Socialista Morena
Cultura

Exposição de arte tribal africana

Programão para o fim-de-semana em Brasília: ir ver a exposição em homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga no Palácio do Planalto e emendar com a mostra de arte tribal africana no salão branco da Câmara dos Deputados, ainda como comemoração ao mês da Consciência Negra. As máscaras e esculturas de diversas etnias, dos séculos 17 […]

Cynara Menezes
30 de novembro de 2012, 09h06

(máscara Soleil, Burkina Faso, século 20)

Programão para o fim-de-semana em Brasília: ir ver a exposição em homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga no Palácio do Planalto e emendar com a mostra de arte tribal africana no salão branco da Câmara dos Deputados, ainda como comemoração ao mês da Consciência Negra. As máscaras e esculturas de diversas etnias, dos séculos 17 a 20, são incríveis. Vieram do ÁfricaBrasil Museu Intercontinental, de São Mateus (ES), onde foram reunidas ao longo dos anos pelo escritor e curador da mostra, o capixaba Maciel de Aguiar. É a primeira vez que saem de lá. Vejam a sincronicidade: o museu nasceu sob a orientação intelectual de Darcy Ribeiro, o patrono deste blog.

A exposição fica em cartaz até 16 de dezembro, das 10 às 18h.

(Moçambique, século 20)

(esta escultura de extraterrestre do Congo, do século 19, é impressionante)

(máscara balenga, Tanzânia, século 20)


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Vasco Pires em 27/08/2013 - 20h03 comentou:

Gosto muito da cultura africana, da dança até a arte é um povo cheio de história para contar. Vi agora informação sobre a sua nova exposição da Fundação Sindika Dokolo e aproveito para partilhar – http://ffw.com.br/noticias/arte/cultura-africana-

Responder

Rafael Caruccio em 07/01/2015 - 07h12 comentou:

Olá Cynara,
A respeito dos pais não deixarem mais as crianças brincarem de Forte Apache, é uma situação parecida com a proibição de armas de brinquedo.
Eu e a milhões de crianças brincávamos dessas coisas, de mocinho e bandido etc. E a maioria não virou facínora. Justamente porque brincávamos e aprendíamos conceitos com as brincadeiras, tendo assim, uma infância saudável. A representação do mal na forma do bandido ou o ato de matar índios simbolicamente ensina inclusive a diferenciarmos o que é certo e errado. Matando de brinquedo, não sentimos vontade de matar de verdade.
Assim como eu, quero que meu filho de 8 meses um dia vire fã de cinema e de Sergio Leone, Don Siegel, Clint Eastwood, John Ford, John Houston, assista comigo Taxi Driver etc. E sei que não virará bandido por conta disto. Saberá sim que não deve imitar os personagens, só isso.
No momento que há a proibição de determinadas brincadeiras, temos uma moral exterior que nos diz de antemão o que é certo e errado, como uma pretensão de transformar a todos em Adão e Eva antes de comerem a maçã. Pessoas puras não porque optam pelo bem, mas porque não sabem a diferença entre bondade e maldade. Um condicionamento parecido com Laranja Mecânica, com a diferença que Alex sabia o que era o mal, mas mesmo assim condicionamento.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Como o nazismo perseguiu a arte e os artistas (e o tiro saiu pela…


Hitler também encampou a perseguição à arte sob a desculpa de "defender a moral e os bons costumes", como fazem os bolsonaristas

Kapital

Como o Chile se tornou um laboratório neoliberal (e sua influência sobre o Brasil…


Em instalação, artista chileno conta a história dos Chicago boys que inspiram Paulo Guedes e a cumplicidade deles com os crimes de Pinochet