Socialista Morena
Cultura, Politik

Menos Olavo de Carvalho, mais Vargas Llosa: dicas de leitura para jovens de direita

Uma mini-lista de livros para o jovem liberal (no sentido brasileiro do termo) não perder tempo com autores insignificantes

MARIO VARGAS LLOSA EM 1997, EM MADRI. FOTO: MORGANA VARGAS LLOSA
Cynara Menezes
06 de junho de 2016, 18h31

Eu não tenho absolutamente nada contra as pessoas de direita, juro. Já falei aqui e repito que ser de direita ou de esquerda são apenas formas de ver o mundo e cada um tem a sua. Obviamente não tolero a extrema-direita, mas aí é outro papo. O que me incomoda mesmo no embate com os jovens de direita no Brasil é –me desculpem– a falta de leitura de vocês, o pouco ou nulo preparo para um debate de ideias, que é o que há de mais fascinante na política. É preciso respeitar o opositor, mas para isso é preciso que o opositor se faça respeitar.

Não há como debater política com gente que só leu Olavo de Carvalho na vida ou que alimenta seu intelecto com a revista Veja e seus colunistas. Não dá para discutir com gente que baseia seu discurso contra a esquerda e o socialismo nas bobagens destes guias politicamente incorretos para tolinhos. É impossível travar um duelo com alguém que só cita Ludwig von Mises, um autor distante da realidade brasileira, cujo valor é questionado pelos próprios liberais (e que, vamos falar a verdade, muitos nem mesmo leram). Vocês podem mais, reaçada! Que tal contribuir para elevar o nível do debate nas redes sociais?

É chato, para a esquerda, ficar lendo o tempo todo coisas como “Vai para Cuba”, “Vai para a Coreia do Norte”, “chola mais”, “aceita que dói menos”, “me diga um país onde o socialismo deu certo”, “não sei o que da Venezuela” e outras frases que já lemos um milhão de vezzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzes. O jovem brasileiro é inteligente, seja de esquerda ou de direita. Mas se esforcem mais, não aceitem formar seu pensamento pela diluição vinda da internet ou por apresentadores de televisão sem estofo. Coxinha, o nome já diz, tem que ter recheio!

Numa discussão, é importante possuir repertório. E só se consegue repertório com leituras. Bons livros de autores variados; antigos, mas também recentes. É importante conhecer a cabeça de pensadores atuais. Fiz uma mini-lista de leituras para o jovem liberal (no sentido brasileiro do termo) e para curiosos de qualquer ideologia, que pode ser ampliada no futuro. Espero que curtam.

scruton

Como Ser Um Conservador, Roger Scruton (Record) – O britânico Roger Scruton é considerado uma das grandes figuras do conservadorismo moderno. Neste livro, o ensaísta elucida a visão conservadora sobre o nacionalismo, o socialismo, o capitalismo, o ambientalismo… Melhor ainda se acompanhado de outro clássico do autor, O Que É Conservadorismo (É Realizações), e de um livro que certamente dará a você, jovem reaça, argumentos muito mais profundos para debater com seus amigos esquerdopatas: Pensadores da Nova Esquerda (É Realizações), onde Scruton analisa, entre outros, Sartre, Galbraith e Foucault.

sabres

Sabres e Utopias, Mario Vargas Llosa (Objetiva)  O Nobel peruano Mario Vargas Llosa é um dos meus romancistas preferidos de todos os tempos e, sem dúvida, o liberal que eu mais respeito no mundo. Neste livro de ensaios, Vargas Llosa expõe um pouco de seu pensamento político, ferozmente crítico das ditaduras de direita e de esquerda. Perfeito para o direitoso que gosta de atacar Hugo Chávez e Fidel Castro com sustança e não com clichês. Além de tudo, Vargas Llosa é um cara de direita que não entra numas de ser pudico em termos amorosos.

hitchens

Cartas a Um Jovem Contestador, Christopher Hitchens (Companhia das Letras) – Morto precocemente aos 52 anos em 2011, o autor que explodiu com Deus Não É Grande em 2007 foi, como muitos conservadores famosos, marxista antes de guinar para a direita. Conservou da fase esquerdista o profundo ateísmo. Neste livro, Hitchens escreve para um fictício jovem e debate ideologia com ele, como todos nós poderíamos fazer com inteligência e educação. Generoso, o escritor fornece aos leitores os nomes que influenciaram seu pensamento e “ensina” como ser um bom polemista. Infelizmente o livro está esgotado na editora, só tem em sebo e custa uma nota.

lanterna

A Lanterna na Popa, Roberto Campos (Top Books)  O matogrossense Roberto Campos faria 100 anos em 2017 e é considerado o maior dos liberais brasileiros. Mas quem o lê hoje em dia? Demonizado pela esquerda, que o chamava de Bobby Fields, por sua fama de entreguista e amigo dos EUA, hoje, com a decadência do pensamento de direita no país, Roberto Campos vira um gigante mesmo aos olhos de quem o desprezava. Não tem como comparar o nível dele a um Constantino da vida. Este catatau de 1500 páginas é sua autobiografia e foi best-seller quando foi lançado, não só pelas histórias e visão do autor como por sua prosa fluida e bem-humorada. Um clássico.

bayly

Meu autor reaça favorito: o peruano Jaime Bayly. Nunca foi traduzido no Brasil, uma pena. Bayly é um ótimo escritor. Publicou 16 romances, vários deles de teor homoafetivo, e sempre esteve envolvido com política. É descaradamente escravo do dinheiro e vive em Miami, de onde transmite seu programa de entrevistas. Para quem entende bem o castelhano, recomendo perder um tempo lendo suas deliciosas crônicas no jornal Peru 21. Nenhum dos bufões da direita brasileira chega ao chulé de Jaime Bayly, que ainda por cima é assumidamente bissexual. Ele já quis ser candidato a presidente do Peru (e ainda quer), mas os políticos tradicionais de lá não lhe deram abrigo partidário. Pupilo de Vargas Llosa, hoje é inimigo ferrenho do mestre. Rancoroso, é capaz de apoiar até a esquerda do que um de seus muitos desafetos. Por exemplo: nesta eleição, prefere Keiko Fujimori a Pedro Pablo Kuczynski e vive dizendo que Vargas Llosa “exagera” nas críticas à filha de Alberto Fujimori, o ex-ditador peruano. Brilhante, polêmico, hilário, loco como una cabra. Este é um escritor reaça com quem adoraria dividir uma cerveja.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(16) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Manoel em 12/09/2017 - 10h06 comentou:

E para jovens de esquerda?

Responder

    Cynara Menezes em 12/09/2017 - 11h20 comentou:

    na tag #literatura tem vários

Rubily F. Souza em 22/10/2017 - 00h45 comentou:

Parabéns, Cynara. Sou de direita, gosto demais do professor Olavo, que é um dos maiores intelectuais brasileiros, desde Mario Ferreira dos Santos e Gustavo Corção. Mas achei que seu artigo pegou leve com quem não é esquerda. É verdade, Roger Scruton e Roberto Campos são nomes de peso. Dos pensadores da esquerda, eu respeito gigantes como György Lukacs e Theodor Adorno, que estou começando a ler. Enfim, é possível ler e aprender com ambos os lados, pois antes de mais nada: conhecimento é poder. Não se pode contestar um ou outro lado, sem primeiro ler vários (e bons autores), tanto de esquerda, como da direita.

Responder

ALEXANDRE LAGO em 13/01/2018 - 20h48 comentou:

GOSTEI MUITO DO TEXTO. MUITA LUCIDEZ E EQUILÍBRIO.

Responder

Apropinquante em 02/06/2018 - 19h47 comentou:

Pessoas de esquerda lêem tanto quanto de direita, mas alguns escritores da esquerda são obrigatórios em muitos cursos e de direita não. Não são os livros que produzem ideias, mas as pessoas que os lêem. Quem me fez de direita, foram as pessoas de esquerda.

Responder

Agathodaimon em 14/07/2018 - 12h34 comentou:

Faltou O Liberalismo – Antigo e Moderno, do José Guilherme Merquior, reeditado pela É Realizações. Há um grande filósofo britânico, Michael Oakeshott, que teve uma coletânea de textos publicada aqui no Brasil, sob o título de Conservadorismo, pela editora Ayine, entre eles, O racionalismo na política e Ser conservador, de leitura imprescindível. O Isaiah Berlin também é importantíssimo e possui várias obras traduzidas pela Companhia das Letras e outras editoras. São esses três autores que indico para quem se interessa em ampliar seu repertório intelectual e debater ideias em alto nível.

Responder

Elias Colissi em 26/08/2018 - 20h19 comentou:

Um filósofo obrigatório pra qualquer pessoa que se diga “de direita” é Eric Voegelin.

Responder

Raphael Basso em 30/03/2019 - 17h13 comentou:

A Cynara não tolera os anarcocapitalistas?
😋

Responder

Francisco em 15/05/2019 - 00h59 comentou:

Sou de centro direita. O maior problema da direita é o pouco interesse dos seus membros na política, se resume a ser antipetista e ponto. Há muita divergência entre conservadores e liberais, ausência de partidos declaradamente de direita, congressos, etc. Ano que vem tem eleições municipais e a esquerda vai se articular e ganhar espaço…

Responder

Paulo Guarnieri em 09/06/2019 - 19h09 comentou:

Até pensei em adquirir um livro do Roger Scruton, mas dai me lembrei que o Constantino tava propagandeando esse livro. Se ele leu e continua um retardado, achei que não iria me acrescentar.

Responder

José Almeida em 24/06/2019 - 09h58 comentou:

Realmente, não dá pra aguentar coxinha sem recheio.

Responder

Pereira em 22/09/2019 - 14h44 comentou:

Em uma dissertação sempre colocamos ou se somos contrário ou a favor de tal idéia, depois disso argumentamos acerca de tal negação ou afirmação, com a finalidade de defender tal posição.
Quando Olavo ou Misses, entre outros, sejam liberal ou conservador, contra-argumentam as posições da esquerda e suas cosmovisões, utilizam de fatos e apresentam a obscuridade da mentalidade esquerdista, seja no âmbito econômico ou moral, e vejo neste artigo a crítica a Olavo e Misses, mas em qual livro ou em qual assunto você diz que eles não possuem crédito? Interessante que você os criticou, mas esqueceu de citar o principal, as ideias desses direitistas, você os chamou de extremista da direita, só isso, e a extrema esquerda vc aprova?
Não precisa ler Olavo, leia o livro “O homem que amava os cachorros”um romance sobre Trotsky no exílio, e veja como a má fé e dissimulação da esquerda é inquestionável, só ver os fatos…
Vendo os frutos pode-se conhecer a árvore.

Responder

Vanessa kb shinkarenko em 24/09/2019 - 07h07 comentou:

Seja esquerda, seja direita…
Tudo farinha do mesmo saco…
O foco é sempre satisfazer o homem, o homem no centro, ambos são imorais e materialistas.
O fim do homem é a liberdade? Não!!!
Ou seria então o prazer, o dinheiro ou a glória? Nenhum desses, pois cada qual são meios para se chegar a outra finalidade…
Ambas as bandeiras busca a exaltação do homem, mas esse não deve ser o seu fim.
O homem não deve ser seu próprio fim, seria como um cachorro que corre atrás do próprio rabo, a finalidade da vida humana é o trancedente, é o além vida, não é debates fúteis, ou acusações infundadas, mas sim, a finalidade do homem é busca Deus, Ele poderá trazer felicidade plena, é não a religião moderna, onde ao invés do Deus que se fez homem, é a do homem que se fez Deus.

Responder

Evelyn Luana faustino em 24/09/2019 - 11h09 comentou:

Pq dizem que #olavotemrazao???
“O mínimo” não foi somente um best seller, foi tbm um caminho para nortear muitas mentes confusas ou converter esquerdistas perplexos em conservadores, dos quais começaram a acreditar e ver com seus próprios olhos a verdade nua e crua não essas pseudorealidades.
No Jardim das aflições ele já falava da bifurcação ideológica no mundo moderno, cientificismo e materialismo, em o Nova era e a revolução cultural, ele explica bem as as ideologias tais ideologias explicadas de forma mais explicada, em Aristóteles em nova perspectiva ele da um show de interpretação dos escritos de Aristóteles em relação aos 4 discursos, entre outros livros e artigos, ler sua obra é adquirir o conhecimento que ele aprendeu de grandes filósofos, ele teve a humildade de buscar em diversas fontes, mesmo antagônicas, com a finalidade de ser um filósofo, é o que no fim das contas é ser filósofo?
Amor, amigo da sabedoria, com a finalidade de buscar, ou ao menos chegar o mais próximo possível, da verdade

Responder

Kamila d'Avilla em 24/09/2019 - 11h38 comentou:

Revolução contra os reaça, é tudo cochinha sem recheio, essa ditadura da biologia, ditadura dos branco contra os afro, a ditadura do Bolsonaro tá chegando, os milicos querem matar os pobres e gays, eu sei disso!!!
Com dinheiro dos EUA mandam agente da FBI pra manipular as coisas por aqui, Bolsonaro e Moro são agentes dos States, e o Lula é inocente, antes que eu me esqueça #LULALIVRE, é tudo golpe…
Sofremos um golpe na democracia, então eu vejo, não tem que da fica pra direita, os conservadores ou liberais, o certo dar uma surra de lírica no rabo deles…
Salve Marx
Salve Fidel
Salve Stalin
Salve Mao Tse
Salve Che
Salve Lula
Salve Chávez
Salve o Foro de São Paulo
Salve o Comunismo
E salve o meu a nossa futura e desejada URSS da América do Sul!! !
Queremos fazer a perestroika:;*

Responder

Gonzaga em 11/11/2019 - 21h30 comentou:

Para conservadores indico 2 livros que me abriram os olhos quando eu ainda era de esquerda, o autor morreu apoiando o socialismo inclusive: “A revolução dos bichos” e “1984”, do George Orwell.

Também indico os livros do psiquiatra inglês Theodore Dalrymple, principalmente o “Podres de Mimados”.

E claro: Dostoyevski, sempre!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Freak show: as novas aberrações


Em 1932, o cineasta Tod Browning (1880-1962) causou escândalo em Hollywood ao lançar o filme Freaks, hoje um clássico. Para criticar um costume horrível da época, de exibir pessoas com deformidades em shows e circos,…

Cultura, Politik

Herberto Helder (1930-2015): o poema não é um objeto


Considerado o maior poeta português da atualidade, o madeirense Herberto Helder, morto aos 84 anos em Cascais, poderia ser ainda mais conhecido no mundo não fosse por uma característica singular: não dava entrevistas nem se…