Socialista Morena
Politik

Crime contra a humanidade: como os nazistas em Nuremberg

A esquerda que caiu na armadilha de falar que a CPI “acabou em pizza” erra e beneficia setores da mídia e o próprio bolsonarismo

Bolsonaro faz juramento ao tomar posse como deputado em 2015. Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Cynara Menezes
21 de outubro de 2021, 17h15

Há exatos 75 anos, em outubro de 1946, dez criminosos nazistas condenados à morte pelo tribunal de Nuremberg eram enforcados. A execução encerrava, após quase um ano, o julgamento de 22 representantes do alto comando da Alemanha de Adolf Hitler. O veredicto: conspiração, crimes contra a paz, crimes de guerra e crimes contra a humanidade –esta última, a mesma acusação feita pela CPI da Covid-19 ao presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, “nas modalidades extermínio, perseguição e outros atos desumanos”, por sua atuação (ou falta dela) na pandemia do coronavírus.

Não bastasse o veredicto idêntico ao dos nazistas e de outros líderes sanguinários, Bolsonaro foi indiciado no relatório também por prevaricação, charlatanismo, epidemia com resultado morte, infração a medidas sanitárias preventivas, emprego irregular de verba pública, incitação ao crime, falsificação de documentos particulares e crimes de responsabilidade (violação de direito social e incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo). Ou seja, é justo dizer que o presidente só não foi indiciado por genocídio.

Vamos ser francos: a pecha de “genocida” já colou sobre Bolsonaro mundialmente e não é a “arregada” de alguns senadores da CPI que vai mudar este fato. Ou que vai trazer à vida os mais de 600 mil mortos da pandemia, pelo menos um terço deles levados a óbito pela incompetência e pela sabotagem do presidente

A esquerda que caiu na armadilha de falar que a CPI “acabou em pizza”, diminuindo a importância do relatório, erra e beneficia setores da mídia empenhados em passar pano para Bolsonaro e o próprio bolsonarismo, a quem interessa desmerecer os trabalhos da comissão. Ora, sem a CPI provavelmente nunca saberíamos que o governo desprezou a oferta de vacinas no meio de uma pandemia; que esteve envolvido em negociatas para a compra destes imunizantes; e que, com a ajuda de médicos indignos de sua profissão e de operadoras de saúde, atuou para “medicar” pacientes com remédios que não funcionam, com o objetivo de mandar a população para a rua à mercê da contaminação e assim “salvar a economia”.

“Essa comissão colheu elementos de prova que demonstraram sobejamente que o governo federal foi omisso e optou por agir de forma não técnica e desidiosa no enfrentamento da pandemia, expondo deliberadamente a população a risco concreto de infecção em massa. Comprovaram-se a existência de um gabinete paralelo, a intenção de imunizar a população por meio da contaminação natural, a priorização de um tratamento precoce sem amparo científico, o desestímulo ao uso de medidas não farmacológicas. Paralelamente, houve deliberado atraso na aquisição de imunizantes, em evidente descaso com a vida das pessoas”, disse o relator Renan Calheiros.

Sem a CPI provavelmente nunca saberíamos que o governo desprezou a oferta de vacinas no meio de uma pandemia; que esteve envolvido em negociatas para a compra delas; e que, com a ajuda de médicos e operadoras de saúde, atuou para “medicar” pacientes com remédios que não funcionam com o objetivo de mandar a população para a rua e “salvar a economia”

Outro papel fundamental que a CPI teve enquanto durou é ter servido como anteparo institucional ao governo federal, diante da pusilanimidade dos atuais presidentes da Câmara, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco. Cada vez que Bolsonaro dizia ou fazia alguma barbaridade, era do presidente da CPI, Omar Aziz, e do vice-presidente, Randolfe Rodrigues, além de outros membros da comissão, que partia a reação mais dura. Sentiremos falta deste contraponto. Quem é agora, no exercício do poder, que vai se opor às sandices do governo? Só nos restam a oposição e o Supremo.

Certamente que, ao ceder aos ditames da Globo, e tirar o termo “genocídio” do relatório final, a CPI decepcionou muita gente. Mas não é a falta desta palavra que deve nos levar a abandonar o apoio à comissão. “Crime contra a humanidade” é um termo forte, ou não teria sido utilizado contra os nazistas. Vai servir inclusive de precedente para quando nosso mandatário recorrer à Justiça sempre que é comparado a Hitler, como ocorreu com o cartunista Aroeira e está acontecendo agora com a revista IstoÉ, acionada pela AGU (Advogacia-Geral da União) por ter feito uma capa jocosa com Bolsonaro ostentando o bigodinho característico, formado pelas letras da palavra “Genocida”.

A capa da IstoÉ e a que a AGU quer. Foto: reprodução

Ferindo o princípio da impessoalidade, o AGU se comporta como advogado do presidente ao fazer uma notificação extrajudicial à revista para que produza uma nova capa elogiando (!) Bolsonaro por sua atuação na pandemia. “A AGU pede que a IstoÉ publique uma outra capa como direito de resposta, e apresenta o modelo esperado. Nele, Bolsonaro aparece em três imagens, uma sorridente e acenando, em outra abraçando dois jovens, e na terceira com a faixa presidencial em um desfile oficial, sob o título ‘Governo Bolsonaro defendeu a vida, o emprego, a liberdade e a dignidade'”, contou a revista.

“Crime contra a humanidade” é um termo forte, ou não teria sido utilizado contra os nazistas. Vai servir inclusive de precedente para quando Bolsonaro recorrer à Justiça sempre que é comparado a Hitler, como ocorreu com o cartunista Aroeira e está acontecendo agora com a IstoÉ

A imprensa internacional soube mensurar o peso do indiciamento de Bolsonaro na CPI. “Presidente brasileiro acusado por crimes contra a humanidade na resposta à pandemia”, titulou o The New York Times. “Um relatório feito por legisladores inicialmente disse que Bolsonaro deveria ser indiciado por homicídio em massa e genocídio, acusando-o de espalhar a Covid-19 em uma aposta errada na imunidade de rebanho”. A revista britânica The Economist chamou assim: “Presidente anti-vacina: Jair Bolsonaro é acusado de crimes contra a humanidade no Brasil”, o que irá “prejudicar ainda mais sua reputação”.

No também britânico The Guardian, “Bolsonaro deve ser acusado por crimes contra a humanidade, conclui relatório de investigação”. “O presidente brasileiro foi trucidado pela resposta ‘macabra’ e ‘desleixada’ à pandemia e pela ‘negligência deliberada’ dos povos indígenas”, manchetou o jornal. No espanhol El Pais, “comissão do Senado acusa Bolsonaro de crimes contra a humanidade”, mesmo título usado pelo argentino Clarín. Já o francês Le Monde foi mais amplo: “No Brasil, senadores pedem indiciamento do presidente Jair Bolsonaro por dez crimes”.

A quem interessa menosprezar o trabalho da CPI? Certamente ao próprio Bolsonaro. E vamos ser francos: a pecha de “genocida” já colou sobre ele mundialmente e não é a “arregada” de alguns senadores da Comissão que vai mudar este fato. Ou que vai trazer de volta os mais de 600 mil mortos da pandemia, pelo menos um terço deles levados a óbito pela incompetência e pela sabotagem do presidente e de seus cúmplices ao combate à Covid-19 no Brasil.

Com informações da Agência Senado


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Aline Valente em 22/10/2021 - 00h56 comentou:

Parabéns!

Responder

Luís Carlos Kerber em 07/11/2021 - 11h21 comentou:

Genocida Bozo, é assim que o criminoso Jair Bolsonaro já é chamado por milhões de pessoas. Por ser genocida contra os povos indígenas e os brasileiros em geral, por ser genocida contra o meio ambiente e por ser genocida contra os direitos sociais e as condições de vida dos brasileiros, esse criminoso tem que ser condenado por tribunais de justiça no Brasil e na Corte Internacional de Haia.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Jean Wyllys sobre cusparada em Jair Bolsonaro: “Eu faria tudo de novo”


Em entrevista, ex-deputado federal, hoje no exílio nos EUA, comenta a cena vivida em 2016, na votação do impeachment na Câmara

Cultura

Nietzsche e as vísceras enturvadas de Bolsonaro


Sob a ótica dos conselhos nutricionais do filósofo alemão, o presidente brasileiro é uma indigestão ambulante