Socialista Morena
Politik

Bolsoliberais continuam a atacar Lula (enquanto aprovam projetos de Bolsonaro no Congresso)

A "estratégia" da FAIL (Frente Ampla dos Inimigos do Lula) funcionará ou teremos um epic fail?

Deputada Vivi Reis (PSOL-PA) protesta contra privatização da Eletrobrás. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Cynara Menezes
20 de maio de 2021, 15h37

Nesta quarta, 19, mais um nefasto projeto do governo Bolsonaro de dilapidação do patrimônio público passou na Câmara: a Medida Provisória da privatização da Eletrobrás foi aprovada por 313 votos a 166. E, para surpresa de ninguém, com o apoio massivo dos tais “partidos de centro”, supostamente antibolsonaristas: 86% dos deputados do DEM e 76% dos tucanos votaram em favor da proposta. Só PT, PSOL ,PCdoB e Rede votaram 100% contra a privatização (o Novo também, mas por achar que a privatização não é verdadeira). Até no PDT (4 deputados) e no PSB (5) houve quem votasse a favor.

A FAIL (Frente Ampla dos Inimigos de Lula) ganhou a adesão de Ciro Gomes. Como o Estadão, Ciro briga com os fatos para carimbar em Lula o epíteto de “maior corruptor da História”. Ou isso é uma mentira ou Ciro prevaricou, já que foi ministro do petista

Vociferações e palavrório nas redes sociais à parte, é nas votações no Congresso que se conhece quem verdadeiramente faz oposição a Jair Bolsonaro. Foi assim na reforma da Previdência, na privatização da água e agora na da Eletrobrás: enquanto os partidos de esquerda têm votado de forma unânime contra os projetos do governo, os “liberais” votam a favor. Mais correto seria chamá-los “bolsoliberais”: antibolsonaristas nos costumes, bolsonaristas na economia.

Na mídia comercial, o grande baluarte do bolsoliberalismo hoje, mais ainda que as organizações Globo, é o Estadão. O jornal da família Mesquita continua estacado no célebre “uma escolha muito difícil” que o tem norteado desde 2018, e segue publicando editoriais surreais onde estabelece falsas simetrias entre Lula e Bolsonaro. No mais recente deles, no dia 14 de maio, defende que Lula representa “o atraso” enquanto o presidente fã de torturador e da ditadura é “o retrocesso”. Um jornal que infelizmente esqueceu de se guiar pelos fatos para fazer politicagem: no governo do “atraso” o que não falta são indicadores positivos.

A FAIL (Frente Ampla dos Inimigos do Lula) encampada pelo Estadão conta com a adesão óbvia de Bolsonaro e recentemente ganhou um aliado de peso, Ciro Gomes. Como o vetusto jornalão da elite paulista, Ciro também tem brigado com os fatos para, orientado pelo marqueteiro João Santana, tentar carimbar em Lula o epíteto de “o maior corruptor da História do Brasil moderno”. Ou isso é uma mentira deslavada ou Ciro prevaricou, já que fez parte do governo Lula como ministro da Integração Nacional e seu irmão, Cid Gomes, do governo Dilma, como ministro da Educação.

A estratégia de Ciro e João Santana parece ser a de atacar Lula para ganhar votos à direita e de arrependidos de votar em Jair Bolsonaro e, assim, chegar ao segundo turno contra o petista. Ao desrespeitar de forma grosseira o legado do governo onde atuou, porém, o cearense vai ficando cada vez mais parecido com… o presidente da República. Como disse a ex-presidenta Dilma após ser chamada por ele de “aborto”, Ciro corre o risco de se tornar uma “variante de Bolsonaro”. Não parece um plano muito inteligente: quem é que vai votar na cópia tendo à disposição o original?

Foi assim na Previdência, na privatização da água e agora da Eletrobrás: enquanto a esquerda vota unânime contra os projetos do governo, os “liberais” votam a favor. Mais correto seria dizer “bolsoliberais”: antibolsonaristas nos costumes, bolsonaristas na economia

Ex-governador, ex-ministro, candidato três vezes à presidência, Ciro teria outras opções de discurso para se manter equidistante de Lula e de Bolsonaro. Poderia, por exemplo, dizer que não se alinha à esquerda latino-americana, que seu projeto progressista é diferente dos líderes que comandaram os países sul-americanos na última década, enfim, pregar claramente que o Brasil pede uma terceira via. Ao escolher o caminho bolsonarista do ódio e das fake news contra o petismo, dá a impressão de que tanto ele quanto seu marqueteiro estão se movendo pelo rancor.

Será que a estratégia dos bolsoliberais de se igualar a Bolsonaro para bater em Lula vai funcionar? Conseguirá a FAIL tirar o PT do segundo turno ou sofrerá apenas mais um epic fail? Em 2018, Geraldo Alckmin tentou ser a terceira via e conseguiu 4% dos votos. De acordo com o último Datafolha, Ciro tem 6%.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Laerthe Abreu Junior em 21/05/2021 - 13h49 comentou:

Como diz a sigla genial que você utilizou o Ciro fail antes do jogo começar.

Responder

Luis Carlos Kerber em 31/05/2021 - 20h22 comentou:

O Ciro Gomes cada vez mais se afasta do centro em direção à direita. Se um dia ele teve um verniz de esquerda, ele deixou esse verniz cair.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Conselho aplica verbo favorito do PSDB e ARQUIVA representação contra Aécio


E o site lança uma campanha: Aécio Neves para presidente do Conselho de Ética do Senado! Seria mais honesto com o povo brasileiro

Politik

Doria, o poste (de pole dance)


(Ilustra do Cris Vector) Quando começaram a surgir as primeiras notícias de que seria candidata a presidente da República, Dilma Rousseff foi logo apelidada “poste”. Por nunca haver disputado cargo eletivo, Dilma era um “poste”…