Socialista Morena
Cultura

Os pais dos desenhos animados são quase todos idiotas –mas os homens nem ligam

Se tem uma coisa que me intriga é como não incomoda os homens que praticamente todos os pais dos desenhos animados sejam completos imbecis. Imaginem se fizessem isso com as mulheres: se todas as mães dos desenhos que nossos filhos assistem fossem burras, preguiçosas, desastradas e inúteis. Ia ser uma gritaria danada das feministas, com […]

Cynara Menezes
14 de outubro de 2016, 18h23
gumball

(A família de Gumball: a mãe Nicole e as crianças Anais, Gumball e Darwin; além do pai, Ricardo, dormindo)

Se tem uma coisa que me intriga é como não incomoda os homens que praticamente todos os pais dos desenhos animados sejam completos imbecis. Imaginem se fizessem isso com as mulheres: se todas as mães dos desenhos que nossos filhos assistem fossem burras, preguiçosas, desastradas e inúteis. Ia ser uma gritaria danada das feministas, com razão. Mas os homens aparentemente nem ligam de ser retratados de forma depreciativa, um anti-exemplo para as crianças em termos de figura masculina. Por que será?

Quem acompanha a nova safra de desenhos sabe do que estou falando. O caso mais recente de “pai idiota” é Ricardo, de O Incrível Mundo de Gumball, desenho superdivertido do canal Cartoon Network. Sim, Ricardo é amoroso e doce com os filhos Gumball, Darwin e Anais. Mas, ao mesmo tempo, é infantilizado até na voz, uma criança a mais da qual a mãe, Nicole, tem de cuidar. E não é por que Nicole trabalha fora e Ricardo toma conta das crianças que o torna um mané, mas o fato de ele ser uma pessoa adulta sem nenhum discernimento ou responsabilidade –por sinal, Ricardo aparece quase sempre dormindo no sofá, com a baba escorrendo pelo canto da boca, enquanto cuida delas.

ricardo

Um clássico do “pai idiota” dos desenhos animados é, claro, Homer Simpson. Todo mundo já conhece a peça, famosa por dizer a frase “quando eu cheguei já estava assim” para se defender das burradas que apronta. Homer é um péssimo pai, capaz de esgoelar o filho Bart quando ele, na verdade, repete suas molecagens. Não sabe nem sequer como se chama a filha mais nova, Maggie. Homer é tão idiota que virou parâmetro para o jornalismo da rede Globo: em 2005, o professor Laurindo Leal Filho revelou que o Jornal Nacional só transmite o que “os Homers”, como o telespectador médio do noticiário global era definido por William Bonner, é capaz de entender.

homerpizza

O mais interessante é que, em contraponto ao pai inútil, todas as mães são sensatas, inteligentes e responsáveis. Nicole, a mãe de Gumball, tem que estar sempre de olho no marido e por isso vive estressada. Sem Marge, a mulher de Homer, provavelmente os Simpsons já teriam sido presos e as crianças, dadas para adoção. E não são só os pais e maridos que são idiotas: a maior parte das figuras masculinas dos desenhos animados seguem os instintos enquanto as mulheres usam o cérebro. Anais, de Gumball, é a inteligente da casa; Lisa, de os Simpsons, idem. Clarêncio, o Otimista, coitado, é quase naïf; o Titio-Avô é um adorável paspalhão.

titioavo

A estrela-do-mar Patrick é talvez o personagem mais burrinho dos desenhos animados; o próprio Bob Esponja, protagonista do desenho, não é lá estes gênios todos, né? Já o esquilo Sandy Bochechas é espertíssima, luta karatê e é uma grande inventora.

bobesponja

É preciso lembrar que nem sempre as séries televisivas e os desenhos animados retrataram os homens como idiotas. Taí o número absurdo de super-heróis do sexo masculino que não me deixa mentir. Houve uma involução. Na minha primeira infância, as famílias das séries que eu assistia na TV eram formadas por pais e mães igualmente inteligentes e sensatos. Lembro de Perdidos no Espaço e Elo Perdido, sitcoms familiares dos anos 1970.

Ao que tudo indica, esta tendência de transformar o elemento masculino no idiota da turma começou com Al Bundy (Ed O’Neill), do seriado Married… with Children (Um Amor de Família no Brasil), de 1987, transmitido pela mesma Fox dos Simpsons, que estrearia dois anos depois, em 1989. O beberrão Bundy, além de tudo, é machista, ao contrário de Homer. Mas é um idiota igual –um idiota hilário, mas idiota.

bundy

Será que estes pais imbecilizados dos desenhos não terão alguma influência sobre esta geração de jovens do sexo masculino imbecilizados que vemos nas redes sociais? Meninos que só se preocupam em “zoar”? Não sei. Mas estes pais da ficção são inegavelmente significativos da paternidade, ou Homer não teria vencido uma pesquisa em 2012 no Reino Unido como “melhor exemplo de pai” (além de pai “mais embaraçoso” e “mais engraçado”).

Outra pesquisa feita em 2013 pelo site britânico Netmums revelou que 93% dos pais acham que a programação infantil não representa os pais da vida real. “Programas de televisão, livros e propaganda que depreciam os pais estão arruinando a percepção das crianças sobre a paternidade”, diz o site. Quase metade dos pais pesquisados (46%) dizem que desenhos animados como Peppa Pig, Simpsons e até mesmo os Flintstones mostram os pais como preguiçosos ou estúpidos.

“Cerca de um terço dos pais (28%) acham que isso é ‘uma forma sutil de discriminação contra os pais’, enquanto 18% foram mais incisivos, dizendo que esta programação faz as crianças acreditarem que os pais são ‘inúteis’ desde a mais tenra idade e que seria ‘um escândalo’ se isso fosse feito contra as mães.”

Não é verdade? Por que será que os pais não reclamam? Vejo tantos homens evoluindo como pais, se dedicando a modificar o papel que o pai sempre teve na família, mas não vejo preocupação deles sobre o conteúdo dos desenhos que seus filhos assistem como certamente aconteceria fosse com as mulheres. Será que acham que é só “engraçado”? Será que faz parte do perfil masculino não se importar com este tipo de coisa? A impressão que eu tenho é de que os homens não gostam de parar para pensar sobre si mesmos. Ou será que os homens possuem uma capacidade maior de rir de si próprios do que as mulheres?

Gostaria de ouvir algumas opiniões.

Um novo estudo, conduzido por Savannah Keenan, pesquisadora da Brigham Young University, nos Estados Unidos, mostra que 40% dos sitcoms para pré-adolescentes da Disney apresentam a figura paterna de forma depreciativa, “de maneira ridícula ou risível”. A cada 3,24 minutos um pai age como idiota nestes programas. A dúvida da pesquisadora é a mesma que a minha: será que estes programas não estão afetando a forma como as crianças do sexo masculino veem seus pais e consequentemente a eles mesmos?

“Nós sabemos como os pais são representados negativamente pela mídia”, disse Savannah em entrevista ao blog da BYU. “Mas não temos muitas pesquisas sobre como estes programas afetam na vida real o comportamento e as atitudes das crianças. Acho que a coisa mais importante que precisamos saber agora é: como isto está afetando nossos filhos? Se os programas de televisão estão retratando os pais como incompetentes –especialmente quando estão direcionados a um grupo em idade tão sensível quanto os pré-adolescentes– o que estas crianças vão pensar sobre seus próprios pais?”

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(14) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Riciane em 24/09/2017 - 11h43 comentou:

Talvez estejam certos mas isso naoi vai mudar pois a figura masculina nos desemnhos animados sao reprrsentados como idiotas enquanto as mulheres sao inteligentes fortes e trabalhadoras

Responder

Anderson Pedro Silva em 02/11/2017 - 15h17 comentou:

“Os homens nem ligam”? Isso é genralizante demais. Eu ligo, já ligava e agora que sou pai isso me incomoda mais ainda. Imagino que a maioria tá nem aí, mas penso que muitos se sentem como eu.

Responder

Rafael em 07/11/2017 - 21h11 comentou:

Eu acho que não é bem assim, em os padrinhos mágicos tanto o pai quanto a mãe de thimmy são idiotas e ninguém nem liga, em the lound house tbm a mesma coisa e mais antigamente o Dexter tinha pais idiotas (a mãe era mais).

Responder

Luciano em 25/10/2018 - 21h28 comentou:

Pela primeira vez concordo com você Cynara!

Responder

Emerson Silva Lopes em 17/08/2020 - 19h12 comentou:

O texto comenta sobre o Papai Pig e Fred Flintstone como exemplos de pais “idiotas” da ficção. Mas olha, o Fred não é idiota, e sim cabeça dura. E o Papai Pig é o melhor deles! É um ótimo pai, amoroso, dedicado e nada burro, apesar de atrapalhado.
Em comédia, um lugar comum universal é a gozação em cima das clássicas “figuras de autoridade”, como policiais, políticos, professores e…pais.
Se a repetição dessa piada nas séries e animações seria prejudicial à percepção dos pequenos a longo prazo, não saberia dizer num primeiro momento. Mas a princípio acho que é algo a se observar.

Responder

Jeferson em 21/08/2020 - 00h42 comentou:

Essa visão do pai idiota, pra mim, só espelha a realidade. Além do meu pai biológico, convivi com um padrasto da pré adolescência ao começo da vida adulta, e as duas experiências foram péssimas pra mim, assim como vejo o quanto elas são negativas para outras pessoas também, pois quase todo problema dentro de casa é culpa de um pai burro e ignorante.

Todos os autores dos desenhos citados são homens, isso pra mim soa como um alívio “vingativo”, como se os autores quisessem se vingar talvez da figura de seus pais, e eu se fosse autor, faria novamente um pai idiota.

Responder

Pobretano em 24/08/2020 - 15h29 comentou:

Ainda bem que o Will Smith, de Um Maluco no Pedaço, pensa diferente de você.

O rancor é tão grande que, em vez de você idealizar um pai bom que não teve, prefere idealizar que todos os pais são babacas. Parabéns, quero ver se seu possível futuro filho terá um exemplo de pai babaca para continuar a “vingança”.

Responder

Flor em 28/09/2020 - 08h07 comentou:

Cheguei ate este post por cansar de ver que a maioria dos desenhos que meu filho de 6 anos gosta todos os personagens masculinos são idiotas.Não são só os pais que são mas todos os meninos.Isso me incomodou que fui procurar na rede se mais alguem via isso.
Empoderar as meninas não quer dizer bestilizar os meninos.
Uma coisa é fazer de todos eles seres masculinos que respeitam o feminino e outra bem diferente é fazer dos meninos acéfalos.

Responder

    Cynara Menezes em 28/09/2020 - 20h15 comentou:

    é muito ruim isso

Fabio Burch Salvador em 19/11/2020 - 01h55 comentou:

Na verdade, nós ligamos – não são só os pais: os homens, em geral, vêm sendo retratados como idiotas, secundários, fracos e incompetentes em todo tipo de mídia. E há quem reclame mas, tanto as administrações de redes sociais como órgãos de supervisão da publicidade e da mídia INDEFEREM esses pedidos de providências. Na visão dessa gente, sexismo só existe se for contra as mulheres. O contrário, eles liberam.

Responder

Naiury Suellen Rodrigues Delgado em 09/01/2021 - 13h54 comentou:

Eu vim atrás deste post por partilhar da mesma opinião de quem o fez, eu fico inconformada com a inutilidade que os desenhos passam da figura paterna, fico cada vez mais desconfortável todas as vezes que assisto Peppa por conta da minha filha, o desenho tem alguns pontos fortes más retrata o pai como um “otário” eu as vezes penso sobre a alienação que a televisão faz sobre a gente e se talvez isso não tenha alguma coisa por trás desses desenhos…

Responder

Carol Santos Melo em 07/02/2021 - 13h33 comentou:

Achei este texto por acaso. Bem, me incomoda sim os pais serem retratados como imbecis. Mas não tem só exemplo ruim.
O pai das Meninas Superpoderosas é super inteligente, um paizão. O que mais me aborrece é que vejo que de forma geral, filmes e desenhos estimulam as crianças a verem seus pais como ultrapassados e questionar seus ensinamentos. O mocinho ou mocinha adolescente sempre vence após desobedecer os pais. Em alguns outros os pais sequer existem. A maioria dos heróis ou heroínas são órfaos. Reparem bem. Os desenhos da Disney, por exemplo, só tem tios e tias. Me parece ser algo orquestrado sim. Tenho medo que as crianças aprendam a desvalorizar e descartar os conhecimentos acumulados. A evolução da humanidade só é possível com o aprimoramento daquilo que já construímos e a sabedoria daqueles que viveram mais e podem nos contar sobre o que deu errado no passado.

Responder

Aline em 23/02/2021 - 20h32 comentou:

Isso sempre me deixava intrigada. Pesquisando sobre o assunto no Google, me deparei com este site. Colocações bacanas!

Responder

Renato Carvalho em 04/04/2021 - 12h14 comentou:

Ontem estava conversando sobre isso com minha filha de 24 anos , por ser um pai e um avô sempre presente, acompanhou o que meus filhos viam é a hora o que meu neto vê. E achei esquisito isso de a maioria dos pais serem retratados como idiotas na maioria das mídias! Bem incomodo. Ótimo texto

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Milo Manara: “os que condenam o erotismo muitas vezes são abusadores na intimidade”


O quadrinista italiano fala sobre as acusações de machismo e por que não acredita na homossexualidade de seu biografado Caravaggio

Feminismo

Companheira de presidente eleito do México considera termo “primeira-dama” classista


Beatriz Gutiérrez pede que a chamem "Beatriz, nada mais"; presidente eleito anunciou gabinete metade masculino, metade feminino