Socialista Morena
Politik

Discurso nazi de Alvim desnuda cinismo da direita “liberal” em relação a Bolsonaro

Demissão do secretário de Cultura não muda o fato de que é impossível apoiar a política econômica e ao mesmo tempo "combater" Bolsonaro

O secretário de Cultura de Bolsonaro no vídeo. Foto: reprodução
Cynara Menezes
17 de janeiro de 2020, 13h20

No fundo, soa Lohengrin, a ópera de Wagner que Hitler adorava. Diante das câmeras, um sujeito ainda jovem, mas de aparência encarquilhada, metido num paletó antiquado, cabelo amansado a golpes de gel e repartido de lado, crispa a boca e franze o cenho, de forma ameaçadora, ao falar em “arte” e “cultura”. O texto soa familiar, e é: veloz, o site Jornalistas Livres aponta que se trata de um CTRL+C/CTRL+V (“copiar e colar”) de trechos do discurso do ministro da Propaganda de Adolf Hitler, Joseph Goebbels, para diretores de teatro, em 1933.

Ele próprio diretor de teatro frustrado (assim como Hitler era pintor frustrado), o secretário de Cultura de Bolsonaro, Roberto Alvim, cruzou nitidamente uma linha nesta quinta-feira à noite. Mostrou que há, dentro do governo, simpatizantes declarados do nazismo. Ao copiar o pensamento de um líder nazista numa fala oficial, Alvim se alinha aos nazistas. É inegável. Se um ministro dos governos petistas citasse Stalin em um pronunciamento, seria automaticamente tachado de “stalinista”. Lógico. E seria justo.

Não que as opiniões do presidente da República sejam melhores que as de um nazista declarado. Bolsonaro já insultou quilombolas e homossexuais. Bolsonaro elogiou diversas vezes um torturador. Bolsonaro deu “nota 10″ para a ditadura militar. Bolsonaro defendeu abertamente a perseguição à mídia comercial. Bolsonaro atacou jornalistas. Bolsonaro falou em fuzilar adversários. Ter um secretário de Cultura nazista é só a cereja apodrecida do bolo.

Ao copiar o pensamento de um nazista numa fala oficial, Alvim se alinha aos nazistas. É inegável. Se um ministro dos governos petistas citasse Stalin em um pronunciamento, seria automaticamente tachado de “stalinista”. Lógico

Todo mundo sabia quem era Bolsonaro. No exterior, sua vitória foi lamentada por chargistas e jornalistas de veículos respeitados como “a ascensão do fascismo no Brasil”. Aqui, não. Era proibido dar nome aos bois. Era proibido chamar a extrema direita de extrema direita. Era proibido dizer que um governo fascista é fascista. E por quê? Porque é preciso manter um mínimo verniz civilizatório sobre o presidente para que a direita “liberal” continue cinicamente a dizer que é possível ser anti-Bolsonaro e ao mesmo tempo defender a política econômica do governo.

O que tem acontecido desde que Bolsonaro tomou posse? A direita “liberal”, representada principalmente pelo DEM e pelo PSDB com o suporte de seus parceiros midiáticos, tem defendido todos os principais projetos econômicos do governo. Tucanos e “Democratas” (sic) votaram em peso nas propostas de Bolsonaro no Congresso. A Folha de S.Paulo chegou a publicar um editorial defendendo que o Brasil está “na direção correta”. As organizações Globo não param de noticiar a suposta “melhora” na economia e a saltitante reação dos mercados, utilizando inclusive dados falsos para corroborar o “milagre”.

Quem apoia a política econômica de Bolsonaro também assina embaixo de suas opiniões, assina embaixo da ministra que propõe "abstinência sexual" para combater a gravidez precoce, assina embaixo do ministro da Educação que xinga cidadãos nas redes, e assina embaixo do secretário de Cultura nazista

A direita “liberal” afirma ser plausível aprovar entusiasticamente a política econômica de Bolsonaro enquanto pontualmente critica o mal que ele representa à nossa democracia. Roberto Alvim está aí para desmentir que não, não é plausível. Quem apoia a política econômica de Bolsonaro também assina embaixo de suas opiniões, assina embaixo da ministra que propõe “abstinência sexual” para combater a gravidez precoce, assina embaixo do ministro da Educação que xinga cidadãos nas redes sociais e assassina cotidianamente a Língua Portuguesa, e assina embaixo do secretário de Cultura nazista.

Tanto é impossível apoiar Bolsonaro na economia e ao mesmo tempo supostamente combatê-lo no campo dos direitos humanos e dos costumes que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, se pronunciou de forma dura em relação a Alvim. “O secretário da Cultura passou de todos os limites. É inaceitável. O governo brasileiro deveria afastá-lo urgente do cargo”, defendeu Maia, pelo twitter.

Alvim foi demitido. Isso não muda o fato de que foi contratado. Não muda o fato de que, na mesma noite, havia participado da live semanal ao lado do presidente da República no facebook –o ministro Abraham Weintraub, que é judeu, também estava presente. Não muda o fato de que Bolsonaro já disse e fez coisas tão graves quanto ele. Não muda o fato de que quem apoia a política econômica de um governo fascista é tão fascista quanto o governo.

Até porque não é a primeira vez que um membro do governo é acusado de parafrasear discursos nazistas. Aconteceu com o próprio Weintraub, aliás: em uma palestra, o atual ministro da Educação fez aos comunistas acusação idêntica à que os nazistas faziam contra os judeus.

Fascistas disfarçados não são menos fascistas porque estão disfarçados. No fundo, o erro de Alvim foi escancarar que é fascista, tornando impossível à direita “liberal” manter o apoio incondicional ao governo que tem demonstrado até aqui. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, presumidamente um “guardião” da democracia, chegou a postar elogios ao ministro Paulo Guedes em seu twitter. “Tem rumo”, disse. Dias depois, assoprou. “Economia não é tudo”. FHC e a Globo são hoje os principais baluartes desta direita que se equilibra entre a subserviência ao mercado e o suposto combate a Bolsonaro.

Ora, a política econômica de Hitler também foi apoiada pelo capital. É possível dizer que Hitler era mau, mas sua política econômica era boa? É claro que não. O que é possível afirmar é que as empresas que apoiaram o nazismo foram coniventes com o nazismo. Ou não foi a Bayer quem forneceu o gás das câmaras de gás? Quem se une a nazistas, nazista é.

O pior é saber que, não muito tempo atrás, teve gente na esquerda cobrando o PT por não “dar a mão” a esses “liberais” contra Bolsonaro, enquanto o partido se unia ao PSOL e ao PCdoB na oposição ativa à política econômica do governo no Congresso, que é o que vale. Como podemos dar a mão aos cúmplices do fascismo?

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Ronau Gomes de Mello em 17/01/2020 - 14h55 comentou:

Resposta a todos os seus questionamentos é NÃO e NÃO.

Responder

Maurício Santos em 18/01/2020 - 19h46 comentou:

O PT sempre esteve na direção certa, disso eu nunca duvidei!!!!

Responder

Esmerindo Bernardes em 20/01/2020 - 16h53 comentou:

Faci-nazistas devem ser tratados com Bacurau (pateticamente classificado como “horror” em pelo menos em uma plataforma de alugueis de filmes) e/ou com a Betty de “once upon a time… in hollywood” (por volta dos 8 min.).

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

Personalidades lançam manifesto anti-Bolsonaro, candidato do saudosismo autoritário


Pela primeira vez desde o segundo turno da eleição de 1989, quando Collor derrotou Lula, setores progressistas se juntam contra um candidato

Politik

Bolsonaro só fala em cocô, mas procurador é punido por chamá-lo “bunda-suja”


Corregedor que propôs punição a procurador baiano é o mesmo que arquivou reclamação disciplinar contra Dallagnol