Socialista Morena
Politik

Bolsonaristas diziam que Lula perseguiria evangélicos e são eles que perseguem católicos

A CPI contra o padre Júlio Lancellotti escancara que a teocracia que a extrema direita pretende para o Brasil só admite uma religião, a neopentecostal

Padre Júlio com a imagem de santa Marina. Foto: reprodução twitter
Cynara Menezes
04 de janeiro de 2024, 12h34

Durante a campanha de 2022, os bolsonaristas espalharam postagens forjadas para tentar colocar Lula como inimigo dos evangélicos, que iria “fechar igrejas” se fosse eleito. O próprio candidato derrotado Jair Bolsonaro repetiu a mentira. Lula (graças a Deus!) foi eleito e obviamente não houve qualquer perseguição religiosa da parte dele. Já os bolsonaristas acabam de iniciar uma cruzada contra os católicos na figura do padre Júlio Lancellotti, a quem tentam intimidar com uma CPI.

O problema da extrema direita brasileira com os católicos é antigo, desde a teologia da Libertação. Em 1995, um bispo da igreja Universal chegou a chutar a imagem de Nossa Senhora Aparecida ao vivo num programa de televisão –hoje ele se dedica a atacar Lula e o STF. Não por coincidência, em 2022 assistimos o desrespeito demonstrado pelos bolsonaristas para com a padroeira do Brasil, quando invadiram o santuário, bêbados e empunhando latas de cerveja, para insultar sacedotes e fiéis.

O papa Francisco, figura máxima da igreja, é vítima frequente da fúria bolsonarista contra os católicos. Em dezembro, o pastor Silas Malafaia divulgou um de seus vídeos histéricos onde insultava diretamente o papa, chamado por ele de “herege” por dizer que iria abençoar casais de qualquer orientação sexual –afinal, Francisco, como bom cristão, não faz distinção entre os filhos de Deus e ama o próximo como a si mesmo, conforme pregou Jesus nos Evangelhos. Os pastores bolsonaristas preferem odiar o próximo.

É importante lembrar que não são só os católicos que têm sido alvo da intolerância da extrema direita. Quantas vezes eles não atacaram e incitaram o ódio às religiões de matriz africana? A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro volta e meia demoniza o candomblé e a umbanda, como fez com Lula durante a campanha, divulgando um vídeo onde ele aparecia num ritual umbandista e associando a religião afrobrasileira a “trevas”.

Brasileiros que professam outras religiões (ou não têm nenhuma) devem abrir os olhos para a guerra santa que o bolsonarismo está promovendo contra o padre. Ele é apenas a primeira vítima. A igreja católica precisa reagir de forma dura, em nome de Júlio Lancellotti, dos seus fiéis e de si mesma

Segundo o IBGE, são 125 milhões os brasileiros que se declaram católicos atualmente. É preciso que eles fiquem atentos: as críticas ao papa e a perseguição ao padre Júlio Lancellotti não são fatos isolados. O bolsonarismo está fazendo uma ofensiva contra os católicos.

A teocracia que os extremistas de direita pretendem construir em nosso país só admite uma religião, a neopentecostal, seguidora do Antigo Testamento e não dos evangelhos, embora usem o nome de Jesus Cristo para ludibriar incautos e encher os bolsos de dinheiro. Por isso perseguem religiosos como o padre Júlio, cujo maior “pecado” é seguir à risca a palavra de Cristo e dar de comer a quem tem fome.

Todos os brasileiros que professam outras religiões (ou não têm nenhuma) devem abrir os olhos para a guerra santa que o bolsonarismo está promovendo contra o padre. Ele é apenas a primeira vítima. A igreja católica precisa reagir de forma dura, em nome de Júlio Lancellotti, dos católicos e de si mesma.

A Arquidiocese de São Paulo soltou nota se dizendo “perplexa” com a possibilidade de abertura de uma CPI contra o padre, coordenador da Pastoral do Povo da Rua, que responde à instituição. “Perguntamo-nos, por quais motivos se pretende promover uma CPI contra um sacerdote que trabalha com os pobres, justamente no início de um ano eleitoral?”, questiona a arquidiocese.

“Padre Júlio não é parlamentar. Ele é o vigário episcopal da Arquidiocese de São Paulo para o ‘Povo da Rua’ e exerce o importante trabalho de coordenação, articulação e animação dos vários serviços pastorais voltados ao atendimento, acolhida e cuidado das pessoas em situação de rua na cidade”.

Mas nota de repúdio é pouco. A arquidiocese precisa exigir dos vereadores a retirada das assinaturas –lembrando que os evangélicos não são maioria na Câmara de São Paulo. É hora de os católicos e praticantes de outras religiões reagirem.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta: 000591852026-7
PIX: [email protected]
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Thaís Bialecki em 20/02/2024 - 21h23 comentou:

Desmascarar esses evangélicos deve ser nossa prioridade. Eles têm método e muito dinheiro.
Minha sororidade, Thaís Bialecki.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Como o fundamentalismo religioso contra vacinas trouxe o sarampo de volta aos EUA


Índices de vacinação caem e cresce o número de pais que alegam "questões religiosas" para isentar os filhos da exigência de vacina

Mídia

Leda Nagle disse em entrevista em agosto que Anthony Wong “morreu de Covid”


Segundo a revista piaui, Prevent Senior teria ocultado real causa mortis do médico negacionista falecido em janeiro