Socialista Morena
Mídia

Ataque ao discurso de Lula na ONU mostra que o Estadão mantém flerte com a extrema direita

Não devemos subestimar a força das ideias da direita e da extrema direita e como elas ganham credibilidade ao serem escritas nos jornais

Bolsonaro é recebido pelo presidente-herdeiro do Estadão, Francisco Mesquita Neto, em 2019. Foto: Marcos Corrêa/PR
Renata Mielli
22 de setembro de 2023, 11h15

O editorial do Estadão sobre o discurso do Lula na ONU é de um ressentimento ideológico terrível. A direita liberal conservadora, que flerta com a extrema direita, não engole Lula Presidente. Uma salada de adjetivos e ataques gratuitos ao chefe da nação e à sua política externa.

É urgente desmistificar a ideia de neutralidade do jornalismo. Deixar claro de quem é essa opinião: dos banqueiros, da elite predatória, que prefere a subalternidade aos países desenvolvidos do que gerar emprego, renda e independência econômica no Brasil

Para os donos do Estadão, o que foi positivo no discurso do Lula é responsabilidade não dele, mas do Itamaraty, como se o Ministério das Relações Exteriores fosse autônomo e não seguisse a orientação do presidente, e como se Lula fosse apenas um marionete, lendo algo que não passou pelo seu crivo.

O positivo foi a denúncia das desigualdades, porque mesmo para o Estadão seria difícil ignorar essa realidade. Todo o resto reflete a visão “petista” arcaica do sindicalismo, que culpa o neoliberalismo pelas desigualdades. Para o jornal a desigualdade deve ser algo genético.

Incrível ler no editorial que a política externa do Lula é marcada pelos “delírios a respeito de um tal Sul-Global”. Fiquei particularmente chocada com essa frase. Mas depois pensei, claro que isso é coisa do marxismo cultural das universidade do sul-global…

Não devemos subestimar a força das ideias da direita e da extrema direita e como elas ganham credibilidade ao serem escritas em jornais como o Estadão. Por isso é urgente desmistificar a ideia de neutralidade do jornalismo.

Deixar sempre muito claro de quem é essa opinião: é a opinião dos banqueiros, do setor financeiro, da elite predatória, que prefere a subalternidade aos países desenvolvidos do que gerar emprego, renda e independência econômica no Brasil. Dos que fecham os olhos para as desigualdades, que aliás é ótima para vender jornal.

Renata Mielli é jornalista, coordenadora do CGI.br (Comitê Gestor da Internet no Brasil). Texto adaptado de uma sequência de tweets da autora.


(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

João Ferreira Bastos em 23/09/2023 - 10h12 comentou:

Vamos relaxar, o paulo pimenta vai despejar bilhões e bilhões no PIG

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Pequeno dicionário de bolsonarês


Tudo o que Bolsonaro e seus seguidores falam tem que ser interpretado ao contrário. Por exemplo: quando dizem "verdade", já se sabe que é mentira

Cultura

O povo é débil mental?


Neste 2012 que já está no fim completaram-se 45 anos que foi apresentado ao mundo Terra em Transe, a obra-prima de Glauber Rocha que revolucionou o cinema com sua inovação estética e de linguagem. Quase meio…