão o que é e como o capitalismo agiu para que uma minoria cada vez mais ínfima acumule riqueza e mais riqueza a tal ponto que chegamos aos nossos dias com algumas pessoas (em 2016, 8 indivíduos tinham mais riqueza do que metade da humanidade!!! Carta Capital de 25-1-2017 Os 8 homens mais ricos do mundo).

No Capítulo X de Hist. Riq. do Homem há uma tabela que diz:
Distribuição das crianças empregadas segundo a idade que é assim:

Idade número de crianças
2 – 3 anos 2
3- 4 anos 2
4 – 5 anos 8
5 – 6 anos 2
6 – 7 7
7 – 8 13 e segue a lista…

Achei os comentários interessantes principalmente pela honestidade de algumas pessoas ao dizerem que gostaram da matéria pois não tinham nenhuma informação sobre a causa da origem do Dia da Mulher. Parabéns a Cinara e a todas/os. Espero ter colocado uma pimentinha nesse molho, nesse debate tão oportuno e necessário.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Trabalho

Agenda cultural Socialista Morena: estréia Sacco & Vanzetti, a peça, no Rio


No dia 15 de abril de 1920, dois ladrões armados invadiram uma fábrica de calçados na cidade norte-americana de Braintree, Massachussetts. O caixa e o vigilante morreram baleados. Semanas mais tarde, em 5 de maio,…

Feminismo

A médica holandesa que envia Cytotec pelo correio a grávidas com zika


Rebecca Gomperts se especializou em aborto cirúrgico e criou um barco para fazer aborto na costa de países onde a prática é ilegal