Socialista Morena
Politik

Enquanto a cloroquina é suspensa pela OMS, remédios de Cuba mostram eficácia

Remédio propagandeado por Bolsonaro e Trump pode aumentar risco de morte em pacientes com Covid-19

Foto: Endrys Correa Vaillant/Granma
Da Redação
25 de maio de 2020, 19h54

A OMS (Organização Mundial da Saúde) anunciou a suspensão dos testes com a cloroquina e a hidroxicloroquina após um estudo da revista científica The Lancet indicar que a medicação, originalmente utilizada para tratar a malária, pode aumentar o risco de morte em pacientes com Covid-19.

Segundo a publicação, em um levantamento feito com 96 mil pacientes, não foram encontradas evidências de que a cloroquina e a hidroxicloroquina os tenham beneficiado. Pelo contrário: o uso do remédio foi associado a arritmia e outros problemas cardíacos.

A hidroxicloroquina tem sido propagandeada pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, como uma “possível cura” para a Covid-19, numa tentativa de contrabalançar sua inércia em relação à doença. O presidente norte-americano, que segundo o The New York Times é sócio de um laboratório que produz hidroxicloroquina, chegou a afirmar que estava tomando o medicamento para ajudar a prevenir a infecção.

Enquanto isso, em Cuba, o governo anunciou que dois fármacos produzidos localmente, o peptídeo CIGB-258 e o anticorpo monoclonal Itolizumab (Anti-CD6) têm obtido resultados surpreendentes na luta contra a doença. Entre os 52 pacientes em estado crítico tratados com CIGB-258, produzido pelo Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia da ilha, 78, 2% sobreviveram. Entre os pacientes graves, os resultados foram ainda melhores: 92% sobreviveram, contra uma média de 20% em outros países.

Mesmo com a decisão da OMS de suspender o uso do medicamento, o governo brasileiro anunciou que continuará a prescrever a cloroquina e a hidroxicloroquina aos pacientes com sistemas leves de Covid-19

Com o Anti-CD6, de 76 pacientes graves tratados, a taxa de sobrevida foi de 80% e de 87% para os pacientes em cuidados intensivos. No Brasil, segundo um estudo da AMIB (Associação de Medicina Intensiva), apenas um em cada três pacientes graves de Covid-19 que são entubados nas UTIs se recupera e consegue voltar para casa.

“Isso é fruto da ciência cubana, do desenvolvimento de nosso sistema de saúde e da integração que este sistema pode promover para enfrentar a pandemia”, disse o presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel. “Estamos fazendo ciência em meio a uma situação de contingência e isso tem um valor a mais.” Cuba teve até agora 1947 infectados e 82 mortos pelo coronavírus. No momento, são 159 casos ativos.

Mesmo com a decisão da OMS, o governo brasileiro anunciou que continuará a prescrever a cloroquina e a hidroxicloroquina aos pacientes com sistemas leves de Covid-19. Na semana passada, o Ministério da Saúde incluiu o medicamento no protocolo de tratamento. De acordo com o novo protocolo, cabe ao médico a decisão sobre prescrever ou não a substância, sendo necessária também a vontade declarada do paciente, com a assinatura do Termo de Ciência e Consentimento.

Com informações da Agência Brasil e do Granma

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Samuel Fortaleza em 27/05/2020 - 00h13 comentou:

Oi, pra começar eu mesmo sendo de esquerda, não achei que isso muito crível. Todo mundo que não é alienado tá cansado de saber que pra fazer uma pesquisa vc pega uns 400 pacientes em estado parecido e de preferência grave. Então pra 200 vc dá o remédio e outros 200 vc dá placebo e compara os resultados. Não vi isso aqui.

Responder

Miguel em 12/07/2020 - 15h32 comentou:

Reportagem totalmente tendenciosa, infelizmente 70% de todas as reportagens tem um viés de esquerda ou de direita, ninguém mais se preocupa em passar a informação correta. Só se preocupam com a sua ideologia política. A cloroquina agora tem efeitos colaterais, aqui no Brasil ela é usada a mais de 50 anos, até por grávidas ela é usada, nunca se falou em efeitos colaterais. Já agora ela não serve mais.
Estamos vivendo um jornalismo sem ética e de muito mal caráter

Responder

Douglas Rodrigues em 15/07/2020 - 19h06 comentou:

Ja fiz aos meus alunos de pós graduação.
” Um quadrado, tem três lados “.
Repartir o ” artigo” em três partes:
1) VERDADES
2) [email protected]@@@@s
3) VERDADES
Ou seja se o aluno não efetuassem as demostrações no (2) propostas no item (1), iriam caiar em faculdades. Pois no (3), fiz o que falei no (1).
Hoje às ” notícias “, estão assim.
Pergunto ” você é alto ou baixo”, as duas respostas serão verdadeiras, pois cada um tem um referencial, exemplo de conceito.
Vamos para definição 2×3=6, para o baixo ou alto, exemplo de definição.
Resumindo: conceito depende de referencial , definição tem prova ” matemática “.
Cuidem com os conceitos propostos pela imprensa.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Hoje roubaram o futuro das crianças pobres do Brasil. Agradeçam aos paneleiros


Das sacadas gourmet dos apartamentos de classe média alta e alta, soavam panelas contra o governo Dilma. No asfalto, vestidos com suas camisetas da CBF como se fossem legítimos patriotas, pediam “educação e saúde padrão…

Kapital

Não é só a cerveja: o shoyu brasileiro também é feito de milho


No Brasil, ao contrário dos países asiáticos, o principal ingrediente do molho de soja vendido nos mercados é o milho