Socialista Morena
Vídeos

Cid Teixeira, o historiador pop da cidade de Salvador

Documentário junta aulas de Cid no rádio, em 1975, a imagens antigas para contar a origem das ruas e bairros da capital baiana

"Itapuã não é 'pedra que ronca', nunca foi"
Da Redação
10 de janeiro de 2019, 00h57

Cid Teixeira tem 94 anos e é um historiador que transformou o contar fatos da capital baiana e da baianidade em arte. Carismático, Cid atuou como jornalista e virou uma figura pop, sempre procurado pelos meios de comunicação da Bahia para falar, de forma simples, acessível, sobre os acontecimentos históricos do Estado. A diretora Carolina Canguçu juntou as aulas dadas pelo historiador em seu programa de rádio no IRDEB (Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia), em 1975, sobre a origem dos nomes de ruas e bairros de Salvador, a imagens antigas para o documentário Toponímia da Cidade do Salvador.

“Pelo amor de Deus, não repita para seu amigo turista aquela informação de que Itapuã é ‘pedra que ronca’. Não é pedra que ronca, nunca foi. O topônimo não significa em tupi ‘pedra que ronca’, é pedra a mais, projetada, para fora, a pedra mais alongada, a pedra mais distanciada, em suma, a orla de pedra colocada mais distante. Esta é a real significação da palavra. A última pedra, a pedra mais para fora, a beira da pedra”, diz o historiador sobre o bairro que Vinicius de Moraes consagrou em Tarde em Itapuã.

O historiador baiano Cid Teixeira/Foto: reprodução

O filme traz explicações, curiosidades e desfaz “lendas”, no dizer bem humorado do historiador, sobre a origem dos nomes de outros lugares famosos da capital baiana, como o Pelourinho, as Sete Portas, a Baixa dos Sapateiros, o Subúrbio, a Ladeira dos Galés, a Igreja do Rosário dos Pretos, a Igreja do Passo, o Comércio, entre outros. Algumas das imagens são do acervo da TVE, emissora pública da Bahia, e outras de filmes como Bahia, Por Exemplo, de Rex Schindler, de 1969. Assista.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(6) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Jorge Nabuco de aleluia em 02/07/2019 - 21h11 comentou:

Eu gostaria de ver o grande historiador da Bahia e do Brasil relembrando grandes histórias da nossa Salvador e um forte abraço ao nisso grande professor cid Teixeira

Responder

Angela Marques em 29/09/2019 - 19h31 comentou:

Gostaria muito de conversar com o historiador pois na minha cabeça não cabe a história do Brasil ter sido descoberto pelos portugueses mas sim invadido por Portugal e outros países. O Brasil sempre foi dos indígenas de várias etnias e linguagens diferentes. Tenho 70 anos e defenderei esta idéia até minha morte. Se alguém quiser conversar comigo e argumentar o contrário, estou à disposição.
Obrigada

Responder

Paulo Sergio Braga em 04/04/2020 - 17h34 comentou:

Temos o maior respeito e agradecimento ao professor e historiador.
Gostaria de ter notícia dele.
Agradeço

Responder

Conceição Miranda em 21/07/2020 - 14h19 comentou:

Tive a honra em ser sua aluna na FFCH Ufba. Gostaria de saber se era o professor Cid Teixeira q respondia perguntas em um programa de rádio na de cada dos 1960. Lembro o nome do programa: pergunte ao José, salvo engano era transmitido aos domingos. Obrigada.

Responder

Dalva em 21/08/2020 - 08h25 comentou:

Muito feliz em saber que a voz que ouvia ainda criança,está vivo e amei conhecer um pouco da história de Salvador, só ficou faltando falar um pouco da Ribeira,um abraço professor.

Responder

RENE DOS SANTOS SERRA JUNIOR em 13/09/2020 - 18h04 comentou:

Adorei saber.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Cartazes contra a ditadura


O Instituto Vladimir Herzog e a editora Escrituras lançam hoje em São Paulo o livro “Os cartazes desta história”, que reúne 300 cartazes, fotos e documentos contra o regime militar na América Latina. Além de…

Trabalho

Como a grande imprensa cresceu explorando o trabalho infantil


De famílias carentes, órfãos ou abandonados, descalços e maltrapilhos, os jornaleiros eram o lúmpen do jornalismo e parte importantíssima da indústria